Entendendo, e lamentando, a Alemanha contemporânea: Parte I: Alemanha Oriental e Ocidental, Reunificação e os EUA

2

[Discurso proferido na 16ª Reunião Anual da Property and Freedom Society, Bodrum, Turquia, 18 de setembro de 2022.]

O título do meu discurso de hoje é “Entendendo – e lamentando – a Alemanha contemporânea”. E vem em duas partes.

Se você me perguntar qual foi o ano mais importante da história mundial, eu diria que foi 1949, porque esse foi o ano em que nasci. E ocorreram também alguns outros eventos importantes, como a obra-prima de Mises, Ação Humana, que foi publicada em 1949, e mais próximo do tema sobre o qual quero falar: surgiram a Alemanha Oriental e a Alemanha Ocidental. A Alemanha Ocidental, chamada RFA (República Federal da Alemanha), e a Alemanha Oriental, chamada RDA (República Democrática Alemã), também foram fundadas em 1949, assim como a OTAN.

Cresci na parte ocidental, mas meus pais eram refugiados da oriental, os dois, e a família de minha mãe havia sido expropriada pelos russos em 1946, e eles foram expulsos da propriedade que possuíam. A maioria dos meus parentes, no entanto, morava na Alemanha Oriental.

Quando criança, éramos extremamente pobres. Sendo refugiados, meus pais não tinham absolutamente nada, mas só em olhando retrospecto eu diria que erámos pobres. Na época eu achava que tudo era perfeitamente normal. E na época também achava perfeitamente normal que as coisas melhorassem de ano para ano, não só para a minha família, mas também para a vila em que vivíamos. Não entendia o motivo disso. Eu simplesmente achava que era perfeitamente normal. É assim que as coisas acontecem.

Que aquilo não era normal, eu testemunhei então, através de minhas visitas anuais à Alemanha Oriental, à RDA, que eu fazia todos os anos quando criança e adolescente. Para meus pais, é claro, a RDA era a zona ocupada pelos soviéticos, a Zona Leste, a Alemanha socialista — tudo de ruim. O panorama no Oriente parecia, de fato, muito diferente. Havia controles fronteiriços excruciantes, também controles internos na Alemanha Oriental. Você sempre tinha que se registrar na polícia. As lojas estavam vazias e havia falta quase total de muitos produtos corriqueiros; corriqueiros no Ocidente.

Sempre víamos longas filas. Os tempos de espera eram enormes. Eram dezesseis anos, por exemplo, que tinham que esperar para conseguir um carro. E havia todas aquelas pessoas envolvidas em atividades de coleta. Além disso, podíamos observar uma ética de trabalho miserável e um péssimo serviço em restaurantes, lojas e locais de trabalho, escassez constantemente recorrente de suprimentos – chamaríamos agora de interrupções na cadeia de abastecimento – e muita inatividade e ociosidade. No geral, se tinha a impressão de estagnação ou mesmo decadência. Existiam mercados negros e um mercado negro de dinheiro. Com a moeda ocidental, se poderia comprar em lojas especiais, mas sem dinheiro ocidental, não.

Aprendi também como funcionava o estilo RDA de ação afirmativa. Os filhos de operários e camponeses tiveram preferência sobre os de origem burguesa, além da preferência geral dada aos membros do partido, que era o Partido Socialista. Na TV, os líderes do Partido Socialista — eram como proles de terno — falavam durante horas sobre as gloriosas conquistas das quais não havia nada para ver. Vivia-se um clima de suspeita, sob vigilância constante, e você tinha que ter cuidado com o que dizia e para quem dizia, a qualquer momento.

O mais deprimente de todas as coisas na RDA era, é claro, que depois de 1961 era quase impossível sair, e qualquer tentativa de fuga da república, como ela era chamada, era punida com longas penas de prisão. Minha avaliação da RDA foi decididamente negativa mesmo naquela época, cerca de 60 anos atrás. Mas na época, eu não entendia a razão fundamental para isso. Reconheci que havia uma ausência generalizada de propriedade privada e que tinha algo a ver com isso. Mas eu pensei principalmente em imóveis residenciais. Porém eu ainda era esquerdista na época e culpava principalmente os miseráveis, as pessoas erradas, pelos fracassos que todos obviamente podiam ver. E eu ainda achava que o planejamento central, o planejamento econômico central, fazia algum sentido.

