“Nós sabemos que eles estão mentindo, eles sabem que estão mentindo, eles sabem que sabemos que eles estão mentindo …”

5
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Ao ler a newsletter do Ron Paul Institute desta semana, publicada pelo meu colega Daniel McAdams, fiquei impressionado com uma citação que certamente já li antes, mas parece tão relevante quando a releio hoje:

“Nós sabemos que eles estão mentindo, eles sabem que estão mentindo, eles sabem que sabemos que eles estão mentindo, sabemos que eles sabem que sabemos que eles estão mentindo, mas eles ainda assim estão mentindo”. – Aleksandr Solzhenitsyn

O que é isso sobre mentiras?

Por que somos constantemente incumbidos de vagar por um mar de mentiras?

Bem, parte da razão está na natureza da ação humana. Toda ação humana é um comportamento intencional. Cada ação que escolhemos realizar é uma tentativa de atingir uma meta que estabelecemos para nós mesmos.

Além de escolher a meta, também escolhemos os meios que acreditamos que atingirão essa meta. Isso se aplica a metas complexas e com várias etapas, bem como às metas mais simples e imediatas.

Por exemplo, digamos que você esteja insatisfeito porque sua perna coça. Seu objetivo é aliviar a coceira. O meio para fazer isso é usar a unha do dedo indicador para coçá-la.

Comportamento proposital. Objetivo escolhido. Meios escolhidos.

Poucas pessoas pensam em algo tão simples como coçar como uma “definição de metas”, mas é exatamente o que é. Isso é o que cada ação que realizamos, cada momento de nossas vidas, é.

Então, quando você olha para mais de 7 bilhões de pessoas em nosso mundo, todo agitado e alvoroçado, o que você está vendo é a ação humana. Comportamento proposital; com cada comportamento sendo escolhido naquele momento por aquele indivíduo.

Agora, a filosofia libertária é esta: não agressão.

As ideias da liberdade pregam que cada um deve “buscar a própria felicidade” (ou seja, escolher os objetivos que o fazem feliz), mas certifique-se de não prejudicar outra pessoa (ou sua propriedade) ao fazer isso. Certifique-se de que os meios que você escolhe, e o fim que você escolhe, não agride ninguém.

Esses são os limites naturais da sua liberdade. Sua liberdade se estende a pessoas e propriedades de outros. Da mesma forma, a liberdade deles se estende a sua pessoa e sua propriedade. Eles não devem agredir nenhum dos dois.

Agora, caso você não tenha notado, a filosofia libertária deve ser escolhida. Não é um dado. Obviamente, muitas pessoas rejeitam a filosofia libertária. Muitos optam por atingir seus objetivos prejudicando outras pessoas e tomando ou destruindo sua propriedade. Esses indivíduos rejeitam os limites naturais da liberdade e da propriedade de outros. Eles querem o que querem e usarão quaisquer meios que achem que alcançarão seus objetivos – mesmo que os meios usem a agressão.

Não é nenhuma surpresa, então, que as mentiras sejam um meio muito popular usado para atingir fins. Verdade e mentiras são intercambiáveis para esses indivíduos. Um não é “bom” ou “mau” em seu sistema de valores. Eles apenas usam aquilo que acham que “funcionará” naquele momento.

Portanto, em um mundo de ações humanas, onde sempre se pode escolher agir de forma não libertária, a mentira sempre será uma opção popular. Em outras palavras, a mentira sempre estará conosco neste mundo. Estaremos sempre diante deles e sempre seremos forçados a escolher se acreditamos ou não neles.

Isso leva ao próximo ponto …

Além da natureza da ação humana, as mentiras existem por causa da natureza da mente humana também.

Nenhum homem sabe tudo. Todos nós somos ignorantes. Todos nós permaneceremos ignorantes pelo resto de nossas vidas. Onisciência e onipotência são atributos de Deus; não homem.

Como somos ignorantes, frequentemente seremos apresentados a ideias que não são verdadeiras. Essas ideias vêm da boca de outros indivíduos ignorantes.

Isso não significa que as ideias falsas que vêm de outras pessoas sempre vêm com más intenções. Quando se trata de pessoas no poder, quase sempre é, mas digamos que um membro da família venha e comece a falar sobre determinado assunto. O que ele diz pode estar misturado com mentiras, mas ele não sabe disso. Ele não está tentando prejudicá-lo, nem enganá-lo, nem tirar proveito de sua ignorância. Ele está simplesmente falando o mais honestamente que pode.

Portanto, as mentiras nem sempre são apresentadas com a intenção de enganar você.

Novamente, quando se trata de pessoas no poder, você sempre deve supor primeiro que o que está sendo dito tem a intenção de enganá-lo. É uma pena que tenha que ser assim, mas o poder é o oposto da Liberdade, então não pode ser de outra forma. Quando se trata de poder, você deve verificar primeiro e, depois, confiar.

Quer as mentiras que recebemos diariamente sejam por maldade ou simplesmente por ignorância, cada um de nós tem uma escolha monumental que deve ser feita constantemente.

Escolhemos acreditar nisso? Ou não?

Cada um de nós é responsável por escolher quais ideias aceitar e acreditar e quais rejeitar.

Se decidirmos acreditar em algo, nos defrontaremos com um certo conjunto de circunstâncias.

Se decidirmos não acreditar, nos defrontaremos com um conjunto diferente de circunstâncias.

Seja o que for que escolhermos, obteremos resultados.

Não pode haver reclamação depois. Na verdade, você pode reclamar, mas será tarde demais.

