Conformidade: o vício do covarde

1
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Uma das minhas frases favoritas, cunhada por Robert Greene, é “resista ao impulso do grupo para o declínio”. Lembrar disso todos os dias, todas as horas, é necessário para manter nossas mentes livres e independentes, capazes de inovar e decidir o que é melhor para nós, ao contrário do que é melhor para os legisladores, os mais poderosos da sociedade. Tudo deve ser questionado.

Historicamente, os cigarros eram incentivados para mulheres grávidas. O mercúrio foi administrado como medicamento. O chumbo estava em toda a tinta; amianto em todo o isolamento. Manteiga e banha eram boas, depois ruins, depois boas de novo. Populações foram sistematicamente mortas com a cooperação de quase toda a sociedade educada. Essas coisas aconteceram e foram completamente bizarras e loucas, mas aconteceram. “Todo mundo estava fazendo isso.”

Pessoas más sabem disso, da loucura das multidões. Elas a usaram por milênios para controlar as massas, culminando nas maiores tragédias que o mundo já viu. Na era atual de coleta de dados em massa, a manipulação de populações é ainda mais fácil. Quanto mais eles sabem sobre nós, melhor podem personalizar suas mensagens.

Esse uso de manipulação em uma escala populacional costumava ser altamente controverso. Quando JFK concorreu à presidência, dos EUA quando os computadores eram novos, sua campanha recrutou uma startup chamada Simulmatics Corporation para criar um modelo de computador do público eleitor, compilado por meio de pesquisas, e então perguntou a essa população virtual como ele responderia a várias mensagens de direitos civis. JFK usou essa mensagem e venceu, mas quando sua tática vazou, o público ficou indignado. Eles queriam autenticidade, não uma traição baseada em dados. Quem sabia o que JFK realmente pensava sobre os direitos civis? O público não sabia. Ele simplesmente descobriu o que eles queriam ouvir e disse.

Vistos pelas lentes da mina de ouro de dados de hoje, os modelos de ciências sociais usados ​​por políticos como JFK em 1960 eram ridiculamente pouco sofisticados. No entanto, eles ainda funcionavam. Hoje, as empresas de tecnologia possuem todos – e eu realmente quero dizer todos – os nossos dados, portanto, podem fazer um trabalho muito melhor de controle sobre nós. Combine isso com a 27ª “Lei do Poder” de Robert Greene e você terá a campanha de propaganda “COVID-19” e o culto resultante, completo com o uso de máscara universal e a exclusão dos “não vacinados” da sociedade educada.

A 27ª Lei do Poder: Jogue com a necessidade das pessoas de acreditar para criar seguidores semelhantes aos de um culto

    As pessoas têm um desejo irresistível de acreditar em algo. Torne-se o ponto focal de tal desejo, oferecendo-lhes uma causa, uma nova fé a seguir. Mantenha suas palavras vagas, mas cheias de promessa; enfatize o entusiasmo sobre a racionalidade e o pensamento claro. Dê a seus novos discípulos rituais para realizar, peça-lhes que façam sacrifícios em seu nome. Na ausência de religião organizada e grandes causas, seu novo sistema de crenças lhe trará um poder incalculável.

Como explica Greene, os charlatães entendem que “quanto maior o grupo que eles reúnem em torno de si, mais fácil é enganar”. Em um ambiente de grupo, “as pessoas são mais emocionais” e “menos capazes de raciocinar” devido ao “clima comunitário de atenção extasiada”. Isso torna “impossível encontrar a distância para ser cético. . . quaisquer deficiências nas ideias do charlatão são ocultadas pelo zelo da massa. A paixão e o entusiasmo varrem a multidão como um contágio, e eles reagem com violência a qualquer um que se atreva a espalhar uma semente de dúvida.”

Por que isso acontece? Porque os humanos são o que os humanos são. Como as abelhas, eles se comportam de uma determinada maneira na colmeia. Quando eles veem “todo mundo” fazendo algo, eles presumem que deve ser a coisa certa. Eles querem ser populares e “fazer a coisa certa”, então eles seguem a multidão, independentemente do que a multidão esteja fazendo no momento. Na década de 1940, a multidão queimava judeus em fornos. Em 2021, a multidão está levando os empresários à falência, proibindo as crianças de respirar e exigindo que pessoas perfeitamente saudáveis ​​recebam uma injeção experimental para ir ao teatro. Este é o “impulso do grupo para o declínio” em ação – a conformidade dos covardes afundando todo o navio da sociedade.

