Introdução: Uma reconstrução austrolibertária

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Os estudos a seguir tentam explicar três dos eventos mais importantes da história da humanidade.

Primeiro, explico a origem da propriedade privada, e em particular da terra, e da família e do agregado familiar como os fundamentos institucionais da agricultura e da vida agrária que começaram há 11.000 anos atrás, com a Revolução Neolítica no Crescente Fértil do Oriente Médio, e que desde então – até o final do século XIX – veio a moldar e deixar uma marca na vida humana em todos os lugares.

Segundo, explico a origem da Revolução Industrial que começou por volta de 1.800, apenas cerca de 200 anos atrás, na Inglaterra. Até então e por milhares de anos, a humanidade vivia sob condições malthusianas. O crescimento da população estava constantemente ameaçando os meios de subsistência disponíveis. Todo aumento de produtividade era “abocanhado” rapidamente por um tamanho populacional em expansão, de modo que as rendas reais para a esmagadora maioria da população eram mantidas constantemente próximas ao nível de subsistência. Somente há cerca de dois séculos o homem conseguiu atingir o crescimento populacional combinado com o aumento da renda per capita.

Terceiro, explico a origem paralela e o desenvolvimento do Estado como um monopolista territorial da tomada de decisão final, ou seja, uma instituição investida do poder de legislar e tributar os habitantes de um território e sua transformação de um Estado monárquico, com Reis “absolutos”, para um Estado democrático com pessoas “absolutas”, como se destacou no decorrer do século XX.

Embora isso possa ser suficiente como introdução e o leitor possa prosseguir diretamente para os capítulos seguintes, algumas observações adicionais podem ser necessárias para o leitor filosoficamente atento.

Até o início do século XX, o seguinte seria classificado como estudos sociológicos. Mas com a ascensão e a crescente influência dominante alcançada no decorrer do século XX pela filosofia empirista-positivista-falsificacionista, o termo sociologia entretanto adquiriu um significado muito diferente. De acordo com a filosofia empirista, questões normativas – questões de justiça, de “certo” e “errado” – não são questões científicas – e, consequentemente, a maior parte da sociologia moderna, “científica”, está dogmaticamente comprometida com alguma variante da ética relativista (de ‘vale tudo’). E a filosofia empirista descarta categoricamente a existência de quaisquer leis e verdades a priori não hipotéticas, não falsificáveis ​​ou sintéticas – e, portanto, a sociologia moderna está dogmaticamente comprometida também com alguma variante do relativismo empírico (de ‘tudo é possível’, ‘você nunca pode ter certeza de nada’ e ‘nada pode ser descartado desde o início’).

Meus estudos são e fazem tudo o que um “bom empirista” não deve ser ou fazer; pois considero a filosofia empirista-positivista errada e não científica e considero sua influência especialmente nas ciências sociais como um desastre intelectual não mitigado.

É comprovadamente falso que a ética não é uma ciência e que não existem princípios universais de justiça e nenhum critério “verdadeiro” (não arbitrário) de distinguir o progresso moral do declínio. E é igualmente demonstrável falso que não existem leis universais e invariantes de ação e interação humanas, ou seja, nenhuma lei do que é e do que não é possível e do que pode e não pode ser feito com sucesso nos assuntos humanos, e que não existe nenhum critério não arbitrário de julgar as ações como soluções corretas e bem-sucedidas ou incorretas e defeituosas para um determinado problema ou finalidade.

Quanto à segunda alegação “positiva”, ela é contradita por todo o corpo da Economia Clássica. Economia Clássica, reconstruída, refinada e mais avançada durante a “Revolução Marginalista”, em particular por seu ramo vienense, fundado por Carl Menger (1840–1921) com seus Princípios de Economia (1871) e culminando com Ludwig von Mises (1881–18). 1973) e sua insuperável Ação Humana (1940), e pelo que se tornou conhecido como Escola Austríaca de Economia, fornece o material intelectual para um sistema amplo e abrangente de leis verdadeiras e não hipoteticamente da ação humana, da praxeologia – a lógica da ação – e das leis praxeológicas.

