Capítulo XXIV – Keynes se Deixou Levar

0
Tempo estimado de leitura: 20 minutos

Em seu último capítulo – “Notas Conclusivas sobre a Filosofia Social para a qual a Teoria Geral pode levar” – Keynes realmente se deixa levar. Aqui ele assume que todas as suas proposições anteriores foram provadas, e tira suas conclusões triunfantes e abrangentes. Este capítulo, portanto, está ainda mais repleto de falácias e deduções injustificadas do que qualquer um dos outros. Mas tem a vantagem de afirmar suas falácias em linguagem relativamente clara e não técnica. Portanto, nos dará a oportunidade também de revisá-las em linguagem mais clara e menos técnica do que até agora.

1. Desigualdades de Rendimento

“As falhas pendentes da sociedade econômica em que vivemos [começa Keynes] está em seu fracasso em prover o pleno emprego e em sua distribuição arbitrária e desigual de riqueza e renda” (p. 372).

Há principalmente quatro coisas erradas com esta afirmação:

(1) A vagueza do conceito do “pleno emprego” de Keynes (a que retornaremos mais tarde para uma exame mais preciso).

(2) O desemprego em massa prolongado não é culpa de nossa “sociedade” econômica, mas de intervenções governamentais em relações de trabalho-gestão, taxas-salariais, e política monetária e bancária – o tipo de intervenção que Keynes desejava aumentar.

(3) A distribuição da riqueza e dos rendimentos não é, no essencial, nem “arbitrária” nem “injusta” num sistema de mercado livre competitivo. Como John Bates Clark demonstrou brilhantemente em “The Distribution of Wealth” (1899)

“a livre concorrência tende a dar ao trabalho o que o trabalho cria, aos capitalistas o que o capital cria, e aos empresários o que a função de coordenação cria”

As desigualdades individuais estão fadadas a ocorrer, mas não são sistemáticas. O próprio capitalismo tende constantemente a reduzi-las através de suas recompensas à produção. Se estamos à procura de uma distribuição realmente “arbitrária” e “desigual”, podemos encontrá-la no Oriente, ou em países atrasados e “subdesenvolvidos”, ou na Rússia e China Comunistas – em suma, em sociedades pré-capitalistas ou socialistas.

(4) É mesmo um nome errado nos países capitalistas chamar este processo de “distribuição”. Rendimento e riqueza não são “distribuídos”, mas produzidos, e, em geral vão para aqueles que os produzem.

Mas mesmo que tudo isso não fosse verdade, não há razão para supor que a panaceia keynesiana iria remediar a situação.

Keynes prossegue elogiando o “progresso significativo” trazido pelo progressivo imposto de renda e Imposto de transmissão causa mortis (um “progresso” que os economistas estão duvidando cada vez mais).

“Até ao ponto em que prevalece o pleno emprego [diz-nos ele], o crescimento do capital não depende de forma alguma de uma baixa propensão para o consumo, mas é, pelo contrário, retido por ele” (pp. 372-373)

“Um aumento da propensão habitual para consumir servirá, em geral (exceto em condições de pleno emprego) para aumentar, ao mesmo tempo, o incentivo ao investimento” (p. 373)

“O crescimento da riqueza, longe de ser dependente da abstinência dos ricos, como é comumente suposto, é mais susceptível de ser impedido por ela. Uma das principais justificações sociais da grande desigualdade de riqueza é, portanto, removida” (p. 373)

Como é maravilhoso o mundo keynesiano! Quanto mais você gasta, mais você economiza. Quanto mais comeres o teu bolo, mais bolo terá. Quanto menos você economizar, mais incentivo você terá para investir. Mas há, talvez, uma falha nesta lógica. Mesmo Keynes tem insistido que a poupança e o investimento devem ser iguais. Como só se pode investir o que se poupa, quanto menos se poupa, menos se pode investir – não importa quão grande seja o “incentivo” para investir. Além disso, não é a poupança excessiva que cria desemprego, mas sim o excesso de taxas salariais, ou seja, acima do ponto de produtividade marginal. Mas já passamos por todo este processo.

Segue-se um longo parágrafo em que Keynes admite que

“há justificação social e psicológica para desigualdades significativas de rendimentos e de riqueza, mas não para disparidades tão grandes como as que existem atualmente” (p. 374)

Parece que “existem atividades humanas valiosas que requerem o motivo de fazer dinheiro”, mas “apostas muito mais baixas servirão igualmente bem o objetivo” e “a tarefa de transmutar a natureza humana não deve ser confundida com a tarefa de geri-la”.

