O que significa um vírus se tornar ‘endêmico’?

0
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Já esquecemos que achatamos a curva para permitir o aumento da capacidade hospitalar. O suposto objetivo das quarentenas não era deter o vírus, mas apenas racionar melhor os recursos médicos.

Já negligenciamos o bom senso adotado pela Declaração de Great Barrington.

Já perdemos a oportunidade que as vacinas nos oferecem para reabilitar a interação social e a economia.

E agora, se deixarmos de reconhecer quando o Covid se torna “endêmico” e seguir em frente, a sociedade ficará presa até 2023.

Mesmo se você colocar a sociedade em quarentena por duas semanas (ou dois meses) – não fará diferença. O Covid não irá embora tão cedo. Na verdade, ele continuará fazendo parte de nossas vidas. Os profissionais médicos estão começando a reconhecer que o Covid provavelmente entrará na lista crescente de doenças endêmicas.

Até Joe Biden falou algo nesse sentido, no que é uma das admissões mais francas de qualquer autoridade eleita nos últimos 10 meses: “Não há nada que possamos fazer para mudar a trajetória da pandemia nos próximos meses.”

Uma doença é considerada endêmica quando é regularmente encontrada entre populações específicas ou em uma determinada área geográfica, e é “constantemente mantida em um nível de linha de base […] sem contribuições externas.” Endemicidade significa previsível e administrável.

A poliomielite era endêmica. A catapora é endêmica em todo o mundo. O HIV é endêmico nos EUA. A ebola é endêmica no Congo, enquanto a malária permanece endêmica em várias partes da África, Ásia e América Latina.

O Covid-19 será o quinto coronavírus humano a eventualmente atingir um estado endêmico. Os outros quatro coronavírus – como os que causam resfriados – oferecem imunidade de curto prazo com duração de cerca de um ano. No entanto, um estudo divulgado recentemente indica que as imunidades contra Covid-19 duram pelo menos 8 meses ou por anos.

Graham F. Medley, da London School of Tropical Hygiene, e a co-autora Anna Vassall diferenciam doenças endêmicas e epidêmicas e descrevem as primeiras como “tipicamente tendo maior mortalidade e morbidade do que doenças endêmicas, devido à falta de experiência clínica e conhecimento, bem como patogenicidade inata.” Quando as doenças emergentes se tornam endêmicas, Medley e Vassal dizem:

    [Elas] se tornam cada vez mais toleradas e o locus de responsabilidade pode mudar para o indivíduo. Em vez de as autoridades públicas detectarem ativamente os casos e subsidiarem a proteção contra riscos, as pessoas podem ser cada vez mais incentivadas a pagar pelos meios para administrar seus próprios riscos e buscar atendimento.

Um colega professor da London School e presidente do Grupo Consultivo Estratégico e Técnico para Riscos Infecciosos da OMS, Dr. David L. Heymann, diz que Covid provavelmente se tornará endêmica – e continuará a sofrer mutação, muito parecido com os coronavírus que já temos e para os quais novas vacinas contra gripe são desenvolvidos a cada ano.

Apesar de numerosas e extensas restrições – incluindo restrições de viagens que impedem a introdução de novos casos, limites de capacidade e proibições em grandes aglomerações para prevenir a transmissão – o Covid tem mantido uma presença constante em muitos países. Covid não é necessariamente ‘hiperendêmica’ com níveis persistentemente altos de ocorrência, conforme descrito neste artigo, mas flutua durante os meses mais frios de forma semelhante à flutuação observada com a gripe.

A presença contínua do Covid – e níveis crescentes de imunidade de rebanho por meio de vacinas e infecções naturais usadas nas definições técnicas estritas de ‘endêmico’ em modelos SIR epidemiológicos – apesar da falta de informações significa que em breve ela deve ser considerado endêmica.