Você pode dizer “Bem, eles mentiram para mim! Não é minha culpa!”

Sim, eles mentiram para você.

Mas você é o responsável final porque optou por acreditar neles. Você não precisava acreditar neles. Você não é um robô. Você escolhe.

E esse é sempre o começo e o fim da história humana … Cada um de nós é responsável por nossas escolhas e nossas vidas.

Cada um de nós é responsável por escolher nossos objetivos.

Cada um de nós é responsável por escolher os meios que acreditamos atingir esses objetivos.

Cada um de nós é responsável por escolher aderir aos princípios da liberdade ou ao poder.

Cada um de nós é responsável por dizer a verdade ou mentir.

Cada um de nós é responsável por escolher no que acreditar e o que rejeitar.

Cada um de nós tem liberdade individual, o que necessariamente significa que cada um de nós é responsável.

Artigo original aqui.

5 COMENTÁRIOS

  1. Eu adorei seus comentários…

    Bom eu queria falar algumas coisas… Basicamente pessoas no poder vivem da mentira… Como Hoppe nos ensinou o que dita o tamanho do estado é a opinião pública… E na opinião publica temos sempre uma grande massa de pessoas que aceitam qualquer coisa.. Sempre existe alguém que percebe a mentira… E a tolerância da opinião publica a mentira contada pelo estado é o que vai dizer o quanto ele vai tirar proveito da agressão que essa mentira possibilita… Então eu acho que a frase do Aleksandr Solzhenitsyn pode ser explicada, pois as pessoas do poder sabem que existem pessoas que não são facilmente enganados (e odeiam do fundo da alma essas pessoas), mas dependem de continuar mentindo para jogar a parcela mais ingênua e ignorante da sociedade contra os demais.

    Agora as pessoas não são criminosas por acreditarem em mentiras ou serem enganadas, mesmo numa sociedade libertária, acreditar em mentira ou até mesmo mentir não é um crime! O que é criminoso é agredir…

    Dado esses fatos e na minha forma ignorante de ver o mundo, eu acredito que a postura correta é a divulgação de informação verdadeira o máximo que puder, usando a linguagem mais simples possível e sempre lembrando que mesmo libertários são enganados pelo estado, nunca confie 100% nem em vc mesmo. E se houver uma tentativa de penalizar as pessoas envolvidas sempre baseada nas agressões cometidas, mesmo incitação de violência não é crime libertário.

    • Com certeza a coerção estatal é o motivo último de o Covidismo ter ido tão longe, e não os simplórios que acreditam na TV. Se o comércio não tivesse sido fechado na base do decreto, tenho praticamente certeza de que a esmagadora maioria teria continuado aberta. Se as redes de TV não fossem dependentes do Estado para licenças e verba publicitária, se os jornalistas não tivessem sido doutrinados pelos currículos esquerdosos, não teriam cooperado com a narrativa de forma tão supina. E assim em diante.

      O problema é que existe uma relação “ovo e galinha” entre bobões crédulos (“trouxas”) e manipuladores (“sacanas”). Os sacanas têm dificuldade em manipular pessoas mentalmente independentes (“teimosos”). Por isso, o caminho mais fácil para um sacana é usar os trouxas para silenciar os teimosos. Foi exatamente o que aconteceu no episódio do Covid, de forma espetacular.

      Eu não tenho pretensão nenhuma de penalizar algum trouxa por ter apoiado os sacanas. É a situação de um cachorro que sai mordendo os outros e destruindo tudo: não é intenção do bicho fazer mal, então não é certo bater nele, mas também não dá pra ignorar o estrago. Se for possível educar ele, ótimo. Mas nem sempre é o caso. Às vezes o único jeito é se distanciar.

      Porém, como bem diz o artigo, a comparação com o cachorro não é bem apta. Por mais que a pessoa seja simples, ela deveria ser capaz de enxergar verdades básicas. Como, por exemplo, que é criminosamente imoral lacrar um bar porque o dono abriu para quem quisesse (voluntariamente) tomar umas. E no entanto, quantos de nós não assistimos a pessoas vibrando quando isso acontecia? É possível exonerar um babaca que segue burramente as “otoridades” e o resto do rebanho, quando isso está claramente causando sofrimento e destruição? Eu acho que não. Todas as pessoas, sem exceção, deveriam ter um mínimo de compromisso com a verdade. Quem não consegue nem isso está mais perto de ser cachorro do que ser gente.

  2. …e vale perguntar: de que consiste, na prática, a responsabilidade de um covideiro sincero – aquele que acredita piamente que todos e suas respectivas vovozinhas devem se trancar em casa para evitar o apocalipse? Como alguém pode ser responsabilizado individualmente por ser mais um entre os milhões e milhões de trouxas que viabilizaram a maior farsa da história humana? É impossível. O único jeito de pagar por isso é coletivamente, com a perda de liberdades e de prosperidade.

  3. Me parece que no Ocidente, pelo menos, ainda não chegamos nesse ponto de que “todos sabem que o governo e a mídia estão mentindo”. Ainda tem legiões que se agarram com unhas e dentes à narrativa oficial. Será que na União Soviética de Soljenítsin também era assim? Acho que sempre vão existir aqueles que fecham os olhos até quando a realidade fica pelada na frente deles…

    Eu costumava sentir uma certa pena dessas pessoas antes da instauração da Covidocracia. Esse evento me forçou à conclusão de que elas são parte do problema. Ser vítima de mentiras, estar com medo, etc. realmente não é desculpa para a destruição causada pelos covideiros.