Este parágrafo é revelador.  Trai o toque totalitário. Mostra Keynes no papel de “papai faz melhor”. Ele e seus amigos sabem, apenas por julgamento pessoal, exatamente quais recompensas e penalidades são necessárias. O povo deve ser “administrado” pela elite keynesiana. Um homem não tem o direito de manter o que ganha; mas permitir que ele mantenha um pouco disso é um privilégio gracioso em que um clique governamental de keynesianos oniscientes pode satisfazer-lhe, como permitir que uma criança tenha apenas um pequeno doce.

O que (exceto a conveniência), impediu Keynes de anunciar-se um socialista completo, é o que eu não sei. O que ele parecia querer era uma economia administrada pelo governo, que imitaria algumas das características do capitalismo.

2. A eutanásia do rentista

Keynes volta à sua teoria da taxa de juro.

“A justificação para uma taxa de juro moderadamente elevada tem sido encontrada até agora na necessidade de proporcionar um incentivo suficiente para poupar. Mas temos demonstrado que a extensão da poupança efetiva é necessariamente determinada pela escala do investimento e que a escala do investimento é promovida por uma taxa de juro baixa. Assim, é mais vantajoso reduzir a taxa de juro até esse ponto relativamente à escala da eficiência marginal do capital em que existe pleno emprego. Não há dúvida de que este critério conduzirá a uma taxa de juro muito mais baixa do que a que tem regido até agora.” (p. 375).

Atualmente, muitos economistas (não keynesianos) não têm a certeza de que o incentivo à poupança aumente na proporção direta da taxa de juro. Não precisamos entrar nos prós e contras deste argumento, exceto para salientar que certa taxa de juro mínima é necessária para induzir, se não à poupança, ao investimento, que Keynes nos diz ser o seu principal interesse (Keynes pensa persistentemente no investimento como apenas o que um empresário mutuário coloca no seu próprio negócio; estou aqui a usar o termo para significar também qualquer empréstimo que um homem faça com as suas poupanças, compra de títulos, etc.).

Quando Keynes nos diz que “a escala da poupança efetiva é necessariamente determinada pela escala do investimento”, ele esquece que a causa primária é o contrário.  A poupança determina o investimento. Sem poupança, não há nada para investir. Mesmo nas próprias definições de Keynes, o investimento não pode vir a existir sem poupanças equivalentes. Dizer que “a escala do investimento é promovida por uma taxa de juro baixa” é olhar para a questão apenas do ponto de vista do mutuário, e esquecer o ponto de vista do credor.

Suponhamos que aplicamos os ditames de Keynes à compra e venda. Nós então escreveríamos algo assim: “A compra não é determinada pelo poder de compra, mas o poder de compra efetivo é determinado pela escala de compra; e a escala de compra é promovida por preços baixos. Isto seria imediatamente reconhecido como um disparate. Até mesmo um keynesiano poderia esperar ver que a escala de venda (ou de produção para venda) é promovida por preços altos que dão o maior incentivo para produzir. Naturalmente, na prática, o potencial máximo de produção, de compra e de venda são alcançados pelo preço de equilíbrio correto – o preço que mais faz para harmonizar os desejos e incentivos dos produtores, vendedores, compradores e consumidores, respectivamente.

É o que acontece com as taxas de juro. A taxa de juro que promove o máximo da poupança, empréstimos, financiamentos e investimentos não é nem a taxa de juro mais elevada, nem a taxa de juro mais baixa, mas sim uma taxa de juro de equilíbrio à qual são conciliados os maiores números de desejos e incentivos tanto dos mutuantes como dos mutuários.

A teoria de Keynes sobre a taxa de juro, tal como a sua ênfase no rendimento monetário dos consumidores e na “propensão para consumir”, é puramente uma teoria da demanda. Assim como parece pensar apenas em termos da propensão para gastar e comprar, e não da propensão para trabalhar, produzir ou vender, também pensa apenas no incentivo ao empréstimo, e ignora a necessidade do incentivo para poupar e emprestar. Quando tem em conta este último incentivo, fá-lo apenas para denunciá-lo como antissocial e perverso.

Como sabe Keynes que “não pode haver dúvida” que uma taxa de juro fixada de acordo com “a eficiência marginal do capital à qual se encontra o pleno emprego” será “uma taxa de juro muito mais baixa do que a que tem governado até agora”? Aparentemente porque os seus sentimentos pessoais lhe dizem isso.

