De cientista (social) maluco a sionista maluco

4
Tempo estimado de leitura: 8 minutos

[Lee esto en Español]

“Acima de tudo, não visar civis.” ~ O primeiro princípio de guerra justa de Murray Rothbard em seu ensaio, “Guerra justa

Como Hans Hoppe, sou amigo de Walter Block há décadas. Eu fui coautor de um livro e um estudo acadêmico com ele, patrocinei uma palestra dele na minha universidade; lecionei duas vezes a seu convite na Loyola University New Orleans; escrevi dezenas de artigos online em sua defesa quando ele foi difamado pelos administradores da Loyola University Maryland por dar uma palestra sobre a economia da discriminação (mas não woke); e escrevi em sua defesa contra a difamação que ele foi vítima no New York Times.

Walter publicou centenas de artigos, mas ele é provavelmente mais conhecido do público em geral por seu livro, Defendendo o Indefensável, e muitos escritos e discursos relacionados. Ele é realmente muito libertário quando se trata de temas como a legalização das drogas e da prostituição, compartilhamento de caronas, privatização de campos de futebol e piscinas administrados pelo governo, controle de aluguéis e uma infinidade de outros tópicos mundanos. Ele costumava ser muito libertário na questão da guerra também, enviando um e-mail para vários de nós no início da Guerra do Iraque dizendo que “isso separaria os homens dos meninos”, com os “meninos” sendo falsos libertários que apoiariam o bombardeio, invasão e ocupação do Iraque.

Mas nos últimos oito meses, Walter Block abandonou os princípios do libertarianismo em relação à guerra com seu apoio total aos crimes de guerra cometidos pelo governo israelense ao atacar e matar intencionalmente dezenas de milhares de civis, incluindo mulheres, crianças e bebês em Gaza. (Um verdadeiro libertário americano argumentaria que a guerra de Israel, e a guerra da Ucrânia com a Rússia, não são da nossa conta, ponto final).

Walter Block é o que Ryan McMaken chamou de “microlibertário“. Ele parece libertário quando se trata de legalizar as drogas e a prostituição, mas na grande e primordial questão da guerra ele se tornou um defensor declarado dos crimes de guerra cometidos pelo governo israelense.

Walter Block sempre foi “pró-Israel” e ninguém no Mises Institute, nomeado em homenagem ao filho de um rabino judeu e co-fundado por Murry Rothard, um judeu de Nova York, teve qualquer problema com isso. Ele não é mais um membro sênior não remunerado do Mises Institute não porque é “pró-Israel”, como afirmaram alguns comentaristas desinformados ou desonestos. É porque o Mises Institute não pode ser associado a um defensor público tão conhecido e prolífico do assassinato intencional de mulheres, crianças e bebês palestinos.

Israel tem todo o direito de se defender de futuros ataques bárbaros da gangue de bandidos assassinos conhecidos como Hamas – e qualquer outra pessoa – mas essa é uma questão totalmente diferente de ter o “direito” de iniciar uma campanha de genocídio contra a população civil de Gaza, como vem ocorrendo nos últimos meses – acompanhada pelo apoio quase apoplético e entusiástico de Walter Block.

Walter “justifica” o assassinato em massa de civis invocando uma teoria de punição coletiva, algo que foi proibido pela Quarta Convenção de Genebra. Escrevendo no Wall Street Journal, ele e um coautor nos ensinaram que “o Ocidente” deve apoiar “um uso esmagador e sem precedentes da força militar” e que “o Hamas é e será responsável por quaisquer baixas civis”. Não são as bombas fornecidas pelo governo dos EUA a Israel e lançadas em áreas povoadas por civis que são responsáveis pela morte de civis, escrevem, mas o Hamas. Israel deve fazer “o que for preciso” para derrotar o Hamas, e seus escritos subsequentes provam, sem sombra de dúvidas, que isso inclui o crime de guerra de alvejar e matar civis.