A RDA, como você sabe, entrou em colapso em 1989 com a queda do Muro de Berlim e o comunismo ruindo em toda a Europa Oriental. Em 1989, eu morava nos Estados Unidos e devo dizer que chorei de alegria quando tudo isso aconteceu. E até então, 1989, eu tinha, é claro, uma compreensão completa do porquê. Eu tinha lido o Gemeinwirtschaft de Mises, e não apenas isso – e até então, eu também tinha aprendido minha lição com Rothbard sobre a natureza de um estado como uma espécie de gangue estacionária de bandidos e ladrões, um esquema mafioso de proteção.

A razão fundamental, então, para minha primeira impressão negativa sobre a Alemanha Oriental e seu colapso final foi que a RDA era um exemplo de socialismo clássico. Ou seja, sem propriedade privada dos fatores de produção, você simplesmente não pode calcular. Você não pode saber o que, onde, quando e como produzir e se adaptar às mudanças nas circunstâncias. E, é claro, esse tipo de socialismo fracassou em todos os lugares onde foi tentado.

Mas naquela altura eu também entendia a Alemanha Ocidental, a RFA. A RFA foi um exemplo de socialismo brando ou suave. A propriedade privada existia apenas no nome. Era, por assim dizer, propriedade fiduciária. Era privada — até ser tomada pelo Estado. O sistema foi chamado de economia social de mercado ou social-democracia, e seu pressuposto básico era – como antes, durante a época nazista – o bem-estar público e a prosperidade pública superam o bem-estar privado e a prosperidade privada, e também tanto mercado quanto possível, e tanto Estado quanto necessário, com o Estado determinando o que é possível e o que é necessário.

Todos os partidos políticos compartilhavam juntos todos os elementos básicos do manifesto comunista. Deveria haver um banco central. Deve haver tributação progressiva. Deveria haver impostos sobre herança. Deveria haver o esquema de pirâmide de previdência social, com o qual todos vocês estão familiarizados. Deveria haver educação estatal obrigatória “gratuita” e, claro, deveria haver democracia – governo da maioria – que é mais manifestamente uma forma de comunismo. Toda propriedade é, em última análise, Gemeineigentum – propriedade de todos. Ou seja, propriedade de todos e de ninguém e, com efeito, propriedade do Estado.

Ainda assim, a Alemanha Ocidental teve um bom começo antes mesmo de todo o sistema começar a funcionar. Ludwig Erhard – que na época era ministro da Economia – aboliu todos os controles de preços e salários que havia herdado da época nazista – contra o conselho de arrogantes americanos como John Kenneth Galbraith, por exemplo. E isso levou ao que é frequentemente referido como o milagre econômico alemão, e esse milagre econômico alemão então me ensinou, é claro, também por que eu tive essa experiência precoce quando criança de que tudo está sempre melhorando.

Mas então aconteceu o que era de se esperar: o crescimento estável e a erosão sucessiva dos direitos de propriedade privada. Além disso, a democracia, ou governo da maioria, fez seu trabalho. Em vez de golpes do politburo, como no socialismo ortodoxo, havia agora uma rotação pacífica da liderança do governo. Os partidos de oposição foram incluídos e participaram do saque do governo. E com base nisso – que todos participam do saque do governo – tornou-se possível que cada partido pudesse formar coalizões com qualquer outro. O resultado foi, é claro, um crescimento constante da política partidária, dos políticos e da atividade e participação política em vez de produtiva. Foi uma politização da sociedade.

A chamada melhor forma de governo – isto é, a democracia – é na verdade a melhor forma de promoção de demagogos, vigaristas, gângsteres e parasitas. Consequentemente, quanto mais o Estado crescia, maior sua receita tributária e de impressão de dinheiro – que sempre aumentava e nunca diminuía –, ou seja, maior a atratividade para se infiltrar no Estado, para a tomada e controle do Estado pelas elites industriais e financeiras , bem como para os sindicatos até certo ponto – para que eles tenham controle sobre o funcionamento do Estado e obtenham legislação especial e participem do saque.

Assim, também ocorreu uma mudança no caráter dos políticos. Eles foram cada vez mais comprados e subornados e transformados de agentes independentes e com opiniões próprias em marionetes controlados por titereiros operando em segundo plano. Houve uma transformação, por assim dizer, de um mercado relativamente livre para um capitalismo de estado ou capitalismo de compadrio. E no decorrer desse desenvolvimento, os fantoches eleitos, os políticos, ficaram cada vez mais burros para serem mais facilmente manipulados pelos mestres que operam em segundo plano.

