E o abuso infantil continua …

1
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Apesar de um ano inteiro de ciência e dados mostrando que as crianças na escola não correm nenhum risco com este vírus e que elas não são vetores significativos de propagação, mesmo os estados que mais estão cancelando as restrições estão fazendo com que elas sejam as últimas a obter uma suspensão do fascismo da máscara, ao invés das primeiras. Esta é provavelmente a política mais radical já implementada em nossas vidas. O silêncio da maioria das autoridades e organizações conservadoras estabelecidas é chocante.

Ontem, muitos conservadores comemoraram mais um governador de estado removendo o decreto da máscara quando o governador do Wyoming, Mark Gordon, anunciou que encerraria o decreto até o final da semana. No entanto, em seu comunicado à imprensa, ele acrescenta a seguinte pérola: “O protocolo de cobertura facial permanecerá em vigor nas escolas como uma medida de segurança para garantir que o aprendizado em sala de aula e todas as atividades dos alunos possam continuar ocorrendo com segurança.”

Acho que um “protocolo de cobertura facial” é uma forma de eufemizar a criminalização da respiração de nossos filhos sem nenhuma razão científica e sem justificativa legal. O fato de uma política como essa ter sido aceita em um estado como o Wyoming, e ainda ter sido continuada indefinidamente, revela uma total falta de determinação em nosso próprio povo.

O que é pior do que fechar escolas é aclimatar as crianças a um “novo normal” de abuso infantil que, por ter a aparência de um retorno à normalidade, pode continuar por muito tempo, senão para sempre. O nível de sanidade foi fixado tão baixo desde o início que a psicose de mascarar as crianças para um vírus que as afeta menos do que a gripe só vai piorar com o tempo.

Uma escola no suposto estado vermelho de Ohio agora está exigindo o mascaramento duplo das crianças! Também em Ohio, um pediatra de Dayton está alertando sobre um aumento no rinovírus agora que as crianças vão voltar à escola. Que tragédia! As crianças agora vão pegar o resfriado comum de novo! Ironicamente, o COVID tem sido tão mínimo para as crianças que esquecemos como era quando muitos alunos de uma classe se ausentavam da escola com febre durante os meses de inverno. Doenças como faringite estreptocócica, gripe, enterovírus e outras infecções comuns agora serão usadas como desculpa para fechar escolas ou mascarar crianças à força para sempre.

Na verdade, isso não é uma piada. Se a imposição de uma forma grave de abuso e a proibição da respiração normal de crianças por sete horas por dia foi implementada sem a mínima reação da maioria dos pais – tudo isso por um vírus que não afeta as crianças – não é difícil ver como a gripe e até mesmo o resfriado comum serão a nova base para o uso permanente de máscara. Apesar de toda a noção de regular a vida das crianças ter sido totalmente refutada pelos dados, não há quase nenhum município em todo o país onde as pessoas possam educar seus filhos sem que seus rostos estejam cobertos.

Dados da Suécia publicados em uma carta ao New England Journal of Medicine examinaram ~ 2 milhões de crianças em idade escolar (idades de 1 a 16) de março a junho de 2020, onde não houve uso de máscara ou outros esforços de mitigação, e encontraram apenas 15 crianças (0,00075%) que necessitaram de internação por COVID-19, e não houve um único óbito relatado. Eles também não encontraram maior risco de infecção grave entre professores do que a população em geral, ajustando para outras variáveis. Um estudo semelhante na Noruega encontrou uma transmissão notavelmente baixa nas escolas, embora não haja recomendação para o uso de máscaras.

Com tão poucas crianças adoecendo por causa desse vírus e tão poucas evidências de que as máscaras funcionam para qualquer coisa, por que não consideramos os efeitos nocivos do uso de máscaras em crianças, às vezes de apenas 3 anos?

Os primeiros resultados de um estudo alemão com mais de 26.000 crianças e adolescentes mostram que 68% dos pais relataram deficiências em seus filhos como resultado do uso de máscara, incluindo os seguintes efeitos colaterais: irritabilidade (60%), dor de cabeça (53%), dificuldade de concentração (50%), diminuição da felicidade (49%), mal-estar (42%), aprendizagem prejudicada (38%) e fadiga (37%).

Quais seriam os benefícios deste decreto, mesmo se as máscaras funcionassem para impedir uma propagação, que possivelmente poderia justificar estes danos colaterais? E quanto aos danos emocionais? Um paper de 2010 da Universidade de Harvard observou os danos que podem ser causados ​​as crianças por sua exposição a medo e ansiedade sem fim: “Garantir que crianças pequenas tenham ambientes seguros e protegidos para crescer, aprender e desenvolver cérebros e corpos saudáveis ​​não é bom apenas para as próprias crianças, mas também constrói uma base sólida para uma sociedade próspera e dinâmica”, escreveu o Conselho Científico Nacional sobre o Desenvolvimento da Criança da Universidade de Harvard. “A ciência mostra que a exposição precoce a circunstâncias que produzem medo persistente e ansiedade crônica pode ter consequências para toda a vida ao interromper o desenvolvimento da estrutura do cérebro.”

Alguém se preocupou em estudar o que as máscaras fazem aos maravilhosos sistemas imunológicos dados por Deus às crianças, que funcionam tão bem contra esse vírus? Quantas bactérias elas ajudam a reter nos pulmões das crianças? Deus não nos projetou ter o nariz e a boca cobertos, especialmente na fase de desenvolvimento da vida.

Considere o fato de que todo esse dano foi perpetrado contra uma geração de crianças com ganho absolutamente zero. O Peaster Independent School District de Parker County, Texas, por exemplo, foi um dos poucos condados do país que nunca exigiu máscaras ou isolamento social. De acordo com o superintendente Lance Johnson, o número de matrículas aumentou este ano, e foi um dos poucos distritos no país onde o crescimento acadêmico está acompanhando o nível de escolaridade. “Nossos filhos se desenvolveram e nossos professores se desenvolveram”, disse ele. “E foi realmente revelador ver como temos feito as coisas de maneira diferente das outras escolas.”

Acontece que as taxas de falta entre os professores eram apenas ligeiramente mais altas do que na mesma época em 2019, o que indica claramente que a taxa de infecção entre os professores não era mais alta do que a da comunidade em geral, como foi testemunhado na Suécia e na Noruega.

“18 meses atrás, o que estamos fazendo com as crianças seria considerado um crime”, disse Johnson. “E aqui estamos nós lutando para voltar a esse modelo, lutando para permitir que as crianças sejam crianças, e para que as crianças se socializem e para que tenham um ano escolar normal.”

Como podemos aceitar mais um único dia disso em qualquer estado?

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. Nada me revolta mais do que isso diante de toda a imbecilidade do coronavírus. Pai de 2 filhos pequenos só aceitei colocá-los em uma escolinha onde a máscara não fosse exigida. Ainda assim, tenho de lidar com minha filha me implorando para usar máscaras porque tem amiguinhas dela que usam (malditos pais imbecis.)

    É surreal o nível de crueldade e egocentrismo dos pais da modernidade perante suas crianças. Quanto mais elite, pior fica.
    A fraudemia foi eficaz em mostra claramente quão distante a nossa elite está de uma elite natural.