O Ocidente, dizem, tem o “dever moral” de “apoiar Israel” em seu esforço para “fazer o que for preciso para terminar esta guerra da maneira mais rápida possível, com o mínimo de baixas civis e militares do seu lado“. Ou seja, baixas mínimas de civis israelenses, mas que se dane a preocupação com as baixas civis palestinas. Isso é moral?

Walter escreveu vários artigos pro-guerra em um site israelense chamado Israel Hayom. Um deles é intitulado “Carta Aberta aos “Filhos de Gaza”, na qual ele confunde os assassinos do Hamas com TODOS os pais em Gaza. Seus pais”, escreve ele, “lançaram um desprezível e injustificado… ataque em 7 de outubro”, onde “muitas crianças israelenses foram mutiladas, assim como vocês estão sendo agora; muitas outras foram massacradas, sendo este o destino de muitas de vocês, crianças”. Ao dizer isso, ele derrama um oceano de lágrimas de crocodilo.

Claro, é um completo absurdo e uma mentira dizer que TODOS os pais em Gaza participaram do ataque assassino a Israel em 7 de outubro de 2023. É insensível, cruel e sociopata dizer a estas crianças que não são as bombas israelitas/americanas que as estão mutilando e a matando, mas sim os seus próprios pais. Em uma “sociedade moral e justa”, escreve Walter Block, nosso novo papa autonomeado da moral e da justiça, “vocês seriam tiradas de suas mães e pais maus”. Sim, e colocadas sob os cuidados carinhosos das IDF e do Mossad em um campo de concentração construído apenas para vocês.

No mesmo artigo, Walter anexa dois cartoons para as crianças de Gaza apreciarem. Um deles é de um “combatente do Hamas” segurando um bebê à sua frente como escudo. “Isto retrata de forma eloquente como os adultos tratam seus filhos: eles não protegem vocês, eles colocam vocês em perigo”, escreve. Note que Walter afirma novamente que TODOS os pais de Gaza se comportam assim, não apenas “combatentes do Hamas”. “Os pais israelenses amam seus filhos, já o mesmo não pode ser dito de suas mães e pais”. Como é desprezível dirigir tais comentários às crianças.

Em um claro endosso ao assassinato “justo e moral” de crianças de Gaza pelo governo israelense, Walter então escreve que “Seus ferimentos e mortes são o que se chama de danos colaterais. Isso é lamentável, mas é a única maneira de Israel se defender” e, portanto, é justificado na mente de Walter Block. Walter Block é, portanto, um facilitador do pior tipo de crimes de guerra: o assassinato intencional de crianças.

Na tradição dos grandes comediantes judeus americanos, Walter conclui sua correspondência com as crianças de Gaza com duas piadinhas. Ele diz a elas que Israel só quer o melhor para o povo de Gaza. “Seu maior desejo era que Gaza se tornasse a Hong Kong do Oriente Médio.” E termina com a frase do Holocausto: “Nunca mais”, como se fosse Israel e não a Palestina que estivesse sendo alvo de uma tentativa de genocídio. Muito boa essa Walter!

Walter Block refuta sua própria afirmação de que todos os pais de Gaza são terroristas quando escreve em outro lugar sobre como o Hamas (criado por Israel, aliás, como um contraponto à Al-Fatah) lança ataques com foguetes contra Israel a partir das proximidades de escolas. Ao fazê-lo, admite inadvertidamente que é o Hamas que põe em perigo as crianças palestinas, e não todos os seus próprios pais.

Parece agora, a propósito, que só há provas de que uma criança israelense foi morta em 7 de outubro – em um fogo cruzado – durante o sangrento ataque do Hamas a Israel. Nenhuma prova surgiu das histórias bizarras e sensacionais da decapitação de crianças israelenses e do cozimento delas em fornos, como alegado pelos governos israelense e americano.

