O alto custo da Aparência de Segurança

0
Tempo estimado de leitura: 11 minutos

Antes de minha filha mais nova completar dois anos, ela contraiu a doença da mão-pé-boca em sua creche. A doença da mão-pé-boca é causada por um vírus Coxsackie, é altamente infecciosa e é transmitida pela via fecal-oral, bem como por contato direto. Os sintomas começam com febre alta que dura um ou dois dias, seguida de feridas que aparecem na boca e no corpo. Essas feridas são dolorosas e causam bastante desconforto, dificultando a alimentação da criança. O resultado é muitas vezes uma criança muito irritadiça, o que definitivamente foi o caso da minha filha. Depois de alguns dias, as feridas começam a cicatrizar, mas podem levar algumas semanas para desaparecer.

Mais importante, os indivíduos infectados podem permanecer contagiosos semanas depois, secretando vírus nas fezes. Quem já trabalhou em creche sabe – as fraldas podem se acumular muito rápido e é preciso muito trabalho para manter tudo limpo. Na verdade, é uma tarefa impossível. O que é ainda mais importante é que os trabalhadores de creches também podem espalhar o vírus, mesmo que sejam assintomáticos. Tudo isso sugere que, uma vez que o vírus entre em uma creche, ele se espalhará até que todas as crianças e adultos suscetíveis sejam infectados e se recuperem. Simplesmente não há como pará-lo.

A mortalidade por doença da mão-pé-boca é quase inexistente. Há tão pouca ameaça do vírus, que a melhor estratégia de lidar com ele é simplesmente deixá-lo seguir seu curso.

Mas não foi isso que aconteceu no nosso caso. Fomos informados pela diretora da creche que nossa filha teria que ficar em casa por duas semanas, até que todas as lesões estivessem completamente curadas, “porque ela poderia ser contagiosa”. Durante esse período, esperava-se que minha esposa e eu, ambos com carreira profissional, continuássemos a pagar por uma creche que não usávamos, e teríamos que arrumar outro local para nossa filha que já estava se recuperando e não representava nenhuma ameaça real a ninguém. Quando nos opusemos à política por esses motivos, a diretora me informou que havia contatado o departamento de saúde pública local e que eles concordaram que sua política era válida.

Isso entrou em conflito, não só com o que sabíamos, mas também com o que nossa pediatra nos dissera, que era que nossa filha poderia voltar depois de 24 horas sem febre. Quando ligamos para ela para discutir o que o departamento de saúde pública havia feito, ela entrou em contato com eles para questioná-los mais. Ela disse a eles que estava recomendando o que a Academia Americana de Pediatria recomendava e queria saber por que eles estavam dizendo algo diferente à creche. Ainda assim, o departamento de saúde resistiu, insistindo que eles estavam corretos.

Sendo a pessoa teimosa que sou, fui até seus escritórios para conversar com a própria diretora do departamento de saúde pública do condado. Ela foi muito amigável, mas tão teimosa quanto eu, e eu pude dizer depois de conversar com ela que ela não estava disposta a ceder à decisão deles, apesar do que nossa pediatra e um cientista de doenças infecciosas pudessem pensar, “nós ignoramos os médicos o tempo todo, ” ela disse.

Na época, eu não conseguia entender essa maneira de pensar. Os fatos estavam do meu lado. Por que o departamento de saúde pública concordaria com a diretora da creche, quando suas ações não estavam deixando ninguém mais seguro? Como mencionei antes, manter minha filha em casa não adiantaria nada, o vírus já estava na creche e continuaria se espalhando até que todas as crianças e trabalhadores suscetíveis o adquirissem e se recuperassem, independentemente de ela ficar em casa ou não. Ninguém sofreria consequências graves. Ficaríamos duas semanas fora da creche por nada, e eu não conseguia entender por quê.

A razão não ficaria completamente clara até a pandemia de SARS-CoV-2, três anos depois.

O espaço mais seguro

O sociólogo Frank Furedi escreveu em seu livro Como funciona o medo:

    Embora o risco seja historicamente definido como a exposição à probabilidade de perda, dano ou algum tipo de infortúnio, através de sua atual utilização ampliada tem sido reinterpretado como a possibilidade de tal adversidade. A mudança de significado de probabilidade para possibilidade levou a uma revisão fundamental na conceituação de risco.

Em outras palavras, a importância da mera possibilidade de que algo ruim possa acontecer substituiu a consideração da probabilidade de que isso possa acontecer. Assim, se a probabilidade de algo ruim acontecer é muito baixa, não adianta apontar isso, porque ainda é possível, e você será considerado irresponsável se não apresentar os comportamentos socialmente aceitáveis ​​que irão (na cabeça dos outros) mitigar o risco já baixo para zero (o que, na maioria dos casos, ainda não é possível).

