Exílio e o Novo Mundo

0

Mais alerta do que qualquer um de seus colegas para a ameaça nazista sempre invasora na Áustria, Mises aceitou uma cadeira em 1934 como professor de Relações Econômicas Internacionais no Instituto de Pós-Graduação em Estudos Internacionais da Universidade de Genebra. Como o contrato inicial em Genebra era de apenas um ano, Mises manteve um cargo de meio período na Câmara de Comércio, com um terço do salário.

O contrato de Mises seria renovado até o dia que ele deixasse Genebra em 1940. Embora o entristecesse deixar sua amada Viena, Mises foi feliz durante seus seis anos em Genebra. Estabelecido em seu primeiro (e último!) posto acadêmico remunerado, ele estava cercado por amigos e colegas como jurista e economista William E. Rappard, presidente do Instituto; O codiretor do instituto Paul Mantoux, eminente historiador econômico francês; amigo de infância de Mises, o ilustre jurista Hans Kelsen; Wilhelm Röpke, que havia deixado a Alemanha por causa dos nazistas; e os acadêmicos franceses Louis Rougier e Louis Baudin.

As palestras de Mises eram em francês, mas ele era fluente em francês, e falava-o sem nenhum traço de sotaque. Ministrando apenas um seminário semanal nas manhãs de sábado, e despojado de suas funções políticas e administrativas na Câmara, Mises finalmente aproveitou o lazer para embarcar e terminar, sua grande obra-prima integrando micro e macroeconomia, a análise do mercado e das intervenções nesse mercado, tudo construído no método praxeológico que havia estabelecido na década de 1920 e início dos anos 1930. Este tratado foi publicado como Nationalökonomie (Economia) em Genebra, em 1940.

Apesar dessas condições favoráveis, foi preciso muita coragem para Mises continuar seu trabalho diante da onda de economia keynesiana após 1937, e do crescimento das doutrinas socialistas de esquerda e direita, bem como a onda do nazismo e a iminência de uma segunda guerra mundial horrível. Em 1938, Mises ficou horrorizado ao ver a conquista nazista da Áustria, acompanhada pela destruição nazista de sua biblioteca pessoal e documentos, mas ele estava contente por poder se casar com sua noiva, Margit Sereny, quando ela foi capaz de fugir para Genebra.[1]

O início da Segunda Guerra Mundial colocou uma enorme pressão sobre Mises. Além de privar o Instituto de seus estudantes não suíços, a guerra significava que os refugiados, como Mises, eram cada vez mais obrigados a se sentirem indesejáveis na Suíça. Finalmente, quando os alemães conquistaram a França na primavera de 1940, Ludwig, impulsionado por sua esposa, decidiu deixar o país agora cercado pelas potências do Eixo e fugir para a Meca das vítimas da tirania, os Estados Unidos.

A emigração para os Estados Unidos foi uma experiência particularmente angustiante para Mises. Aqui estava ele, um homem de quase sessenta anos, em contraste com sua fluência em francês, tendo aprendido inglês apenas em livros, fugindo do tempo de uma vida na Europa, empobrecido, sem perspectiva de um emprego nos Estados Unidos, forçado a se esquivar das tropas alemãs enquanto ele e Margit atravessavam a França até a Espanha e finalmente Lisboa, onde embarcaram para os Estados Unidos.

Seu mundo inteiro, suas esperanças e sonhos, fora destruído, e ele foi forçado a fazer uma nova vida em um novo país com uma língua desconhecida. E para completar, quando viu um mundo sucumbindo à guerra e ao estatismo, sua grande obra-prima, Nationalökonomie, publicada durante as condições de guerra, afundou sem deixar rastros.

A Segunda Guerra Mundial não era hora de interessar ninguém em alta teoria. Além disso, o livro não foi autorizado a chegar aos países alemães que constituíam seu mercado natural, e sua forma de publicação suíça falhou durante a guerra.

Os Mises chegaram a Nova York em agosto de 1940. Sem qualquer perspectiva de emprego, o casal vivia de economias escassas, mudando-se repetidamente para dentro e para fora de quartos de hotel e apartamentos mobiliados.

Foi o ponto mais baixo da vida de Mises, e pouco depois que ele desembarcou, ele começou a escrever suas desesperadas e ardentes memórias intelectuais que ele terminou em dezembro, e que foram traduzidas e publicadas após sua morte como Notas e Lembranças (1978).[2]

Um tema importante nesta obra pungente é o pessimismo e o desespero que tantos liberais clássicos, amigos e mentores de Mises, sofreram com o estatismo acelerado e as guerras destrutivas do século XX. Menger, Böhm-Bawerk, Max Weber, Arquiduque Rudolf da Áustria-Hungria, o amigo e colega de Mises, Wilhelm Rosenberg, foram todos quebrados em espírito ou levados à morte pela intensificação da escuridão da política de seu tempo.

