Capítulo XXIII – Retorno ao Mercantilismo?

0
Tempo estimado de leitura: 41 minutos

1. “Deixe os bens serem caseiros”

Eu tive a oportunidade de apontar várias vezes no curso deste livro que as ideias principais apresentadas por Keynes na Teoria Geral, longe de serem avançadas e originais, foram uma reversão para ideias muito mais antigas e primitivas. E embora Keynes se lisonjeasse no Prefácio à Teoria Geral por “percorrer caminhos desconhecidos” e por “fugir das velhas” ideias, ele começou a reconhecer cada vez mais no curso da Teoria Geral que ele estava realmente voltando, em suas noções essenciais, ao pensamento pré-clássico do século XVII, e que suas ideias tinham uma notável semelhança com as dos mercantilistas. No capítulo 23 ele reconheceu essas semelhanças franca e explicitamente; mas tratou-as como confirmação da exatidão de suas “novas” visões!

Ao rejeitar os pontos de vista clássicos sobre o livre comércio, ele acha “mais justo” apontar a extensão de sua própria conversão:

“Tão recentemente como em 1923, como um aluno fiel da escola clássica que não duvidava, naquela época, do que lhe tinha sido ensinado e entretido sobre este assunto, não tinha qualquer reserva, escrevi: ‘Se há uma coisa que o protecionismo não pode fazer, é curar o desemprego. Há alguns argumentos para o protecionismo, com base na sua segurança, possíveis, mas improváveis, vantagens para o qual não há resposta simples. Mas a pretensão de curar o desemprego envolve a falácia protecionista em sua forma mais grosseira e crua’” (p. 334)[1]

Keynes poderia ter citado um endosso muito mais abrangente do livre comércio que ele fez apenas alguns meses antes disso no Manchester Guardian Commercial Supplement de 4 de janeiro de 1923:

“Devemos manter o Livre Comércio, em sua mais ampla interpretação, como um dogma inflexível, ao qual nenhuma exceção é admitida, onde quer que a decisão esteja conosco. Temos de manter isto mesmo quando não recebemos reciprocidade de tratamento e mesmo nos raros casos em que, infringindo-a, poderíamos, de fato, obter uma vantagem econômica direta. Devemos manter o comércio livre como um princípio da moral internacional, e não apenas como uma doutrina de vantagem econômica.”[2]

Essas citações são principalmente interessantes como ilustrações da virtuosidade e instabilidade intelectual de Keynes. Ele poderia ser igualmente eloquente e brilhante em ambos os lados de uma questão. Enquanto ele repudia suas visões de livre comércio na Teoria Geral, publicada em 1936, ele as repudiava ainda mais fortemente em um artigo na Yale Review no verão de 1933. Lá ele anunciou o abandono de suas antigas ideias de livre comércio e simpatizou francamente “com aqueles que minimizariam ao invés de aqueles que maximizariam o emaranhamento econômico entre as nações”.

“Deixar bens serem caseiros sempre que é razoavelmente e convenientemente possível [Keynes continuou lá] e acima de tudo deixar as finanças serem predominantemente nacionais. Uma medida maior de autossuficiência nacional e isolamento econômico entre os países do que a existente em 1914 pode tender a servir à causa da paz em vez de servir de outra forma”

(Esta última crença deve ter recebido uma espécie de choque com a eclosão da Segunda Guerra Mundial seis anos mais tarde. É uma ironia histórica que Keynes tenha escrito estas palavras precisamente quando a Alemanha nazista estava prestes a lançar a sua política de autarquia).

Nesse artigo de 1933, Keynes pelo menos reconheceu que “a autossuficiência nacional e uma economia doméstica planificada” andavam logicamente juntas, enquanto o planejamento nacional e o comércio livre, ou o internacionalismo não andavam juntos. Na Teoria Geral isso é admitido de forma menos explícita.

Como mais um exemplo da instabilidade intelectual de Keynes, seu admirador biógrafo fala de “sua reversão para o Livre Comércio no final de sua vida”.[3]

Mas, nosso propósito principal aqui não é apontar para as muitas inconsistências de Keynes, mas examinar quais de suas ideias estavam certas e quais estavam erradas. E claramente a posição que ele tomou na Teoria Geral sobre livre comércio versus mercantilismo era insustentável.

Ele começa por afirmar o que lhe parece ser

“o elemento da verdade científica na doutrina mercantilista” (p. 335)

Ele admite que

“as vantagens reivindicadas [pelos mercantilistas] são reconhecidamente vantagens nacionais e são improváveis de beneficiar o mundo como um todo” (p. 335)

Mas ele negligencia acrescentar que todas elas são políticas de mendigar ao meu vizinho, cujo resultado total, mesmo nas suposições dos próprios mercantilistas, só poderia prejudicar o mundo como um todo se fosse universalmente aplicado. E ele se recusa a reconhecer que as políticas mercantilistas típicas – o principal das quais é a proteção – prejudicam até mesmo (e mais frequentemente, especialmente) a nação que as experimenta sozinha. Para tal nação ou força seus próprios consumidores a pagar mais pelos produtos que desejam do que teriam que pagar de outra forma, ou os priva completamente desses produtos. A proteção cria indústrias domésticas que são menos eficientes do que as indústrias estrangeiras correspondentes, ao custo de prejudicar as indústrias domésticas que são mais eficientes do que as indústrias estrangeiras correspondentes.

Keynes concede isto de uma maneira parental e esquerdista:

“As vantagens da divisão internacional do trabalho são reais e substanciais, embora a escola clássica as tenha sobrecarregado muito” (p. 338)

Mas ele nunca diz explicitamente ao leitor quais são essas vantagens, pois quando são explicitadas, torna-se evidente que até mesmo alguns dos autores da “escola clássica” nunca as enfatizaram o suficiente.

Keynes declara e endossa praticamente todas as falácias antigas e há muito explodidas dos mercantilistas. Podemos deixar a refutação dessas falácias para Adam Smith, Ricardo, Bastiat e Mill; ou mesmo para Henry George, William Graham Sumner, Taussig e uma centena de outros. Na verdade, não é uma tarefa que precisa ser feita várias vezes em cada geração ou década.

Ou será? O que mantém vivas as falácias mercantilistas, apesar de mil refutações, é (1) os interesses especiais de curto prazo de determinados produtores dentro de cada país, que sempre se beneficiariam se a concorrência contra eles pudesse ser mantida fora; e (2) a persistente incapacidade ou recusa, mesmo de muitos “economistas”, de procurar ou compreender os efeitos secundários e de longo prazo de uma política proposta. A arte da economia consiste em olhar não apenas para os efeitos imediatos, mas também para os efeitos a longo prazo de qualquer ato ou política; consiste em traçar as consequências dessa política não apenas para um grupo, mas para todos os grupos.[4]

2. Breves comentários sobre breves comentários

Pode ser bom, então, fazer um comentário sobre alguns dos comentários de Keynes.

“O peso da minha crítica [ele nos diz] é direcionado contra a inadequação dos fundamentos teóricos da doutrina do laissez faire sobre a qual fui educado e que por muitos anos ensinei; – contra a noção de que a taxa de juros e o volume de investimento são auto ajustáveis no nível ótimo, de modo que a preocupação com a balança comercial é uma perda de tempo. Para nós, a faculdade de economistas, provar ter sido culpado de erro presunçoso em tratar como uma obsessão pueril o que por séculos tem sido um objeto principal de aparato prático” (p. 339)

O que se pode dizer sobre isto? Numa economia livre, a taxa de juros e o volume de investimento são (na ausência de adulteração da oferta de dinheiro e crédito por parte do governo) fenômenos de mercado, tal como o preço do leite e a quantidade de leite vendido. São tão auto ajustáveis como qualquer outro preço ou qualquer outro volume de vendas. São igualmente auto ajustáveis em relação à oferta e à demanda atuais. A teoria clássica sustentava que, nos mercados livres, preços, salários e taxas de juros, volume de vendas e volume de investimento, tendem a se mover ou oscilar em torno de níveis de equilíbrio (hipotéticos e sempre em mudança). Mas, a boa teoria clássica nunca assumiu que eles se ajustaram invariavelmente ao “nível ótimo” – se essa frase for usada para significar algum nível ideal. Isso exigiria uma previsão perfeita por parte dos compradores e vendedores, credores, devedores e empreendedores. A sólida teoria clássica nunca assumiu uma previsão perfeita. Pode-se perguntar se não é Keynes que é culpado do “erro presunçoso” onde ele arrogantemente rejeitou o que os melhores economistas ensinaram por dois séculos.

O ataque de Keynes em relação às taxas de juros livres é realmente um ataque aos mercados livres e ao empreendedorismo livre. No parágrafo seguinte, encontramo-lo a descrever os mercados livres como “a operação de forças cegas” (p. 339).

“Recentemente [continua ele], banqueiros práticos em Londres aprenderam muito, e quase se pode esperar que na Grã-Bretanha a técnica da taxa bancária nunca será usada novamente para proteger o equilíbrio externo em condições em que é provável que cause desemprego em casa” (p. 339)

Em 1957, porém, os banqueiros tinham realmente aprendido muito. Tinham aprendido que as teorias de Keynes não funcionavam. Após vinte anos de políticas de dinheiro barato, eles elevaram a taxa de desconto do Banco da Inglaterra para 7 por cento – para parar a inflação e proteger o equilíbrio externo. Mas o mundo está apenas lentamente começando a perceber que taxas salariais excessivas podem causar desemprego sob quaisquer condições. E é precisamente nas taxas salariais excessivas que Keynes nos proíbe de apontar um dedo acusador. Sua arma chicoteadora era a taxa de juros.

