Como Hoppe nos ajuda a entender o que está acontecendo

1

Em 18 de setembro passado, o grande filósofo, cientista social e rothbardiano Hans-Hermann Hoppe deu uma palestra de vital importância no encontro anual de sua Property and Freedom Society. Esta palestra nos dá pistas vitais sobre o que está acontecendo no mundo de hoje. Você não encontrará algum material de Hans em nenhum outro lugar. É uma palestra muito longa que publicamos em duas partes. Parte 1 e Parte 2.

Por causa da duração da palestra, provavelmente muitos leitores não conseguirão ler tudo. No artigo desta semana, vou resumir alguns dos pontos de Hans e comentá-los. Murray Rothbard teria chamado essa palestra de “epocal”. A propósito, aqui está um exemplo de censura politicamente correta. Quando publiquei os artigos, ambas as partes incluíam um vídeo do YouTube de Hans dando sua palestra. O vídeo da Parte I foi removido “por violar os Termos de Serviço do YouTube”. O vídeo da parte 2 ainda está no ar.

As pessoas geralmente contrastam a Alemanha Oriental comunista (a RDA) com a Alemanha Ocidental “capitalista”. Claro que Hans é um forte crítico da RDA:

   Havia controles fronteiriços excruciantes, também controles internos na Alemanha Oriental. Você sempre tinha que se registrar na polícia. As lojas estavam vazias e havia falta quase total de muitos produtos corriqueiros; corriqueiros no Ocidente.

Sempre víamos longas filas. Os tempos de espera eram enormes. Eram dezesseis anos, por exemplo, que tinham que esperar para conseguir um carro. E havia todas aquelas pessoas envolvidas em atividades de coleta. Além disso, podíamos observar uma ética de trabalho miserável e um péssimo serviço em restaurantes, lojas e locais de trabalho, escassez constantemente recorrente de suprimentos – chamaríamos agora de interrupções na cadeia de abastecimento – e muita inatividade e ociosidade. No geral, se tinha a impressão de estagnação ou mesmo decadência. Existiam mercados negros e um mercado negro de dinheiro. Com a moeda ocidental, se poderia comprar em lojas especiais, mas sem dinheiro ocidental, não.

Aprendi também como funcionava o estilo RDA de ação afirmativa. Os filhos de operários e camponeses tiveram preferência sobre os de origem burguesa, além da preferência geral dada aos membros do partido, que era o Partido Socialista. Na TV, os líderes do Partido Socialista — eram como proles de terno — falavam durante horas sobre as gloriosas conquistas das quais não havia nada para ver. Vivia-se um clima de suspeita, sob vigilância constante, e você tinha que ter cuidado com o que dizia e para quem dizia, a qualquer momento.

O mais deprimente de todas as coisas na RDA era, é claro, que depois de 1961 era quase impossível sair, e qualquer tentativa de fuga da república, como ela era chamada, era punida com longas penas de prisão. Minha avaliação da RDA foi decididamente negativa mesmo naquela época, cerca de 60 anos atrás.

Mas Hans não aceita a visão convencional da Alemanha Ocidental (a RFA).

    A RFA foi um exemplo de socialismo brando ou suave. A propriedade privada existia apenas no nome. Era, por assim dizer, propriedade fiduciária. Era privada — até ser tomada pelo Estado. O sistema foi chamado de economia social de mercado ou social-democracia, e seu pressuposto básico era – como antes, durante a época nazista – o bem-estar público e a prosperidade pública superam o bem-estar privado e a prosperidade privada, e também tanto mercado quanto possível, e tanto Estado quanto necessário, com o Estado determinando o que é possível e o que é necessário.

Todos os partidos políticos compartilhavam juntos todos os elementos básicos do manifesto comunista. Deveria haver um banco central. Deve haver tributação progressiva. Deveria haver impostos sobre herança. Deveria haver o esquema de pirâmide de previdência social, com o qual todos vocês estão familiarizados. Deveria haver educação estatal obrigatória “gratuita” e, claro, deveria haver democracia – governo da maioria – que é mais manifestamente uma forma de comunismo. Toda propriedade é, em última análise, Gemeineigentum – propriedade de todos. Ou seja, propriedade de todos e de ninguém e, com efeito, propriedade do Estado.

