Enfim o Banco Central: A Inflação Controlada pelos Morgans

0
Tempo estimado de leitura: 11 minutos

O novo Federal Reserve System havia finalmente trazido um banco central para a América: o empurrão dos grandes banqueiros havia finalmente tido sucesso. Seguindo a tábua crucial dos serviços bancários pós-Peel Act, ao Banco Central foi dado o monopólio da emissão de todas as notas bancárias; bancos nacionais, bem como bancos estatais, agora só podiam emitir depósitos, e os depósitos tinham de ser resgatáveis em notas do Banco Central, bem como, pelo menos nominalmente, em ouro. Todos os bancos nacionais foram “forçados” a tornarem-se membros do Federal Reserve System, uma “coerção” que eles há muito buscavam ansiosamente, o que significava que as reservas bancárias nacionais tinham de ser mantidas na forma de depósitos à vista, ou contas correntes, no Banco Central. O Banco Central estava agora em posição de emprestador de última instância; e com o prestígio, poder e recursos do Tesouro dos EUA solidamente por trás dele, ele poderia inflacionar mais consistentemente do que os bancos de Wall Street sob o Sistema Bancário Nacional, e acima de tudo, ele poderia inflacionar, e inflacionou, mesmo durante as recessões a fim de afiançar os bancos. O Banco Central poderia agora tentar manter a economia longe das recessões que liquidaram os investimentos infundados do boom inflacionário, e poderia tentar manter a inflação indefinidamente.

Nesse ponto, não havia necessidade nem mesmo de os bancos nacionais manterem o ouro; eles podiam depositar, e depositaram, seu ouro nos cofres do Banco Central e receber reservas sobre as quais poderiam formar uma pirâmide e expandir a oferta de dinheiro e crédito de forma coordenada em todo o país. Além disso, com as reservas agora centralizadas nos cofres do Banco Central, as reservas bancárias poderiam ser, como os apologistas dos bancos acabaram por proclamar, “economizadas”, ou seja, poderia haver, e houve, mais crédito inflacionário, mais “falsificação” bancária, piramidadas sobre determinadas as reservas de ouro. Havia agora três pirâmides inflacionárias invertidas de crédito bancário na economia americana: o Banco Central colocou suas notas e depósitos em pirâmide sobre sua oferta de ouro recém-centralizada; os bancos nacionais formaram uma pirâmide de depósitos bancários além de suas reservas de depósitos no Banco Central; e os bancos estatais que optaram por não exercer sua opção de aderir ao Federal Reserve System poderiam manter suas contas de depósito em bancos nacionais e piramidar seus créditos em cima disso. E na base da pirâmide, o Banco Central poderia coordenar e controlar a inflação determinando a quantidade de reservas nos bancos membros.

Para dar um impulso extra à inflação monetária, o novo Federal Reserve System cortou pela metade a média das reservas mínimas legais impostas aos antigos bancos nacionais. Considerando que os bancos nacionais antes do início do Banco Central eram obrigados a manter um mínimo de reservas médias de 20 por cento para depósitos sob demanda, sobre os quais eles poderiam, portanto, piramidar o dinheiro e o crédito inflacionário de 5:1, o novo Banco Central reduziu pela metade a exigência de reserva mínima sobre os bancos para 10%, dobrando a pirâmide bancária inflacionária no país para 10:1.

Por sorte, o novo Federal Reserve System coincidiu com a eclosão da na Europa, e é amplamente aceito que foi apenas o novo sistema que permitiu aos Estados Unidos entrar na guerra e financiar seu próprio esforço de guerra, e empréstimos maciços aos aliados; aproximadamente, o Banco Central dobrou a oferta de dinheiro dos EUA durante a guerra e os preços dobraram em consequência. Para aqueles que acreditam que a entrada dos EUA na Primeira Guerra Mundial foi um dos eventos mais desastrosos para os EUA e para a Europa no século XX, a facilitação da entrada dos EUA na guerra dificilmente é um ponto importante a favor do Banco Central.