Os eventos de 1989 também tiveram um efeito profundo nesse sistema de Estado ou capitalismo de compadrio da Alemanha Ocidental e na economia social de mercado. Teoricamente, após o colapso de seu socialismo ortodoxo, a RDA poderia ter escolhido muitos caminhos diferentes. Acima de tudo, é claro, poderia ter escolhido permanecer independente. Na verdade, porém, a RDA foi assumida pela Alemanha Ocidental, pela RFA. A população do Leste foi comprada com o D-Mark recém-impresso, a moeda da Alemanha Ocidental. Todos os ativos da RDA e todos os imóveis — tudo era propriedade do Estado ali — foram tomados pelo governo da Alemanha Ocidental e pelo novo estado unificado de toda a Alemanha. E então eles foram redistribuídos e privatizados de acordo com o gosto do governo da Alemanha Ocidental e seus vários amigos favoritos.

Geralmente, e essencialmente, quase nenhuma restauração dos proprietários originais ocorreu. Por exemplo, eu não recuperei minha propriedade que eles haviam roubado. Da mesma forma, todo o sistema legal e regulatório do Estado de bem-estar social da RFA foi exportado por atacado e imposto a Oriental. Leis trabalhistas, decisões participativas, o chamado seguro-desemprego, previdência social, pensões, sistemas de aposentadoria, habitação social – todo o sistema foi simplesmente imposto à Alemanha Oriental, o que tornou a Alemanha Oriental, até hoje, não competitiva em comparação com outros ex-estados do Bloco Oriental como a Polônia ou a República Tcheca, por exemplo, que não podiam recorrer a seus primos ricos ao lado.

Paralelamente a essa conquista econômica e regulatória do Oriente pelo Ocidente houve uma infiltração ideológica na direção oposta: do Oriente para o Ocidente. Apesar dos crimes maciços dos governantes da RDA, ocorreu pouco ou nada em termos de punição ou restituição, porque, como irmãos no crime, a RFA, as elites da Alemanha Ocidental, tratavam seus equivalentes da Alemanha Oriental com luvas de pelica e muita condescendência. O motivo: existiam arquivos enormes e perigosos da Stasi — a Stasi era a polícia secreta da Alemanha Oriental — ou o que restava deles; nem todos os arquivos foram preservados; alguns foram destruídos no momento em que ocorreu a incorporação. E muitos ocidentais agiram como, ou temeram ser revelados como agentes ou colaboradores. Muitos suspeitos de alto escalão, incluindo Kohl e Merkel, que eram os líderes da Alemanha Ocidental, se recusaram a ter seus arquivos abertos. E tantos, muitos ex-agentes do governo da RDA, informantes, espiões, executivos, torturadores e executores, foram considerados escusados ​​e encontraram trabalho equivalente na Alemanha unificada porque este governo também, como todos os governos, teve e ainda tem uma demanda constante por tais habilidades.

Devo lembrar-lhes de que os Estados Unidos e a Rússia aceitaram muitos ex-nazistas em seu sistema porque eles possuíam certas qualificações. Os cientistas de foguetes nos EUA e na Rússia eram alemães.

Em suma, essa infeliz união Ocidente-Oriente resultou em um deslocamento sistemático para a esquerda, um fortalecimento das forças redistribucionistas e igualitárias de todo o espectro de partidos políticos alemães, uma tendência ao aumento acentuado da erosão, erradicação e enfraquecimento dos direitos de propriedade privada – uma tendência que é principalmente e corretamente associada em particular à Angela Merkel da Alemanha Oriental e seu reinado como chanceler alemã de 2005 a 2021.

Agora, se Merkel era uma informante da polícia secreta da Stasi ou não, não foi definitivamente estabelecido. Ela se recusa, é claro, a ter seus arquivos abertos. Mas sua biografia na RDA e sua carreira profissional e os privilégios concedidos a ela tornam isso altamente provável. Ela poderia, por exemplo, viajar para o Ocidente, o que a maioria das pessoas não poderia fazer. Mas mesmo que ela não tenha sido, na verdade o que ela efetuou foi uma guinada mais acentuada em direção ao socialismo, e em particular ao socialismo internacional, e longe de uma economia de livre mercado e de nações independentes e soberanas e economias nacionais na história da Alemanha pós-Segunda Guerra Mundial.

Merkel transformou o CDU – que era o antigo partido nacional-conservador, um tanto católico com ingredientes do socialismo cristão – em um partido que sucessivamente ultrapassou até o SPD, que era o tradicional partido socialista, com suas promessas populistas e medidas redistributivas. Sob seu reinado, o SPD, o tradicional partido socialista – o representante da esquerda socialista versus a direita socialista, que eram os conservadores – os social-democratas entraram cada vez mais em declínio. Não tanto por causa de seu programa — a social-democracia não fracassou —, mas porque seu programa foi adotado e até melhorado por outros. Por seu – de Merkel – CDU, o partido conservador, por um lado, e, em particular, pelos Verdes, por outro, que já ultrapassou o tradicional partido socialista, o SPD, em termos de popularidade e se tornou a vanguarda da esquerda socialista na Alemanha. De fato, durante a era Merkel, os Verdes cresceram tremendamente, e agora na Alemanha, as coalizões mais prováveis ​​que serão formadas serão as coalizões entre a CDU, o antigo partido conservador, e os Verdes. Eles são a onda do futuro.