O medo de aceitar o menor risco também é dolorosamente evidente para qualquer pessoa com um filho na rede pública de ensino nos últimos dois anos, antes mesmo da pandemia. Quando eu era criança, minha casa ficava em um beco sem saída suburbano no sopé de uma colina bastante íngreme. No Condado de St. Louis, não enfrentávamos uma tonelada de neve no inverno, mas quando tivemos que enfrentar, a maioria das pessoas não sabia como lidar com isso. E os sedãs de tração traseira que meu pai dirigia no final dos anos 1970 e início dos anos 80 não conseguiam subir aquela colina com neve. Às vezes, o ônibus escolar tinha problemas para entrar e sair do meu bairro montanhoso. Como resultado de nossa localização geográfica, houve momentos em que não pudemos ir à escola, mas outras crianças em diferentes bairros conseguiram. Mas tudo bem, a escola não era suspensa a menos que a neve fosse particularmente severa. Simplesmente inventei a lição de casa que havia perdido.

Não é assim que o mau tempo é tratado hoje em dia. Onde moro em Indiana, o tempo frio ou o nevoeiro resultarão em um atraso escolar de duas horas. A razão dada é que os ônibus escolares são difíceis de dar a partida de manhã quando o vento frio está próximo ou abaixo de zero. Não há explicação por que os ônibus escolares são mais difíceis de dar a partida hoje em dia do que eram trinta anos atrás, ou como os ônibus podem dar a partida em Minnesota ou Iowa (onde morei por seis anos). Outra coisa que notei: quando o tempo está muito frio, muitas vezes é mais frio às 9h do que às 7h. Isso faz com que o tempo de atraso escolar pareça arbitrário.

Quando apontei esses problemas para um funcionário da escola há alguns anos, ele observou que Terre Haute está em uma área em dificuldades econômicas, que qualquer pessoa que mora aqui sabe perfeitamente disso. Ele disse que as crianças aqui muitas vezes não têm roupas de inverno adequadas, e isso tornou “desumano” fazê-las esperar no frio pelo ônibus. Eu disse que seria ótimo que as igrejas locais e outras instituições de caridade iniciassem uma campanha de roupas de inverno para crianças, para que as escolas pudessem fornecer roupas de inverno para crianças cujas famílias talvez não pudessem pagar. Ele respondeu que não achava que isso ajudaria, porque mesmo que fossem fornecidas, “as crianças ainda não as usariam”.

Isso, para mim, indicava o principal problema subjacente. Os funcionários da escola não sabem mais onde sua responsabilidade começa e termina. E como eles operam em uma cultura de segurança cada vez mais extrema, eles intuitivamente entendem que, para eles, A Aparência da Segurança (sim, deve ser com iniciais maiúsculas) é realmente mais importante do que a educação. Assim, a escola atrasa quando está frio, ou até é suspensa quando há cinco centímetros de neve no chão. Às vezes, até mesmo a previsão de neve resulta em cancelamento (como quarta-feira desta semana, por exemplo, quando choveu apenas durante o horário escolar em Terre Haute). Para alguém que viveu em Iowa por alguns anos, isso parece ridículo.

Embora eu tenha certeza de que a cultura de segurança está bem enraizada mesmo nos estados do norte, a vida seria interrompida completamente a cada inverno se as mesmas regras fossem aplicadas. Mas suspeito que em quase todos os lugares o limite para o fechamento de escolas seja muito menor do que era vinte ou trinta anos atrás.

O único argumento contra o fechamento de escolas que pode ganhar força é que, para crianças pobres, a escola é, na verdade, o lugar mais seguro para se estar. Algumas crianças não têm aquecimento adequado em casa. Outras vivem em famílias desfeitas ou com um pai solteiro que é viciado em drogas. O que acontece se uma criança for gravemente ferida em um dia em que poderia estar segura na escola? O distrito escolar é responsável? Usar um argumento de cultura de segurança é a única maneira de combater uma política orientada por cultura de segurança. E mesmo isso não terá impacto até que um distrito escolar seja processado com sucesso em um tribunal.

Não pense que estou atribuindo o problema aos funcionários da escola. Tenho certeza de que muitos deles são boas pessoas apenas tentando fazer seu trabalho. O problema é a própria cultura de segurança. A cultura que incentiva o comportamento de segurança a todo custo. Ela promove uma ignorância do risco, enfatizando as possibilidades acima das probabilidades e a fusão de riscos com perigos. Riscos baseados em uma probabilidade de que um acidente aconteça, versus perigos, algo que é comprovadamente perigoso.