“Tenho certeza de que a demanda de capital é estritamente limitada no sentido de que não seria difícil aumentar o estoque de capital até um ponto em que sua eficiência marginal tivesse caído para um valor muito baixo”

onde o retorno dos instrumentos de capital

“teria que cobrir pouco mais do que sua exaustão por desperdício e obsolescência” (p. 375).

Na medida em que existe qualquer argumento a favor da conclusão da página 375, parece assentar no pressuposto de que o desemprego é o resultado de taxas de juro excessivas e não de taxas salariais excessivas. Keynes não parece compreender sequer o objetivo principal dos bens de capital e dos bens de equipamento. Esse objetivo não é apenas aumentar a produção e produzir bens de consumo que de outra forma, não poderiam ser produzidos, mas reduzir os custos de produção.

Por que alguém investiria em bens de capital se não obtivesse nenhum retorno líquido de que valesse a pena falar? Vamos tomar, por exemplo, uma casa que custa $20.000 para construir. Pode-se entender que um homem pode construir tal casa para viver em si mesmo. Pode-se entender que ele pode construí-la para alugar a outra pessoa – desde que, é claro, que ele tenha um bom negócio mais aluguel do que simplesmente o suficiente para cobrir a exaustão por desperdício e obsolescência. Mas suponha que lhe pediram, em vez disso, para emprestar uma hipoteca pelo valor total de tal casa, para permitir que outra pessoa a construa para alugar ainda a uma terceira pessoa. É óbvio que, para induzi-lo a fazer isso, o juro oferecido teria que ser igual ao aluguel presumido da casa menos a depreciação anual estimada, a compensação pela preocupação e pelo problema de gestão (a função de proprietário) e a proteção relativa contra os riscos de vacância e de especulação imobiliária. O retorno do credor hipotecário, em suma, está intimamente ligado à perspectiva de retorno do proprietário legal do edifício.

Este é apenas um caso especial da relação estreita e constante entre a taxa de juro e o rendimento marginal de bens de equipamento específicos. Se a hipoteca pretendida não fosse oferecida, ele não emprestaria o dinheiro; se o construtor da casa não fosse autorizado a cobrar um aluguel que valesse a pena, ele não construiria casas, nem com seu próprio dinheiro, nem com o de outra pessoa.

Como, então, Keynes baixaria as taxas de juros e até mesmo o retorno ao empresário e ainda receberia sua poupança, investimento e produção? O que ele realmente tem em mente, aparentemente, é apreender o dinheiro através da tributação e criar “investimentos” forçados através do governo.

Será que minha suposição vai longe demais? Então veja isto:

“Embora este estado de coisas [apenas o retorno suficiente para cobrir o custo da substituição do capital] fosse bastante compatível com alguma medida de individualismo, ainda assim significaria a eutanásia do rentista, e, consequentemente, a eutanásia do poder opressivo cumulativo do capitalista para explorar o valor de escassez do capital” (pp. 375-576)

Pela luz que lança sobre o coração da mensagem de Keynes e sobre a popularidade das suas ideias entre os esquerdistas, esta frase é uma das mais reveladoras do livro. Note como o individualismo paternalista (i.e., a liberdade individual) é tratado. Keynes graciosamente permitiria “alguma medida” isso. Mas ele insiste na “eutanásia do rentista”. Eutanásia significa morte indolor. Ou seja, a morte do rentista seria indolor para Keynes. Há um velho provérbio que diz que se você quer enforcar um cachorro, deve primeiro chamá-lo de louco. Se você quer derrubar um homem, você deve primeiro dar-lhe um mau nome. Então Keynes usa a rentista francesa como uma palavra de difamação. O rentista é o sujeito terrível que poupa um pouco de dinheiro e o coloca em um banco de poupança. Ou ele compra um título da United States Steel, e usa seu poder opressivo acumulado como capitalista para explorar a U. S. Steel Corporation.

Tudo isto é demagogia e conversa fiada. Difere da marca marxista apenas nos detalhes técnicos.

3. Roubando produtividade

“Os juros hoje [Keynes continua] não recompensam nenhum sacrifício genuíno, assim como a renda da terra. O dono do capital pode obter juros porque o capital é escasso, assim como o dono da terra pode obter renda porque a terra é escassa. Mas embora possa haver razões intrínsecas para a escassez de terra, não pode haver razões intrínsecas para a escassez de capital. Mesmo assim, ainda será possível manter a poupança comunal através da agência do Estado a um nível que permita o crescimento do capital até ao ponto em que este deixe de ser escasso” (p. 376)

Como sabe Keynes que os juros não recompensam nenhum sacrifício genuíno? Certamente, os aforradores em circunstâncias moderadas estão constantemente a fazer sacrifícios de gratificações imediatas, a fim de poupar para uma casa, para a educação dos seus filhos, ou contra possíveis problemas de saúde. O que sabe Keynes sobre os sacrifícios individuais, abstenções e escolhas de aforradores individuais?