Ainda assim, a Alemanha Ocidental teve um bom começo antes mesmo de todo o sistema começar a funcionar. Ludwig Erhard – que na época era ministro da Economia – aboliu todos os controles de preços e salários que havia herdado da época nazista – contra o conselho de arrogantes americanos como John Kenneth Galbraith, por exemplo. E isso levou ao que é frequentemente referido como o milagre econômico alemão, e esse milagre econômico alemão então me ensinou, é claro, também por que eu tive essa experiência precoce quando criança de que tudo está sempre melhorando.

Mas então aconteceu o que era de se esperar: o crescimento estável e a erosão sucessiva dos direitos de propriedade privada. Além disso, a democracia, ou governo da maioria, fez seu trabalho. Em vez de golpes do politburo, como no socialismo ortodoxo, havia agora uma rotação pacífica da liderança do governo. Os partidos de oposição foram incluídos e participaram do saque do governo. E com base nisso – que todos participam do saque do governo – tornou-se possível que cada partido pudesse formar coalizões com qualquer outro. O resultado foi, é claro, um crescimento constante da política partidária, dos políticos e da atividade e participação política em vez de produtiva. Foi uma politização da sociedade.

As críticas de Hans à democracia são bem conhecidas. Ele escreveu sobre elas em seu livro definitivo Democracia – o deus que falhou. Há outro perigo para a civilização, porém, os Verdes. Hans odeia ambientalistas e critica os Verdes:

      Se olharmos para o início dos Verdes, eles começaram como abraçadores de árvores e beijadores de sapos, como protetores do meio ambiente e do clima. Na visão deles, animais, plantas, natureza são nossos iguais, com direitos iguais. Isso revela, basicamente, sua atitude fundamental, a saber, anti-humana e anti-propriedade privada. Para eles, proteger o meio ambiente significa anular os direitos de propriedade privada. E contra a ordem bíblica de que devemos dominar o mundo, para eles, o Homem não deve dominar o mundo – na verdade, ele é uma ameaça e seria melhor se ele não fizesse nada e simplesmente morresse, porque somos nós humanos que esgotam os recursos, gastam energia, alteram o meio ambiente, influenciam o clima, a atmosfera ou o que quer que seja, e não perguntamos aos recursos, à energia e ao clima se é certo que façamos isso.

Considero isso, claro, ultrajante. Basicamente, os Verdes querem saber, e afirmam saber, como proteger a natureza da intervenção humana. E como fazer isso? Reduzindo a produção. Reduzindo a indústria. Reduzindo o consumo e todos os confortos humanos até ficarmos mais pobres. Vocês já perceberam, eu considero essa uma das ideias mais malucas de todos os tempos, muito pior do que o socialismo tradicional, que afirmava ser o caminho para uma maior riqueza. Eles escolheram os meios errados para fazer isso, mas é claro que esse era o objetivo deles. Esse objetivo os Verdes nem sequer têm. E, como eu diria, apenas uma sociedade rica pode se permitir esse absurdo verde, e mesmo isso apenas por um curto período de tempo.

Não bastando este absurdo, além de igualar humanos com animais e plantas e empobrecer as pessoas, os Verdes também são campeões em igualar todas as pessoas, todos os humanos e estilos de vida e personagens humanos – assumindo que você não pode se livrar dos humanos completamente. Agora, de acordo com os Verdes, as diferenças drásticas observáveis ​​entre diferentes pessoas – sexo, demografia – são o resultado da discriminação, do privilégio masculino branco, da exploração, do imperialismo, do colonialismo, do sexismo e assim por diante. Vocês estão acostumados a ouvir todas essas coisas. E elas nunca são o resultado de diferentes formas e modos naturais e de diferentes talentos e diferentes realizações.

Em particular, então, o fato óbvio de que as sociedades mais bem-sucedidas, o desenvolvimento mais elevado, o auge da civilização humana em toda a história humana são sociedades ocidentais, brancas, heterossexuais, dominadas por homens com estruturas familiares tradicionais de pai-mãe-filhos. Isso – a base da civilização – é incredulamente considerado escandaloso pelos Verdes.

Assim, os Verdes estão ansiosos para prejudicar e punir essas pessoas e tais estruturas sociais e, em vez disso, da melhor maneira possível, conceder todos os tipos de benefícios, privilégios, cotas, estrelinhas, a tudo e a todos menos bem-sucedidos, menos talentosos, menos normais, ou mesmo e de fato anormais e perversos. Travestis negros com cinco filhos extraconjugais de seis pessoas binárias são os espécimes mais dignos.

Como você pode ver, Hans definitivamente não politicamente correto. Ele também é muito engraçado.

Se você acha que isso é explosivo, espere até você ouvir o que Hans diz a seguir. A Alemanha está sob o controle dos EUA. E isso não é controle de pessoas com valores americanos. É o controle de uma elite global.