A possibilidade do Covid se tornar endêmico foi reconhecida já em 13 de maio de 2020, pelo Diretor Executivo do Programa de Emergências de Saúde da OMS, Dr. Michael Ryan [em 1.02.06]:

    Acho que é importante colocar isso na mesa: esse vírus pode se tornar apenas mais um vírus endêmico em nossas comunidades. E esse vírus pode nunca ir embora. O HIV não desapareceu, mas chegamos a um acordo com o vírus, e encontramos as terapias e os métodos de prevenção, e as pessoas não se sentem tão assustadas quanto antes. E estamos proporcionando vida – vida longa e saudável – para pessoas com HIV. E não estou comparando as duas doenças, mas acho importante que sejamos realistas. E eu não acho que alguém pode prever quando ou se essa doença irá desaparecer.

Sua resposta ilustra que uma grande parte de uma doença se tornar “endêmica” requer que a sociedade aceite isso. Quanto mais cedo reconhecermos Covid como endêmico, mais cedo poderemos superar essa histeria descontrolada.

Há um problema: o teste. Se continuarmos a tolerar um grande número de falsos positivos, criaremos a ilusão de uma crise contínua, mesmo quando a realidade é outra. Alternativamente, esses números falsos podem nos levar a acreditar que uma doença atingiu um estado endêmico quando ainda não atingiu.

Como o repórter Apoorva Mandavilli do New York Times explicou em agosto, o número de ciclos, o ‘limite do ciclo’ usado para processar os testes de PCR varia. O epidemiologista de Harvard, Dr. Michael Mina, explica que os testes de PCR,

    amplificar o material genético do vírus em ciclos; quanto menos ciclos necessários, maior será a quantidade de vírus, ou carga viral, na amostra. Quanto maior a carga viral, maior a probabilidade de o paciente ser contagioso.

Desde de que surgiu o Covid, a maioria dos testes foi processada em 40 ciclos, alguns chegando a 45 e outros a 37. Mas o número de ciclos usados ​​geralmente é omitido dos resultados fornecidos aos pacientes e médicos. A virologista Juliet Morrison ficou “chocada” com o fato de os resultados de testes com ciclos tão altos terem sido usados ​​para representar um resultado “positivo”. Dra. Mina concordou,

    Testes com limiares tão altos podem detectar não apenas vírus vivos, mas também fragmentos genéticos, restos de infecção que não apresentam nenhum risco particular – semelhante a encontrar um fio de cabelo em uma sala muito depois de uma pessoa sair.

De acordo com o The Times, mesmo o CDC reconheceu no ano passado que, “É extremamente difícil detectar qualquer vírus vivo em uma amostra acima de um limite de 33 ciclos” e declarou que a agência iria colaborar com o FDA sobre medidas de limite “para decisões políticas.”

Essa superabundância de cautela nos testes levou a uma superestimação dez vezes maior dos casos em todo o país: Mandavilli diz que de 45.604 casos talvez apenas 4.500 tenham proporções significativas o suficiente do vírus para serem considerados infecciosos.

Uma revisão no Wadsworth Center (laboratório do estado de Nova York) patrocinado pelo The Times para reexaminar 872 testes positivos que foram previamente processados ​​em um limite de 40 ciclos, descobriu que em um limite inferior de 30 ciclos (uma taxa mais moderada), mais de 60% dos casos não seriam mais considerados positivos. Além disso, sua revisão descobriu que,

    Em três conjuntos de dados de teste que incluem limites de ciclo, compilados por funcionários em Massachusetts, Nova York e Nevada, até 90% das pessoas com teste positivo mal possuíam vírus.

Fornecer informações sobre os limites do ciclo para pacientes e médicos pode melhorar o aconselhamento dado aos indivíduos quanto ao auto-isolamento e reduzir substancialmente a necessidade de rastreamento de contato.

Reduzir os ciclos de limiar de PCR para níveis normais e razoáveis ​​de, digamos, menos de 30 ciclos seria um grande passo para excluir resultados falso-positivos que pegam fragmentos genéticos de vírus mortos. Isso reduziria os números de casos para refletir com mais precisão o número de indivíduos infecciosos na sociedade, bem como o número de mortes com Covid sendo atualmente deturpada como sendo de Covid.

Em comparação com as manchetes do ano anterior, a mídia não seria mais capaz de atuar como uma sirene incitando o medo. Os cidadãos podem se tornar cada vez mais tolerantes com o vírus, e a responsabilidade pelo risco pessoal e as decisões de acesso a cuidados médicos voltarão a pertencer aos indivíduos.

 

Artigo original aqui.