Ele chega a escrever em nota de rodapé:

“O remédio de uma unidade salarial elástica, para que uma depressão seja atendida por uma redução de salários, é passível de ser um meio de nos beneficiarmos à custa dos nossos vizinhos” (p. 339)

Assim como fere nossos vizinhos por lhes oferecer bens a preços mais baixos, ou assim como fere o grande corpo dos trabalhadores por reduzir as taxas salariais até o ponto de equilíbrio que maximiza o emprego e o total de salários, deixo aos keynesianos a explicação. Em todo caso, Keynes termina com a conclusão mercantilista de que os mercados nunca devem ser deixados livres; que o governo deve controlar praticamente tudo:

“Havia sabedoria na intensa preocupação [dos mercantilistas] em manter a taxa de juros baixa por meio de leis de usura, e em sua prontidão em último recurso para restaurar o estoque de dinheiro pela desvalorização, se ele tivesse se tornado claramente deficiente através de um dreno externo inevitável, um aumento na unidade salarial, ou qualquer outra causa” (p. 340)

Praticamente todos os remédios keynesianos são – especialmente a manutenção arbitrária das taxas de juros e o inflar da moeda – conhecidos e praticados pelos mercantilistas do século XVII e anterior, pela própria admissão de Keynes.

A “economia moderna”, em resumo, acaba por ser meramente a exumação das já refutadas antigas falácias.

3. Mercantilistas sábios, economistas estúpidos

Em vez de ficar perturbado quando descobriu que as suas ideias “novas” e “pioneiras” tinham sido antecipadas pelos mercantilistas do século XVII, Keynes parece ter sido tranquilizado e encantado com a descoberta:

“O pensamento mercantilista nunca supôs que houvesse uma tendência auto ajustável pela qual a taxa de juros seria estabelecida no nível apropriado. Pelo contrário, eles foram enfáticos ao afirmar que uma taxa de juros excessivamente alta era o principal obstáculo para o crescimento da riqueza; e eles estavam mesmo conscientes de que a taxa de juros dependia da liquidez e da quantidade de dinheiro. Estavam preocupados tanto com a diminuição da preferência pela liquidez como com o aumento da quantidade de moeda, e vários deles deixaram claro que a sua preocupação em aumentar a quantidade de moeda se devia ao seu desejo de diminuir a taxa de juro” (p. 341)

Keynes ficou encantado ao descobrir que suas próprias falácias principais haviam sido antecipadas pelo filósofo John Locke em 1692:

“O grande Locke foi, talvez, o primeiro a expressar em termos abstratos a relação entre a taxa de juros e a quantidade de dinheiro em sua controvérsia com Petty” (p. 342)

A razão pela qual Locke também confundiu essa relação foi que ele, como Keynes, assumiu que a taxa de juros era um fenômeno puramente monetário. Mas Locke pelo menos teve a desculpa de ter vivido e morrido não só antes do aparecimento dos economistas clássicos, ou do trabalho de Böhm-Bawerk, ou Irving Fisher, mas mesmo antes do aparecimento do ensaio de David Hume “Of Interest” em 1741. O grande Hume foi, talvez, o primeiro a apontar que “A taxa de juros não é derivada da quantidade de metais preciosos” – pelo que ele quis dizer que era a quantidade de dinheiro.

“Os mercantilistas [continua Keynes] não tinham ilusões quanto ao caráter nacionalista de suas políticas e sua tendência a promover a guerra. Era a vantagem nacional e a força relativa a que eles estavam reconhecidamente apontando. Podemos criticá-los pela aparente indiferença com que aceitaram esta consequência inevitável de um sistema monetário internacional. Mas, intelectualmente, seu realismo é muito preferível ao pensamento confuso dos defensores contemporâneos de um padrão de ouro fixo internacional e do laissez faire em empréstimos internacionais, que acreditam que são precisamente essas políticas que melhor promoverão a paz” (p. 348)

Este é o início de uma série de paradoxos e contradições, em que Keynes passa a provar triunfantemente que o nacionalismo é o melhor internacionalismo, que políticas hostis trazem paz e políticas amigáveis, guerra, que a estabilidade monetária internacional e o livre comércio trazem instabilidade e caos, e que políticas nacionalistas e mutuamente hostis trazem estabilidade e prosperidade internacional.

Tendo acabado de sugerir, na passagem citada acima, que as políticas nacionalistas e de “vizinho mendigo” eram “realistas” e que um padrão-ouro internacional e a liberdade de empréstimo e comércio conduzem à guerra e não à paz, Keynes prossegue:

“Porque numa economia sujeita a contratos monetários e aduaneiros mais ou menos fixos durante um período apreciável, onde a quantidade de circulação doméstica e a taxa de juro interna são principalmente determinadas pela balança de pagamentos…” (p. 348)

Devo interromper aqui para salientar que se trata de uma evidente confusão de causa e efeito. A própria balança de pagamentos é fortemente influenciada e largamente determinada por taxas de juro relativas em diferentes países, alterações nacionais relativas na quantidade de moeda e alterações relativas nas médias nacionais de preços, ou melhor, em preços específicos. Com efeito, a balança de pagamentos é muito mais frequentemente consequência de uma ou mais destas outras alterações do que da balança de pagamentos.

Continuando a partir do ponto em que eu interrompi, Keynes continua a declarar que nestas condições

“Não há meios ortodoxos abertos às autoridades para combater o desemprego em casa, exceto lutando por um excedente de exportação e uma importação do metal monetário à custa de seus vizinhos. Nunca na história houve um método concebido com tal eficácia para colocar a vantagem de cada país em desacordo com a de seus vizinhos como padrão internacional de ouro (ou, anteriormente, prata). Pois, tornou a prosperidade interna diretamente dependente de uma busca competitiva de mercados e de um apetite competitivo pelos metais preciosos” (pp. 348-349)

O que esta passagem ilustra principalmente é como as suposições de Keynes se tornaram completamente mercantilistas, e como a sua compreensão da teoria clássica era fraca e incerta. Sob um padrão de ouro internacional e liberdade de comércio, a importação de ouro por Alphavia não é mais “à custa” de Betavia, que exportou o ouro, do que a importação de trigo por Betavia é à custa de Alphavia, que exportou o trigo. Assim como um comerciante individual em um ou outro país pode querer trocar seu dinheiro por trigo, ou vice-versa, assim um comerciante em Alphavia pode querer trocar seu trigo por dinheiro e outro comerciante em Betavia pode querer trocar seu dinheiro por trigo alphaviano. A transação ocorre porque ambas as partes da transação ganham com ela. Não é por conta de nenhuma das partes. Dizer que “Alphavia” ganha ouro e que “Betavia” perde ouro é meramente uma confusão mercantilista. A transação é entre mercadores individuais. Assumir que apenas a pessoa que recebe o dinheiro ou o ouro “ganha” e que a pessoa que recebe mercadorias por ele deve “perder” é apenas mais uma confusão pueril.

É verdade, o comércio livre sob um padrão de ouro internacional envolve uma “busca competitiva de mercados”. Assim faz o comércio doméstico. Um americano e uma companhia de aço alemã podem concorrer um contra o outro para um contrato de construção na Itália; mas outras companhias de aço americanas e alemãs também podem concorrer contra seus respectivos compatriotas, seja para negócios domésticos ou estrangeiros. É precisamente o mercantilismo, medieval e moderno, que transforma o que deveria ser competição entre indivíduos ou empresas em competição entre nações. São precisamente as manipulações, desvalorizações, controles cambiais, cotas de importação, tratados comerciais bilaterais e altas tarifas domésticas que criam antagonismos internacionais.

Quanto a um “apetite competitivo pelos metais preciosos”, pode-se também falar de um apetite competitivo por relógios suíços, ou por câmeras alemãs, ou por vinhos franceses, ou por louça inglesa, ou por máquinas de escrever e automóveis americanos. Se eu quiser comprar qualquer coisa, no país ou no exterior, minha oferta deve competir com a dos outros que a querem. Keynes foi contra a concorrência em si? Em caso afirmativo, o que ele propôs para substituir? Suas propostas reais tendem meramente a substituir a competição interpessoal ou entre empresas pela competição nacionalizada e politizada. Elas aumentariam em vez de reduzir a pressão por políticas de vizinho mendigo e por guerras comerciais e guerras reais.

“Quando, por um feliz acidente, os novos suprimentos de ouro e prata eram relativamente abundantes [continua Keynes, sem quebrar a citação anterior], a luta [pelos metais preciosos] poderia ser um pouco abatida” (p. 349)

Aqui está outra falácia gritante. Se os metais preciosos tivessem sido abundantes, eles não teriam sido preciosos. Se a abundância do metal monetário é o que é necessário, então o remédio lógico seria um padrão de cobre ou, melhor ainda, um padrão de ferro. Na observação que acabamos de citar, até mesmo o princípio econômico mais elementar e básico, a relação entre valor e quantidade, é esquecida. (A menos, é claro, que o argumento não declarado de Keynes seja que teria sido precisamente necessário um constante barateamento dos metais preciosos para perpetuar um aumento dos preços, uma inflação constante).

