A Cingapura sozinha acaba com a narrativa covidiana

1
Tempo estimado de leitura: 11 minutos

Então por que será que a mídia continua repetindo-a?

Estive viajando nas últimas semanas, o que nos dias de hoje serve como um lembrete de como as medidas de “mitigação” COVID inúteis e sem sentido realmente são.

Em muitas áreas dos Estados Unidos, não há requisitos de máscara em lugar nenhum. Dezenas de milhares de pessoas estão amontoadas em estádios, ginásios e arenas, sem máscaras. Elas jantam em ambientes fechados, caminham por shoppings fechados lotados, se reúnem para conferências e reuniões, trabalham em escritórios, têm conversas cara a cara … tudo sem máscara.

Mas então… de repente… Elas chamam um Uber para ir ao aeroporto.

E o mundo muda.

O Uber exige que cada cliente use uma máscara. Se um motorista relatar que um passageiro não usou uma máscara adequadamente durante toda a viagem, esse passageiro deve tirar uma foto de si mesmo usando uma máscara e carregá-la no aplicativo Uber antes de sua próxima viagem. Um motorista do Uber me explicou que, com passageiros particularmente irritantes ou desagradáveis, ele relatava vingativamente ao Uber que eles não estavam usando uma máscara apenas para tornar suas viagens futuras mais incômodas.

A conformidade entre os motoristas varia muito de viagem para viagem. Enquanto carrega a bagagem no porta-malas do *insira o sedã prata ou preto aqui*, você se verá tentando desesperadamente sacar no rosto do motorista o quão desagradável será sua próxima experiência. Sem máscara? Há esperança de um passeio agradável. Máscara totalmente apertada em torno do nariz e a expressão inconfundível de medo? Minha Nossa…

Você chega ao hotel, mesmo em uma cidade sem um decreto, onde ainda existem placas: “Máscaras obrigatórias em espaços públicos”. Mas a funcionária atrás da mesa está com a máscara no queixo, e você vê uma hóspede passar sem máscara. Alívio. A sanidade prevaleceu. Exceto que ainda existem divisórias de acrílico, ignorando o fato de que elas não são apenas inúteis para conter o COVID, como podem realmente aumentar o risco de contágio. Você quer perguntar por que eles ainda estão exigindo isso, mas o cansaço e o desejo de se refugiar no santuário sem máscara do seu quarto prevalecem.

Durante as férias, algumas empresas podem ter regras de máscara diferentes, dependendo de sua localização. Uma loja de tênis de corrida em um shopping não exige máscaras, mas a mesma loja em um shopping diferente exige máscaras. Porque? Como faz sentido para a mesma loja atender “com segurança” seus clientes em um local sem máscaras, mas a alguns quilômetros de distância, o uso obrigatório de máscara é necessário para uma experiência “segura”?

Em um Starbucks localizado em, digamos, Anaheim, Califórnia, você pode entrar, pedir, sentar e desfrutar de sua bebida sem nunca usar uma máscara. Ainda assim, em um Starbucks localizado na mesma rua em Anaheim, mas no distrito comercial de Downtown Disney, as máscaras são obrigatórias ao caminhar até o balcão e fazer o pedido, mas não enquanto estão sentados. Ninguém questiona por que isso. Quando os funcionários são questionados sobre por que as máscaras são necessárias aqui e não a uma curta distância da mesma marca, seu rosto entrega confusão e surpresa, como se ninguém jamais tivesse pensado em questionar tal absurdo óbvio.

Depois de uma semana de vida quase sem máscara, o mesmo processo se repete no caminho de volta para o aeroporto. Você chega ao terminal e é imediatamente bombardeado com anúncios de que é “lei federal” usar uma máscara cobrindo adequadamente o nariz e a boca enquanto estiver no aeroporto. Os funcionários do portão de embarque repetem a mesma mensagem. Os comissários de bordo ameaçam e exigem conformidade. Você se senta em seu assento monstruosamente desconfortável e se maravilha com a estupidez performativa e insana de toda a experiência e diz a si mesmo que não vale a pena fazer isso de novo.

Não há fim à vista para a experiência teatral de “segurança” moderna. Claro, o atual autoritarismo sanitário de aeroporto do governo expira ostensivamente em janeiro, mas alguém realmente acredita que não será estendido novamente por mais seis meses? E então mais seis meses depois disso? Nunca podemos ter certeza de que a pandemia “acabou”, sabe, embora um vírus endêmico nunca vá realmente “acabar”.