Se olharmos para o início dos Verdes, eles começaram como abraçadores de árvores e beijadores de sapos, como protetores do meio ambiente e do clima. Na visão deles, animais, plantas, natureza são nossos iguais, com direitos iguais. Isso revela, basicamente, sua atitude fundamental, a saber, anti-humana e anti-propriedade privada. Para eles, proteger o meio ambiente significa anular os direitos de propriedade privada. E contra a ordem bíblica de que devemos dominar o mundo, para eles, o Homem não deve dominar o mundo – na verdade, ele é uma ameaça e seria melhor se ele não fizesse nada e simplesmente morresse, porque somos nós humanos que esgotam os recursos, gastam energia, alteram o meio ambiente, influenciam o clima, a atmosfera ou o que quer que seja, e não perguntamos aos recursos, à energia e ao clima se é certo que façamos isso.

Considero isso, claro, ultrajante. Basicamente, os Verdes querem saber, e afirmam saber, como proteger a natureza da intervenção humana. E como fazer isso? Reduzindo a produção. Reduzindo a indústria. Reduzindo o consumo e todos os confortos humanos até ficarmos mais pobres. Vocês já perceberam, eu considero essa uma das ideias mais malucas de todos os tempos, muito pior do que o socialismo tradicional, que afirmava ser o caminho para uma maior riqueza. Eles escolheram os meios errados para fazer isso, mas é claro que esse era o objetivo deles. Esse objetivo os Verdes nem sequer têm. E, como eu diria, apenas uma sociedade rica pode se permitir esse absurdo verde, e mesmo isso apenas por um curto período de tempo.

Não bastando este absurdo, além de igualar humanos com animais e plantas e empobrecer as pessoas, os Verdes também são campeões em igualar todas as pessoas, todos os humanos e estilos de vida e personagens humanos – assumindo que você não pode se livrar dos humanos completamente. Agora, de acordo com os Verdes, as diferenças drásticas observáveis ​​entre diferentes pessoas – sexo, demografia – são o resultado da discriminação, do privilégio masculino branco, da exploração, do imperialismo, do colonialismo, do sexismo e assim por diante. Vocês estão acostumados a ouvir todas essas coisas. E elas nunca são o resultado de diferentes formas e modos naturais e de diferentes talentos e diferentes realizações.

Em particular, então, o fato óbvio de que as sociedades mais bem-sucedidas, o desenvolvimento mais elevado, o auge da civilização humana em toda a história humana são sociedades ocidentais, brancas, heterossexuais, dominadas por homens com estruturas familiares tradicionais de pai-mãe-filhos. Isso – a base da civilização – é incredulamente considerado escandaloso pelos Verdes.

Assim, os Verdes estão ansiosos para prejudicar e punir essas pessoas e tais estruturas sociais e, em vez disso, da melhor maneira possível, conceder todos os tipos de benefícios, privilégios, cotas, estrelinhas, a tudo e a todos menos bem-sucedidos, menos talentosos, menos normais , ou mesmo e de fato anormais e perversos. Travestis negros com cinco filhos extraconjugais de seis pessoas binárias são os espécimes mais dignos.

Todo o programa é basicamente este: você estimula o fracasso e pune o sucesso. Essa é obviamente uma receita perfeita para um desastre. A popularidade desse absurdo perigoso e suicida revela o que já esperamos da doença do regime democrático. Você emburrece a população gradualmente, mas sucessivamente. O eleitor típico do SPD, o velho e tradicional partido de esquerda, a velha esquerda, eram operários, e eles não queriam nada mais do que ficar mais ricos – mesmo que sua escolha de meios estivesse errada. Mas o número de operários está em declínio constante há décadas. O eleitor típico dos Verdes, por outro lado, e também de seus líderes, a nova esquerda, pertencem à classe dos parasitas. Eles não trabalham e, na maioria dos casos, nunca trabalharam no setor privado de valor produtivo, mas vivem dos impostos pagos pela população trabalhadora. Eles vivem como funcionários públicos, e seu número tem crescido constantemente. São assistentes sociais, professores, educadores, jornalistas, alunos que nunca terminam nenhum curso e filhos mimados de pais ricos e membros de ONGs, organizações não governamentais. Quase todos eles são urbanos sem nenhuma ideia e experiência sobre a vida rural, agricultura, pecuária ou qualquer outro negócio; e sendo funcionários públicos, têm pouco ou nenhum medo de declínio econômico, desemprego ou de passar por qualquer dificuldade. Eles são em sua maioria fracassados que falhariam miseravelmente em um ambiente competitivo e que, em circunstâncias normais – isto é, sem cotas, ações afirmativas – nenhuma empresa privada jamais os contrataria. Mais uma vez, apenas uma sociedade rica pode arcar com uma sobrecarga parasitária tão crescente, e mesmo assim apenas por um tempo.