Keynes prossegue, acrescentando péssimas maneiras controversas à péssima lógica:

“O papel desempenhado pelos economistas ortodoxos, cujo senso comum tem sido insuficiente para verificar sua lógica defeituosa, tem sido desastroso para o último ato” (p. 349)

Aqui está um escárnio grossista com Adam Smith, Ricardo, John Stuart Mill, Bastiat, Bastable, Marshall e Taussig – em todos aqueles que contribuíram para a extensão ou clarificação da teoria do comércio exterior; e feito por um homem cujo próprio senso comum era insuficiente para verificar sua ilógica. Começa-se a suspeitar que a reputação de Keynes, como a de Shaw, repousa em grande parte sobre pura insolência.

E o que recomenda Keynes em vez das políticas desastrosas favorecidas pelos economistas ortodoxos? “O oposto”.

“É a política de uma taxa de juros autônoma, sem entraves das preocupações internacionais, e de um programa nacional de investimentos voltado para um nível ótimo de emprego doméstico que é duas vezes abençoado no sentido de que ajuda a nós mesmos e aos nossos vizinhos ao mesmo tempo. E é a prossecução simultânea destas políticas por todos os países, em conjunto, que é capaz de restaurar a saúde e a força econômica internacionalmente, seja pelo nível de emprego interno ou pelo volume do comércio internacional” (p. 349)

É assim que a lógica e o senso comum devem ser. Se cada nação seguir políticas nacionalistas, independentemente do seu efeito sobre outras nações, se cada nação tentar maximizar as exportações e minimizar ou proibir as importações, o volume do comércio internacional será maior que nunca! Se os burocratas apreenderem nossas economias e nos proibirem de investir nossos próprios fundos por medo de que façamos uma terrível bagunça, eles terão a onisciência de saber exatamente quando investi-los, onde e quanto colocar em cada empreendimento, e quais empreendimentos terão sucesso e quais não terão; e todos nós viveremos para sempre em um paraíso econômico perfeitamente regulado (para mais detalhes veja o que aconteceu com o programa de investimentos do governo britânico desde o fim da Segunda Guerra Mundial e a história de nossa própria Corporação Financeira de Reconstrução).

4. A Religião dos Controles Governamentais

Nas Seções IV, V e VI do Capítulo 23, no seu posterior ataque à doutrina do Comércio Livre e a uma taxa de juro do mercado livre, Keynes continua a abusar dos economistas clássicos e a elogiar, em contraste, os medievalistas e os cambistas atuais.

A escola clássica criou uma “decadência”, afirma ele, entre as conclusões da teoria econômica e as do senso comum. A realização extraordinária da teoria clássica era superar as crenças do “homem natural” e, ao mesmo tempo, estar errada (p. 350).

Tais epigramas chegaram facilmente a Keynes. São a fonte principal, eu suspeito, de sua reputação entre os homens literários como um grande economista. Mas é espantoso como eles são muito mais apropriados quando aplicados às próprias teorias de Keynes do que àqueles contra os quais foram dirigidos. Certamente há uma lacuna enorme entre as conclusões da teoria keynesiana e as do senso comum. A realização mais extraordinária de Keynes foi superar as crenças do “homem natural” e, ao mesmo tempo estar errado. Para o homem natural, não confundido pela economia keynesiana, assume na teoria, se não na prática, que a poupança é melhor que o esbanjamento; e Robinson Crusoé tomou como certo que a propensão para trabalhar era mais essencial para a sua sobrevivência do que a propensão para consumir.

“Lembro-me da raiva e perplexidade misturadas da Lei Bonar diante dos economistas [escreve Keynes em aprovação da Lei de Bonar], porque eles estavam negando o que era óbvio” (p. 350)

Ou seja, eles pareciam à Lei de Bonar estar negando o que era óbvio. Keynes poderia ter feito melhor em lembrar a observação de um personagem da Santa Joana de Bernard Shaw quando lhe foi dito da teoria de Pitágoras de que a terra é redonda e gira em torno do sol: “Que grande tolo! Não poderia ele usar os seus olhos?”.

Mas Keynes continua alegremente:

“Recorre-se à analogia entre a influência da escola clássica da teoria econômica e a de certas religiões” (pp. 350-351)

Foi a grande contribuição de Keynes para “exorcizar o óbvio” (p. 351) e substituir a Religião dos Gastos, a Religião da Inflação Monetária, a Religião dos Controles Governamentais, com os burocratas do governo como os Sumos Sacerdotes, regulando o volume, direção e natureza do Investimento com sabedoria infalível.

“Permanece uma matéria aliada, mas distinta, onde durante séculos, na verdade, por vários milênios, a opinião iluminada manteve certa e óbvia uma doutrina que a escola clássica repudiou como infantil, mas que merece reabilitação e honra. Refiro-me à doutrina de que a taxa de juros não é auto ajustável no nível mais adequado à vantagem social, mas tende constantemente a subir muito alto, de modo que um governo sábio está preocupado em restringi-la por estatuto e por ordem e até mesmo invocando as sanções da lei moral” (p. 351)

Aqui Keynes interpreta erroneamente a teoria clássica das taxas de juro, ou mesmo a teoria clássica dos preços em geral. Essa teoria não sustenta que o que quer que seja, está certo. Ela não diz que a taxa de juros prevalecente hoje, alcançada no mercado livre, é sempre a “certa”, “mais adequada à vantagem social” – mais do que afirma que o preço de uma mercadoria, ou de uma ação no mercado de ações, é a qualquer momento a “certa”. A teoria clássica apenas afirma que, a longo prazo, o mercado livre, refletindo os desejos, as avaliações e as ações compostas dos indivíduos que o compõem, é o melhor método para determinar preços ou taxas de juros e, embora nunca infalível, é mais calculado para trazer vantagem social ótima do que qualquer outro método. A própria suposição tácita de Keynes é que ele ou seus amigos, ou burocratas que seriam necessariamente motivados politicamente (pelo desejo de agradar aos grupos politicamente dominantes e de permanecer no poder) seriam muito melhores juízes da taxa de juros “certa” do que credores e mutuários agindo de acordo com seu próprio julgamento.

É verdade, naturalmente, que os mutuários sempre consideram as taxas de juros muito altas, assim como os trabalhadores sempre acham que os salários são muito baixos, os produtores sempre acham que os preços são muito baixos e os consumidores sempre acham que os preços são muito altos. Mas apelar a estes sentimentos interessados é demagogia política, não economia.

“As disposições contra a usura [continua Keynes] estão entre as práticas econômicas mais antigas das quais temos registro” (p. 351)

Assim é que são. Assim como todas as formas de controle governamental de preços, desde o Código de Hamurabi (cerca de 2000 a.C.), passando pelos éditos do imperador romano Diocleciano (245-313 D.C.) e pela terrível Lei do Máximo na Revolução Francesa[5]. Mas é certamente estranho encontrar a antiguidade de uma estúpida proibição econômica apresentada em 1936 como um argumento sério para seu renascimento.

“A destruição do incentivo ao investimento por uma excessiva preferência pela liquidez [continua Keynes] foi o mal pendente, o principal impedimento ao crescimento da riqueza, nos mundos antigo e medieval” (p. 351)

Aqui está outra ilustração impressionante da maneira pela qual o pensamento de Keynes foi distorcido por um vocabulário inadequado de sua própria cunhagem. O que é “excesso de preferência por liquidez” se não apenas a ausência de “incentivo ao investimento”? Ou apenas outro nome para essa ausência? O “incentivo ao investimento”, pela definição de Keynes, é o incentivo à compra de bens de capital ou outros ativos de investimento. Mas, ninguém pensaria seriamente em dizer que o incentivo para comprar (qualquer coisa) é “destruído” por uma preferência por não comprar. Uma indução insuficiente para investir, ou uma “preferência por liquidez” mais do que suficiente, são apenas duas maneiras de dizer a mesma coisa. A segunda não é uma explicação da primeira. É apenas uma repetição em palavras diferentes.

Claro que se pensarmos no investidor e no emprestador como duas pessoas diferentes (como às vezes são), então o incentivo ao investimento do mutuário deve ser pelo menos um pouco maior do que a relutância em emprestar do emprestador antes que uma transação possa ocorrer. Os dois devem chegar a acordo sobre uma taxa de juro equivalente, em suma, que seja mutuamente satisfatória. Mas o mesmo se aplica a qualquer transação em qualquer mercadoria, qualquer que seja. O incentivo à compra do comprador de ações na bolsa de valores (ou de qualquer outra coisa) deve ser alto o suficiente para que ele ofereça um preço suficiente para superar a relutância em vender do vendedor; caso contrário, não há transação. Se a relutância de qualquer comerciante em vender suas mercadorias a um determinado preço for maior que a persuasão dos clientes a comprar a esse preço, então as mercadorias não serão vendidas até que o vendedor reduza seu preço solicitado ou os compradores superem sua relutância em pagar o preço existente. Minha relutância em comprar uma ação na bolsa de valores a 75 pode ser superada pelo meu incentivo para comprá-la a 70. Minha relutância em vendê-la a 70 pode ser superada pelo meu incentivo para vendê-la a 75. Compra e venda, empréstimo e empréstimo, em suma, tudo pode ser explicado tanto em termos de incentivo quanto em termos de relutância. Meu desejo de comprar um Ford pode ser maior ou menor do que minha relutância em dividir com o dinheiro necessário.