Até o momento em que este artigo foi escrito, havia apenas dois comentários sobre o artigo de Walter na seção de comentários do site. Um era elogioso e provavelmente o trabalho de um hacker do governo israelense ou de algum amigo de Walter, mas o outro dizia: “Você deveria apodrecer em uma cela de prisão de Haia por isso”. Será que você está começando a entender por que Walter não é mais um membro sênior não remunerado do Mises Institute?

As presas de Walter realmente aparecem em outra coluna do Israel Hayom intitulada “Parem com os cessar-fogos”. Desta vez, ele critica o governo israelense por concordar com uma pausa humanitária a todos os bombardeios e assassinatos. Ele elogia as ações dos militares dos EUA na Segunda Guerra Mundial em não pausar, mas bombardear sem parar civis em Dresden, na Alemanha, depois de “bombardeá-los em pedacinhos”, sugerindo que é isso que o governo israelense deveria fazer em Gaza. E conclui com a exigência dogmática de: “Chega de pausas. Chega de alimentos. Chega de remédio. Chega de eletricidade. Chega de água”. E muito mais mortes na população civil, especialmente crianças e idosos, aparentemente o desejo mais caro de nosso novo autoproclamado papa da moral e da justiça.

Em outro artigo do Israel Hayom intitulado “Israel apunhalado pelas costas”, Walter se preocupa com um tipo diferente de pausa. Desta vez, ele reclama amargamente da pausa do governo Biden em enviar mais bombas a Israel para serem lançadas sobre a população de Gaza, chamando-a de “traição”. Ele, portanto, é totalmente a favor de usar os poderes do governo dos EUA de roubo legalizado (também conhecido como imposto) para pagar por mais bombas para Israel. Custe o que custar, a liberdade e o libertarianismo que se danem. Só isso já deveria desqualificá-lo como libertário, não importa quantos artigos ou blogs microlibertários sobre os velhos tempos das reuniões libertárias ele poste na internet no futuro.

Até o momento em que este artigo foi escrito, há notícias de que cerca de um milhão de pessoas ficaram desabrigadas pelo bombardeio israelense de Rafa, no sul de Gaza. Outros milhares de civis também teriam sido mortos. Há agora mais um milhão de refugiados sem-teto vagando em busca de comida e abrigo.

Antes da invasão de Rafa, Walter Block estava em polvorosa com a demora no ataque, e desabafou suas frustrações em um artigo do Israel Hayom intitulado “Invada Rafa Agora!” Ele expressou sua euforia, no entanto, por “o heroico primeiro-ministro Netanyahu” ter definido uma data para a invasão, declarando que “se isso não é corajoso, nada é corajoso”. Heil Netanyahu!

Walter reclamou da demora no bombardeio de Rafa, culpando mais uma vez o governo Biden, que levantou a preocupação com a possibilidade de mortes maciças de civis. Ele admite que “uma invasão total significaria a morte de muitos” dos 1,5 milhão de civis em Rafa, mas depois avança sem hesitar ao condenar mais uma vez o governo Biden dizendo “com amigos como esses que precisam de inimigos”. Para Walter Block, os americanos que se opõem ao assassinato adicional de civis em Rafa são “inimigos”.

Muitos – provavelmente muitos milhares – de civis foram de fato mortos em Rafa e, como mencionado acima, um milhão de refugiados foram criados. Não se preocupe com isso, no entanto, pois Walter Block tem uma solução! “O país chegou recentemente a cerca de 40 mil tendas, com capacidade para uma dúzia de pessoas cada. Elas podem, desta forma, alojar mais de meio milhão de pessoas em campos de refugiados no deserto do Neguev.” O outro meio milhão pode presumivelmente dormir no deserto aberto. Queria saber quanto tempo Walter Block, de 83 anos, duraria em uma barraca com outras onze pessoas no deserto de Neguev, no meio do verão.