      Neste ponto, concentro-me apenas no Ocidente, e é por causa de sua dominação do Oriente. A Alemanha Ocidental foi o resultado da derrota, da ocupação militar, e permanece essencialmente vassala dos EUA até hoje. Há uma enorme quantidade de tropas americanas estacionadas na Alemanha. Não há tratado de paz e, com base nas letras miúdas legais, a Alemanha carece de soberania completa até hoje.

Existem indicadores concretos dessa dominação dos EUA. A constituição da Alemanha Ocidental e agora de toda a Alemanha precisou ser aprovada pelas forças de ocupação. Partidos, jornais, mídia, livros escolares exigiam licença dos ocupantes. Houve uma implementação de programas e campanhas de desnazificação, o chamado Charakterwaesche, lavagem de caráter. Houve uma promoção de uma nova história ortodoxa. A história é sempre escrita pelos vencedores.. . .

Os líderes desses círculos elitistas amplamente entrelaçados eram principalmente americanos. Sem surpresa, é claro, já que os EUA são a maior potência militar e econômica do mundo. Mas não os nacionalistas – os que defendiam bandeiras como America First como Trump eram desprezados por essas pessoas – e sim os internacionalistas, em todo e qualquer lugar, todos eles perseguindo uma agenda globalista-internacionalista. . . . Neste momento, a próxima pressão em direção à globalização, a transferência e concentração de poder nas mãos de uma elite internacional centrada e liderada pelos EUA, e assim como a crise climática global ainda hoje, veio com a chamada pandemia de Covid. A origem do vírus ainda é um pouco questionável, mas há evidências crescentes de que ele foi o resultado de um excepcional ataque de guerra biológica americano imprudente à China e ao Irã. Em todo o caso, a saúde e a prevenção de doenças ou infecções são também problemas individuais que se enquadram no âmbito da responsabilidade individual e a distinção entre uma pessoa saudável e uma pessoa doente ou infecciosa foi feita com base em sintomas ou indicadores concretos.

Durante a pandemia de Covid, as elites globais, em estreita cooperação com o complexo industrial farmacêutico, descobriram que se pode literalmente fabricar uma crise de saúde global e um pânico com base não em indicadores concretos como sintomas, doenças graves ou mesmo morte, mas apenas e meramente baseado em algum teste artificial que tinha, na melhor das hipóteses, poder preditivo mínimo em relação a doenças graves ou morte. E sem esses testes, a maioria das pessoas nem teria notado que estava doente. Sem testes, não haveria crise de saúde, porque, na realidade, a Covid não teve consequências mais graves do que uma gripe grave. Exceto que agora, com base nos testes de Covid, a economia foi prejudicada. Na verdade, uma economia de comando central foi estabelecida. Os resultados dos testes foram usados ​​pelos poderes constituídos para restringir as liberdades humanas e os direitos de propriedade de uma forma sem precedentes. Poderes e medidas totalitárias foram assumidas e tomadas por eles para evitar uma catástrofe iminente. Prisões domiciliares, toques de recolher, fechamento de negócios, proibições de trabalho, produção, viagens, movimento e reunião foram aplicadas, e as pessoas foram compelidas – até mesmo forçadas – a se submeter a uma injeção com uma chamada vacina que não foi testada, cujos produtores tinha sido isentados de qualquer responsabilidade por efeitos colaterais, e isso se mostrou amplamente ineficaz.

Na Parte II de seu discurso, Hans fala sobre a Guerra da Ucrânia.

     De qualquer forma, não é de surpreender que Moscou considere a expansão da gangue hostil que governa Washington até a Ucrânia como uma ameaça ou provocação. Putin disse isso repetidamente e alertou contra tais tentativas. Em vez disso, Moscou exigiu que a Ucrânia permanecesse neutra e não se juntasse à OTAN ou à UE. Isso parece um pedido eminentemente razoável. A Suíça também é neutra e é o país mais rico de toda a Europa.

Mas os neoconservadores que comandavam o show nos Estados Unidos não eram receptivos à razão. Apesar das advertências de Putin, eles organizaram um golpe – uma de suas infames revoluções coloridas – e ajudaram a instalar uma gangue pró-OTAN/UE e anti-Rússia – com o atual líder de gangue ou fantoche Zelensky – e começaram a armar e treinar seus militares. Eles ignoraram ou até apoiaram secretamente os ataques militares de brigadas ultranacionalistas/banderistas desde 2014 em suas duas províncias mais orientais, predominantemente russas, que buscavam algum tipo de status de autonomia (especialmente depois que o russo foi proibido como segunda língua oficial).