Mises, ao longo de sua vida, resolveu enfrentar esses graves contratempos lutando, mesmo que a batalha pudesse parecer sem esperança. Ao discutir como os liberais clássicos sucumbiram ao desespero da Primeira Guerra Mundial, Mises então relata sua própria resposta:

Eu tinha chegado a esse pessimismo sem esperança que por muito tempo tinha sobrecarregado as melhores mentes da Europa. […] Este pessimismo quebrou a força de Carl Menger, e ofuscou a vida de Max Weber […]

É uma questão de temperamento a forma como moldamos nossas vidas no conhecimento de uma catástrofe inevitável. No ensino médio eu tinha escolhido o verso de Virgílio como meu lema: Tu ne cede malis sed contra audentior ito (“Não ceda ao mau, mas sempre se oponha com coragem”).

Nas horas mais sombrias da guerra, lembrei-me deste ditado. Uma e outra vez enfrentei situações a partir das quais deliberações racionais não conseguiam encontrar escapatória. Mas então algo inesperado ocorreu que trouxe libertação.

Eu não poderia perder a coragem mesmo agora. Eu faria tudo o que um economista pudesse fazer. Eu não me cansaria de professar o que eu sabia que estava certo.[3]

Foi nesse ponto, Mises continuou, que ele decidiu escrever o livro sobre socialismo que ele havia contemplado antes do início da Primeira Guerra Mundial.

Todas as outras situações terríveis enfrentadas por Mises em sua vida foram recebidas pela mesma coragem magnífica: na batalha contra a inflação, na luta contra os nazistas, no voo durante a Segunda Guerra Mundial. Em todos os casos, não importa quão desesperada a circunstância, Ludwig von Mises levou a luta adiante e aprofundou e expandiu suas grandes contribuições para a economia e para todas as disciplinas da ação humana.

A vida começou a melhorar para Mises quando sua antiga conexão com John Van Sickle e a Fundação Rockefeller levou a uma pequena bolsa anual através do National Bureau of Economic Research, uma bolsa que começou em janeiro de 1941 e foi renovada em 1944. Dessas bolsas surgiram duas obras importantes, os primeiros livros de Mises escritos em inglês, ambos publicados pela Yale University Press em 1944. Um deles foi o Governo Onipotente: A Ascensão do Estado Total e a Guerra Total.[4]

A interpretação dominante do nazismo naquela época foi a visão marxista do professor da Universidade de Columbia e refugiado alemão Franz Neumann: que o nazismo era o último suspiro desesperado dos grandes negócios alemães, ansiosos para esmagar o poder crescente do proletariado.

Essa visão, agora completamente desacreditada, foi primeiramente contestada pelo Governo Onipotente, que apontou o estatismo e o totalitarismo que sustentam todas as formas de coletivismo de esquerda e direita.

O outro livro de Mises, Burocracia, era um maravilhoso pequeno clássico, que delineava, como nunca antes, as diferenças necessárias entre a empresa em busca de lucros, o funcionamento burocrático de organizações sem fins lucrativos e a burocracia muito pior do governo.

A Yale University Press publicou os primeiros trabalhos em inglês de Mises no meio de uma dedicação esmagadora ao socialismo e ao estatismo pelas principais editoras de livros daquela época. A imprensa foi garantida para a publicação de Mises por seu primeiro novo amigo nos Estados Unidos, o proeminente jornalista econômico, Henry Hazlitt, então o lúcido escritor editorial e economista do New York Times.

Hazlitt admirava Mises desde que ele tinha revisado brilhantemente a edição inglesa do Socialismo no Times em 1938. Hazlitt conheceu Mises logo após sua chegada aos Estados Unidos, e logo se tornou um amigo próximo e discípulo, escrevendo prolificamente e criativamente sobre economia austríaca e incansavelmente avançando a causa de Mises, tanto a pessoa, bem como o acadêmico.[5]

No início de 1943, depois que Mises completou o manuscrito do Governo Onipotente, Hazlitt dirigiu-o ao editor libertário da Yale University Press, Eugene Davidson, que estava entusiasmado com o livro. A partir daí, a partir dos anos 1950, a prestigiada Yale Press serviu como editora de todo o trabalho de Mises, tanto novo quanto reimpresso. Na verdade, foi Davidson quem sugeriu, no início de 1944, que Mises escrevesse um pequeno livro sobre burocracia, e Mises completou o manuscrito em junho daquele ano.