E o aluguel da terra não recompensa nenhum sacrifício genuíno? Keynes não sabe que o valor do capital e do aluguel da maioria das terras no mundo civilizado de hoje é em grande parte o resultado do capital que foi para as estradas e outras comunicações que levam a ele, bem como a limpeza, nivelamento, drenagem, irrigação, aragem, fertilização e construção que foram colocados nele – tudo a um custo de capital?

O que quer dizer Keynes quando declara que “não há razões intrínsecas para a escassez de capital”? Não é a maior e suficiente razão intrínseca o fato de que (na América, por exemplo) não havia capital nenhum quando chegamos aqui, e tudo isso tinha que ser criado por alguém? Pelo trabalho e poupança de algumas pessoas, mesmo que algumas delas não tivessem sido admitidas no círculo de Bloomsbury? Ainda há escassez de capital simplesmente e unicamente porque não foi criado o suficiente por trabalho e poupança.

Aliás, as pessoas não são recompensadas na vida econômica por “sacrifício”, mas simplesmente por produzir algo que alguém quer o suficiente para estar disposto a pagar. Eu não pago à General Motors Corporation $3.000 para recompensar seu “sacrifício” em produzir um Oldsmobile; eu pago porque quero o Oldsmobile. Se um homem fizer algo que você ou eu não queremos, não estamos interessados em quanto sacrifício seu produto lhe custou; não nos cabe a nós recompensá-lo por produzir algo para o qual não podemos encontrar utilidade. Na economia de Keynes, em que apenas o “sacrifício genuíno” é recompensado, não pagaríamos nada a um inventor, compositor musical, artista ou autor, a menos que ele pudesse provar que não gostava realmente de inventar, compor, pintar ou escrever.

Dizer que o proprietário do capital ou o proprietário da terra explora a “escassez” é apenas uma forma sinistra de dizer que todo valor econômico é valor de escassez. Um preço de mercado para qualquer coisa que possa ser obtida só porque essa coisa é relativamente escassa, no sentido de que não é um dom gratuito da natureza.

A economia da abundância de bens de capital de Keynes poderia ser estabelecida como um mundo dos sonhos, se não fosse a frase final de Keynes citada acima. Aí ele admite tacitamente que a poupança e o capital não estarão disponíveis no retorno praticamente inexistente que ele propõe. Então, ah! O Estado entra, o Estado mágico, pega o capital através da tributação e faz seu próprio “investimento”.

Só o resultado a longo prazo desta situação seria, evidentemente, reduzir a produção e tornar o capital real mais escasso do que nunca.

Keynes prossegue:

“Vejo, portanto, o aspecto rentista do capitalismo como uma fase de transição que desaparecerá quando ele tiver feito seu trabalho” (p. 376)

Esta frase implica a teoria “estágio” hegeliano-marxista da história – exceto que nada anterior na teoria de Keynes explica o que o trabalho do “aspecto rentista” realmente foi. De acordo com sua teoria, o rentista sempre exigiu uma taxa de juros que era muito alta, e por alguma razão inescrutável foi capaz de obtê-la. Como o rentista, em resumo, de acordo com a teoria keynesiana, nunca teve qualquer desculpa para existir em primeiro lugar, ele nunca fez qualquer trabalho exceto para reter o progresso econômico e produzir desemprego.

“E com o desaparecimento de seu aspecto de rentista [Keynes continua] muito mais, além disso, sofrerá uma mudança radical. Será, além disso, uma grande vantagem da ordem dos acontecimentos que estou defendendo, que a eutanásia do rentista, do investidor sem função, não será nada repentina, apenas uma continuação gradual, mas prolongada, do que vimos recentemente na Grã-Bretanha, e não precisará de revolução” (p. 376)

Tudo isso é muito reconfortante. O rentista será morto silenciosamente, porque ele será incapaz de oferecer qualquer resistência, e a Grã-Bretanha desfrutará daquela maravilhosa prosperidade (?) que se seguiu à sua adoção dos remédios keynesianos. (Embora depois de anos de dinheiro barato após o aparecimento da Teoria Geral – uma taxa bancária de 2 por cento em 1937, 1948, 1950, etc. – o Banco de Inglaterra foi finalmente forçado a apertar até uma taxa de desconto de 7 por cento em setembro de 1957).

