O governo, a mentalidade centralizadora e os idiotas no comando

1
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

“Invista em um negócio que está indo tão bem que até um idiota poderia administrá-lo, porque mais cedo ou mais tarde, algum irá.” —Warren Buffet

O que é curioso sobre a democracia é que, de alguma forma, os piores chegam ao topo. Apesar dos eloquentes discursos, das campanhas em massa, dos debates públicos, da peregrinação em massa às cabines de votação e das muitas promessas sobre mundos mais verdes, mais equitativos, melhores e mais justos, de alguma forma acabamos com burocracias inchadas, políticas injustas, desperdício de recursos – e não tão raramente em valas comuns. O estado, Robert Higgs nos ensinou, é simplesmente perigoso demais para ser tolerado.

Em O Caminho da Servidão, de Friedrich Hayek, publicado este mês há setenta e oito anos, descobrimos que

    há fortes razões para acreditar que o que para nós parece ser as piores características dos sistemas totalitários existentes não são subprodutos acidentais, mas fenômenos que o totalitarismo certamente produzirá mais cedo ou mais tarde. Assim como o estadista democrático que se propõe a planejar a vida econômica logo será confrontado com a alternativa de assumir poderes ditatoriais ou abandonar seus planos, o ditador totalitário logo terá que escolher entre o desrespeito à moral comum e o fracasso. É por esta razão que os inescrupulosos e desinibidos tendem a ser mais bem-sucedidos em uma sociedade que tende ao totalitarismo.

Mas quando as classes tagarelas olham para o governo, não é isso que elas veem. Em vez disso, elas veem uma representação do povo, uma força para o bem, uma instituição feita para, por e pelo povo, comprometida com seu melhoramento. “Planejadores”, comentou uma postagem no Investor’s Business Daily em 1999, refletindo sobre a obra-prima de Hayek, “sempre assumem que tal poder seria exercido apenas pelas pessoas mais sábias e gentis”:

    Ninguém queria ouvir algum exilado austríaco mal-humorado dizendo a eles que o estatismo benevolente que eles tanto amavam era um pouco diferente do nazismo que eles lutaram tanto para derrotar.

Antes que a civilização ocidental fosse vítima dos cantos de sereia do grande governo, costumava haver salvaguardas para evitar que qualquer governante temporário causasse muito dano. Com um governo pequeno, fortemente restringido nos domínios em que poderia operar e com dinheiro sólido limitando-o a se aventurar muito longe de suas obrigações financeiras, havia um limite de dano que nem um bufão poderia ultrapassar. Um pequeno governo que é radicalmente restringido no que pode fazer ou opinar não está à disposição de capitalistas impiedosos ​o usarem como quiserem. É para se proteger contra o inevitável idiota que um dia comandará as operações do governo:

    O problema com o (vasto) poder do governo é que, eventualmente, alguma pessoa desagradável vai usar esses poderes contra você – quando for tarde demais para você se arrepender de ter apoiado a expansão de sua influência.

Em sua recente história da economia política da Grã-Bretanha, Duzentos anos de confusão, Duncan Weldon, da The Economist, rotula isso de condições “à prova de patife”.

Enquanto a citação icônica de Warren Buffett lidava com empresas, Weldon aplica o conceito a países – mas o argumento ainda é válido. Claro, a mentalidade centralizadora que Weldon e seus colegas autores da The Economist subscrevem frequentemente lamenta as salvaguardas contra o poder do governo; se não há capacidade de controlar ou dirigir a economia, não há capacidade de estimulá-la ou regulá-la, há pouco espaço para as classes intelectuais iniciarem reformas, melhorar isso ou mudar aquilo.