Através dos bons escritórios de Hazlitt, Mises publicou nove artigos para o New York Times, sobre problemas econômicos mundiais, durante 1942 e 1943. Isso espalhou as ideias de Mises nos Estados Unidos e, em janeiro de 1943, levou Noel Sargent, secretário da Associação Nacional de Fabricantes — uma organização então dedicada ao laissez-faire — a convidar Mises a se juntar à Comissão de Princípios Econômicos do NAM. Mises serviu na Comissão NAM de 1943 a 1954, e foi, portanto, capaz de conhecer muitos dos principais industriais dedicados a uma economia de livre mercado.[6]

Mas continua a ser uma mancha não erradicável no registro da academia americana que Mises nunca tenha sido capaz de encontrar um posto pago em tempo integral em qualquer universidade americana. É realmente vergonhoso que, numa época em que cada refugiado marxóide de terceira categoria era capaz de encontrar um lugar de prestígio na academia, que uma das grandes mentes do século XX não pudesse encontrar um posto acadêmico.

A viúva de Mises, Margit, em seu livro comovente de memórias sobre a vida com Lu, registra sua felicidade e sua gratidão que a New York University Graduate School of Business Administration, em 1945, tenha nomeado Mises como professor visitante ensinando um curso de meio período.

Mises ficou encantado por estar de volta ao ensino universitário; mas o escritor atual não pode se contentar que tudo que havia para ele era um posto de meio período pagando a ninharia de US$ 2.000 por ano. O curso de Mises foi, no início, sobre “Estatismo e o Motivo do Lucro”, e mais tarde mudou para um sobre “Socialismo”. Este posto de ensino de meio período foi renovado até 1949.

Harold Luhnow, do Fundo William Volker, assumiu a cruzada de encontrar para Mises um posto acadêmico adequado em tempo integral. Uma vez que a obtenção de um cargo remunerado parecia fora de questão, o Fundo Volker estava preparado para pagar todo o salário de Mises. Mesmo sob essas condições subsidiadas, no entanto, a tarefa era difícil, e finalmente a New York University Graduate School of Business concordou em aceitar Mises como um “Professor Visitante” permanente, ensinando, mais uma vez, seu amado seminário de pós-graduação sobre teoria econômica.[7], [8]

Mises começou a ensinar seu seminário todas as quintas-feiras à noite em 1949, e continuou a ensinar o seminário até se aposentar, ainda ágil e ativo vinte anos depois, aos 87 anos, o professor ativo mais antigo da América.

Mesmo sob essas condições financeiras favoráveis, o apoio da NYU a Mises foi relutante, e só surgiu porque o executivo de publicidade e ex-aluno da NYU Lawrence Fertig, um jornalista econômico e amigo próximo de Mises e Hazlitt, exerceu uma influência considerável na universidade. Fertig, na verdade, tornou-se membro do Conselho de Curadores da NYU em 1952.

Mesmo assim, e mesmo que Mises pudesse supervisionar dissertações de doutorado, ele ainda carregava o estigma de “Professor Visitante”. Mais importante, depois que Dean G. Rowland Collins, um admirador de Mises, se aposentou, os sucessores Deans fizeram o seu melhor para diminuir o registro de alunos nos cursos de Mises, alegando que ele era um reacionário e neandertal, e que sua economia era apenas uma “religião”.

Deve ter sido irritante para Mises que, em contraste com seu tratamento podre nas mãos da academia americana, seus ex-alunos favoritos que haviam abandonado doutrinas misesianas para o keynesianismo, mas cujas únicas contribuições reais para a economia vieram como misesianos, receberam altos e prestigiados cargos acadêmicos.

Assim Gottfried Haberler foi consagrado como professor titular em Harvard, e Fritz Machlup foi para John Hopkins e mais tarde para Princeton. Oskar Morgenstern, também desembarcou em Princeton. Todos esses altos cargos acadêmicos foram, naturalmente, pagos pela universidade.[9]

Mises nunca expressou qualquer amargura em seu destino ou na apostasia de seus antigos seguidores, nem de fato ele comunicou azedume de qualquer tipo para seus alunos inspirados e admiradores do seminário. Apenas uma vez o escritor presente, seu aluno do seminário por dez anos e amigo para o resto de sua vida, o ouviu expressar qualquer tristeza ou amargura em seu tratamento pela academia americana.

A ocasião foi o Bicentenário da Universidade de Columbia de 1954, um evento que levou a Columbia a convidar acadêmicos proeminentes de todo o mundo para falar e participar. Mises viu seus antigos alunos, Hayek, Machlup, Haberler e Morgenstern, convidados a falar, mas Mises, que morava a menos de uma milha da Columbia, foi totalmente ignorado.