Apenas uma breve nota sobre a chamada AFD, a alternativa para a Alemanha, hoje considerada como nazista – mas eles são, em geral, o mesmo partido que a CDU e os conservadores tradicionais costumavam ser no início da história da Alemanha Ocidental.

O que ainda falta para um quadro mais ou menos completo aqui é o lugar e o papel da Alemanha na ordem internacional, nas relações internacionais e na geopolítica. A RDA — Alemanha Oriental — era vassalo da União Soviética. E a RFA – Alemanha Ocidental, e depois de 1990 também a Alemanha unificada – era e ainda é uma vassala dos Estados Unidos. As outras duas potências vitoriosas – Grã-Bretanha e França – podem ser negligenciadas aqui porque também são essencialmente vassalas dos Estados Unidos.

Neste ponto, concentro-me apenas no Ocidente, e é por causa de sua dominação do Oriente. A Alemanha Ocidental foi o resultado da derrota, da ocupação militar, e permanece essencialmente vassala dos EUA até hoje. Há uma enorme quantidade de tropas americanas estacionadas na Alemanha. Não há tratado de paz e, com base nas letras miúdas legais, a Alemanha carece de soberania completa até hoje.

Existem indicadores concretos dessa dominação dos EUA. A constituição da Alemanha Ocidental e agora de toda a Alemanha precisou ser aprovada pelas forças de ocupação. Partidos, jornais, mídia, livros escolares exigiam licença dos ocupantes. Houve uma implementação de programas e campanhas de desnazificação, o chamado Charakterwaesche, lavagem de caráter. Houve uma promoção de uma nova história ortodoxa. A história é sempre escrita pelos vencedores.

E essa requalificação e reeducação, desnazificação etc. foi desenvolvida e supervisionada muitas vezes por emigrados alemães importados ou reimportados, principalmente judeus, e a introdução do campo da ciência política que não existia antes; é uma disciplina típica americana que não existia anteriormente.

Em 1955 – esse é o próximo indicador da dominação americana – a Alemanha tornou-se membro da OTAN sob a liderança dos EUA, é claro. E assim, a Alemanha se alistou e se envolveu na Guerra Fria. Começava também nessa época a integração europeia, que terminou em última instância com a UE e o Banco Central Europeu, com o objetivo de controlar e enfraquecer a derrotada Alemanha como potência econômica rival em potencial.

A promoção da chamada indústria do Holocausto e do complexo de culpa exclusivamente alemão foi para consolidar a posição da Alemanha como eterno tesoureiro, e com qualquer – mesmo a menor crítica à narrativa oficial – você seria punido com penas de prisão, e é assim até hoje. Há muitos alemães presos por contarem histórias ligeiramente divergentes.

Depois, há alguns indicativos suaves da dominação dos EUA. Houve infiltração ideológica e reeducação que foram possíveis, é claro, por causa da posição dos EUA como a potência econômica mais rica e poderosa. E o resultado dessa posição de país mais rico da Terra foi algum tipo de imperialismo e penetração cultural. Convites e doações foram dados pelos EUA a políticos, jornalistas, intelectuais, acadêmicos, e eles foram financiados por fundações ricas, pela Fundação Rockefeller, Fundação Ford, Fundação Carnegie, J.P. Morgan e, claro, pelas universidades americanas, especialmente as universidades da Ivy League.

E então houve o estabelecimento de fundações, instituições e institutos financiados pelos EUA na Alemanha e também em outros estados vassalos da Europa. E tudo isso, claro, para comprar a lealdade alemã, especialmente entre os jovens brilhantes. Os Estados Unidos e as conexões americanas tornaram-se o lugar e o caminho para obter dinheiro, influência, prestígio, poder e sucesso. Isso também me atraiu, é claro, exceto que o resultado pode não ter sido o esperado.