“Usamos máscaras para sua segurança”, dizem as placas. Como podemos retornar a um mundo em que todas as superfícies não são pulverizadas com desinfetante, ou em que os clientes não estejam “em risco” porque os funcionários estão sem máscara? Como as empresas irão retornar à normalidade pré-Covid sem repetir incessantemente que medidas pseudocientíficas inúteis foram tomadas para garantir absolutamente nada?

Eu não tenho a resposta. Viajar hoje em dia torna a probabilidade de um retorno a nossa existência anterior livre parecer impossível. O mundo foi reorganizado em um estado de segurantismo, possivelmente permanentemente, pela Anvisa.

No entanto, a cada dia, temos mais e mais exemplos de como seu autoritarismo obsessivo é na verdade desanimador e sem sentido.

E um dos maiores e mais recentes exemplos é a Cingapura.

“COVID-19 em Cingapura: Outra história de sucesso”

Cingapura, como tantos outros lugares, foi repetidamente descrita como uma história de “sucesso” do COVID.

Este estudo, publicado em agosto de 2020, resume bem a atitude prevalecente de especialistas e personalidades das mídias sociais que esbanjaram elogios a capacidade de Cingapura de “controlar” o COVID:

    Concluímos que Cingapura tem se saído extraordinariamente bem na prevenção e controle de epidemias. Por fim, discutimos as medidas específicas para o sucesso de Cingapura e sugerimos que outros países aprendam com o estilo de Cingapura, para que estejam bem preparados no futuro.

Aprendam com Cingapura!

Preparem-se com base no exemplo de Cingapura!

Ouçam Os Especialistas™ e A Ciência ™!

Eles não foram os únicos – muitas, MUITAS outras publicações e “especialistas” ecoaram sentimentos semelhantes sobre o “sucesso” COVID de Cingapura.

Realmente não seria um exame retrospectivo da análise incrivelmente enganosa de COVID sem o nosso velho amigo e obsessivo inimigo da Declaração de Great Barrington, Gavin Yamey, da Duke University. Yamey fez aparições frequentes com base em suas suposições lamentavelmente imprecisas, então não deve ser surpresa que ele elogiou Cingapura também.

Como um contribuinte previsível de desinformação da mídia, Gavin publicou um artigo na Time no início de 2021, onde referiu especificamente a distribuição e o uso de máscaras de qualidade supostamente mais alta como a chave para seu sucesso de Cingapura:

    Podemos aprender com o notável sucesso da Coreia do Sul e de Cingapura, onde os governos logo no início fabricaram e distribuíram máscaras de alta filtração (por exemplo, máscaras K-94, o equivalente coreano das máscaras N95) a todos sem nenhum custo para seus cidadãos. Em Cingapura, você pode até obter uma máscara de alta filtragem gratuitamente nas máquinas de venda automática. Por que os EUA não podem distribuir máscaras dessa forma também para os americanos?

Sem surpresa, Yamey nunca atualizou o artigo ou suas suposições, pois mais dados surgiram destacando como os decretos de N95 não fizeram absolutamente nenhuma diferença para a disseminação do COVID:

Yamey fez referência a Cingapura novamente no artigo, explicando como eles “controlaram com sucesso a transmissão viral”:

    As nações que controlaram com sucesso a transmissão viral, como Austrália, China, Hong Kong, Nova Zelândia, Cingapura e Taiwan, têm pelo menos uma coisa em comum: possuem sistemas para identificar com eficiência as pessoas infectadas e expostas.

Vê como é simples manter os números baixos? Simplesmente distribua máscaras N95 gratuitas e use teste e rastreamento, e você controla a transmissão viral!

Vamos ver como a transmissão viral controlada está atualmente em Cingapura:

Bem…. isso não parece estar sob controle, mas, novamente, eu não trabalho para a Duke e não usei uma máscara em minha foto de perfil do Twitter nos últimos dezoito meses.

Cingapura tinha uma média de cerca de 5 casos por milhão de pessoas em janeiro, quando Yamey escreveu aquele artigo criticando os EUA por não fornecerem máscaras N95 gratuitas. Eles agora estão em média cerca de 580 casos por milhão, um aumento de 11.500%. Isso vem com um dos decretos de máscara ininterruptos mais longos do mundo, agora com mais de dezoito meses de devoção à Ciência™.