E isso, mesmo que quatro ex-alunos de Mises – Mintz, Nurkse, Hart e o teórico bancário da escola qualitativa Benjamin H. Beckhart – estivessem lecionando na Universidade de Columbia. Margit von Mises escreve que apenas uma vez ele expressou a ela qualquer desejo por um cargo acadêmico — depois de visitar seu velho amigo, o economista monetário Winfield W. Riefler, do Instituto de Estudos Avançados de Princeton. Ela escreve:

“Lembro-me que Lu me disse uma vez que o trabalho de Riefler em Princeton era a única posição que realmente o teria feito feliz. Era muito incomum para Lu expressar um desejo por algo fora de seu alcance.”[10]

Se houvesse justiça no mundo acadêmico, os chefes do Instituto deveriam ter batido na porta da casa de Mises, clamando para que ele se juntasse a eles.

Para o atual escritor, que teve o privilégio de participar do seminário Mises em sua primeira sessão em 1949, a experiência no seminário foi inspiradora e emocionante. O mesmo aconteceu com colegas estudantes que não estavam registrados na NYU, mas que frequentaram o seminário regularmente por anos, e consistiam em acadêmicos libertários e de livre mercado e empresários na área de Nova York.

Devido aos arranjos especiais do seminário, a universidade concordou em permitir que Misesianos assistissem o curso. Mas mesmo que Mises tivesse um pequeno número de excelentes alunos de pós-graduação que fizeram seus doutorados sob seu comando — notavelmente Israel M. Kirzner, ainda lecionando na NYU — a maioria dos alunos regulares eram estudantes de negócios, que incompreensivelmente fizeram o curso por um A fácil.[11]  A proporção de libertários e austríacos em relação ao da classe total, eu estimaria, era de cerca de um terço a metade.

Mises fez o seu melhor para replicar as condições de seu grande Privatseminar, incluindo lanches após o fim da sessão formal às 21h30 no Child’s Restaurant para continuar discussões informais e animadas. Mises era infinitamente paciente e gentil com até mesmo o mais estúpido de nós, constantemente lançando projetos de pesquisa para nos inspirar, e sempre encorajando os mais tímidos e mais espantados a falar. Com um brilho característico em seus olhos, Mises assegurava-lhes: “Não tenha medo de falar. Lembre-se, o que quer que você diga sobre o assunto e por mais errado que seja, a mesma coisa já foi dita por algum economista eminente.”

Por mais maravilhosa que tenha sido a experiência do seminário para estudantes experientes, achei de partir o coração que Mises fosse reduzido a essas infelizes circunstâncias. Pobre Mises: quase não havia um Hayek ou um Machlup ou um Schütz entre esses estudantes de contabilidade e finanças, e o Childs’s Restaurant não era um café vienense. Mas um incidente corrigiu um pouco dessa visão.

Um dia, Mises foi convidado a falar perante os estudantes de economia de pós-graduação e professores da Columbia University, um departamento então classificado entre os três melhores departamentos de economia do país. Típico das perguntas após sua palestra foi o seguinte: “Professor Mises, você diz que é a favor da revogação de medidas de intervenção do governo. Mas essa revogação em si não constitui um ato de intervenção? A esta pergunta insensata, Mises deu uma resposta perceptiva e contundente: “Bem, da mesma forma, você poderia dizer que um médico que corre para o lado de um homem atropelado por um caminhão, está ‘intervindo’ com o homem da mesma forma que o caminhão.” Depois, perguntei ao Professor Mises o que ele achou da experiência. “Eh”, ele respondeu: “Eu gosto mais dos meus alunos [na NYU].” Depois disso, percebi que talvez o ensino de Mises na NYU valesse a pena, mesmo que do ponto de vista dele.[12]

Já em 1942, Mises, consternado, mas destemido pelo triste destino de Nationalökonomie, começou a trabalhar em uma versão em inglês do livro. O novo livro não era simplesmente uma tradução em inglês de Nationalökonomie. Foi revisado, melhor escrito e muito expandido, tanto que para ser virtualmente um novo livro.[13] Foi a grande obra da vida de Mises. Sob os cuidados e égide de Eugene Davidson, a Yale University Press publicou o novo tratado em 1949 como Ação Humana: um Tratado de Economia.[14]

Felizmente, a abertura do seminário de Mises coincidiu com a publicação de Ação Humana, que saiu em 14 de setembro de 1949. Ação Humana foi a maior conquista de Mises e um dos melhores produtos da mente humana em nosso século. É a economia completa, baseada na metodologia da praxeologia que o próprio Mises desenvolveu, e fundamentada no axioma inelutável e fundamental que os seres humanos existem, e que eles agem no mundo, usando meios para tentar alcançar seus objetivos mais valorizados.

Mises constrói todo o edifício da teoria econômica correta como sendo resultado das implicações lógicas do fato primordial da ação humana individual. Foi uma conquista notável, e forneceu uma saída para a disciplina da economia, que havia se fragmentado em sub-especialidades descoordenadas e conflitantes.