Para citar apenas algumas dessas instituições influenciadoras, além das universidades da Ivy League, principalmente, o Conselho de Relações Exteriores, a Chatham House, os Bilderbergers, a Comissão Trilateral, o Clube de Roma, a Ponte Atlântica, o Instituto Aspen, o Fórum Econômico Mundial. O objetivo comum era reunir, criar e treinar uma elite internacional e interconectada de pessoas retiradas da política, finanças, negócios e vida intelectual, todas comprometidas com o objetivo final de um governo mundial e um banco central mundial administrado por eles e seus semelhantes.

Os líderes desses círculos elitistas amplamente entrelaçados eram principalmente americanos. Sem surpresa, é claro, já que os EUA são a maior potência militar e econômica do mundo. Mas não os nacionalistas – os que defendiam bandeiras como America First como Trump eram desprezados por essas pessoas – e sim os internacionalistas, em todo e qualquer lugar, todos eles perseguindo uma agenda globalista-internacionalista. E entre esses círculos, os judeus eram amplamente super-representados, dado seus números pequenos e absolutos; novamente, sem surpresa, considerando seus QIs médios significativamente mais altos. Os judeus estão super-representados praticamente em todos os campos cognitivamente exigentes, incluindo também em crimes financeiros de alto nível, mas, note-se, também em círculos libertários e círculos anti-globalistas. Basta pensar em Mises, Rand e Rothbard. No entanto, o número absoluto de gentios super-inteligentes e super-ricos excede em muito o de judeus e, portanto, embora seja ingênuo negar o enorme poder e influência de um lobby judaico, não estou pronto para aceitar a tese, que é bastante popular em alguns círculos, de algum tipo de conspiração judaica para dominar o mundo.

Em seguida, temos os indicadores de centralização, do sucesso liderado pelos EUA na direção da centralização e da submissão alemã em tudo isso. Em primeiro lugar, há, é claro, a OTAN, a União Europeia, o Banco Central Europeu e o Euro: todos sucessos na direção da centralização. Através dessas instituições, todos os partidos alemães e europeus foram cada vez mais harmonizados programaticamente e alinhados com as ambições dos EUA, primeiro e mais facilmente com os partidos de “direita” como o CDU, e um pouco mais lentamente com o SPD de esquerda e os partidos de esquerda, mas agora também com os Verdes. Voltarei a isso mais adiante.

E quanto à dominação cultural: o caráter, a organização e os currículos das instituições acadêmicas e universidades dos EUA foram cada vez mais copiados em toda a Europa. Inclusive ensinando cada vez mais em inglês. E toda moda intelectual americana varreu quase imediatamente o Atlântico, e voltarei a isso em um minuto. Um novo capítulo no processo de globalização foi iniciado com o colapso e a desintegração da União Soviética na década de 1990 e o início um tanto paralelo da reforma e ascensão econômica chinesa.

Até então, dentro dos EUA, grandes progressos foram feitos na direção da esquerda também: mais igualitário internamente (principalmente através do trabalho dos democratas) e o controle sobre a política externa havia sido alcançado pelos neocons, um grupo de ex-trotskistas (principalmente republicanos, mas não apenas republicanos) que tinham ambições decididamente globalistas e intervencionistas. Os EUA eram, para eles, uma nação excepcional.

Os EUA neocons não aboliram a OTAN, embora o objetivo original da OTAN tivesse sido alcançado. A União Soviética não existia mais, e a OTAN só havia sido formada para combater o comunismo, a União Soviética. Mas a expandiu, primeiro com a reunificação alemã. A antiga RDA tornou-se agora membro da OTAN. E então, rapidamente, muitas das repúblicas soviéticas agora independentes e estados satélites da União Soviética – todos esses países seguiram. Assim, a hegemonia dos EUA foi muito expandida. Além disso, a Alemanha foi obrigada a desistir do marco, o Deutschemark, e adotar o Euro e o banco central europeu. E a própria UE, a União Europeia, foi expandida aproximadamente paralelamente à expansão da OTAN, avançando ainda mais a centralização e enfraquecendo a Alemanha duas vezes, uma vez por uma moeda mais fraca – o euro é muito mais fraco do que o marco – e pela expansão do papel de tesoureiro da Alemanha em toda a Europa. Mais e mais países entraram na folha de pagamento alemã.