Mas não constitui um sistema novo e revolucionário de economia, nem um sistema mais penetrante, para explicar o processo econômico em termos de relutância e não em termos de desejo e persuasão. O termo “preferência por liquidez” não explica o nível das taxas de juro de uma forma melhor do que o termo “preferência por ovos” explicaria o preço dos ovos. E uma explicação do nível das taxas de juro em termos de relutância em abandonar o dinheiro não prova mais que as taxas de juro são cronicamente demasiado elevadas do que uma explicação do preço das joias em termos da relutância dos detentores em abandonar as joias, provaria que as joias têm preços cronicamente demasiado elevados.

Eu coraria para expor o óbvio e elementar a este comprimento, se não fosse constantemente negado por quatrocentas páginas em um livro aclamado pelos economistas acadêmicos dominantes hoje como a maior revelação econômica do século XX.

“Eu agora leio essas discussões [sobre a Igreja Medieval] como um esforço intelectual honesto para manter separado o que a teoria clássica confundiu inextricavelmente, ou seja, a taxa de juros e a eficiência marginal do capital. Pois, parece agora claro que as disquisições dos estudantes foram orientadas para a elucidação de uma fórmula que deveria permitir que a escala da eficiência marginal do capital fosse elevado, ao mesmo tempo que se usa a regra, o costume e a lei moral para manter a taxa de juro baixa” (p. 352)

Como Keynes apenas retorna aqui a uma das falácias da sua teoria do juro, não precisamos repetir a nossa análise da mesma. É simplesmente necessário salientar que, embora a taxa de juro não seja idêntica à eficiência marginal do capital, ou mesmo causada por ela, as duas estão intimamente relacionadas. A relação é análoga à que existe entre preço e custo marginal de produção. Embora no curto prazo estes possam muitas vezes variar uns dos outros em qualquer direção, há sempre uma tendência de longo prazo para que cheguem à igualdade. Tratar as taxas de juros e a eficiência marginal do capital não apenas como separados, mas como desconectados e sem influência recíproca é cegar uma das relações centrais da vida econômica. Embora a preferência temporal (ou a taxa de desconto do tempo) seja primária, há sempre uma tendência para que a taxa de juros e o rendimento marginal do capital entrem em equilíbrio. A crença de Keynes de que um deus ex machina especial, ou burocrata do governo, é necessário para ajustar a taxa de juros à eficiência marginal do capital vai com a crença de que um controlador de preços do governo é necessário para ajustar os preços aos custos marginais de produção. O que Keynes está propondo aqui é, de fato, a fixação de preços pelo governo em um campo especial. Um mercado livre pode ser contado para fazer os ajustes apropriados infinitamente melhor.

5. Canonização das manivelas

Assim como Keynes ficou surpreso ao descobrir que suas “novas” opiniões tinham sido antecipadas pelos mercantilistas do século XVII, assim ele descobriu que algumas dessas opiniões também tinham sido antecipadas por manivelas monetárias modernas. Mas no segundo caso, como no primeiro, em vez de tomar isso como um aviso para reexaminar suas suposições e deduções, ele saudou o acordo como uma confirmação de suas novas doutrinas.

E um daqueles cuja reputação ele tentou reabilitar foi

“o estranho e indevidamente negligenciado profeta Sílvio Gesell” (p. 353)

Gesell tinha atraído alguma atenção no submundo econômico, propondo uma forma de dinheiro que perderia automaticamente parte de seu valor a cada mês, como um vegetal em decomposição. Seu método proposto para conseguir isso era exigir que o portador de cada nota fosse carimbado todos os meses, com selos comprados nos correios, a fim de mantê-lo bom em seu valor nominal. Isso significava, na verdade, que as pessoas teriam que pagar juros ao governo pelo privilégio de manter seu próprio dinheiro. Dinheiro detido, sem ser carimbado, perderia uma fração do seu poder de compra a cada mês. O propósito disto era desencorajar as pessoas de poupar; tornar a poupança monetária praticamente impossível; forçar todos a gastar o seu dinheiro, não importa o quê, antes de perder o seu valor. Qualquer um que fosse suficientemente perverso para querer pôr de lado o dinheiro contra a contingência da doença em sua família, por exemplo, ficaria assim efetivamente frustrado.

É óbvio que esse dinheiro nunca circularia livremente, exceto em uma comunidade de idiotas, a menos que fosse feito com curso legal e que não houvesse outra escolha senão aceitá-lo. Em princípio, não havia nada de original na proposta. Não diferia essencialmente da prática imemorial do corte de moedas, exceto que teria ocorrido de forma muito mais sistemática e muito mais frequente. Combinou quase todos os males da inflação normal do papel com algumas desvantagens especiais próprias. Sua única vantagem em comparação com a inflação do papel-moeda comum é que o titular reconheceria e identificaria claramente o imposto governamental, e saberia exatamente qual era a incidência desse imposto sobre si mesmo.

Mas Keynes leva tudo muito a sério, lamenta que uma vez

“como outros economistas acadêmicos, eu tenha tratado [Gesell] os esforços profundamente originais como não sendo melhores que os de uma manivela” (p. 353)

e sugere exatamente quanto deveria ser o imposto mensal de selo.

“Deve ser aproximadamente igual ao excesso da taxa de juro do dinheiro (à exceção dos selos) sobre a eficiência marginal do capital correspondente a uma taxa de novo investimento compatível com o pleno emprego”

e este valor pode ser determinado

“por tentativa e erro” (p. 357).

Não precisamos de nos deter neste absurdo particular. Até mesmo a maioria dos keynesianos mantém um silêncio embaraçoso a esse respeito. Nesta nova terra de maravilhas em que Keynes entrou, foram os economistas clássicos que de repente pareceram estúpidos e sem senso comum, e foram as obras das manivelas da moeda (pois Gesell era apenas uma das pontuações com esquemas semelhantes) que estavam cheias de “flashes de profundo discernimento”.

Eu pausarei somente para comentar em cima de uma frase no curso da discussão de Keynes das ideias de Gesell:

“A principal necessidade é reduzir a taxa de juro do dinheiro, e isso, ele apontou, pode ser efetivado fazendo com que o dinheiro incorra em custos de transporte, assim como outros estoques de bens estéreis” (p. 357)

Assim, Keynes endossa a ideia medieval de que o dinheiro é “estéril”. Mas se o dinheiro é “estéril”, e se (na própria teoria de Keynes) os juros são pagos apenas pelo próprio dinheiro, e nunca pelo rendimento do que ele vai comprar, por que os devedores são tão tolos a ponto de concordar em pagar juros por dinheiro, e por que os credores não estão felizes em se verem capazes de emprestar dinheiro a qualquer preço acima de zero absoluto? Por que as pessoas insistem ou em pedir emprestado, ou em manter algo que não lhes rende nada? Tais perguntas já foram respondidas, não apenas em nossos capítulos anteriores sobre a taxa de juros, mas especificamente por W. H. Hutt em seu ensaio “The Yield from Money Held Held”[6], no qual ele mostra que o dinheiro “é tão produtivo quanto todos os outros ativos, e produtivo exatamente no mesmo sentido”; que seu rendimento produtivo marginal está sendo constantemente equiparado ao de todos os outros ativos; e que seu rendimento, como o rendimento de tantos outros ativos, consiste precisamente em sua disponibilidade no momento em que é desejado ou necessário. O leitor pode consultar o ensaio de Hutt para a expansão deste argumento. É simplesmente necessário assinalar aqui que o fracasso de Keynes e seus seguidores em reconhecer o rendimento real desfrutado pelo detentor de ativos monetários é uma das falácias mais graves em sua teoria do juro.

6. Mandeville, Malthus e os avarentos

A seção VII do capítulo 23 de Keynes compreende uma discussão das antecipações por Bernard Mandeville, Thomas Malthus, e J. A. Hobson da teoria do subconsumo keynesiano. Abre-se, no entanto, com uma citação do Mercantilismo do Professor E. Heckscher no século XVI e XVII

“crença profundamente enraizada na utilidade do luxo e o mal da economia. A poupança, de fato, era considerada como a causa do desemprego, e por duas razões: em primeiro lugar, porque se acreditava que a renda real diminuía pela quantidade de dinheiro que não entrava em troca e, em segundo lugar, porque se acreditava que a poupança retirava dinheiro da circulação.”[7]

Certamente os keynesianos deveriam conspirar para suprimir esta citação!  Resume assim perfeitamente acima da “contribuição” central de Keynes ao pensamento econômico.

Incidentalmente, embora Keynes faça exame de muitas citações de dois volumes de Heckscher, e os prenda acima para a admiração do pensamento mercantilista, há algumas passagens no histórico de Heckscher que são conspicuamente não citadas por Keynes. Tomo um como exemplo – uma passagem sobre o mercantilismo francês durante os séculos XVII e XVIII:

“Estima-se que as medidas econômicas tomadas a esse respeito custaram a vida de cerca de 16.000 pessoas, em parte através de execuções e em parte através de ataques armados, sem levar em conta o desconhecido, mas certamente um número muito maior de pessoas que foram enviadas para as galés ou punidas de outras formas. Em uma ocasião em Valence, 77 pessoas foram enviadas para as galés, uma foi libertada e nenhuma foi perdoada. Mas, mesmo essa ação vigorosa não ajudou a alcançar o fim desejado. As calicôs impressas se espalharam mais e mais amplamente entre todas as classes da população, na França como em todos os outros lugares.”[8]

Teria Keynes apresentado isso como outro exemplo do “realismo” do pensamento mercantilista, “que merece reabilitação e honra”?