É notável que o Ação Humana tenha sido o primeiro tratado integrado sobre economia desde que Taussig e Fetter escreveram o deles antes da Primeira Guerra Mundial. Além de fornecer essa teoria econômica abrangente e integrada, o Ação Humana defendeu a economia sólida e austríaca contra todos os seus oponentes metodológicos, contra historicistas, positivistas e praticantes neoclássicos de economia matemática e econometria. Ele também atualizou sua crítica ao socialismo e ao intervencionismo.

Além disso, Mises forneceu importantes correções teóricas de seus antecessores. Assim, ele incorporou a teoria da preferência temporal do austríaco americano Frank Fetter sobre os juros na economia, finalmente retificando a lama das águas de Böhm-Bawerk, trazendo à tona a teoria da produtividade falaciosa de juros depois que ele a descartou no primeiro volume de seu Capital and Interest.

É mais uma mancha na academia americana que eu tenha passado por todos os cursos de doutorado na Universidade de Columbia sem uma vez descobrir que havia tal coisa como uma escola austríaca, muito menos que Ludwig von Mises era seu maior campeão vivo. Eu estava pouco familiarizado com o nome de Mises, fora da história distorcida usual do debate de cálculo socialista, e, portanto, fiquei surpreso ao saber na primavera de 1949 que Mises ia começar um seminário regular na NYU. Também me disseram que Mises ia publicar uma magnum opus no outono. “Oh,” eu perguntei, “sobre o que é o livro?” “Sobre tudo”, eles responderam.

Ação Humana era de fato sobre tudo. O livro foi uma revelação para aqueles de nós encharcados na economia moderna; resolveu todos os problemas e inconsistências que eu tinha sentido na teoria econômica, e forneceu uma estrutura totalmente nova e soberba de metodologia e teoria econômica correta.

Além disso, forneceu aos libertários ansiosos uma política de laissez-faire intransigente; em contraste com todos os outros economistas do livre mercado daquele dia em diante, não havia escotilhas de fuga, não havia como dar o caso com “é claro, o governo deve quebrar monopólios”, ou “é claro, o governo deve fornecer e regular a oferta de dinheiro”.

Em todos os assuntos, do teórico ao político, Mises era a alma do rigor e da consistência. Nunca Mises comprometeria seus princípios, nunca se ajoelharia a uma busca por respeitabilidade ou favores sociais ou políticos. Como acadêmico, como economista, e como pessoa, Ludwig von Mises foi uma alegria e uma inspiração, um exemplo para todos nós.

O Ação Humana foi e continua a ser um fenômeno editorial notável. O livro até hoje é um best-seller para a editora, tanto que a editora se recusa a colocá-lo em brochura. Isso é realmente notável para um trabalho maciço e intelectualmente difícil como a Ação Humana. Surpreendentemente, o livro foi feito ser uma seleção alternativa do Clube do Livro do Mês, e foi publicado em edições espanholas, francesas, italianas, chinesas e japonesas.[15] Assim, através do Ação Humana, Mises foi capaz de forjar um movimento austríaco e laissez-faire de abrangência nacional e até internacional.

Notavelmente também, o movimento misesiano forjado pela Ação Humana era multiclasse: variava de acadêmicos e estudantes a empresários, ministros, jornalistas e donas de casa. O próprio Mises sempre deu grande importância à divulgação aos empresários e ao público em geral.

Uma vez, havia planos para uma escola de pós-graduação, intitulada Escola Americana de Economia, a ser financiada por J. Howard Pew com Mises como presidente. Alguns de nós, jovens acadêmicos misesianos, estavam no Conselho de Curadores. Mises enfatizou que, como era comum na Europa, o corpo docente da escola deveria dar palestras periódicas ao público em geral, para que a educação econômica sólida não se limitasse aos acadêmicos profissionais. Infelizmente, os planos para a escola acabaram por cair.

Yale University Press ficou tão impressionada com a popularidade, bem como a qualidade do livro de Mises que serviu pela década seguinte como editora de seu trabalho. A editora publicou uma nova edição ampliada do Socialismo em 1951, e uma edição igualmente expandida de The Theory of Money and Credit em 1953.

Notavelmente, também, Mises não descansou em seus louros após a publicação de Ação Humana. Seu ensaio sobre “Lucro e Perda” é talvez a melhor discussão já escrita sobre a função do empreendedor e do sistema de lucros e perdas do mercado.[16]

Em 1957, a editora publicou a última grande obra de Mises, o profundo Teoria e História, sua obra-prima filosófica que explica a verdadeira relação entre praxeologia, ou teoria econômica e história humana, e se envolve em uma crítica ao marxismo, ao historicismo e a várias formas de cientificismo. Teoria e História era, compreensivelmente, o favorito de Mises ao lado do Ação Humana.[17]

No entanto, após a partida em 1959 de Eugene Davidson para ser editor fundador da conservadora Era Moderna Trimestral, Yale University Press não serviu mais como um lar amigável para as obras de Mises.[18]

Em seus últimos anos o programa de publicação do William Volker Fund assumiu o vácuo, e forneceu ao mundo uma edição inglesa do Liberalismo (como A Comunidade Livre e Próspera), e de Grundprobleme der Nationalökonomie (como Problemas Epistemológicos da Economia), ambos publicados em 1962.