Tanto na forma quanto no conteúdo, o Federal Reserve System é precisamente a aconchegante parceria governo-grande banco, o cartel bancário imposto pelo governo, que os grandes banqueiros há muito planejavam. Muitos críticos do Banco Central gostam de insistir no fato de que os banqueiros privados possuem legalmente o Sistema do Banco Central, mas este é um fato legalista sem importância; os lucros do Banco Central (e, portanto, de possíveis bancos) tirados de suas operações são tributados pelo Tesouro. Os benefícios do Banco Central para os banqueiros não vêm de seus lucros legais, mas da própria essência de suas operações: sua tarefa de coordenação e apoio à inflação do crédito bancário. Esses benefícios reduzem qualquer possibilidade de lucros diretos das operações bancárias do Banco Central à insignificância.

Desde o início, o Banco Central foi chefiado por um Conselho do Federal Reserve em Washington, todos nomeados pelo presidente com o consentimento do Senado. O supervisiona as doze filiais regionais e “descentralizadas” do Banco Central, cujos funcionários são de fato selecionados por bancos privados em cada região, oficiais que devem ser aprovados pelo Conselho de Washington.

No início do Banco Central, e até as “reformas” da década de 1930, o controle principal do Banco Central não estava nas mãos do Conselho, mas do governador (agora chamado de “presidente”) do Federal Reserve Bank of New York, o principal homem de Wall Street no sistema do Banco Central.[1] O principal instrumento de controle do Banco Central sobre o sistema monetário e bancário são suas “operações de mercado aberto”: sua compra e venda de títulos do governo dos EUA (ou, na verdade, qualquer outro ativo que deseje) no mercado aberto. (Veremos como esse processo funciona a seguir) Como o mercado de ações dos EUA está localizado em Wall Street, o governador da filial de Nova York estava originalmente no controle quase exclusivo das compras e vendas do Banco Central no mercado aberto e, portanto, do próprio Banco Central. Desde a década de 1930, no entanto, as políticas cruciais de mercado aberto do Banco Central foram decididas por um Comitê Federal de Mercado Aberto, que se reúne em Washington, e que inclui todos os sete membros do Conselho de Governadores mais cinco dos doze, em grande parte selecionados por banqueiros, presidentes das filiais regionais do Banco Central.

Há dois passos críticos no estabelecimento e funcionamento de qualquer regulação governamental carterlizante, não podemos ignorar nenhum passo. O primeiro passo é passar o projeto de lei e estabelecer a estrutura. O segundo passo é selecionar os funcionários adequados para dirigir a estrutura: não há motivo para os grandes banqueiros estabelecerem um cartel, por exemplo, e então ver os funcionários caírem em mãos “erradas”. E ainda sim, historiadores convencionais não equipados para analisar a elite de poder ou dominante, geralmente caem nessa segunda tarefa crucial, de ver precisamente quem os novos mandantes do sistema seriam.

Está muito claro, ao examinar a origem e os primeiros anos do Banco Central, que, tanto em seus funcionários quanto nas políticas monetárias e financeiras escolhidas, o Império dos Morgan estava no controle quase supremo do Banco Central.

Esse domínio dos Morgan não se refletiu totalmente na composição do primeiro Conselho do Banco Central. Dos sete membros do Conselho, ao ponto que chegou, dois membros eram automaticamente ex officio o Secretário do Tesouro e o Controlador da Moeda, o regulador dos bancos nacionais que é funcionário do Departamento do Tesouro. O secretário do Tesouro da administração Wilson era seu genro William Gibbs McAdoo, que, como empresário e magnata das ferrovias na cidade de Nova York, foi pessoalmente amigo e socorrido por J. P. Morgan e seus associados próximos. McAdoo passou o resto de sua vida financeira e política no âmbito dos Morgan. O Controlador da Moeda era um associado de longa data de McAdoo, John Skelton Williams. Williams era um banqueiro da Virgínia, que havia sido diretor da Hudson & Manhattan Railroad controlada por McAdoo e presidente da Seaboard Airline Railway, um fantoche dos Morgan.