Keynes lança em seguida uma extensa série de citações da Fable of the Bees; or Private Vices, Public Benefits, que apareceu pela primeira vez em 1714.

Há muita sabedoria neste poema notável, e muita falácia. Keynes gosta da parte falaciosa, e cita extensivamente a doutrina de Mandeville de que a prosperidade é aumentada pelos gastos e pela vida luxuosa, e reduzida pela economia, prudência e poupança. É um pouco tarde para começar a responder a esta falácia de Mandeville; os economistas clássicos fizeram-no de forma bastante adequada, e desculpar-me-ei de repetir a tarefa. Além disso, teremos a oportunidade de responder à mesma doutrina formulada (muito mais cautelosamente) por Malthus.

Pois, depois de elogiar Petty por sua declaração em 1662 justificando “divertimentos, magníficos toldos, arcos triunfantes, etc.” no chão que seus custos reverteram para os bolsos de cervejeiros, padeiros, alfaiates e sapateiros (p. 359), e depois de depreciar, por contraste, “a penny-wisdom das finanças gladstonianas” (p. 362), Keynes chega à “fase posterior de Malthus”, onde

“a noção de insuficiência de demanda efetiva toma um lugar definitivo como explicação científica do desemprego” (p. 362)

Ele cita praticamente duas páginas inteiras de Malthus, das quais farei duas passagens, pois é instrutivo distinguir o que estava certo na visão de Malthus do que estava errado:

“Adam Smith declarou que os capitais são aumentados pela parcimônia, que cada homem frugal é um benfeitor público, e que o aumento da riqueza depende do equilíbrio do produto acima do consumo. Que estas proposições são verdadeiras em grande medida é perfeitamente inquestionável…”[9]

É importante notar que Malthus, ao contrário de Mandeville e Keynes, não ridiculariza a economia como tal, mas apenas o que ele considera um grau irrazoável da mesma.

“É bastante óbvio [ele continua] que eles não são verdadeiros a uma extensão indefinida, e que os princípios da poupança, empurrados ao excesso, destruiriam o motivo da produção. Se cada pessoa estivesse satisfeita com a comida mais simples, as roupas mais pobres e as casas mais modestas, é certo que nenhum outro tipo de alimento, roupa e alojamento existiria.”[10]

Ainda em outra passagem (que é notável por sua incapacidade de compreender a verdade essencial da Lei de Say), Malthus pergunta:

“O que seria da demanda por mercadorias, se todo o consumo, exceto pão e água, fosse suspenso durante o próximo semestre?”[11]

Ora, as conclusões de Malthus que acabamos de citar são perfeitamente verdadeiras, e até mesmo verdades, se aceitarmos os pressupostos bastante irrealistas em que se baseiam.  Eles tacitamente assumem que todos têm aproximadamente a mesma renda, e que todos tentam produzir mais do que estão interessados em consumir. E eles assumem explicitamente que “cada” pessoa está satisfeita com a casa mais medíocre etc. e que “todo o consumo, exceto pão e água” é suspenso.

Mas é muito difícil até mesmo imaginar uma comunidade em que todos (ou mesmo qualquer porcentagem substancial da população) agiriam de maneira tão irracional como a hipótese de Malthus assume. É verdade que há nações e comunidades que são pobres porque a maioria das pessoas está satisfeita com o baixo nível de vida. Mas essas comunidades são pobres não porque tentam poupar muito do que produzem, mas simplesmente porque não produzem. A sua marca característica não é a poupança, mas a preguiça ou a improvidência. Vivem de dia para dia; são atacados periodicamente por doenças e fome, porque não produzem o suficiente para economizar o suficiente para levá-los através de anos de más colheitas ou outras contingências. As pessoas de uma comunidade que produzem acima do nível de subsistência são, na esmagadora maioria, precisamente as pessoas que querem viver e gastar acima do nível de subsistência. Uma comunidade em que todos se esforçassem para trabalhar o suficiente e ganhar o suficiente para viver dez vezes ou mesmo o dobro do nível de subsistência, mas se recusassem a viver acima de um nível de subsistência, e insistissem em poupar o resto, seria uma comunidade possuída por uma psicologia tão irracional e tão difícil de imaginar que as implicações da hipótese dificilmente valeriam a pena trabalhar em detalhe.

Mas mesmo que assumíssemos tal comunidade, com tal psicologia, seria pelo menos possível imaginá-la sobrevivendo com sucesso durante os seis meses assumidos na pergunta retórica de Malthus. Pois, poderia investir seu dinheiro em bens de capital, e essas indústrias de bens de capital dariam o emprego necessário para aqueles que foram demitidos do emprego em bens de consumo, e as indústrias de bens de capital até teriam lucro, desde que fossem bens de capital para os quais houvesse uma demanda real, e a comunidade ao final dos seis meses desistiu de sua frugalidade espartana e usou sua renda para comprar os bens de consumo adicionais que o novo equipamento de capital era capaz de produzir. Muitos países fizeram algo equivalente a isso em tempo de guerra, quando viviam em um nível de consumo de subsistência para sustentar exércitos e produzir implementos de guerra.

E se, passando da hipótese violenta de Malthus para hipóteses menos irrealistas, mas ainda assim excessivamente simplificadas, assumirmos uma comunidade com apenas duas classes de renda, em que a grande massa, constituída por nove décimos da população, tem uma renda de subsistência per capita de x dólares, e gasta tudo à medida que avança, enquanto o décimo restante da população tem uma renda per capita de 3x de dólares, mas consiste inteiramente de avarentos que também gastam apenas x dólares por ano e economizam dois terços de sua renda, ou 2x dólares per capita, temos uma comunidade que (supondo que as expectativas dos produtores são baseadas nesta situação), no entanto, progredirá e ficará constantemente mais rica. Pois, os avarentos investiriam seu dinheiro em equipamentos de capital. Isso seria usado para aumentar a produção de bens de consumo, para melhorar a qualidade desses bens e para reduzir os custos de produção. Aumentariam os salários reais e a renda tanto das massas como dos avarentos; e como aumentaria o consumo das massas e dos avarentos pela hipótese (pois as massas sempre gastariam toda a sua renda, e os avarentos ricos gastariam individualmente tanto quanto, embora não mais que, as Massas pobres gastas individualmente), o consumo, a produção e a poupança aumentariam pari passu.

Suponhamos que mudemos os nomes das nossas classes e chamemos os 10 por cento superiores, com os 3x rendimentos, os capitalistas, e os 90 por cento inferiores, com os x rendimentos, os trabalhadores. Então é a contenção implícita dos Mandevillesianos, Malthusianos e Keynesianos que (assumindo que os trabalhadores não tinham rendimentos excedentes para poupar) os capitalistas maximizariam a prosperidade gastando seus rendimentos totais, mas produziriam depressão gastando apenas tanto quanto os trabalhadores gastam no consumo, e poupando e investindo (ou procurando em vão “saídas” de investimento) os outros dois terços de seus rendimentos.

Mas nada poderia estar mais longe da verdade. Pois, se os capitalistas gastassem toda a sua renda em uma vida luxuosa, não haveria investimento de capital. Nesse caso, não haveria aumento da produção, nem redução dos custos de produção, portanto, não haveria aumento dos salários reais ou dos rendimentos dos trabalhadores e não haveria aumento do seu consumo. Mas se os capitalistas poupassem e investissem a totalidade do excesso de seus próprios rendimentos acima dos rendimentos dos trabalhadores, então todo este investimento iria necessariamente para o equipamento de capital para aumentar a produção de bens de consumo de massa. O investimento não só produziria empregos (que é a única consequência que Keynes parece reconhecer), mas também aumentaria a produtividade média de todos os empregos. Assim, aumentaria a produção de bens de consumo, reduziria os custos de produção, aumentaria a produtividade marginal média do trabalho e os salários reais médios.

Em resumo, mesmo que façamos a suposição extrema de que os capitalistas, ou classe de renda alta, não gastam mais no consumo do que os trabalhadores, ou classe de renda baixa, não encontramos nenhuma insuficiência necessária de “saídas” de investimento ou oportunidades de investimento. A produção será aumentada pelo novo investimento de capital, os custos reais serão reduzidos por ele; portanto, os preços serão reduzidos (na ausência de inflação) e os salários reais aumentarão para comprar o produto adicional. (Assumimos pela nossa hipótese que não há poupança súbita, não causada ou irracional, mas que os trabalhadores aumentam o seu consumo em proporção ao aumento dos seus rendimentos e que os capitalistas consomem pelo menos tanto quanto os trabalhadores).

E diretamente contrário à tese de Mandeville-Malthus-Keynes, esta extrema economia por parte dos capitalistas não só não retardaria o progresso econômico como o maximizaria.  Ela maximizaria particularmente o progresso das massas, porque os capitalistas per capita não estariam tirando mais do bolo de consumo per capita do que os trabalhadores. A renda excedente dos capitalistas, em vez de optar pela ostentação e pelo esbanjamento da vida sibarítica, seria investir para aumentar a produção, reduzir o custo e melhorar a qualidade dos bens de consumo para as massas.