O primeiro comentário na seção de comentários deste artigo foi obviamente de um homem que estava familiarizado com o libertarianismo: “Nojento, é uma loucura, você costumava ser um libertário respeitado. Só posso esperar que você veja o erro de seus caminhos sanguinários e estatistas.” Hans Hoppe chegou a ponto de se espantar com a forma como Walter Block se transformara de um implicante libertário bastante excêntrico, pesquisando tópicos tão importantes como a idade ideal do consentimento, para “um coletivista desequilibrado tomado por impulsos genocidas”. Não é o tipo de pessoa com quem o Mises Institute pode mais ser associado. Nem o Ron Paul Institute, que também retirou Walter de sua lista de conselheiros acadêmicos.

Para finalizar, o fanboy Jordan Schachtel, um comentarista da internet, me disse em um e-mail que havia lido tudo o que Walter Block havia escrito sobre a questão da atual guerra israelense e que não havia um único caso de Walter apoiando ou tolerando a morte de civis. Ou Schachtel tem um problema sério de compreensão de leitura, ou ele está simplesmente mentindo. Parece que, com pessoas como Block e Schachtel, a descrição de Doug Casey do comportamento de Walter em relação à atual guerra israelense está no limite. Para eles, defender o governo israelense é mais importante do que ser intelectualmente honesto.

 

 

 

Artigo original aqui

4 COMENTÁRIOS

  1. “Um verdadeiro libertário americano argumentaria que a guerra de Israel, e a guerra da Ucrânia com a Rússia, não são da nossa conta, ponto final).”

    Curioso, pois somos entupidos de tal forma de propaganda de guerra, que se torna quase impossível não ser considerado um apoiador de terrorista ou de um estado genocida. Ainda que se esteja a favor da verdade. De modo que sempre tem alguém reclamando que existem “guerras esquecidas”, onde só morre pobre e outras ladainhas. Graças ao bom Deus essas guerras ninguém presta atenção. Entre briga de marido e mulher ninguém mete a colher deveria ser uma categoria política do direito internacional…

    O Sr. Block é claramente um ídolo para os anarcosionistas que estão sempre delirando por aqui nos comentários. E aposto que foi de algum deles o elogio na página do Block. Pois é. Se Israel é claramente um estado genocida desde 1948, como alguém pode ter chegado tão longe dentro do movimento libertário sendo pró-Israel?

    “Para finalizar, o fanboy Jordan Schachtel, um comentarista da internet, me disse em um e-mail que havia lido tudo o que Walter Block havia escrito sobre a questão da atual guerra israelense e que não havia um único caso de Walter apoiando ou tolerando a morte de civis.”

    Esse ai é um autor bem popular aqui no Instituto Rothbard Brasil….

  2. Lembremos: a imensa maioria dos “civis” palestinos também elegeu e apoia o Hamas, militando por eles. Não acredito em uma larga população “oprimida” pelo Hamas. Aqueles que assim se declaram, “oprimidos”, são minoria. Civis a toda hora são flagrados atacando as IDF pelas ruas de toda a Faixa de Gaza, suas crianças são voluntariamente entregues para treinamento jihadista pelo Hamas. Não me venham com essa estorinha de “ah, coitadinhos dos civis inocentes”. Pouquíssimos podem se dizer inocentes em Gaza. E, mesmo pelas crianças mortas com armas, parte da culpa deve ser atribuída aos pais fanáticos.

    • A imensa maioria dos “civis” palestinos também elegeu e apoia o Hamas?
      Claro… afinal, 18 anos atrás, em 2006, quando metade dos mais de 2 milhões de habitantes de Faixa de Gaza não havia nem nascido ainda, o Hamas recebeu 44% dos votos em uma eleição parlamentar. Realmente uma imensa maioria de 2024! Vamos continuar a jogar bombas e trucidar os corpos desses bebês culpados que não votaram direito! Eles merecem.

      E um bosta desses vem falar de “fanatismo”…

      Obrigado Ebrael por exemplificar qual o pensamento do tipo de demente que defende esse genocídio. Volte sempre.