Até o termo “acidente” parece estar caindo em desuso. Porque “acidente” implica que algo infeliz aconteceu que não foi culpa de ninguém. Na cultura de segurança, se algum dano ocorrer a uma pessoa, alguém sempre será o culpado. E quem é o culpado? Se um grupo de pessoas pode ser responsabilizado, são aqueles que questionam a própria cultura de segurança. Aqueles que entendem os riscos e os aceitam como parte diária da vida. Aqueles que ainda entendem que em muitos riscos há uma recompensa que faz esse risco valer a pena. Pessoas como eu.

Uma pandemia em tempos de segurança

Quando as escolas começaram a fechar em resposta aos casos crescentes de COVID-19 em Nova York em março de 2020, era óbvio que o problema não seria a decisão de fechar, o problema real seria quando reabrir. Pouco se sabia sobre o verdadeiro número de pessoas infectadas e a capacidade de teste ainda não havia se expandido para níveis adequados. Todo o mundo teve que enfrentar a dura realidade de que o futuro da pandemia era incognoscível. Esta foi uma pílula amarga de engolir para muitos, especialmente para pessoas de posses que estavam acostumadas a ter amplo controle sobre suas vidas. Elas exigiram recuperar esse controle.

Políticos e autoridades de saúde pública foram pressionados. O público exigia controle sobre algo que não podia ser controlado. Líderes locais, estaduais e nacionais, quer entendessem que não poderiam oferecer maior segurança ou não, começaram a oferecer a próxima melhor coisa: a aparência da segurança. Alguns deles até acreditaram ou se convenceram de que a lista de medidas prescritas (apesar do consenso anterior de saúde pública) e, eventualmente, obrigatórias, realmente tornaria as pessoas significativamente mais seguras, sem quaisquer compensações. Como George Costanza disse uma vez em Seinfeld: “Não é mentira se você acredita nela”.

Um político que não faça nada é considerado absurdamente irresponsável. No entanto, a cada medida tomada para combater o COVID, outra era demandada. Algo mais sempre tinha que ser feito. Cancelar grandes eventos não foi suficiente. Fechar escolas e empresas não foi suficiente. As atividades ao ar livre tiveram que ser interrompidas, mesmo com evidências iniciais de que a transmissão ao ar livre não era significativa. Playgrounds, parques estaduais e trilhas para caminhadas tiveram que ser fechados, e a saúde física e mental geral de crianças e adultos foi ignorada. Porque algo tinha que ser feito, para dar a aparência de se estar fazendo alguma coisa. Pela Aparência de Segurança.

Quando as escolas e empresas finalmente reabriram, as pessoas tiveram que ser convencidas de que a reabertura poderia ser feita com segurança. Personalidades da mídia vomitavam sobre o quão segura seria a reabertura. Redes com tempo livre sobrando o preencheram discutindo todas as medidas que tornariam as coisas mais seguras, se todos fossem forçados a cumprir. As evidências não foram discutidas além da seleção de dados que apoiavam cada medida. Não havia tempo para debate – as pessoas que queriam debater a eficácia ou as compensações de medidas específicas não levavam a sério a segurança, e as que eram “sérias” começaram a abraçar a ideia de que as opiniões de indivíduos não sérios eram na verdade perigos que exigiam desprezo e censura.

Foram necessárias medidas de mitigação para convencer um público aterrorizado de que a abertura poderia ser “segura”. Os decretos de máscara foram implementados e, apesar de décadas de evidências inconclusivas de que poderiam ser eficazes em uma pandemia de vírus respiratório, a falta de evidências permanece até hoje. As empresas cumpriram fielmente, até restaurantes onde era impossível comer com máscara. Não era importante que os clientes tomassem decisões sobre seu próprio nível de risco e agissem de acordo. Todos tinham que agir como ordenado – e a maioria dos empresários percebeu que era importante demonstrar que se importavam com A Aparência da Segurança.

Escolas públicas estavam sob a pressão mais intensa, apesar de evidências claras de que as crianças raramente desenvolviam infecção grave por COVID e as escolas não estavam implicadas como os principais impulsionadores da disseminação da comunidade. Em algumas escolas, os alunos ficavam atrás de barreiras contra respingos destinadas a bloquear grandes gotículas de espirros e tosse, que eram completamente inúteis contra um vírus respiratório que se dissemina no ar.

Foi determinado que o contato de superfície não era uma rota significativa de transmissão do SARS-CoV-2, mas muitas escolas continuaram limpando e higienizando fervorosamente as salas de aula. As crianças foram forçadas a se distanciar socialmente e se considerarem potenciais vetores de doenças. Amigos foram impedidos de qualquer contato físico. As crianças foram segregadas por sala de aula, não sendo permitido brincar com crianças de outras salas, mesmo durante o recreio ao ar livre.