Aliás, a inveja e o ódio, que desempenham um papel tão importante por trás dos esquemas dos reformadores econômicos revolucionários, seriam minimizados sob tal comportamento pelos capitalistas; pois ainda que houvesse desigualdade de renda, haveria igualdade de consumo. A vida pretensiosa e sibaritista dos ricos, acompanhada pelo “desperdício conspícuo” de Veblen, que é recomendado implicitamente pelos keynesianos, é precisamente o caminho mais calculado para inflamar a inveja, o ressentimento e o descontentamento social.[12]

Esta é a conclusão que obtemos mesmo quando fazemos a suposição extrema de duas classes de renda em que a classe de renda mais alta salva todo o seu excesso de renda per capita acima daquela classe de renda mais baixa. Podemos generalizar esta hipótese e aproximá-la da realidade, primeiro assumindo n classes de renda diferentes, ao invés de apenas duas, com a classe mais pobre tendo uma mera renda per capita de subsistência de x, a classe mais pobre com uma renda de x + 2y, a terceira classe com uma renda de x + 4y, a quarta com uma renda de x + 6y, etc. E em vez de assumirmos que aqueles com rendimentos acima do mínimo poupam todo o excesso, podemos assumir que poupam apenas metade do mesmo, e gastam, respectivamente, x + y, x + 2y, x + 3y, etc. Ou podemos afirmar nossas suposições sobre poupança e gastos na forma de uma função contínua, em que aqueles com rendimentos mais elevados não só poupam um montante absoluto continuamente maior do que aqueles com rendimentos mais baixos, mas tem uma percentagem continuamente maior de seus rendimentos. Se não há razão para temer uma insuficiência de oportunidades de investimentos, mesmo sob nossa suposição extrema anterior, é claro que ainda há menos razão para temer tal insuficiência sob essas suposições mais moderadas e realistas.

7. A contribuição de Mill

Assim, quando olhamos de perto para o assunto, descobrimos que Gladstone e Benjamin Franklin, com sua “penny-wisdom”, eram talvez melhores economistas afinal, em todos os sentidos da palavra, do que Petty com seus “divertimentos, magníficos toldos, arcos triunfantes etc.”, ou Mandeville com suas livrarias, carruagens e palácios miraculosos, ou Keynes com sua tendência para o consumo.

Eu não desejo ser entendido como recomendando vida espartana ou gastos parcimoniosos na vida de qualquer um que pode pagar melhor. Pelo contrário, estou inclinado a concordar com a conclusão do próprio Malthus, que aparece no prefácio ao seu Principles of Political Economy logo após a passagem citada algumas páginas atrás:

“Os dois extremos [prodigalidade e frugalidade] são óbvios; e segue-se que deve haver algum ponto intermediário, embora os recursos da economia política possam não ser capazes de determiná-lo, onde, levando em consideração tanto o poder de produzir quanto a vontade de consumir, o incentivo ao aumento da riqueza é o maior.”

Este ponto ótimo exato só poderia ser alcançado no pressuposto de um perfeito conhecimento prévio e sabedoria por parte dos investidores, produtores e consumidores. Mas pode ser aproximado pelo exercício da prudência comum, desejos e gostos civilizados e bom senso. Em qualquer caso, a poupança racional ainda é uma virtude, a poupança não é um crime econômico, e ninguém tem o dever de ser um gastador. O certo é que a relação ideal entre poupança e gasto nunca será determinada pela álgebra, por acadêmicos ou por burocratas do governo. Os consumidores, seguindo suas próprias inclinações, cometerão erros, mas provavelmente se aproximarão incomparavelmente, em média, do equilíbrio ideal. É estranho que em sua extensa revisão histórica dos mercantilistas, Mandeville e Petty, passando por Malthus, até J. A. Hobson e o major Douglas, Keynes nunca mencione John Stuart Mill. No entanto, em seu Principles of Political Economy Mill escreveu uma passagem que soa como uma refutação direta das teorias de gastos de Keynes (Foi uma refutação direta das falácias imemoriais que Keynes tentou reviver). Mill se propôs a estabelecer o “teorema fundamental” de que “a demanda por mercadorias não é demanda por trabalho”.[13]

“Este teorema, segundo o qual comprar produtos não é empregar mão-de-obra; que a demanda por mão-de-obra é constituída pelos salários que precedem a produção, e não pela demanda que pode existir para as mercadorias resultantes da produção; é uma proposição que precisa muito de toda a ilustração que possa receber. É, para apreensão comum, um paradoxo; e mesmo entre os economistas políticos de reputação, dificilmente posso apontar algum, exceto o Sr. Ricardo e Say, que a mantiveram constante e firmemente em vista. Quase todos os outros ocasionalmente se expressam como se uma pessoa que compra mercadorias, o produto do trabalho, fosse um empregador de trabalho, e criasse uma demanda por ele como realmente, e no mesmo sentido, como se tivesse comprado o próprio trabalho diretamente, pelo pagamento de salários. Não é de admirar que a economia política avance lentamente, quando uma questão como essa ainda está em aberto em seu próprio limiar. Eu apreendo, que se por demanda de trabalho seja entendida a demanda pela qual os salários são aumentados, ou o número de trabalhadores no emprego aumentou, a demanda por mercadorias não constitui demanda por trabalho. Eu concebo que uma pessoa que compra mercadorias e as consome ela mesma, não faz bem às classes trabalhadoras; e que é somente pelo que ela se abstém de consumir, e gasta em pagamentos diretos aos trabalhadores em troca de trabalho, que ela beneficia as classes trabalhadoras, ou acrescenta algo à quantidade de seu emprego.”[14]

Os economistas atuais que estão cientes desta passagem assumem que ela é totalmente invalidada porque se baseou na teoria do fundo de salários, e não na teoria da produtividade marginal que a suplantou[15]. Uma rejeição tão categórica, no entanto, vai muito mais longe.

É claro que é verdade, não obstante o argumento de Mill, que US $1.000 de poupança e investimento não emprega mais trabalhadores do que US $1.000 de gastos do consumidor. Mas ajuda a aumentar as taxas salariais, porque ajuda a aumentar a produtividade marginal do trabalho, enquanto os gastos diretos do consumidor não fazem nada no longo prazo para aumentar os salários, porque não fazem nada para aumentar a produtividade. Se não houvesse nada além de consumo (mais mera substituição de capital) desde o século XVII, os salários ainda estariam nos níveis miseráveis desse período, e dois terços a três quartos da população mundial atual não teriam surgido.

Mill, embora grande parte de seu argumento estivesse equivocado, estava certo contra Keynes ao menos enfatizar que “a demanda pela qual os salários são aumentados” é, a longo prazo, apenas a demanda de investimento, não a demanda do consumidor.

Mas chego agora a uma citação muito mais importante de Mill, um conjunto de passagens surpreendentes em sua antecipação e respostas magistrais às falácias keynesianas. Mill foi capaz de antecipar e responder a estas porque, como vimos, a maioria delas são muito antigas, datando do século XVII e anteriores.

O livro do qual as seguintes passagens são tiradas é “Mill’s Essays on Some Unsettled Questions of Political Economy”. Estes ensaios foram escritos em 1829 e 1830 (quando Mill tinha vinte e quatro anos), cerca de dezoito anos antes do aparecimento de seu Principles of Political Economy em 1848; mas não foram publicados até 1844. Ao contrário do Principles, que talvez já tenham sido publicados em sessenta edições[16], estes ensaios são difíceis de encontrar. (Em 1948, a London School of Economics incluiu a obra em sua “série de reimpressões de obras escassas sobre economia política”, fazendo uma reprodução fotolitográfica da primeira edição de 1844).

É talvez esta falta de disponibilidade que explica o fato surpreendente de que em toda a controvérsia keynesiana do último quarto de século, o notável ensaio de Mill, “Of the Influence of Consumption on Production”, não tenha sido citado (até onde sei) pelos “pro” ou “anti” keynesianos. Para vir em cima dele, depois de longa caminhada no pântano keynesiano, tem algo da mesma excitação para o estudante da “nova economia” que os estudiosos bíblicos devem ter sentido quando descobriram e decifraram os pergaminhos do Mar Morto. É a redescoberta de um tesouro há muito enterrado.

Porque este ensaio de vinte e oito páginas é tão difícil de encontrar, vou citá-lo com algum pormenor. Mas, antes de mais, gostaria de voltar a anunciar a curiosa paralisia intelectual que parece apoderar-se de tantos economistas contemporâneos no que diz respeito às teorias de Keynes. Quando encontram erros grosseiros, ainda não conseguem convencer-se de que todo o fumo reputacional estava sem um fogo justificador, e tentam encontrar alguma contribuição original que Keynes deve ter feito. Até mesmo John H. Williams, depois de uma crítica muito capaz a Keynes, na qual prevê que “a onda de entusiasmo pela ‘economia moderna’, numa perspectiva mais alargada, nos parecerá extravagante”, afasta-se, preocupa-se com a sua própria “parcialidade”, tenta “objetivamente” avaliar a contribuição de Keynes, e conclui:

“Sem dúvida, foi muito grande. O que ele nos deu, em particular, é um sentido muito mais forte do que tínhamos antes da necessidade de análise do consumo”[17]

Será que precisamos desse “sentido mais forte”? Escutemos Mill em 1830:

“Entre os erros [dos escritores pré-clássicos] mais perniciosos em suas consequências diretas era a imensa importância atribuída ao consumo. O grande fim da legislação em matéria de riqueza nacional era criar consumidores. Esse objeto, sob os nomes variados de uma demanda extensa, uma circulação rápida, um grande gasto de dinheiro, e às vezes nestas palavras é um grande consumo que foi concebido para ser a grande condição da prosperidade.