Mas o que dizer do “investidor sem função”?  Aqui, penso eu, a caneta de Keynes escorregou inadvertidamente. O investidor (pela sua definição anterior) tem sido até agora o seu herói, o seu empresário, explorado por aquele verdadeiro vilão, o aforrador. Não serviu o investidor uma função, ganhando e poupando o suficiente para se tornar um investidor? Ele não cumpriu outra função fazendo uma escolha de qual projeto ou empresa investir e em qual não investir? Mas Keynes está realmente se tornando eloquente agora, e não devemos interrompê-lo por essas perguntas triviais.

“Assim [ele continua], na prática (não havendo nada nisto que seja inatingível), poderíamos visar um aumento do volume de capital até que ele deixe de ser escasso, de modo que o investidor sem função não receba mais um bônus; e um esquema de tributação direta que permita a inteligência, determinação e habilidade executiva do financiador, o empreendedor et hoc genus omne (que certamente gostam tanto de sua arte que seu trabalho poderia ser obtido muito mais barato do que atualmente), para ser aproveitado ao serviço da comunidade em termos razoáveis de recompensa” (pp. 376-377)

Em resposta, pode ser apontado que o capital deixará de ser “escasso” apenas quando deixar de ter valor, de modo que qualquer um estará disposto a dá-lo. Deixará de ter valor apenas quando ou não custar nada para produzir, ou quando a sua aplicação deixar de reduzir os custos (incluindo o tempo) de produção de qualquer coisa, ou quando os bens de consumo que ajuda a produzir deixarem de ser “escassos” e de ter valor – estas condições são impossíveis. A aplicação do capital aumenta o progresso tecnológico; e o próprio progresso tecnológico torna obsoletas as máquinas e os materiais antigos à custa de novas máquinas e materiais. Assim, o capital, ao ajudar o progresso, aumenta automaticamente a necessidade, o valor e a “escassez” de novos capitais para novas aplicações.

O esquema de Keynes do “imposto direto” é um esquema para roubar o produtivo a fim recompensar o improdutivo. Ele tenta explorar o fato de que certos empresários (como certos poetas, músicos, artistas, cientistas) são “apaixonados por sua arte”. Mas a tentativa de explorá-los, de tratá-los como cavalos de tração, de pagá-los apenas o suficiente para mantê-los trabalhando, teria uma falha. Outros empresários trabalham principalmente para as recompensas nele, e quando estes são reduzidos abaixo de um incentivo suficiente, eles jogam golfe ou escolhem alguma outra alternativa – como os resultados das taxas expropriatórias do imposto de renda existente estão provando todos os dias. É óbvio pelo tom de Keynes que ele tinha um desprezo mal dissimulado, como convém a um membro do círculo de Bloomsbury, pelo empreendedor empresarial.

Keynes conclui esta secção escrevendo:

“Ficaria para decisão separada em que escala e por que meios é correto e razoável apelar à geração viva para restringir seu consumo, a fim de estabelecer, ao longo do tempo, um estado de pleno investimento para seus sucessores” (p. 377)

Mas, as pessoas já estão decidindo esta questão como indivíduos e voluntariamente, e não por compulsão coletiva (exceto através de impostos progressivos de renda e herança e do chamado “investimento” do Estado).

4. A socialização do investimento

E agora Keynes tem algumas palavras amáveis e condescendentes para dizer sobre um sistema econômico livre e voluntário. Mas cuidado com Keynes quando ele traz presentes!

“Em alguns outros aspectos [ele começa] a teoria precedente é moderadamente conservadora em suas implicações. Há amplos campos de atividade que não são afetados” (pp. 377-378)

Claro que o Estado terá de aumentar “a propensão para consumir” (i.e., desencorajar a poupança), e ele deve corrigir (i.e., diminuir) a taxa de juros; e deve haver “uma socialização um pouco abrangente do investimento”, mas

“além deste não óbvio caso, pode ser feito um sistema de socialismo de Estado que abraçaria a maior parte da vida econômica da comunidade” (p. 378)

É difícil acreditar que Keynes seja tão ingênuo quanto finge, e que não esteja rindo de sua manga. A taxa de juros – a valorização do tempo e de todos os investimentos – deve ser retirada do mercado e colocada completamente nas mãos do Estado. Mas Keynes ignora a completa interconexão de todos os preços. Isto inclui especialmente o preço dos empréstimos de capital, qualquer remendo do Estado com o qual este deva necessariamente afetar e distorcer todos os preços e relações de preços em toda a economia. Além disso, através de seu investimento socializado, o Estado decidiria quais empresas ou indústrias expandir e quais congelar, ou contrair. Ainda que o Estado não fosse tecnicamente proprietário dos instrumentos de produção, tal conduziria a um socialismo de fato.