Esses funcionários do Tesouro no Conselho eram confiáveis Morgan, mas eram membros apenas ex officio. O governador (agora “presidente”) do conselho original era Charles S. Hamlin, a quem McAdoo havia nomeado como secretário adjunto do Tesouro junto com Williams. Hamlin era um advogado de Boston que se casou com um membro da rica família Pruyn de Albany, uma família há muito ligada à New York Central Railroad dominada pelos Morgan. Outro membro do Conselho do Banco Central, e um homem que sucedeu Hamlin como governador, foi William P. G. Harding, um protegido do senador do Alabama Oscar W. Underwood, cujo sogro, Joseph H. Woodward, foi vice-presidente da Harding’s First National Bank of Birmingham, Alabama, e chefe da Woodward Iron Company, cujo conselho incluía representantes dos interesses dos Morgan e . Os outros três membros do Conselho eram Paul M. Warburg; Frederic A. Delano, tio de Franklin D. Roosevelt e presidente da Wabash Railway controlada pelos Rockefeller; e o professor de economia de Berkeley, Adolph C. Miller, que se casou na rica família Sprague de Chicago, ligada aos Morgan.[2]

Assim, se ignorarmos os dois Morgan ex officio, o Federal Reserve Board em Washington começou sua existência com um confiável Morgan, dois associados (Delano e um líder de próximo aliado de Rockefeller e Kuhn-Loeb), e dois homens de incerta afiliação: um proeminente banqueiro do Alabama e um economista com vagas conexões familiares com os interesses dos Morgan. Embora a composição do Conselho espelhasse mais ou menos a estrutura de poder financeiro que estivera presente na crítica reunião de fundação do Banco Central em Jekyll Island, dificilmente poderia garantir o controle inabalável dos Morgan sobre o sistema bancário do país.

Esse controle foi garantido, em vez disso, pela identidade do homem que foi selecionado para o cargo crítico de governador da filial do Banco Central em Nova York, um homem, além disso, que estava por temperamento muito bem equipado para tomar de fato o poder que a estrutura do Banco Central poderia oferecer a ele. Aquele homem, que governou o Federal Reserve System com uma mão de ferro desde o seu início até sua morte em 1928, foi Benjamin Strong.[3]

A vida inteira de Benjamin Strong foi uma preparação virtual para sua tomada de poder no Banco Central. Strong foi um protegido de longa data do imensamente poderoso Henry R. Davison, parceiro número dois do Morgan Bank, logo abaixo do próprio J. P. Morgan, e chefe operacional efetivo do Império Morgan World. Strong era um vizinho de Davison no então elegante subúrbio de Nova York, Englewood, Nova Jersey, onde seus três amigos mais próximos no mundo se tornaram, além de Davison, dois outros sócios dos Morgan; Dwight Morrow e o principal protegido de Davison como parceiro de Morgan, Thomas W. Lamont. Quando os Morgan criaram a Bankers Trust Company em 1903 para competir no crescente ramo de truste, Davison nomeou Strong como seu secretário e, em 1914, Strong se casou com a filha do presidente da empresa e ele mesmo ascendeu ao cargo de presidente da Bankers Trust. Além disso, os Davisons criaram os filhos de Strong por um tempo após a morte da primeira esposa de Strong; ademais, Strong serviu a J. P. Morgan como seu auditor pessoal durante o Pânico de 1907.

Strong há muito era um defensor eloquente do Plano Aldrich original e participara de uma longa reunião em agosto de 1911 sobre o Plano com o senador Davison, Vanderlip e alguns outros banqueiros do iate de Aldrich. Mas Strong ficou amargamente desapontado com a estrutura final do Fed, já que ele queria um “banco central de verdade … dirigido de Nova York por um conselho de administração no local”, isto é, um Banco Central aberto e francamente dirigido de Nova York e dominado por Wall Street. Depois de um fim de semana no campo, no entanto, Davison e Warburg persuadiram Strong a mudar de ideia e aceitar a nomeação proposta como governador da filial do Banco Central em Nova York. Presumivelmente, Davison e Warburg o convenceram de que Strong, como chefe efetivo do Banco Central, poderia conquistar o cartel bancário de seus sonhos administrado por Wall Street, se não com a franqueza que gostaria. Como na Jekyll Island, Warburg persuadiu seu companheiro cartelista a se curvar às realidades políticas e adotar o manto da descentralização.

