Europa se suicida com suas sanções

1
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Um outdoor suíço está circulando nas redes sociais mostrando uma jovem ao telefone. A legenda diz: “O vizinho aquece o apartamento a mais de 19 graus? Por favor, informe-nos.” Embora o governo suíço tenha esclarecido que o pôster é falso, as penalidades que os cidadãos suíços enfrentam por ousar aquecer suas casas são muito reais. De acordo com o jornal suíço Blick, aqueles que violarem o limite de aquecimento de 19 graus podem enfrentar até três anos de prisão!

Prisão por aquecer a sua casa? No mundo “livre”? Como é possível em 2022, quando a Suíça e o resto do ocidente político alcançaram o maior sucesso econômico da história, que o continente europeu passe por um inverno como se fosse algo saído da idade das trevas?

Sanções.

Embora há muito promovidas – muitas vezes por aqueles que se opõem à guerra – como uma alternativa menos destrutiva à guerra, as sanções são, na realidade, atos de guerra. E, como sabemos, com o intervencionismo e a guerra, o resultado muitas vezes são consequências não intencionais e até contra-ataques.

As sanções europeias contra a Rússia por sua invasão da Ucrânia no início deste ano provavelmente entrarão para a história como um excelente exemplo de como as sanções podem resultar em consequências não intencionais. Ao tentar punir a Rússia cortando as importações de gás e petróleo, os políticos da União Europeia esqueceram que a Europa é completamente dependente do suprimento de energia russo e que os únicos que sofrerão se essas importações forem encerradas serão os próprios europeus.

Os russos simplesmente se voltaram para o sul e o leste e encontraram muitos novos compradores na China, na Índia e em outros lugares. De fato, a estatal russa de energia Gazprom informou que seus lucros aumentaram 100% no primeiro semestre deste ano.

A Rússia está ficando rica enquanto os europeus enfrentam um inverno gelado e um colapso econômico. Tudo por causa da falsa crença de que as sanções são uma maneira gratuita de forçar outros países a fazer o que você quer que eles façam.

O que acontece quando as pessoas veem políticas governamentais idiotas fazendo as contas de energia dispararem à medida que a economia para? Elas ficam desesperadas e vão às ruas em protesto.

Neste fim de semana, milhares de austríacos foram às ruas em um “Comício da Liberdade” para exigir o fim das sanções e a abertura do Nord Stream II, o gasoduto prestes a ser inaugurado no início deste ano. Na semana passada, cerca de 100.000 tchecos foram às ruas de Praga para protestar contra a política da OTAN e da UE. Na França, os “coletes amarelos” estão de volta às ruas protestando contra a destruição de sua economia em nome de “derrotar” a Rússia na Ucrânia. Na Alemanha, Sérvia e em outros lugares, os protestos estão sendo preparados.

Até o Washington Post foi forçado a admitir que as sanções contra a Rússia não estão surtindo o efeito pretendido. Em um artigo de ontem, o jornal teme que as sanções estejam infligindo “danos colaterais na Rússia e além, potencialmente prejudicando os próprios países que as impõem. Alguns até temiam que as sanções destinadas a deter e enfraquecer Putin pudessem acabar por encorajá-lo e fortalecê-lo.”

Isso tudo é previsível. Sanções matam. Às vezes elas matam inocentes no país alvo de destruição e às vezes matam inocentes no país que as impõe. A solução, como sempre, é a não intervenção. Sem sanções, sem “revoluções coloridas”, sem intromissão. É realmente simples assim.

 

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorDevemos orar pela Ucrânia?
Próximo artigoA indefensabilidade da representação política
é médico e ex-congressista republicano do Texas. Foi candidato à presidente dos Estados Unidos em 1988 pelo partido libertário e candidato à nomeação para as eleições presidenciais de 2008 e 2012 pelo partido republicano. É autor de diversos livros sobre a Escola Austríaca de economia e a filosofia política libertária como Mises e a Escola Austríaca: uma visão pessoal, Definindo a liberdade, O Fim do Fed – por que acabar com o Banco Central (2009), The Case for Gold (1982), The Revolution: A Manifesto (2008), Pillars of Prosperity (2008) e A Foreign Policy of Freedom (2007).O doutor Paul foi um dos fundadores do Ludwig von Mises Institute, em 1982, e no ano de 2013 fundou o Ron Paul Institute for Peace and Prosperity e o The Ron Paul Channel.

1 COMENTÁRIO

  1. Eu estou morando na China desde Março de 2020, mas acompanho as notícias no resto do mundo e tenho amigos e conhecidos na Europa, EUA, Nova Zelândia e Japão. Eles me são uma outra fonte de informações.

    O que eu digo é: vivi para ver o “mundo livre”, seja lá o que isso de fato signifique no dicionário da novilíngua de quem repete esse bordão à exaustão, ser muito mais autoritário do que regimes autocráticos “inimigos da liberdade”, seja lá o que isso signifique também.