Não é necessário, no estado atual da ciência, contestar esta doutrina no mais flagrantemente absurdo de suas formas ou de suas aplicações. A utilidade de uma grande despesa pública, com o propósito de incentivar a indústria, já não se mantém.

Em oposição a estes absurdos palpáveis, foi triunfantemente estabelecido pelos economistas políticos, que o consumo nunca precisa de encorajamento. A pessoa que economiza sua renda não é menos consumidora do que aquele que a gasta: ela a consome de maneira diferente; ela fornece alimentos e roupas para serem consumidos, ferramentas e materiais para serem usados, por trabalhadores produtivos. O consumo, portanto, já ocorre na maior medida em que a quantidade de produção admite; mas, dos dois tipos de consumo, reprodutivo e improdutivo, só o primeiro aumenta a riqueza nacional, o segundo a prejudica. O que é consumido para mero gozo, desaparece; o que é consumido para reprodução, deixa mercadorias de igual valor, geralmente com a adição de um lucro. O efeito habitual das tentativas do governo de incentivar o consumo é simplesmente impedir a poupança, ou seja, promover o consumo improdutivo em detrimento da reprodução e diminuir a riqueza nacional pelos próprios meios que se destinavam a aumentá-la.

O que um país quer tornar mais rico, nunca é o consumo, mas a produção. Onde há este último, podemos ter a certeza de que não há falta do primeiro. Produzir, implica que o produtor deseja consumir; por que outra razão se daria a si mesmo trabalho inútil? Pode não querer consumir o que ele mesmo produz, mas seu motivo para produzir e vender é o desejo de comprar. Portanto, se os produtores geralmente produzem e vendem mais e mais, certamente também compram mais e mais.”

Então Mill, com a consciência característica, quer fazer com que “nenhuma partícula dispersa de verdade importante seja enterrada e perdida nas ruínas do erro explodido”. Ele procede, portanto, para examinar “a natureza das aparências que deram origem à crença de que uma grande demanda um consumo rápido, são uma causa da prosperidade nacional”.

Depois de algumas páginas, Mill faz a afirmação (que, segundo os keynesianos, nenhum economista clássico jamais fez) de que “em todos os momentos uma proporção muito grande” do capital pode estar

“ociosa. A produção anual de um país nunca é nada que se aproxime em magnitude do que poderia ser se todos os recursos dedicados à reprodução, se todo o capital, em suma, do país, estivesse em pleno emprego” (Meus itálicos)

“Este perpétuo sub-emprego de uma grande proporção do capital [continua Mill] é o preço que pagamos pela divisão do trabalho.  A aquisição vale o que custa, mas o preço é considerável”

Depois de uma ampliação de dez páginas, Mill chama a atenção para a loucura do remédio inflacionário:

“Do que já foi dito, é óbvio que os períodos de ‘demanda rápida’ são também os períodos de maior produção: o capital nacional nunca é chamado ao pleno emprego, senão naqueles períodos. Isto, porém, não é motivo para desejar tais períodos; não é desejável que todo o capital do país esteja em pleno emprego. Pois, sendo os cálculos dos produtores e comerciantes necessariamente imperfeitos, há sempre algumas mercadorias que estão mais ou menos em excesso, como sempre há algumas que estão em deficiência. Se, portanto, toda a verdade fosse conhecida, haveria sempre algumas classes de produtores contraindo, não estendendo, suas operações. Se todos estão se esforçando para estendê-las, é uma certa prova de que alguma ilusão geral está à tona. A causa mais comum de tal ilusão é algum aumento geral, ou muito extenso, dos preços (seja por especulação ou pela moeda), que convence todos os negociantes de que estão ficando ricos. Portanto, um aumento da produção realmente ocorre durante o progresso da depreciação, desde que a existência de depreciação não seja suspeita. Mas quando a ilusão desaparece e a verdade é divulgada, aqueles cujos produtos são relativamente em excesso devem diminuir a sua produção ou destruídas: e se durante os preços elevados que construíram moinhos e máquinas, eles serão susceptíveis de se arrepender no lazer.”

Os crentes na Lei de Say, e na escola clássica, em geral, têm sido acusados pelos Keynesianos de ignorar a própria existência de ciclos de negócios. Verdade, Mill não tinha a frase. Mas ele aponta como:

“Esperanças irracionais e medos irracionais governam alternadamente com o domínio tirânico sobre as mentes da maioria do público mercantil; entusiasmo geral em comprar e relutância geral em comprar, sucedem-se uns aos outros de uma maneira mais ou menos marcada, a intervalos curtos. Exceto durante curtos períodos de transição, há quase sempre agitação nos negócios ou grande estagnação; ou os principais produtores de quase todos os principais artigos da indústria têm tantas ordens quanto possam executar, ou os comerciantes de quase todas as mercadorias têm os seus armazéns cheios de mercadorias não vendidas.

Nesse último caso, é comumente dito que há uma superabundância geral; e como aqueles economistas que contestaram a possibilidade de superabundância geral, nenhum deles negaria a possibilidade ou mesmo a ocorrência frequente do fenômeno que acabamos de notar, parece-lhes caber mostrar que a expressão a que se opõem não é aplicável a um estado de coisas em que todas ou a maioria das mercadorias permanece por vender, no mesmo sentido em que se diz que há uma superabundância de qualquer mercadoria quando ela permanece nos armazéns dos negociantes por falta de mercado.”

Ele prossegue, então, para a seguinte exposição da Lei de Say (embora nunca a mencione com esse nome):

“Quem oferece uma mercadoria para venda, deseja obter uma mercadoria em troca dela e, portanto, é um comprador pelo simples fato de ser um vendedor. Os vendedores e os compradores, para todas as mercadorias em conjunto, devem, pela necessidade metafísica do caso, ser uma equiparação exata entre si; e se há mais vendedores que compradores de uma coisa, deve haver mais compradores que vendedores para outra.

Este argumento baseia-se evidentemente na suposição de um estado de troca; e, nessa suposição, é perfeitamente incontestável. Quando duas pessoas realizam um ato de permuta, cada uma delas é, ao mesmo tempo, um vendedor e um comprador. Ele não pode vender sem comprar. A menos que ele opte por comprar a mercadoria de outra pessoa, ele não vende a sua própria mercadoria.

Se, no entanto, supomos que o dinheiro é usado, essas proposições deixam de ser exatamente verdadeiras. Intercâmbio por meio de dinheiro é, portanto, como tem sido muitas vezes observado, em última análise, nada mais do que permuta. Mas há essa diferença – que no caso da troca, a venda e a compra são simultaneamente confundidas em uma operação; você vende o que tem e compra o que quer, por um ato indivisível, e não pode fazer um sem fazer o outro. Agora, o efeito do emprego do dinheiro, e até mesmo da sua utilidade, é que ele permite que este ato de troca seja dividido em dois atos ou operações separadas; um dos quais pode ser realizado agora, e o outro um ano depois, ou quando for mais conveniente. Embora aquele que vende, realmente vende apenas para comprar, não precisa comprar no mesmo momento em que vende; e, portanto, não acrescenta necessariamente à demanda imediata por uma mercadoria quando acrescenta à oferta de outra. Sendo a compra e a venda agora separadas, pode muito bem acontecer que possa haver, em determinado momento, uma tendência muito geral para vender com o menor atraso possível, acompanhada de uma tendência igualmente geral para adiar todas as compras pelo maior tempo possível. Este é sempre o caso, de fato, naqueles períodos que são descritos como períodos de excesso geral. E ninguém, após explicação suficiente, contestará a possibilidade de excesso geral, neste sentido da palavra. O estado das coisas que acabamos de descrever, e que não é de ocorrência incomum, equivale a ele.

Porque quando há uma ansiedade generalizada para vender e uma relutância geral para comprar, as mercadorias de todos os tipos permanecem por muito tempo por vender, e aquelas que encontram um mercado imediato, fazem-no a um preço muito baixo. Há estagnação e angústia para aqueles que não são obrigados a vender.

A fim de tornar o argumento da impossibilidade de um excesso de todas as mercadorias aplicável ao caso em que um meio circulante é empregado, o dinheiro deve ser considerado como uma mercadoria. Deve, sem dúvida, admitir-se que não pode haver um excesso de todas as outras mercadorias e, ao mesmo tempo, um excesso de dinheiro.

Mas aqueles que, em períodos como os que descrevemos, afirmaram que havia um excesso de todas as mercadorias, nunca fingiram que o dinheiro era uma dessas mercadorias; sustentaram que não havia um excesso, mas uma deficiência do meio circulante. O que eles chamavam de superabundância geral não era uma superabundância de mercadorias relativamente às mercadorias, mas uma superabundância de todas as mercadorias relativamente ao dinheiro.”