Depois que Strong assumiu o cargo de governador da filial do Banco Central em Nova York em outubro de 1914, ele não perdeu tempo em tomar o poder do Federal Reserve System. Na reunião de organização do Sistema, um conselho extrajudicial de governadores regionais do Banco Central foi formado; em sua primeira reunião, Strong assumiu o controle do conselho, tornando-se seu presidente e presidente de seu comitê executivo. Mesmo depois que W. P. G. Harding tornou-se governador do Federal Reserve Board dois anos depois e dissolveu o conselho, Strong continuou como a força dominante no Banco Central, em virtude de ser nomeado o único agente para as operações de mercado aberto de todos as filiais regionais do Banco Central. O poder de Strong foi ainda mais entrincheirado com a entrada dos Estados Unidos na . Antes disso, o Secretário do Tesouro continuou a prática legalmente exigida desde os tempos de Jackson de depositar todos os fundos do governo em seus próprios cofres da filial do sub-tesouro e fazer todos os desembolsos desses ramos. Sob o impulso do tempo de guerra, no entanto, McAdoo cumpriu a ambição de longa data de Strong: tornar-se o único agente fiscal do Tesouro dos EUA. A partir daí, o Tesouro depositou seus fundos no Banco Central.

Não só isso: as medidas de guerra aceleraram a nacionalização permanente da oferta de ouro dos americanos, a centralização do ouro nas mãos do Banco Central. Essa centralização teve um efeito duplo: mobilizou mais reservas bancárias para estimular uma inflação maior e coordenada nacionalmente do crédito bancário; e isso livrou o americano médio do hábito de usar ouro em sua vida diária e o acostumou a substituir o papel ou a conta corrente em vez disso. Em primeiro lugar, a lei do Banco Central foi alterada em 1917 para permiti-lo emitir notas do Banco Central em troca de ouro; antes disso, ele só podia trocar suas notas por notas comerciais de curto prazo. E, em segundo lugar, de setembro de 1917 a junho de 1919, os Estados Unidos estavam de facto fora do padrão-ouro, pelo menos para o resgate de dólares em ouro para estrangeiros. As exportações de ouro foram proibidas e as transações de câmbio foram controladas pelo governo. Como resultado de ambas as medidas, as reservas de ouro do Banco Central, que constituíam 28 por cento da oferta de ouro do país na entrada dos EUA na guerra, triplicaram no final da guerra para 74 por cento do ouro do país.[4]

O conteúdo das políticas monetárias de Benjamin Strong era o que se poderia esperar de alguém das camadas mais altas do poder dos Morgan. Assim que a guerra estourou na Europa, Henry P. Davison navegou para a Inglaterra e foi rapidamente capaz de usar laços de longa data dos Morgan com a Inglaterra para fazer com que a Casa dos Morgan fosse nomeada como único agente de compras nos Estados Unidos, enquanto durasse a guerra, de material de guerra à Grã-Bretanha e França. Além disso, os Morgan também se tornaram os únicos possuidores de todos os títulos britânicos e franceses a serem lançados nos EUA para pagar pelas imensas importações de armas e outros bens dos Estados Unidos. J. P. Morgan and Company agora tinha um enorme interesse na vitória da Grã-Bretanha e da França, e os Morgan desempenharam um papel importante e talvez decisivo na manobra dos Estados Unidos supostamente “neutros” para a guerra do lado britânico.[5]

A ascensão dos Morgan durante a foi acompanhada pelo declínio relativo dos Kuhn-Loebs. Os Kuhn-Loebs, junto com outros proeminentes banqueiros de investimentos judeus-alemães em Wall Street, apoiaram o lado alemão na guerra e certamente se opuseram à intervenção americana no lado anglo-francês. Como resultado, Paul Warburg foi destituído do Conselho do Banco Central, a mesma instituição que ele tanto fez para criar. E de todos os principais “Anglo”-interesses financeiros, os Rockefellers, aliados dos Kuhn-Loebs, e um forte rival da Royal Dutch Shell Oil Company anglo-holandesa para os mercados e recursos mundiais de petróleo, foi um dos poucos que permaneceram pouco entusiasmados com a entrada da América na guerra.