Então, os neocons, em busca de um novo inimigo, e para satisfazer o complexo militar industrial que financiou suas campanhas e carreiras, descobriram o perigo do islamismo radical e encontraram motivos de sobra para interferir com guerras e golpes orquestrados e boicotes organizados contra o Iraque, Afeganistão, Líbia, Síria, Somália, Irã, Egito, Sudão, e também sempre bom lembrar, Sérvia. E eles sempre implicaram a Alemanha de uma forma ou de outra nessas empreitadas. Os soldados alemães acabaram defendendo a civilização ocidental no Hindukush e no Mali. E dessa confusão criada pelas intervenções e invasões estrangeiras dos EUA, sem surpresa, vieram e ainda vêm ondas maciças de imigração e invasões desses lugares, descarregadas na Europa Ocidental, sendo a Alemanha a maior atração e a mais disposta a aceitar essas pessoas. Lá estava a culpa alemã novamente.

O resultado é uma deshomogeneização e ainda mais emburrecimento da população para ser governada mais facilmente pelas elites dominantes e superar qualquer resistência nacional ou nacionalista na Alemanha e também em outros países europeus contra a maior centralização dos poderes na Europa, em Bruxelas. Nessa prática, a prática imigratória, a Europa, especialmente Alemanha/ Merkel, seguiu na verdade o padrão estabelecido pelas fronteiras abertas e política de imigração indiscriminada dos EUA, ali apoiada por globalistas e combatida pelos norte-americanos defensores da America First. Lá, nos Estados Unidos, isso significou imigração livre da América Central e do Sul e do terceiro mundo, de modo a garantir uma maioria eleitoral permanente da esquerda.

De qualquer forma, porém, nem nos EUA nem na Europa, com seus convidados do Oriente Próximo e da África, chegaram gênios e pessoas produtivas como prometido, mas principalmente ignorantes econômicos que acabaram desempregados e contribuíram fortemente para o aumento das taxas de criminalidade. E foi em conexão com a invasão da Europa causada pelos EUA por hordas de orientais e africanos, então, que a prática e moda dos EUA de ação afirmativa que começou lá na década de 1960 com negros e depois foi sucessivamente expandida para grupos cada vez mais desprivilegiados, até chegar atualmente nos travestis, cuja única realização é se mostrar e tagarelar sobre serem travestis ou homossexuais, ou seja o que forem. Agora, tudo isso também se firmou na Europa, com a Alemanha novamente assumindo a liderança e os Verdes sempre na vanguarda da batalha contra o racismo, o sexismo, o xenofobismo e o que quer que seja – toda a bobagem atual do Politicamente Correto – rivalizando nesse meio tempo até mesmo com os EUA em termos de insanidade.

E mais: se você quer avançar um programa globalista, você tem que inventar problemas globais para racionalizar suas atividades. Fundamentalmente, todos os problemas e dificuldades na vida humana são problemas individuais a serem resolvidos individualmente ou em cooperação voluntária com outros. Os chamados problemas sociais como desigualdade de renda ou pobreza, por exemplo, são problemas cuja solução supostamente requer um estado coercitivo. Na verdade, eles são inventados para legitimar a ação do Estado – banditismo, roubo e redistribuição. O problema das mudanças climáticas, aquecimento ou resfriamento global, também é um problema individual e tem sido tratado como tal ao longo de milênios. Proprietários de propriedades privadas fazem ajustes em reação às mudanças no clima.

Mas as elites globalistas, com os EUA – Al Gore me vem à mente a esse respeito – conseguiram transformá-lo e redefini-lo em um problema global que exige para sua solução medidas supostamente globais ou internacionais, e a canalização de enormes fundos para organizações intergovernamentais internacionais, conferências , instituições atarefadas desenvolvendo cenários de horror para justificar e interferir na produção, consumo e todas as atividades humanas em todo o mundo, e assim sucessivamente erodindo o que ainda resta dos direitos de propriedade privada.

De fato, enquanto isso, uma enorme indústria de mudanças climáticas cresceu, com milhares e milhares de parasitas, financiados, direta ou indiretamente, por dinheiro do governo e hordas de apoio de parasitas econômicos e ativistas climáticos. Na Alemanha em particular, os Verdes tornaram-se alguns dos defensores mais fanáticos dessa moda globalista. Eu chamaria isso de religião.

E embora toda a liderança dos Verdes seja, muito parecida com Al Gore, sem exceções, nulidades intelectuais sem sequer a compreensão mais básica de leis e princípios econômicos ou qualquer treinamento em ciências naturais – de fato, embora eles e seus seguidores mais dedicados muitas vezes são apenas crianças sem qualquer realização na vida – e embora sua afirmação de saber como controlar, e ser capaz de controlar, o clima global através de vários impostos e cada vez mais impostos sobre a produção e viver uma vida normal – embora isso deva parecer a qualquer pessoa em sã consciência como pura loucura, como um sinal de megalomania e de insanidade mental, ainda a mania da proteção do clima, liderada pelos Verdes, mas compartilhada por todos os outros partidos, exceto o AFD, tornou-se cada vez mais popular. E os chamados negacionistas do clima têm sido cada vez mais tratados como párias e vítimas da nova cultura do cancelamento. (A Alemanha ainda pode ser a terra dos Dichter, dos poetas. Curiosamente, o líder Verde, Sr. Habeck, o ministro da Economia, é o autor de contos de fadas infantis. Mas certamente não é mais a terra dos pensadores, dos Denker.)