Mais de um século de sonhos socialistas e sufrágio universal convenceu todos os patifes que se fosse apenas ele que estivesse no comando, ele governaria o ingovernável muito melhor do que o último patife. Weldon certamente pretendia que sua frase fosse considerada um tanto ridícula (mas é claro, meu caro Watson, devemos ter um grande governo fazendo coisas de grande governo!), mas revela apenas o viés sob o qual ele opera intelectualmente: um governo restrito é ruim porque impede as classes cultas de se meterem, embriagadas por sua própria excelência, consertando este ou aquele mal.

Assim, alguns capítulos depois, obtemos os ingredientes deploráveis ​​dessa economia política à prova de patifes:

    O livre comércio, o padrão-ouro e o orçamento equilibrado foram os alicerces do sistema à prova de patifes do pré-guerra. Os políticos não podiam tentar abusar da economia para obter vantagens políticas, mas também não podiam tentar administrá-la.

E aí está o problema de todos os conflitos políticos: um governo ativista, democrático ou não, deseja melhorar os resultados do setor privado e da sociedade civil. Obstáculos como padrões-ouro, constituições e orçamentos governamentais devem desaparecer. Um governo limitado por seus impulsos megalomaníacos e controladores não pode fazer as coisas que seus proponentes sonham. É por isso que os economistas modernos – e os historiadores econômicos britânicos em particular – não entendem os acontecimentos da década de 1920. Eles não podem conceber um resultado político-econômico que não envolva ativismo governamental, controlando e regulando o que é ruim, e apoiando e melhorando o que é bom.

É por isso que o retorno ao ouro na década de 1920 é rejeitado como uma contradição interna de uma doutrina defeituosa – John Maynard Keynes o chamou de “uma relíquia bárbara”. As novas condições de um governo novo e aprimorado não poderiam coexistir com um dinheiro sólido. Durante a Grande Guerra, os governos e os intelectuais que os adoravam tiveram o gosto de planejar economias e sociedades do alto. Pegaram gosto pela coisa, e apaixonados por seus poderes recém-descobertos, as elites nunca iriam ceder.

A Grande Guerra, ou Primeira Guerra Mundial, como nossos tempos acabaram chamando-a, mudou tudo. Weldon novamente:

    Após a guerra, as regras do sistema “à prova de patifes” foram despedaçadas. O estado havia intervindo à esquerda, à direita e ao centro em toda a economia, estava de fato administrando indústrias inteiras. A noção de um orçamento equilibrado havia desaparecido. Até o padrão-ouro havia sido suspenso. O Rubicão foi cruzado no livre comércio e o laissez-faire parecia estar morto… O modelo econômico da Grã-Bretanha foi transformado pela Grande Guerra; o Estado deu um grande passo à frente e nunca mais voltou atrás.

A liberdade não morre na escuridão, mas na guerra. Uma vez que é destruída, não há como voltar atrás, e nações, democracias e resta às pessoas “se virar” até o fim dos tempos.

Robert Higgs estava certo.

Se aqueles que clamaram por governos ampliados nas últimas décadas tivessem refletido sobre sua própria culpa nessa loucura, muitas questões modernas atualmente em suas consciências seriam aborrecimentos muito menores: previdência social, os belicistas no complexo militar-industrial, corrupção, renda básica universal emergente, inflação, déficits governamentais e dívidas.

Mas o governo é grande, abrangente, e lutar por seu controle é muito, muito importante. O que o livro de Weldon nos lembra é de uma época em que a economia e a política fiscal não eram questões centrais de contenda política. Na década de 1920, a ala radical do partido liberal sentou-se com os conservadores por causa de suas visões geopolíticas sobre a Irlanda.

“Sim e?” pergunta o especialista em política moderna e se pergunta quando chegamos a taxas de impostos, contas de estímulo e regulamentações ambientais.

Com nada além de patifes no governo, até onde os olhos podem ver, mais uma vez precisamos de regras à prova de patifes, de modo que, quem quer que seja o idiota, os danos causados ​​sejam bem contidos. Porque mais cedo ou mais tarde, os idiotas comandarão o show.

 

 

Artigo original aqui