Qualquer explicação dos eventos históricos deve levar em consideração a praxeologia – e especificamente Ludwig von Mises -, e são os “empiristas” que são insuficientemente empíricos em seu trabalho. Ao negar ou ignorar os invariantes e constantes praxeológicos inerentes em suas observações do mundo social, eles ficam incapazes de distinguir a floresta das árvores.

E, quanto à primeira alegação “normativa”, ela é contrariada por todo o corpo de direito privado, em particular o direito de propriedade e contrato, que cresceu em resposta à ocorrência contínua de conflitos interpessoais em relação a recursos escassos. Desde a antiga tradição dos estóicos da “lei natural”, passando pelo direito romano, até o direito escolástico, até a moderna tradição secular dos “direitos naturais”, surgiu um corpo de direito e literatura acadêmica sobre questões de direito no século XIX, isso deveria envergonhar qualquer relativista ético.

Enterrada por muito tempo sob montanhas de lixo legal positivista, essa tradição foi resgatada e revigorada, refinada e rigorosamente reconstruída em nosso tempo, sobretudo por Murray N. Rothbard (1926-1995), principalmente em Ethics of Liberty (1981), até o sistema mais abrangente de direito natural e a filosofia política do libertarianismo até agora. Qualquer avaliação normativa de eventos e desenvolvimentos históricos que aspira ao nível da ciência, isto é, que afirma ser mais do que uma expressão arbitrária de gosto, deve levar em conta o libertarianismo, e Murray Rothbard em particular.

Portanto, para indicar o método que guia meus estudos na história do homem, o subtítulo do meu livrinho: Uma Reconstrução Austro-Libertária.

Os eventos da história humana que quero explicar não são necessários e predeterminados, mas eventos contingentemente empíricos, logo, meus estudos não são exercícios de teoria econômica ou libertária. Eles terão que contar a história como realmente era e levar em conta todos os fatos conhecidos. A este respeito, não reivindico nenhuma originalidade. Não desenterro fatos desconhecidos nem discuto descobertas estabelecidas. Eu confio no que outros estabeleceram como fatos conhecidos. Mas os fatos e a cronologia dos eventos não contêm sua própria explicação ou interpretação. O que distingue meus estudos é o fato de eles explicarem e interpretarem a história do homem do ponto de vista conceitual do Austro-Libertarianismo: com o conhecimento de fundo da praxeologia (economia) e do libertarianismo (ética). Eles são conduzidas com consciência do caráter não hipotético ou apriorístico das leis da praxeologia e da ética e o fato de que essas leis impõem estritas limitações lógicas sobre qual explicação ou interpretação, de todas as explicações e interpretações concebíveis de algumas conjunto de dados históricos, pode ser considerado possível e possivelmente (hipoteticamenteverdadeiro (e, portanto, cientificamente admissível), e quais podem e devem ser descartados como impossíveis e impossivelmente verdadeiros . A história, então, é racionalmente reconstruída, ou seja, com o conhecimento de que toda explicação e interpretação empírica possivelmente verdadeira deve estar de acordo não apenas com os ‘dados’, mas em particular também com as leis praxeológicas e éticas, e que toda explicação ou interpretação diverge de tais leis, mesmo que aparentemente ‘os dados façam sentido’ não é apenas empiricamente falso, mas não é uma explicação ou interpretação cientificamente admissível.

A história assim reconstruída e recontada é, em grande parte, história revisionista , oposta não apenas a muito ou mesmo à maior parte do que o “mainstream” da esquerda tem a dizer sobre o assunto, mas devido à ênfase colocada em meus estudos sobre as desigualdades humanas e, em particular, em habilidades cognitivas desiguais e disposições psíquicas diferentes, opostas também a muito pronunciadas e proclamadas a esse respeito por alguns círculos de “politicamente corretos” e “progressistas”, chamados “cosmopolitas” libertários.