Neste momento, a próxima pressão em direção à globalização, a transferência e concentração de poder nas mãos de uma elite internacional centrada e liderada pelos EUA, e assim como a crise climática global ainda hoje, veio com a chamada pandemia de Covid. A origem do vírus ainda é um pouco questionável, mas há evidências crescentes de que ele foi o resultado de um excepcional ataque de guerra biológica americano imprudente à China e ao Irã. Em todo o caso, a saúde e a prevenção de doenças ou infecções são também problemas individuais que se enquadram no âmbito da responsabilidade individual e a distinção entre uma pessoa saudável e uma pessoa doente ou infecciosa foi feita com base em sintomas ou indicadores concretos.

Durante a pandemia de Covid, as elites globais, em estreita cooperação com o complexo industrial farmacêutico, descobriram que se pode literalmente fabricar uma crise de saúde global e um pânico com base não em indicadores concretos como sintomas, doenças graves ou mesmo morte, mas apenas e meramente baseado em algum teste artificial que tinha, na melhor das hipóteses, poder preditivo mínimo em relação a doenças graves ou morte. E sem esses testes, a maioria das pessoas nem teria notado que estava doente. Sem testes, não haveria crise de saúde, porque, na realidade, a Covid não teve consequências mais graves do que uma gripe grave. Exceto que agora, com base nos testes de Covid, a economia foi prejudicada. Na verdade, uma economia de comando central foi estabelecida. Os resultados dos testes foram usados ​​pelos poderes constituídos para restringir as liberdades humanas e os direitos de propriedade de uma forma sem precedentes. Poderes e medidas totalitárias foram assumidas e tomadas por eles para evitar uma catástrofe iminente. Prisões domiciliares, toques de recolher, fechamento de negócios, proibições de trabalho, produção, viagens, movimento e reunião foram aplicadas, e as pessoas foram compelidas – até mesmo forçadas – a se submeter a uma injeção com uma chamada vacina que não foi testada, cujos produtores tinha sido isentados de qualquer responsabilidade por efeitos colaterais, e isso se mostrou amplamente ineficaz.

Além disso, as pessoas se incomodavam com a exigência de comprovantes e alvarás para voltar a ter uma vida normal. Novamente, neste evento, a Alemanha acabou sendo um dos países mais obedientes e autoritários. Apenas a Áustria foi ainda pior nesse aspecto, mas a Áustria fez uma leve reviravolta um pouco mais tarde. Lá está muito mais ameno agora do que na Alemanha, onde tudo isso ainda acontece.

E a maioria das pessoas – isso foi algo inacreditável – a maioria das pessoas seguia timidamente as ordens constantemente mutáveis ​​e contraditórias dadas por seus líderes políticos e impostores e seus chamados especialistas e conselheiros recrutados e pagos pela indústria farmacêutica, cujas todas as previsões se revelaram falsas ou fabricadas ou simplesmente inventadas. Ainda assim, houve pouca ou nenhuma resistência e apenas uma muito tímida, o que me ensinou uma importante lição: a saber, quão difícil é e quão difícil se tornou resistir a ordens governamentais ou estatais, mesmo que sejam dos tipos mais totalitários, como invasões corporais.

Nós, minha geração, aprendemos a criticar e culpar nossos pais por sua suposta covardia durante o período nazista. Esse era um programa padrão nas escolas alemãs. Pergunte aos seus pais. O que você fez? Por que você não fez nada? Por que você não fez nada?

E o que aprendi com o comportamento das pessoas durante a crise do Covid foi: me ensinou uma lição de humildade porque, o que eu fiz? O que todos nós fizemos? Mesmo que tenha sido obviamente muito menos dramático e maligno do que o que aconteceu durante o período nazista. Não, não resistimos. Então eu me senti humilhado por essa experiência e pude de alguma forma entender como essas coisas acontecem com outras pessoas também. Bem, com isso, minha primeira parte do discurso acabou. Darei um intervalo de 15 minutos e depois voltamos para a segunda parte.

 

Entendendo, e lamentando, a Alemanha contemporânea: Parte II: Alemanha, EUA/OTAN, Rússia e Ucrânia

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.