Além disso, no mesmo ano da criação do Volker Fund, o Fundo publicou o último livro de Mises, The Ultimate Foundation of Economic Science: An Essay on Method, uma crítica ao positivismo lógico na economia.[19]

Durante seus anos americanos pós-Segunda Guerra Mundial, Mises experimentou altos e baixos ao observar as ações e influência de seus ex-alunos, amigos e seguidores. Por um lado, ele ficou feliz em ser um dos membros fundadores em 1947 da Mont Pèlerin Society, uma sociedade internacional de economistas e acadêmicos do livre mercado. Ele também ficou encantado em ver amigos como Luigi Einaudi, como presidente da Itália, Jacques Rueff, como conselheiro monetário do general Charles De Gaulle, e Röpke e Alfred Müller-Armack como conselheiros influentes de Ludwig Erhard, desempenhando um papel importante na mudança de suas respectivas nações, durante a década de 1950, na direção do livre mercado e do dinheiro sólido.

Mises desempenhou um papel de liderança na Sociedade Mont Pèlerin nos primeiros anos, mas depois de um tempo ficou desiludido com seu estatismo acelerado e visões fracas sobre a política econômica. E mesmo que Mises e Hayek mantivessem relações cordiais até o fim, e Mises nunca falasse mal de seu amigo e protegido de longa data, Mises estava claramente infeliz com a mudança em desenvolvimento em Hayek após a Segunda Guerra Mundial para longe da praxeologia misesiana e do dualismo metodológico, e em direção ao empirismo lógico e neopositivismo do velho amigo vienense de Hayek, Karl Popper.

Mises declarou-se “espantado” quando Hayek, em uma palestra em Nova York sobre “Nomos e Táxis” na década de 1960, claramente repudiou implicitamente a metodologia praxeológica de sua própria Contrarrevolução da Ciência. E Mises, embora geralmente admirasse a obra de Hayek em 1960 sobre filosofia política e economia política, A Constituição da Liberdade, levou a Hayek gentilmente, mas firmemente à tarefa de afirmar que o Estado de Bem-Estar Social é “compatível com a liberdade”.[20]

Após adoecer nos últimos dois anos de sua vida, o grande e nobre Ludwig von Mises, um dos gigantes do nosso século, morreu em 10 de outubro de 1973, aos 92 anos. É irônico que no ano seguinte, Friedrich A. Hayek tenha recebido o Prêmio Nobel de Economia, não por suas tardias sinuosas lucubrações filosóficas, mais precisamente e explicitamente pelo trabalho que fez, nas décadas de 1920 e 1930, como um Misesiano ardente, na elaboração da teoria de Mises dos ciclos econômicos. Irônico porque se alguém merecia o Prêmio Nobel mais do que Hayek, era claramente seu mentor, Ludwig von Mises.

Aqueles de nós, dados à especulação cínica, podem julgar que o Comitê do Prêmio Nobel da Suécia deliberadamente adiava o prêmio até a morte de Mises, pois caso contrário, eles teriam que dar o prêmio a alguém que consideravam impossivelmente dogmático e reacionário.

O Prêmio Nobel para Hayek, combinado com o crescente movimento Misesiano dos quinze anos anteriores, provocou um verdadeiro estágio de “decolagem” para um renascimento da economia austríaca. Por um lado, houve uma corrida geral de economistas, virtualmente obcecados com o Prêmio Nobel, e que nunca tinham ouvido falar de Hayek, que se sentiram obrigados a investigar o que essa pessoa poderia ter feito. Hayek também foi o primeiro Nobel a quebrar a lógica de dar o prêmio apenas para matemáticos e keynesianos; desde então, inúmeros economistas de livre mercado obtiveram o prêmio.

Desde 1974, o renascimento da economia austríaca e do interesse em Mises e suas ideias têm acelerado muito. Desprezados pelas últimas quatro décadas da vida de Mises, a economia austríaca em geral e Mises em particular, são agora geralmente considerados, no mínimo, um ingrediente digno em meio ao pot-pourri atual e à confusão do pensamento econômico e da opinião. O clima acadêmico é certamente muito diferente agora, e infinitamente melhor, do que nos dias sombrios que Mises não conseguia encontrar um posto acadêmico adequado.

Por alguns anos após 1974, um renascimento da economia austríaca floresceu, e houve conferências notáveis e volumes publicados a cada ano. Mas então a maré parecia mudar, e no final da década de 1970 centros e institutos anteriormente dedicados ao ressurgimento da economia misesiana começaram a perder o interesse.