Keynes continua:

“Mas se os nossos controles centrais conseguirem estabelecer um volume agregado de produto correspondente ao pleno emprego o mais próximo possível, a teoria clássica volta a ter o seu próprio valor a partir deste ponto” (p. 378)

Vejamos. O sistema de livre mercado (que é o que Keynes quer dizer com “teoria clássica”) é incapaz, segundo ele, de fixar adequadamente o volume de dinheiro e crédito, ou a taxa de juros adequada, ou o volume e direção corretos do investimento, ou o volume correto da oferta, ou o emprego adequado. Mas fora disso muito pouco pode ser dito contra ele! No entanto, os keynesianos citam solenemente frases selecionadas do tipo que acabo de citar para provar que Keynes era realmente um conservador, e além de uma ou duas pequenas reservas, um discípulo da economia clássica!

Vale a pena notar que embora fale constantemente neste capítulo, como em outro, do “pleno emprego”, ele nunca menciona taxas de salário excessivas como uma causa possível do desemprego ou sugere toda a interferência do governo para com eles. Estes devem ser deixados, como antes, aos dirigentes sindicais, que devem continuar a gozar de privilégios e imunidades legais negados a todos os outros grupos.

“Se supomos que o volume de produção a ser dado, [Keynes continua] i.e., a ser determinado por forças fora do esquema clássico de pensamento, então o interesse próprio privado determinará o que em particular é produzido, em que proporções os fatores de produção serão combinados para produzi-lo, e como o valor do produto final será distribuído entre eles” (pp. 378-379).

Esta passagem é uma contradição óbvia. Se o Estado determina quanto será investido, a que taxa de juros e onde, ele necessariamente determina o que em particular é produzido e com que fatores. O esquema de Keynes tiraria tudo isso de mãos privadas. Ele simplesmente se recusa a reconhecer as implicações de suas próprias propostas.

Keynes continua sua atitude paternalista para a liberdade pessoal:

“Lá remanescerá ainda um campo largo para o exercício da iniciativa e da responsabilidade confidencial. Dentro deste campo, as vantagens tradicionais do individualismo ainda serão boas” (p. 380)

Suponho que um exemplo disso seria o imposto de renda progressivo, tão calorosamente aprovado por Keynes, que, nos Estados Unidos, no momento em que escrevo, sobe para 91 por cento nos colchetes mais altos. Mas o indivíduo ainda pode reter e gastar 9 por cento do dinheiro adicional que ganha (se não for tomado pelos impostos estatais) como um campo amplo para o exercício da sua iniciativa privada.

“Vamos parar por um momento [Keynes prossegue] para nos lembrarmos de quais são estas vantagens. São, em parte, vantagens da eficiência – as vantagens da descentralização e do jogo do interesse próprio. A vantagem para a eficiência da descentralização das decisões e da responsabilidade individual é talvez ainda maior do que o suposto século XIX; e a reação contra o apelo ao interesse próprio pode ter ido longe demais” (p. 380)

Bem, depois de 379 páginas falando sobre todos os alegados danos causados pela responsabilidade individual e interesse próprio, parece um pouco tarde, no quarto final, para começar uma retração. Tudo isto é, naturalmente, apenas mais uma autocontradição. O controle governamental do volume de poupança, das taxas de juros e do investimento, centraliza as decisões-chave, deixando apenas decisões derivadas e muito menos importantes para os indivíduos.

“Mas, acima de tudo [continua Keynes], o individualismo, se puder ser purificado de seus defeitos e abusos, é a melhor salvaguarda da liberdade pessoal no sentido de que, em comparação com qualquer outro sistema, amplia muito o campo para o exercício da escolha pessoal” (p. 380)

Esta declaração sentenciosa é mera tautologia. O individualismo não só “salvaguarda” a liberdade pessoal; significa liberdade pessoal. E liberdade pessoal significa, naturalmente, entre outras coisas, a liberdade de exercer a escolha pessoal. Os “abusos e defeitos” dos quais o individualismo deve ser “expurgado” são, presumo, todas as ações ou decisões que os burocratas desaprovam.