E ainda, eles passaram de 5 casos por milhão – o equivalente a 1.650 casos por dia nos EUA – para 580 casos por milhão, ou aproximadamente o equivalente a 190.000 por dia. Imagine se Scott Atlas, o conselheiro médico de Trup, tivesse elogiado os EUA por controlar COVID com máscaras e testes, mas apenas alguns meses depois, os casos relatados aumentassem de 1.650 para 190.000. Você acha que a mídia o teria perseguido implacavelmente para explicar o que aconteceu? Você acha que eles teriam usado isso em tentativas frenéticas de desacreditar suas ideias e sugestões de políticas?

Algo disso aconteceu com Gavin? Claro que não. Porque a mídia realmente não se preocupa com a precisão quando se trata de noticiar COVID, eles se preocupam com ativismo. Eles se preocupam em influenciar a opinião pública, como fizeram na Austrália, com resultados desastrosos.

E assim a desinformação promovida pela mídia prolifera, levando à aceitação pública de suposições totalmente imprecisas e “intervenções” de viagens pseudocientíficas exigidas pela Anvisa e outras corporações irremediavelmente ineptas.

Outro “especialista” frequentemente desacreditado do COVID é o Dr. Peter Hotez, que de alguma forma consegue manter um fluxo constante de aparições na mídia, apesar de seus discursos confusos no Twitter.

No final de agosto, Hotez apareceu na CNBC e emitiu esta declaração conclusiva:

    85-90% dos EUA devem ser vacinados “se quisermos superar isso”, avisa o Dr. Peter Hotez.

De acordo com o Ministério da Saúde de Cingapura, 85% de toda a população do país está pelo menos parcialmente vacinada, com 84% totalmente vacinada.

Os casos estão em seu nível mais alto:

Acertou em cheio hein!

Apesar do fracasso inequívoco das afirmações de Hotez, ele continua a receber grandes espaços na mídia para espalhar sua marca única de desinformação e autoritarismo. Esta passagem horripilante vem do The Daily Beast:

     Outras etapas necessárias incluem maximizar os decretos do empregador e dos órgãos federais e, como venho trabalhando há meses, ser mais agressivo no combate à desinformação. Devemos considerar possíveis sanções contra membros do Congresso dos EUA que deliberadamente promovem práticas de saúde perigosas, para citar apenas um exemplo.

Mesmo essas medidas podem não nos levar à vitória final. É difícil estimar o número de últimos sobreviventes que estão profundamente desconfiados e ressentidos com as vacinações, mas devemos reconhecer que este grupo provavelmente se tornará o responsável por continuar este aumento atual e até mesmo pela evolução potencial de novas variantes de vírus, e que alguns podem até agir de acordo com sua raiva e ressentimento. Embora precisemos de uma Casa Branca mais assertiva, defendendo ao povo americano que vacinações totais e completas são essenciais para nossa segurança, também precisamos nos preparar para uma onda ainda mais feia de reação pandêmica.

Concordo que precisamos ser mais agressivos no combate à desinformação, especialmente quando se trata de pessoas como Hotez, que usa o credencialismo para espalhar propaganda imprecisa e advogar por penalidades para aqueles que não se enquadram em seu desejo de controlar o discurso e as decisões pessoais.

Mas outra passagem crucial de imprecisão em seu artigo furioso e lamentavelmente equivocado é onde ele culpa os não vacinados por “continuar este aumento atual e até mesmo a evolução potencial de novas variantes de vírus”.

Cingapura tem 85% de todo o país vacinado, e não apenas a população elegível, mas toda a população. No entanto, eles estão relatando mais casos ajustados à população do que a União Europeia jamais relatou.

Incrivelmente, neste artigo, publicado em 7 de setembro de 2021, Hotez atiça o medo e o ressentimento dos “não vacinados” ao afirmar que eles serão responsáveis ​​por continuar o aumento atual, enquanto em outro artigo em 9 de setembro de 2021, Hotez é citado:

    “Podemos dizer que o vírus ressurgiu no sul dos Estados Unidos, principalmente entre pessoas não vacinadas, mas isso não significa que devemos culpar as não vacinadas”, Dr. Peter Hotez, reitor da Escola Nacional de Medicina Tropical do Baylor College de Medicina em Houston, disse.