Os bebedouros foram permanentemente desativados. Os sinos dos instrumentos de sopro e metais da escola usados ​​em bandas marciais foram cobertos com referência na modelagem de partículas, com zero dados do mundo real apoiando seu uso, e os músicos usaram máscaras de pano com buracos que não serviam para absolutamente nada, exceto um fragmento de Aparência da Segurança. Mas esse fragmento foi o suficiente.

Os sindicatos de professores intervieram quando os políticos não consideraram suficientemente A Aparência da Segurança dos professores, apesar das evidências de outros países de que os professores tinham um risco médio de COVID em comparação com outras profissões. Como resultado, agências governamentais como o CDC começaram a ceder à pressão de interesses especiais com recomendações destinadas a apaziguar esses interesses. Como acontece com qualquer organização politicamente orientada, a necessidade de fornecer evidências da eficácia de suas políticas recomendadas superou qualquer desejo de avaliação honesta. Os pesquisadores que forneceram evidências da eficácia das medidas de mitigação foram recompensados ​​por meios de comunicação social e de massa flexíveis, aqueles que publicaram ou divulgaram evidências contraditórias ou inconclusivas foram condenados ao ostracismo e censurados.

Organizações comunitárias e igrejas foram fechadas no momento em que eram mais necessárias para ajudar suas comunidades em dificuldades. O canto cessou em dezenas de milhares de igrejas, devido a uma única prática de sala de coral anedota que não aplicava o mesmo risco a todas as instâncias de canto em grandes santuários ou espaços mais ventilados. No entanto, a ideia de permitir que os indivíduos avaliem seu próprio risco e participem de eventos comunitários, mesmo que esses riscos sejam desconhecidos, foi considerada perigosa e irresponsável.

Uma vez que a discussão das possíveis compensações de medidas de mitigação sustentadas – aumento da pobreza, obesidade e abuso de drogas, declínio da saúde mental, diminuição do diagnóstico de câncer e tratamento de doenças agudas e crônicas, aumento do abuso infantil e doméstico e declínio da qualidade da educação – foi desencorajada no início da pandemia, muitos daqueles levemente afetados por essas medidas não conseguiram compreender que consequências negativas poderiam existir, e persistir. Isso tornou muito mais difícil uma discussão séria sobre “rotas de saída” para essas medidas. Cientistas e funcionários da saúde pública tornaram-se vítimas de seu próprio sucesso. Depois de convencer os outros de que forçar crianças a usar máscara era uma panaceia sem desvantagens, é muito improvável que você convença as mesmas pessoas de que “rotas de saída” são necessárias, ou mesmo desejáveis.

O advento e a distribuição em massa das vacinas contra a COVID, antes consideradas a melhor saída para medidas de mitigação, não conseguiram fornecer o fim da pandemia conforme prometido. Devido à incapacidade de prevenir a infecção e transmissão e o potencial de efeitos adversos em populações com baixo risco de COVID grave, o conceito de vacinas SARS-CoV-2 para todos tornou-se tão controverso quanto as medidas “temporárias” que elas pretendiam substituir. Os decretos de vacinas foram promulgados em muitos países com diferentes requisitos específicos de cada nação devido aos ambientes políticos relativos, à força das influências do lobby farmacêutico e à cultura de segurança arraigada de cada país.

À medida que o ônus da prova se deslocou da evidência de sua eficácia e foi mais para a responsabilidade social, o problema dos decretos e restrições voltou a ser quando parar. Políticos e autoridades de saúde pública não podem simplesmente abolir medidas quando tantos cumpriram fielmente todos os decretos e lhe atribuem o crédito por seu aparente sucesso. Não existem outras doenças respiratórias perigosas? O COVID não se tornará sazonal e endêmico, mas ainda matará pessoas vulneráveis? Se o maior risco associado à infecção por COVID em um pequeno número de pessoas é um problema de todos, quando isso deixa de ser um problema de todos?

Infelizmente, esses argumentos não terminarão com a pandemia. As estratégias da cultura de Aparência de Segurança para eliminar os riscos de doenças infecciosas provavelmente vieram para ficar, e as crianças continuarão sendo as mais prejudicadas. Os indivíduos que optaram por falar sobre os danos colaterais da resposta à pandemia continuarão a fazê-lo assinando petições e aparecendo em podcasts, mídias sociais e de massa e escrevendo livros. Mas aqueles que optaram por ficar em silêncio por medo de perseguição podem enfrentar as consequências desse silêncio mais cedo ou mais tarde.

 

 

Artigo original aqui