As conferências e livros desaceleraram, em quantidade e em qualidade, e começamos a ouvir mais uma vez os velhos resmungos: que Mises era muito “extremo” e muito “dogmático”, e que seria impossível continuar como um misesiano e ganhar “respeitabilidade” no mundo, para alcançar influência política, ou, no caso de jovens acadêmicos, para adquirir um emprego.

Ex-misesianos começaram a perseguir deuses estranhos, a encontrar grande mérito em tais credos que Mises detestava como a Escola Histórica Alemã, o institucionalismo, o niilismo, e até mesmo a brincar sobre uma “síntese” com o marxismo. Pior ainda, alguns desses jovens austríacos estavam realmente tentando insinuar que o próprio Mises, um homem que dedicou toda a sua vida à verdade, teria realmente abençoado tais manobras abomináveis.

Felizmente, assim como parecia que o caminho Misesiano seria perdido mais uma vez, o Instituto Ludwig von Mises foi formado em 1982. Seu desenvolvimento luxuoso desde então, praticamente sozinho, reviveu a economia misesiana e a colocou na posição dominante no crescente movimento austríaco.

Através de uma revista acadêmica anual, The Review of Austrian Economics, um boletim trimestral de economia austríaca, um periódico mensal The Free Market, um programa de publicação crescente de livros, artigos ocasionais e trabalhos, seminários anuais de instrução, conferências políticas, numerosas bolsas de pós-graduação não residenciais e bolsas de estudo para residentes na Universidade de Auburn e outras universidades em todo o país, o Instituto Mises finalmente estabeleceu o austrianismo não apenas como um novo viável  paradigma para a economia, mas como algo verdadeiramente austríaco. Em suma, no espírito e no conteúdo do maravilhoso corpo de pensamento que herdamos dos grandes Mises.

Também seguindo o espírito de Mises, o Instituto forjou um programa multinível, até os mais altos níveis de escolaridade, para falar corajosamente sobre as importantes questões políticas concretas de nosso tempo. Assim, depois de alguns ataques e partidas, e graças ao Instituto Mises, finalmente forjamos um renascimento austríaco do qual Mises ficaria verdadeiramente orgulhoso. Só podemos lamentar que ele não viveu para vê-lo.

 

________________________________

Notas

[1]           Nos anos de Genebra, ver Mises, My Years, pp. 31-49, e Mises, Notes, pp. 136-138.

[2]           Uma década mais tarde, depois que Mises lançou seu seminário de pós-graduação na Universidade de Nova York,  alguns de nós, durante um lanche pós-seminário no Childs’s Restaurant, reagiram a algumas das anedotas maravilhosas que Mises nos contou sobre os velhos tempos em Viena, sugerindo que ele escrevesse sua autobiografia. Mises elaborou-se, em um raro momento de gravidade, e declarou; “Por favor! Eu ainda não tenho idade suficiente para escrever minha autobiografia. Foi um tom que não deixou espaço para discussão. Mas como Mises tinha 70 anos – uma idade muito avançada para o resto de nós – e como este é um país onde aos vinte muitos estão publicando suas “autobiografias”, nós naturalmente, embora silenciosamente, discordamos do mestre.

[3]           Mises, Notes, pp. 69-70.

[4]           Uma versão anterior do Governo Onipotente, que tratava apenas da Alemanha e da Áustria, havia sido escrita em alemão em Genebra pouco antes do início da Segunda Guerra Mundial; após a chegada nos Estados Unidos, Mises adicionou um apêndice. Este trabalho anterior e menor foi publicado após a morte de Mises em Stuttgart, em 1978, sob o título, Im Namen des Staates oder Die Gefahren des Kollektivismus (Em Nome do Estado, ou os Perigos do Coletivismo.)

[5]           Hazlitt relata a história de seu primeiro contato pessoal com Mises: “Uma noite em casa, recebi um telefonema, e a voz do outro lado do fio disse: ‘Este é Mises falando.’ Como eu disse mais tarde a alguns dos meus amigos, era quase como se alguém tivesse dito: ‘Este é John Stuart Mill falando.’ Mises, My Years, p. 58.

[6]           Estes incluíam J. Howard Pew da Sun Oil Company, o principal contribuinte financeiro para causas laissez-faire; B.E. Hutchinson, vice-presidente da Chrysler; e Robert Welch, da Welch Candy Corp., que foi dissolvida no final da década de 1950 para fundar a Sociedade John Birch.

[7]           Harold W. Luhnow foi chefe da William Volker Company uma casa de distribuição de móveis em Kansas City, e do William Volker Fund, que desempenhou um papel vitalmente importante, mas ainda desconhecido, no apoio a bolsas libertárias e conservadoras do final dos anos 1940 até o início dos anos 1960.