Keynes prossegue elogiando, de modo paternalista, “a variedade de vida que emerge deste campo alargado de escolha pessoal”.

Mas toda esta passagem da página 380 – e todo o capítulo, de fato – é uma série de autocontradições.  Nele, Keynes tenta obter o melhor dos dois mundos – insistir em uma economia controlada pelo governo e chamá-la de “individualismo” e liberdade de empreendimento. Quanto ao seu elogio à “variedade”, por que não concorrência e variedade nas taxas de juros, ou concorrência e variedade nos investimentos? Por que não “o exercício da escolha pessoal” ao fazer seus próprios investimentos com o dinheiro que ganhou?

“Enquanto, portanto, [Keynes continua], o alargamento das funções do governo pareceria a um publicitário do século XIX ou a um financiador americano contemporâneo ser uma terrível invasão do individualismo, eu defendo-o, pelo contrário, tanto como o único meio praticável de evitar a destruição das formas econômicas existentes em sua totalidade como a condição do funcionamento bem-sucedido da iniciativa individual” (p. 380)

Em outras palavras, a maneira de preservar o individualismo é rejeitá-lo, e em um campo central. Pois, o investimento é uma decisão chave na operação de qualquer sistema econômico. E o investimento governamental é uma forma de socialismo. Só a confusão de pensamento, ou a duplicidade deliberada, poderia negar isso. O socialismo, como qualquer dicionário diria aos keynesianos, significa propriedade e controle dos meios de produção pelo governo. Sob o sistema proposto por Keynes, o governo controlaria todo o investimento nos meios de produção e seria dono da parte que ele próprio tinha investido diretamente. É, na melhor das hipóteses, mera confusão, portanto, apresentar as panaceias keynesianas como uma alternativa de livre iniciativa ou “individualista” ao socialismo.

Segue-se um parágrafo em que Keynes declara que:

“Se a demanda efetiva é deficiente, não só o escândalo público de desperdício de recursos é intolerável, como o empreendedor individual que busca colocar esses recursos em ação está operando com as chances que lhe são impostas. Os jogadores como um todo vão perder. Até agora, o incremento da riqueza mundial tem ficado aquém do agregado de poupanças individuais positivas; e a diferença tem sido compensada pelas perdas daqueles cuja coragem e iniciativa não foram complementadas por uma habilidade excepcional ou por uma boa fortuna invulgar. Mas se a demanda efetiva for adequada, a habilidade média e a boa sorte média serão suficientes” (pp. 380-381)

Não há uma frase nesta citação que não seja baseada em alguma suposição errada. O conceito de Keynes de “recursos desperdiçados”, como W. H. Hutt mostrou, não suportará exame crítico. Há muito menos desperdício real em reconhecer francamente o mau investimento passado, e/ou eliminá-lo ou permitir que ele se torne periodicamente ocioso, do que em tentar esconder sua existência por uma inflação contínua ou jogando bons recursos atrás do mau. Há também, como Hutt mostra, uma grande quantidade de “pseudo-ociosodade”, como em cortadores de grama ou fonógrafos, ou roupas de noite que são usadas apenas ocasionalmente, e cujos serviços consistem em sua disponibilidade. Keynes esquece particularmente este importante serviço de “disponibilidade” quando se refere a saldos de caixa como dinheiro “acumulado”.

Mais uma vez, os “lucros” reais líquidos, por conceito e definição, podem ir, na melhor das hipóteses, em condições “normais” ou estáticas, apenas para a metade mais previdente, hábil ou afortunada de todos os empresários. O empresário médio tende a ter “lucro” suficiente para compensar o preço de seus próprios serviços se ele trabalhou para outra pessoa. Os empreendedores com menos do que a média de previsão, habilidade ou sorte se encontrarão com perdas. Somente o melhor do que a média vai conseguir lucros reais.

Esta situação geral não é melhorada pela inflação contínua, mas apenas ocultada. A verdadeira situação volta a revelar-se quando se tem em conta o poder de compra médio perdido dos rendimentos monetários recebidos. Keynes não dá qualquer apoio à sua crença de que o incremento da riqueza mundial ficou aquém do agregado das poupanças individuais positivas. Se esta afirmação for verdadeira, tende a mostrar que a taxa de juro, em vez de ser cronicamente demasiado elevada, como Keynes nunca se cansa de repetir, tem sido cronicamente demasiado baixa para compensar os riscos. Mas o enorme aumento da riqueza mundial e a vasta acumulação de capital (digamos, apenas na América, desde o desembarque dos peregrinos em 1620) dificilmente apoiam sua argumentação.