Diante desse pano de fundo, parece absurdo e desprovido de qualquer senso de proporção declarar Putin e a Rússia os principais ou mesmo os únicos culpados no desastre atual, apenas porque ele disparou o primeiro tiro. Em vez disso, o principal culpado é a gangue dominante em Washington: porque ela poderia facilmente ter evitado o massacre e a destruição atuais simplesmente dizendo a seu cachorrinho ucraniano, o palhaço Zelensky, para aceitar a neutralidade e conceder algum grau de autonomia à região de Donbass.

Como cadelinhas americanas que são, eles teriam cedido imediatamente. Mas os EUA não o fizeram e, mesmo agora, os EUA poderiam acabar com a guerra imediatamente, se apenas dissessem a Zelensky e sua gangue que a guerra havia acabado e todo o apoio ocidental terminaria amanhã.

Mas não, não há nada disso. EUA/OTAN não se envolveram diretamente na guerra, afinal a Rússia é uma potência atômica, e por que arriscar vidas americanas (principalmente após o recente desastre no Afeganistão). Em vez disso, eles impuseram as mais sérias e drásticas sanções econômicas e financeiras, boicotes e embargos à Rússia. Congelaram e expropriaram os bens russos no Ocidente e forneceram armas à Ucrânia para continuar e prolongar a guerra e impedir quaisquer negociações de paz. Eles deixaram a Ucrânia ser destruída e os ucranianos morrerem e serem sacrificados, contanto que isso simplesmente levasse a um enfraquecimento do poder russo, enquanto reivindicavam a superioridade moral para eles, é claro.

Isso foi muito bem dito, mas então Hans surge com algo que eu não vi em nenhum outro lugar. As sanções não enfraqueceram a Rússia – a economia russa está mais forte do que antes do início da guerra. Mas elas enfraqueceram a Alemanha. E é isso que a elite neoconservadora quer:

    No entanto, do ponto de vista dos estrategistas neoconservadores dos EUA/OTAN, o dano econômico produzido, causado e gerado pelas sanções em toda a Europa, mas em particular na Alemanha, também teve alguns efeitos colaterais muito bem-vindos.

É verdade que as medidas tomadas também tiveram algumas repercussões econômicas negativas nos EUA. Mas, no geral, o poder econômico da Europa e da UE, e em particular da Alemanha, foi sistematicamente enfraquecido em relação ao dos EUA. A dependência europeia e especialmente alemã dos EUA foi aumentada. Era preciso comprar petróleo, gás, etc. agora a preços muito mais altos dos EUA, e não da Rússia. E o rearmamento militar maciço em toda a Europa, e novamente especialmente na Alemanha, que foi solicitado em conjunto com as medidas anti-russas beneficiariam principalmente os EUA, como o principal fabricante de armas do mundo, e os melhores amigos e apoiadores dos neoconservadores.

Com este resultado, os EUA cumpriram um importante objetivo geoestratégico. Pois, de acordo com uma escola de pensamento geopolítico altamente influente, que vai de Halford Mackinder no início do século XX a Brzezinski em nosso tempo, quem quer que, qualquer poder ou potências, alcançasse o domínio do continente euro-asiático, o centro nevrálgico do mundo, desse modo, essencialmente, indiretamente alcançaria o domínio sobre o resto do mundo também. E para evitar que isso aconteça e para preservar a supremacia anglo-americana, qualquer poder desse tipo teve que ser impedido de emergir.

E o único perigo, a única ameaça potencial nesse sentido à supremacia dos EUA viria ou poderia vir de uma aliança entre a Alemanha e a Rússia, que, portanto, deveria ser solapada por todos os meios.

Peço a todos que estudem cuidadosamente os magníficos artigos de Hans. Se fizerem isso, verão o mundo de uma nova maneira.

Entendendo, e lamentando, a Alemanha contemporânea: Parte I: Alemanha Oriental e Ocidental, Reunificação e os EUA

Entendendo, e lamentando, a Alemanha contemporânea: Parte II: Alemanha, EUA/OTAN, Rússia e Ucrânia

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. Alguém mande esse artigo para o Peter Otaniev Ucraniev do Ancapsu.
    Eu não consigo fazer isso porque já fui banido, assim como você também será, rsrsrs

    Obs: eu fiquei triste em ver um canal que eu tinha como referência no libertarianismo, se afundar em estatismo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.