Assim, o primeiro evento importante na história do homem, a Revolução Neolítica, é reconstruído como uma conquista cognitiva de imensa relevância e um grande passo progressivo na evolução da inteligência humana. A instituição da propriedade privada da terra e da família e a prática da agricultura e pecuária são explicadas como invenções racionais, uma solução nova e inovadora para o problema enfrentado pelos caçadores e coletores tribais de equilibrar o crescimento populacional e o aumento da escassez de terras.

Da mesma forma, a Revolução Industrial é reconstruída como outro grande salto em frente no desenvolvimento da racionalidade humana. O problema de equilibrar o tamanho da terra e da população que havia sido temporariamente resolvido com a invenção original e a subsequente disseminação e imitação mundial da agricultura teve que eventualmente ressurgir. Enquanto o tamanho da população aumentava, a renda per capita poderia apenas aumentar se e enquanto a produtividade aumentar, superando o crescimento da população. Mas a produtividade constante aumenta, isto é, a invenção contínua de ferramentas novas ou mais eficientes para a produção de produtos cada vez mais novos ou melhores, requer um nível continuamente alto de inteligência humana, engenhosidade, paciência e inventividade. Onde quer que, e enquanto estiver faltando um nível tão alto de inteligência, o crescimento populacional deve levar a uma renda per capita mais baixa – e não mais alta. A Revolução Industrial, então, marca o ponto, quando o nível de racionalidade humana alcançou um nível alto o suficiente para possibilitar a fuga do malthusianismo. E a fuga é reconstruída como resultado do “reprodução”, ao longo de muitas gerações, de uma população mais inteligente. Maior inteligência se traduzida em maior sucesso econômico, e maior sucesso econômico combinado com políticas seletivas de casamento e família traduzidas em maior sucesso reprodutivo (a produção de um número maior de descendentes sobreviventes). Isso combinado com as leis da genética humana e da herança civil produziu ao longo do tempo uma população mais inteligente, engenhosa e inovadora.

Por fim, enquanto as Revoluções Neolítica e Industrial são reconstruídas como soluções corretas e inovadoras para um problema persistente: de um tamanho populacional que invade os padrões de vida e, portanto, como grandes avanços intelectuais, o terceiro evento importante a ser explicado é a invenção do Estado. O Estado é um monopolista territorial da tomada de decisão final e sua transformação sucessiva de um Estado monárquico para um democrático é reconstruída como o resultado de uma sequência de erros intelectuais – morais e econômicos – cumulativos e como um retrocesso no desenvolvimento do ser humano como ser racional, e uma ameaça crescente às realizações alcançadas com a Revolução Industrial. Por definição, o Estado não pode alcançar o que é suposto que deva alcançar. É suposto produzir justiça, isto é, defender e fazer cumprir a lei, mas com o poder de legislar o Estado pode – e inevitavelmente o fará – violar a lei e fazer a lei em seu próprio favor e, assim, produzir injustiça e corrupção moral. E supõe-se que o Estado proteja a propriedade de seus súditos da invasão estrangeira, mas com o poder de tributar seus súditos, ele pode – e inevitavelmente vai – expropriar a propriedade desses súditos, não obviamente para protegê-los e sua propriedade, mas para ‘proteger’ a si mesmo e suas desapropriações contra qualquer chamado “invasor”, estrangeiro ou doméstico. Como “expropriador protetor de propriedades”, ou seja, como uma instituição fundamentalmente “parasitária”, o Estado nunca pode ajudar, mas sempre atrapalha a produção de riqueza e, portanto, diminui a renda per capita.

Em combinação, então, com os estudos a seguir, espero dar uma pequena contribuição à antiga tradição da grande teoria social e tornar mais inteligível o longo curso da história da humanidade, desde seus primórdios até a era atual.

 

Hans-Hermann Hoppe

Istambul, janeiro de 2015