Ênfase minha.

Ainda confuso? Eu me pergunto se o The Daily Beast irá consultar o grande médico para ver se ele gostaria de revisar suas declarações conflitantes.

Então, apenas no último mês e meio, Hotez afirma que as taxas de vacinação de 85% nos “farão superar” o COVID, e diz que os não vacinados serão responsáveis ​​pelos surtos até atingirmos essa meta, para depois intencionalmente ignorar um país que imediatamente refuta suas suposições.

Perfeição.

É significativo, e surpreendente, que o Ministério da Saúde de Cingapura também costumava fornecer análises detalhadas de hospitalizações por status de vacinação, mas, naturalmente, fez a transição recentemente para declarações mais amplas e simplistas.

A atualização mais recente, fornece apenas porcentagens brutas de casos vacinados na UTI:

    Entre os que necessitaram de suplementação de oxigênio e UTI, 48,8% estavam totalmente vacinados e 51,2% não vacinados/parcialmente vacinados.

Embora obviamente implique algum nível de eficácia da vacina, dadas as altas taxas de Cingapura, 49% totalmente vacinados – 51% não vacinados na UTI claramente não corresponde à retórica inflamatória de Hotez.

A Reuters também deu muitos detalhes sobre Cingapura, descrevendo como sua resposta foi notavelmente bem-sucedida:

    Cingapura conseguiu mitigar a propagação do vírus por meio da detecção precoce, usando rastreamento de contato agressivo e testes que ganharam elogios da Organização Mundial de Saúde.

Testar e rastrear é sempre fundamental – basta perguntar à Califórnia, onde um “exército” de rastreadores de contato foi capaz de impedir completamente o aumento de casos no inverno de 2020:

Você pode ver por que Cingapura se saiu tão bem, com o quão incrivelmente importantes e eficazes são os testes e rastreamentos em massa.

Mas, naturalmente, nenhuma história de sucesso prematura do COVID estaria completa sem dar crédito as máscaras, e a Reuters e seus especialistas associados não decepcionaram:

    A cidade-estado tornou as máscaras obrigatórias em público em abril. Embora os especialistas afirmem que mais estudos precisam ser feitos, há evidências crescentes de que o uso de máscaras ajuda a reduzir a prevalência e a gravidade do vírus. A OMS recomendou o uso de máscaras em combinação com outras medidas de distanciamento social.

“Adotamos uma boa cultura de máscaras em Cingapura. Isso torna a doença mais branda”, disse Leong Hoe Nam, especialista em doenças infecciosas do Hospital Mount Elizabeth da cidade.

Eu me pergunto se alguém vai fazer um follow up com o “especialista em doenças infecciosas” citado aqui para ver se ele gostaria de revisar sua declaração sobre “boa cultura de máscara”, considerando o que aconteceu desde então:

Não sei porque mas, eu duvido que alguém sequer pense em questionar as suposições sobre a “cultura da máscara” e seu impacto em relação ao COVID.

Agora, para ser justo, o artigo se concentra principalmente na baixa taxa de mortalidade de Cingapura. Embora cumulativa e comparativamente, a taxa de mortalidade de Cingapura tenha sido baixa, infelizmente tem aumentado rapidamente ultimamente:

E apenas como um exemplo, sua recente taxa de mortalidade ultrapassou a Suécia:

É realmente bizarro como as máscaras apenas mantêm as taxas de mortalidade baixas periodicamente, não é?

Cingapura é mais uma linha na lista interminável de excesso de confiança de especialistas. Eles fazem previsões e afirmações concretas, veem suas afirmações serem provadas como erradas de maneira conclusiva e, em seguida, passam para o próximo exemplo.

Nunca há qualquer dúvida, humildade ou mea culpa, não importa quantas vezes eles estejam errados e quantas pessoas possam enganar. É apenas um gaslighting repetitivo com suas proclamações tratadas como evangelho por uma imprensa adoradora.

Eles estão determinados a vender um cenário impossível onde COVID poderia ser simplesmente “controlado” se todos nós apenas parássemos, ouvíssemos e fizéssemos o que nos mandam.

É um programa de gaslighting incansável, extremamente previsível e cansativo, promovido e incentivado pelos meios de comunicação que continuam a dar espaços enormes para supostos especialistas que não têm absolutamente nenhuma ideia do que estão falando.

 

Artigo original aqui