Mill, então, discute a “preferência pela liquidez” (uma vez mais, sem o benefício de ter a frase):

“O que isso significava era que as pessoas em geral, naquele momento em particular, de uma expectativa geral de serem chamadas a atender a demandas repentinas, gostavam mais de possuir dinheiro do que qualquer outra mercadoria. O dinheiro, consequentemente, estava em demanda, e todas as outras mercadorias estavam em descrédito comparativo. Em casos extremos, o dinheiro é recolhido em massa e acumulado; nos casos mais brandos, as pessoas simplesmente adiam a separação do dinheiro, ou assumem novos compromissos para se separarem dele. Mas o resultado é que todas as mercadorias caem em preço, ou se tornam invendáveis. É, no entanto, da maior importância observar que o excesso de todas as mercadorias, no único sentido em que é possível, significa apenas uma queda temporária no seu valor em relação ao dinheiro. Supor que os mercados de todas as mercadorias poderiam, em qualquer outro sentido que não este, ser superestocados, envolve o absurdo de que as mercadorias podem cair em valor relativamente a si mesmas.”

Mill volta-se em seguida ao Bicho-Papão de Keynes-Hansen de uma “economia madura”, embora tivesse talvez a sorte de não saber essa frase. Trata-o como uma falácia desacreditada pelo menos uma geração antes de 1830:

“O argumento contra a possibilidade de superprodução geral é bastante conclusivo, na medida em que se aplica à doutrina de que um país pode acumular capital muito rapidamente; que o produto em geral pode, ao aumentar mais rápido do que a demanda por ele, reduzir todos os produtores a angústia. Esta proposição, estranha de se dizer, foi quase uma doutrina recebida há trinta anos; e o mérito daqueles que a explodiram é muito maior do que se poderia inferir da extrema obviedade de seu absurdo quando se afirma em sua simplicidade nativa. É verdade que, se todos os desejos de todos os habitantes de um país fossem plenamente satisfeitos, nenhum outro capital poderia encontrar emprego útil; mas, nesse caso, nenhum seria acumulado. Enquanto houver pessoas sem posses, não se diz de subsistência, mas dos luxos mais refinados, e quem trabalharia para possuí-las, há emprego para o capital. Nada pode ser mais quimérico do que o medo de que a acumulação de capital produza pobreza e não riqueza, ou de que ela venha a acontecer demasiado depressa para o seu próprio fim. Nada é mais verdadeiro do que a produção que constitui o mercado para a produção, e que cada aumento de produção, se distribuído sem erros de cálculo entre todos os tipos de produtos na proporção que o interesse privado ditaria, criaria, ou melhor, constituiria a sua própria demanda.

Esta é a verdade que os negadores da superprodução geral apreenderam e impuseram.”

E num último parágrafo, Mill resume:

“O essencial da doutrina é preservado quando se permite que não possa haver excesso permanente de produção, ou de acumulação; embora se admita, ao mesmo tempo, que como pode haver um excesso temporário de qualquer um dos artigos considerados separadamente, também pode haver um excesso temporário de mercadorias em geral, não em consequência de excesso de produção, mas de falta de confiança comercial.”

Se Keynes e os keynesianos soubessem deste ensaio, e o tivessem lido e ponderado no tempo, poderíamos ter sido poupados à sombria e estéril “revolução” econômica do último quarto do século.

8. J. A. Hob filho e Major Douglas

Somente uma discussão comparativamente curta é agora requerida nas ideias de J. A. A. Hobson, de quem Keynes em seguida cita extensivamente. Hobson, felizmente, afirma sua teoria tão claramente que seus erros são facilmente detectados e respondidos:

“Eu dificilmente perceberia que ao parecer questionar a virtude da poupança ilimitada eu tinha cometido o pecado imperdoável” (p. 366)

Mas é claro que a parcimônia ilimitada, se as palavras têm qualquer significado, significaria que ninguém gastaria qualquer parte de sua renda em qualquer coisa – uma aventura em suicídio racial que nenhum homem são jamais recomendou. No problema da relação ótima da poupança à despesa, o que nós estamos discutindo são relações e quantidades, e nenhum destes são especificados em nenhuma das citações de Hobson que Keynes apresenta. Hobson habitualmente ataca

“um exercício indevido do hábito de poupar” (p. 367)

“qualquer exercício indevido deste hábito” (p. 367)

“poupança indevida” (p. 368, Meus itálicos)

e, claro, o que é “indevido” é condenado pelo próprio adjetivo. Se por poupança “indevida” Hobson quer dizer repentina, incomum e inesperada poupança, para a qual o volume anterior ou equilíbrio de produção não foi ajustado, então tal poupança é, naturalmente, perturbadora. Mas mesmo aqui não sabemos se esta súbita poupança é a verdadeira causa do dano causado, a menos que saibamos se ela é completamente irracional e não provocada, ou se ela é em si mesma uma consequência natural, ou racional de algum fator perturbador anterior.

Em qualquer caso, é claro que Hobson acredita na existência de “superprodução geral” (p. 367). E é a Lei de Say, propriamente entendida, que nos diz que a superprodução geral é impossível. O que é possível é apenas produção desequilibrada, produção mal direcionada, produção das coisas erradas. Mas já passamos por isso com demasiada frequência para precisarmos voltar a desenvolvê-la.

Esta Seção VII do Capítulo 23 poderia ter sido intitulada por Keynes: Eu Mesmo e Alguns Eminentes Predecessores que Nunca Entenderam a Lei de Say.

Keynes fecha com algumas palavras sobre o Major Douglas:

“Desde a guerra tem havido uma série de teorias heréticas de subconsumo, das quais as do Major Douglas são as mais famosas” (p. 370)

É claro que desde a aparição da Teoria Geral a teoria herética mais famosa do subconsumo é a própria de Keynes. Mas Keynes continua:

“O detalhe do diagnóstico [de Douglas], em particular o chamado Teorema A + B, inclui muito mais do que mera mistificação” (p. 371).

E não há mistificação desnecessária no teorema keynesiano I + C, ou no teorema S = Y – C, ou no teorema Z = ø(N), ou no teorema ΔN = kΔN2 entre muitos outros?

________________________________________________

Notas

[1] A citação a si memso vem de The Nation and the Athenaeum, Nov. 24, 1923.

[2] Citação em Tariffs: The Case Examined, by Sir William Beveridge and others. (Londres: Longmans, 1931), p. 242.

[3] R. F. Harrod, The Life of John Maynard Keynes, (Nova Iorque: Harcourt, Brace, 1951), p. 469.

[4] Veja o livro do presente autor Economics In One Lesson, (Nova Iorque: Harper, 1946).

[5] Veja, e.g., Mary G. Lacy, “Food Control During Forty-six CenturiesScientific Monthly, Junho, 1923, ou do mesmo autor Price-Fixing by Governments, 424 B.C. to 1926 A.D., 1926.

[6] 6 Mary Sennholz (ed.), On Freedom and Free Enterprise: Essays in Honor of Ludwig von Mises (Princeton: Van Nostrand, 1956).

[7]  E. Heckscher, Mercantilism (Londres: Macmillan, 1935), II, 208.

[8]  Ibid., I, 173.

[9] Prefácio da obra de Malthus Principles of Political Economy, 1820, pp. 8-9.

[10]Ibid., pp. 8-9.

[11]Ibid., p. 363, nota de rodapé.

[12] Para uma análise dos respectivos efeitos da extravagância e poupança dos ricos em condição relativa aos pobres, veja Hartley Withers, Poverty and Waste, 1914, um excelente, porém negligenciado volume. Antes do revivido estatismo e inflacionismo da primeira guerra mundial, economistas ainda se atreviam a defender frugalidade. Eu não posso evitar citar nesse ponto, por exemplo, de um pequeno livro de J. Chapman, Political Economy, publicado em Home University Library series em 1912. Chapman se refere à “ultrajante falácia”proferida pelo herói de Marryat, Sr. Midshipman Easy, defendendo que o vício da extravagância “faz o dinheiro circular” e contribui para o “suporte, conforto e emprego dos pobres”. “A falácia se trai uma vez”, comenta Chapman, “quando nos lembramos que não devemos ser finalmente dependentes do emprego nas vontades de outras pessoas, pois nós temos todo o suficiente de nós para nos deixar totalmente ocupados em satisfazê-los. Enquanto existem aqueles hoje que… defendem que a excessiva poupança dos ricos… está retendo o trabalho dos pobres. Mas o poupar que não é acumulo é um gasto indireto – gasto em instrumentos produtivos que fazem as coisas mais baratas para os pobres – e transparentemente mais pode ser produzido para os pobres quando suas demandas tiverem que completar em menor grau com a demanda para os bens de consumo das pessoas ricas” (pp. 224-226)

[13] Principles, Livro I, Capítulo. V, § 9.

[14]  Loc. cit.

[15]  Cf., e.g., A. C. Pigou, Essays in Economics (Londres: Macmillan, 1952), pp. 232-235 e Edwin Cannan, A Review of Economic Theory, p 109.

[16]  Cf. Michael St. John Packe, The Life of John Stuart Mill (Nova Iorque: Macmillan, 1954), p. 310.

[17] American Economic Review, Maio, 1948, p. 289.