Resista ao impulso do grupo para o declínio: A Lei da Conformidade

    “Temos um lado de nosso caráter que geralmente desconhecemos – nossa personalidade social, a pessoa diferente que nos tornamos quando operamos em grupos de pessoas. No ambiente do grupo, inconscientemente imitamos o que os outros estão dizendo e fazendo. Pensamos de forma diferente, mais preocupados em nos adequar e acreditar no que os outros acreditam. Sentimos emoções diferentes, infectadas pelo humor do grupo. Estamos mais propensos a assumir riscos, a agir irracionalmente, porque todo mundo está fazendo isso. Essa personalidade social pode vir a dominar quem somos. Ao ouvir tanto os outros e conformar nosso comportamento a eles, aos poucos perdemos o senso de nossa singularidade e a capacidade de pensar por nós mesmos. A única solução é desenvolver a autoconsciência e uma compreensão superior das mudanças que ocorrem em nós em grupos.”

Sabendo disso sobre a natureza humana, o tirano de hoje pode facilmente usar a mídia social (e a mídia de massa) para criar a impressão de um grupo completamente unificado. A propaganda Astroturfing foi usada pela China desde o início para criar a impressão de que o “lockdown funciona” e qualquer político que não o imponha está “cometendo genocídio”. Agora que os dados estão disponíveis, sabemos que as pessoas que impuseram as quarentenas e os lockdown foram, na verdade, as que cometeram genocídio. Mas o culto não pode admitir isso – fazer isso a essa altura seria uma blasfêmia.

Em suma, era muito fácil saber como manipular a sociedade de hoje em “lockdowns”, máscaras, “distanciamento social” e injeções experimentais universais para pessoas com risco de doença estatisticamente zero. O manipulador precisava apenas criar a impressão de um risco muito assustador e usar mensagens baseadas na virtude para convencer as massas emocionais e temerosas de que (1) elas realmente deveriam estar com muito medo e (2) uma ação estava disponível para garantir não a sua própria segurança, mas “a segurança dos outros”. Eles não eram covardes; ao apoiar inflexivelmente os “lockdowns”, eles foram heroicos salvadores da humanidade. “Apenas obedeça às regras e você salvará vidas.” Rapaz, esse trabalho de mensagens funcionou.

Os manipuladores agora têm uma população emocionalmente vulnerável na defensiva, sem vontade de admitir – mesmo depois de dados inequívocos sobre o fracasso dos lockdowns – que suas ações resultaram em danos incalculáveis ​​e não salvaram ninguém. Os membros do culto nunca admitirão que foram enganados pela clássica falácia lógica, post hoc, ergo propter hoc: “porque a doença foi embora, suas ações funcionaram”. Essas pessoas foram enganadas, em algum nível elas sabem disso e, como resultado, estão dispostas a olhar para o outro lado quando seus semelhantes não vacinados são forçados a usar um símbolo do “impuro”.

Agora sabemos como as tragédias históricas se desenrolam.

A maioria das pessoas fica “segura” no meio da multidão, sem vontade de se destacar, infectada pelo humor do grupo. O que quer que a maioria esteja fazendo é o curso de ação mais confortável, e a maioria das pessoas prefere o conforto. Eles não conseguem entender o valor do desconforto e de seguir as poucas pessoas corajosas que estão dispostas a suportar esse desconforto se mantendo longe da multidão.

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. “Agora sabemos como as tragédias históricas se desenrolam”

    Pois é, assistir a uma se desenrolando em tempo real é incrivelmente frustrante. Foi um estudo de caso sobre a falibilidade humana e o momento irresistível das massas.

    Antes do Covid, o meu método de melhorar o mundo era: “como posso fazer para mais pessoas largarem a Grobo e usarem seus próprios olhos e seu bom senso?” Depois de um ano dessa insanidade, a prioridade mudou para: “como faço para identificar as poucas pessoas capaz de usarem seus próprios olhos e seu bom senso, e como me protejo das demais?”