[8]           Por alguns anos, Mises continuou a ensinar seu curso Socialismo, bem como conduzir seu seminário. Depois de alguns anos, o seminário foi seu único curso na NYU.

[9]           As academias americanas trataram F.A. Hayek, que ainda era um misesiano intelectual e politicamente, de forma apenas um pouco menos injusta do que Mises. O Volker Fund tentou colocar Hayek em uma universidade americana, e finalmente foi capaz de encontrar um posto totalmente subsidiado para Hayek na Universidade de Chicago. O departamento de economia de Chicago, no entanto, rejeitou Hayek, mas ele foi aceito no comitê de pós-graduação acadêmico, embora fora de moda, onde ele tinha apenas alguns, embora estudantes de primeira linha, estudantes de pós-graduação. Foi porque a Universidade de Chicago se recusou a pagar a Hayek qualquer pecúnia que ele foi forçado a retornar às universidades alemãs e austríacas depois de atingir a idade de aposentadoria.

[10]          Mises, My Years, p. 59.

[11]          Como professor europeu, Mises nunca se adaptou totalmente ao sistema de classificação nos EUA. No começo, ele deu a cada aluno um A. Quando disse que não poderia fazer isso, ele, alternativamente, deu aos alunos As e Bs dependendo de sua colocação alfabética. Quando disse que não poderia fazer isso, ele estabeleceu uma política de dar um A para qualquer aluno que escrevesse um artigo para o curso, independentemente de sua qualidade e um B para todos os outros.

[12]          Quando o Fundo Volker entrou em colapso em 1962, Lawrence Fertig, com um consórcio de outros empresários e fundações, manteve o seminário até Mises se aposentar em 1969.

[13]          Fui informado de tal pelo meu colega alemão-americano, professor Hans-Hermann Hoppe do departamento de economia da Universidade de Nevada, Las Vegas, um experiente e criativo praxiologista e misesiano.

[14]          Uma avaliação particularmente valiosa da importância de publicar uma versão em inglês do Nationalökonomie foi enviada a Davidson em janeiro de 1945 por Dr. Benjamin M. Anderson, economista monetário, historiador econômico e amigo de Mises, e ex-economista do Chase National Bank. “Nationalökonamie é o livro de von Mises sobre princípios econômicos gerais. É o tronco central, por assim dizer, do qual o assunto discutido em seu livro sobre dinheiro e seu livro sobre socialismo são apenas os ramos. É a teoria fundamental da qual as conclusões nos livros sobre socialismo e dinheiro são os corolários.” Mises, My Years, p. 103.

[15]          Assim, o Ação Humana foi capaz de superar uma crítica cruel no New York Sunday Times Book Review por John Kenneth Galbraith, de Harvard, que puniu a Yale University Press por ter a temeridade de publicar o livro.

[16]          “Lucro e Perda” foi escrito como um artigo para a reunião da Sociedade Mont Pèlerin realizada em Beauvallon, França, em setembro de 1951. O ensaio foi publicado como livreto no mesmo ano pela Libertarian Press, e agora está disponível como um capítulo nos ensaios selecionados de Mises, em Ludwig von Mises, Planning for Freedom (4th ed., South Holland, IL: Libertarian Press, 1980), pp. 108-150.

[17]          Mises, My Years, p. 106. Infelizmente, o Teoria e a História foi gravemente negligenciado por grande parte do renascimento da Escola Austríaca pós-1974. Veja Murray N. Rothbard, “Preface”, Ludwig von Mises, Theory and History: An Interpretation of Social and Economic Evolution (2ª ed., Universidade de Auburn, AL: Instituto Ludwig von Mises, 1985).

[18]          A terrível história da segunda edição do Ação Humana em 1963 pode ser encontrada em Mises, My Years, pp. 106-111. A Yale University Press resolveu o processo de Mises sobre este trabalho de impressão horrível fora do tribunal, cedendo a praticamente todas as suas exigências. Os direitos de publicação foram transferidos para a Henry Regnery & Co., que publicou a terceira edição do Ação Humana em 1966, mas a Yale University Press continua a levar seu corte até hoje. O pior aspecto do caso foi o tormento infligido a este gigante intelectual de 82 anos, angustiado com o despedaçamento da obra-prima de sua vida.

[19]          Todos os três trabalhos foram publicados por D. Van Nostrand, cujo presidente era um simpatizante de Mises, e que tinha um acordo de publicação com o Fundo Volker. Grundprobleme foi traduzido por George Reisman, e Liberalismo por Ralph Raico, ambos começaram a frequentar o seminário de Mises quando ainda estava no ensino médio em 1953. Em Raico e Reisman, ver Mises, My Years, pp. 136- 137.

[20]          Mises, Planning for Freedom, p. 219.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.