5. As “causas econômicas da guerra”.

Keynes segue-se agora com uma seção em que ele oferece a sua panaceia como remédio para eliminar as alegadas “causas econômicas da guerra”. Estranhamente, ele acusa “laissez-faire doméstico e um padrão de ouro internacional” como as causas da “luta competitiva por mercados” (p. 382) entre nações.

Tudo isso, é claro, é exatamente o oposto da verdade. Sob um padrão de ouro internacional e liberdade de comércio, havia uma competição entre indivíduos ou entre empresas por negócios estrangeiros e domésticos, mas não entre nações como tal. Diversas firmas americanas puderam licitar de encontro a se para um contrato estrangeiro, e se as firmas alemãs estivessem licitando também para ele, estariam competindo com se tanto quanto com as firmas americanas. É o nacionalismo, é o conceito absurdo de uma “balança comercial” que não se cuida de si mesmo, mas que só pode ser obtida pela intervenção governamental, que provoca a “luta pelos mercados” nacionalistas.

Keynes denuncia o comércio internacional a partir do momento em que ele estava escrevendo como “um expediente desesperado para manter o emprego em casa, forçando as vendas em mercados estrangeiros e restringindo as compras”, enquanto que, sob a economia Keynesiana:

“se as nações podem aprender a fornecer-se com pleno emprego por sua política doméstica, não há necessidade de forças econômicas importantes calculadas para definir o interesse de um país contra o de seus vizinhos” (p. 382-383)

Nada disto tem muita relação com a verdade. Sob um sistema de laissez faire (ou seja, livre comércio em casa e livre comércio no exterior) e um padrão de ouro internacional, os indivíduos compram o que precisam onde quer que possam obtê-lo mais barato. Eles vendem no melhor mercado. Não pensam de forma nacionalista. E no que diz respeito ao padrão-ouro internacional, as nações podem permanecer nele apenas mantendo as suas taxas de juro e as suas obrigações em termos de ouro em equilíbrio com as que prevalecem no resto do mundo. É precisamente o sistema keynesiano, com a sua fixação nacionalista das taxas de juro, com o seu inflacionismo interno e as suas complicadas desvalorizações das moedas nacionais, que transforma a luta por uma “balança comercial favorável” e por “mercados externos” numa luta internacional. E é justamente porque esse sistema busca manter o “pleno emprego” pela moeda doméstica, taxas de juros e truques de investimento, desconsiderando o desequilíbrio de produção assim gerado e desconsiderando a perda do fracasso em aproveitar plenamente a divisão internacional do trabalho, que ele é também um sistema muito menos eficiente.

6. O poder das ideias

Fomos forçados a ser críticos, e às vezes duramente, sobre cada capítulo da Teoria Geral de Keynes e cada proposição principal que contém. Peço desculpa por isto por mais razões do que uma. O presente livro teria sido muito mais curto, o autor teria sido salvo muitas horas sombrias de análise, e o tempo do leitor também teria sido economizado, se houvesse menos proposições e deduções na Teoria Geral com as quais se foi forçado a discordar. Assim é com especial prazer que me dirijo ao parágrafo final da Teoria Geral, pois aqui finalmente podemos dizer que Keynes escreveu algo profundamente verdadeiro e sábio e memoravelmente eloquente:

“As ideias dos economistas e dos filósofos políticos, tanto quando estão certos como quando estão errados, são mais poderosas do que se pensa. Na verdade, o mundo é governado por poucos. Os homens práticos, que se creem bastante isentos de qualquer influência intelectual, são geralmente escravos de algum economista defunto. Loucos por autoridade, que ouvem vozes no ar, estão destilando seu frenesi de algum rabiscador acadêmico de alguns anos atrás. Estou certo que o poder dos interesses instalados é amplamente exagerado em comparação com a gradual invasão de ideias. Não, de fato, imediatamente, mas depois de um certo intervalo; pois no campo da filosofia econômica e política não há muitos que sejam influenciados por novas teorias depois dos vinte e cinco ou trinta anos de idade, de modo que as ideias que funcionários públicos, políticos e até mesmo agitadores aplicam aos eventos atuais não são provavelmente as mais novas. Mas logo tarde, são as ideias, não os interesses instalados, que são perigosos para o bem ou para o mal.”

E que ironia coroadora que o “falecido economista” e “rabiscador acadêmico de alguns anos atrás”, cujas ideias estão sendo aplicadas por funcionários públicos, políticos e agitadores, não seja agora ninguém menos que o próprio John Maynard Keynes!