Coda: Mises, O Homem

0

Quem foi Mises, o Homem? Desde sua morte, alguns de seus alunos mais amados da década de 1920, particularmente F.A. Hayek, têm disseminado a visão de que Mises era “difícil”, “severo”, “grave”, não pessoalmente próximo de seus alunos, e até mesmo “pessoalmente detestável”. Essas restrições foram dadas aos entrevistadores, ou inseridas como farpas no meio de uma efusão de elogios para Mises.[1]

Mas este é o tipo de professor que toda a sua vida reuniu ao seu redor admiradores e seguidores entusiasmados? Certamente, posso testemunhar que todos os seus seguidores americanos estavam mergulhados, não apenas em admiração pela grandeza e rigor de seu intelecto e poderes criativos, e por sua coragem indomável, mas também apaixonados pela doçura de sua alma.

E se é para se pensar que de alguma forma sua personalidade tinha sido mais dura na década de 1920, que tipo de mentor distante ou impessoal induziria um homem como Felix Kaufmann a compor canções em homenagem ao seminário de Mises?[2]

Não só nós estudantes americanos fomos profundamente agitados por Mises, o homem, mas todos nós percebemos que em Mises estávamos vendo as últimas nuvens de glória da cultura da Velha Viena pré-Primeira Guerra Mundial, uma civilização muito mais fina do que nós conheceremos.

William E. Rappard, um homem da idade de Mises, pegou esse espírito muito bem em seu tributo a Mises no Festschrift preparado em 1956. Rappard escreveu sobre Mises que, nos anos de Genebra,

eu muitas vezes, e tenho medo de que de uma forma muito indiscreta, aproveitei de sua companhia. Todos aqueles que já tiveram privilégio semelhante percebem que ele não é apenas uma das mentes analíticas mais aguçadas entre os economistas contemporâneos, mas que ele também tem à sua disposição uma loja de cultura histórica, tesouros que são animados e iluminados por uma forma de humanidade e sagacidade austríaca raramente encontrados hoje na superfície deste globo.

Na verdade, às vezes me pergunto, não sem medo, se nossa geração não é a última a ser abençoada com o que parece ter sido um monopólio da Viena pré-guerra.[3]

Mas as melhores palavras de apreciação de Mises, o homem, foram entregues no curso de um tributo perceptivo e elegantemente escrito às ideias de Mises por seu admirador de longa data Professor Ralph Raico:

Por mais de sessenta anos ele esteve em guerra com o espírito da época, e com cada um dos avanços, vitoriosos, ou meramente com as então na moda escolas políticas, de esquerda e de direita.

Década após década ele lutou contra o militarismo, o protecionismo, o inflacionismo, todas as variedades de socialismo, e todas as políticas do Estado intervencionista, e durante a maior parte desse tempo ele esteve sozinho, ou perto disso. A totalidade e intensidade duradoura da batalha de Mises só poderia ser alimentada a partir de um profundo sentido interno da verdade e do valor supremo das ideias pelas quais ele estava lutando.

Isso — assim como seu temperamento, supõe-se — ajudou a produzir uma ” arrogância” definitiva em seu tom (ou qualidade “apodíctica”, como alguns de nós no seminário de Mises carinhosamente a chamavam, usando uma de suas próprias palavras favoritas), que era a última coisa que os democratas de esquerda e os social-democratas acadêmicos poderiam aceitar em uma visão que eles consideravam apenas marginalmente digna de tolerância para começar. […]

Mas a falta de reconhecimento parece ter influenciado ou desviado Mises não mais que o mínimo.[4]

E o Professor Raico conclui com essa maravilhosa e criteriosa passagem:

Nenhuma apreciação de Mises seria completa sem dizer algo, por mais inadequado que seja, sobre ele enquanto homem e indivíduo. A imensa bagagem de estudos de Mises, trazendo à mente outros acadêmicos alemães, como Max Weber e Joseph Schumpeter, que pareciam trabalhar com o princípio de que um dia todas as enciclopédias poderiam muito bem desaparecer das prateleiras; a clareza cartesiana de suas apresentações em sala de aula (é preciso um mestre para apresentar um assunto complexo de forma simples); seu respeito pela vida racional, evidente em cada gesto e olhar; sua cortesia e gentileza e compreensão, mesmo para com iniciantes; sua verdadeira sagacidade, do tipo proverbialmente criada nas grandes cidades, semelhante à dos berlinenses, ou parisienses e nova-iorquinos, contida apenas em vienenses e povos mais suaves — deixe-me dizer que, em um momento inicial, conhecer o grande Mises tende a criar em sua mente padrões ao longo da vida do que um intelectual ideal deve ser.

Estes são padrões aos quais outros acadêmicos com os quais se encontra nunca terão iguais, e julgados por eles a forma comum de professor universitário — em Chicago, Princeton ou Harvard — é simplesmente uma piada (mas seria injusto julgá-los por tal medida; aqui estamos falando de dois tipos totalmente diferentes de seres humanos).

Quando Mises morreu, e eu estava preparando um obituário, o Professor Raico gentilmente me enviou uma passagem profundamente comovente de Adonais, o grande elogio de Shelley a Keats, que, como de costume para Raico, atingiu a nota certa em uma avaliação final de Mises:

Na mesma medida em que ele pôde emprestar – eles não emprestam

Glória daqueles que fizeram do mundo sua presa:

E ele está reunido aos reis do pensamento

Que travaram discórdia com a decadência do seu tempo,

E do passado são tudo o que não se pode deixar para trás.[5]

 

___________________________

Notas

[1]           Veja, por exemplo, Craver, “Emigration”, p. 5; e Mises, My Years, p. 222.

[2]           Mises, My Years, p. 211.

[3]           William E. Rappard, “On Reading von Mises”, em M. Sennholz, ed., On Freedom and Free Enterprise: Essays in Honor of Ludwig von Mises (Princeton: D. Van Nostrand, 1956), p. 17.

[4]           Ralph Raico, “The Legacy of Ludwig von Mises”, The Libertarian Review (Setembro de 1981), p. 19. O artigo foi incluído em uma edição da revista Mises Centennial Celebration. Uma versão anterior foi publicada no The Alternative, fevereiro de 1975.

[5]           Raico, “Legacy”, p. 22

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.