Durante a Primeira Guerra Mundial, Strong prontamente usou seu domínio sobre o sistema bancário para criar uma oferta monetária dobrada, a fim de financiar o esforço de guerra nos Estados Unidos e garantir uma vitória anglo-francesa. Tudo isso foi apenas o prelúdio para uma política monetária e financeira instalada pelos Morgan ao longo da década de 1920. Durante a década de 20, Strong colaborou estreitamente com o Governador do Banco da Inglaterra, Montagu Norman, para inflar o dinheiro e o crédito americanos, a fim de apoiar o retorno da Grã-Bretanha a um papel de liderança em uma nova forma de padrão ouro eliminado, com a Grã-Bretanha e outros países europeus fixando suas moedas em uma paridade altamente supervalorizada em relação ao dólar ou ao ouro. O resultado foi uma depressão crônica das exportações na Grã-Bretanha e uma tendência de a Grã-Bretanha perder ouro, tendência que os Estados Unidos se sentiram forçados a combater inflando os dólares a fim de impedir a hemorragia de ouro da Grã-Bretanha para os EUA.

 

___________________________________

Notas

[1]     Devido às peculiaridades da história bancária, “Governador” é considerado um título muito mais exaltado do que “Presidente”, um status decorrente do augusto título de “Governador” como chefe do original e mais prestigioso Banco Central, o Banco da Inglaterra. Parte do rebaixamento dos das filiais regionais do Banco Central e da elevação do poder do Conselho de Washington na década de 1930 se refletiu na mudança do título de chefe de cada banco regional de “Governador” para “Presidente”, combinado com a mudança de título de o conselho de Washington de “Conselho do Banco Central” para “Conselho de Governadores do Sistema do Banco Central”.

[2]     O sogro de Miller, Otho S. A. Sprague, atuou como diretor da Pullman Company dominada pelos Morgan, enquanto o irmão de Otho, Albert A. Sprague, era diretor da Chicago Telephone Company, uma subsidiária do poderoso monopólio controlado pela Morgan American Telephone & Telegraph Company.

Deve-se notar que, embora o ramo Oyster Bay-Manhattan da família Roosevelt (incluindo o presidente Theodore Roosevelt) estava há muito tempo no âmbito dos Morgan, o ramo de Hyde Park (que obviamente incluía F.D.R.) era há muito tempo afiliado a seus vizinhos ricos e influentes de Hudson Valley, os Astors e os Harrimans.

[3]     Sobre os funcionários originais do Banco Central, consulte Murray N. Rothbard, “The Federal Reserve as a Cartelization Device: The Early Years, 1913-1939” em Money in Crisis, editado por Barry Siegel (São Francisco: Pacific Institute for Public Policy Research, 1984), pp. 94-115.

[4]     Sobre a tomada do poder supremo de Benjamin Strong no Banco Central e sua ajuda por medidas de tempo de guerra, consulte Lawrence E. Clark, Central Banking Under the Federal Reserve System (Nova Iorque: Macmillan, 1935), pp. 64-82, 102-5; Lester V. Chandler, Benjamin Strong: Central Banker (Washington, D.C.: Brookings Institution, 1958), pp. 23-41, 68-78, 105-7; e Henry Parker Willis, The Theory and Practice of Central Banking (Nova Iorque: Harper & Brothers, 1936), pp. 90-91.

[5]     Sobre os Morgan, seus laços com os britânicos e sua influência na entrada da América na guerra, ver Charles Callan Tansill, America Goes to War (Boston: Little, Brown, 1938).