O caminho para o totalitarismo

0

As pessoas podem dizer a si mesmas que não viram para onde as coisas estavam indo nos últimos 17 meses, mas elas viram. Elas viram todos os sinais ao longo do caminho. Os sinais estavam todos escritos em letras grandes e em negrito, alguns deles em letras germânicas de aparência assustadora. Elas leram …

“ESTE É O CAMINHO PARA O TOTALITARISMO.”

Eu não vou mostrar a vocês todos aqueles sinais de novo. Pessoas como eu os têm apontado e lido em voz alta por 17 meses. Qualquer um que saiba alguma coisa sobre a história do totalitarismo, como ele gradualmente transforma a sociedade em uma monstruosa imagem espelhada de si mesma, sabe desde o início o que é o “Novo Normal”, e temos gritado aos quatro ventos sobre isso.

Vimos como o Novo Normal transformou nossas sociedades em distopias paranoicas, patologizadas e autoritárias, onde as pessoas agora têm que mostrar seus “documentos” para ver um filme ou tomar uma xícara de café e exibir publicamente sua conformidade ideológica para entrar em um supermercado e comprar seus mantimentos.

Vimos como o Novo Normal transformou a maioria das massas em multidões histéricas e tomadas pelo ódio que perseguem abertamente “os não vacinados”, os “Untermenschen” oficiais da ideologia do Novo Normal.

Vimos como o Novo Normal fez exatamente o que todos os movimentos totalitários da história fizeram antes dele, exatamente ao pé da letra. Nós apontamos tudo isso, cada passo do caminho. Eu não vou reiterar tudo isso novamente.

Vou, no entanto, documentar onde estamos neste momento e como chegámos até aqui… para que fique registrado, para que as pessoas que lhe dirão mais tarde que “não tinham ideia para onde os trens estavam indo” entendam por que não confiamos mais nelas e por que os consideramos covardes e colaboradores, ou pior.

Sim, isso é duro, mas isso não é um jogo. Não é uma diferença de opinião. O establishment dominante capitalista global está implementando uma nova estrutura de sociedade e método de governo mais abertamente totalitário. Eles estão revogando nossos direitos constitucionais e humanos, transferindo poder de governos soberanos e instituições democráticas para entidades globais irresponsáveis ​​que não têm lealdade a nenhuma nação ou povo.

Isso é o que está acontecendo… agora. Não é um programa de TV. Está realmente acontecendo.

O tempo para as pessoas “acordarem” acabou. Nesse ponto, ou você se junta à luta para preservar o que resta desses direitos e dessa soberania, ou se rende ao “Novo Normal”, ao totalitarismo capitalista global. Eu não poderia me importar menos com o que você acredita sobre o vírus, ou suas variantes mutantes, ou as “vacinas” experimentais. Este não é um argumento abstrato sobre “a ciência”. É uma luta… uma luta política, ideológica. De um lado está a democracia, do outro está o totalitarismo. Escolha a porra de um lado e viva com ele.

De qualquer forma, aqui é onde estamos no momento, e como chegamos aqui, apenas os traços gerais.

É agosto de 2021 e a Alemanha proibiu oficialmente as manifestações contra a ideologia oficial do “Novo Normal”. Outras assembleias públicas, como a demonstração do Christopher Street Day (foto abaixo), uma semana atrás, ainda são permitidas. A proibição da oposição política é uma característica clássica dos sistemas totalitários. É também um movimento clássico das autoridades alemãs, que lhes dará o pretexto de que precisam para lançar os esquadrões de capangas do Novo Normal sobre os manifestantes amanhã.

Na Austrália, os militares foram mobilizados para impor o cumprimento total dos decretos do governo … lockdowns, rituais obrigatórios de obediência pública, etc. Em outras palavras, é de fato a lei marcial. Esta é outra característica clássica dos sistemas totalitários.

Na França, restaurantes e outros estabelecimentos que atenderem “os não vacinados” agora serão presos, assim como, é claro, “os não vacinados”. O bode expiatório, a demonização e a segregação dos “não vacinados” estão acontecendo em países de todo o mundo. A França é apenas um exemplo extremo. A criação de bodes expiatórios, a desumanização e a segregação das minorias – particularmente os oponentes políticos do regime – é outra característica clássica dos sistemas totalitários.

No Reino Unido, Itália, Grécia e vários outros países em todo o mundo, esse sistema pseudo-médico de segregação social também está sendo introduzido, a fim de dividir as sociedades em “pessoas boas” (ou seja, obedientes) e “más” (ou seja, , desobedientes). As “pessoas boas” estão recebendo licença e sendo encorajadas pelas autoridades e pela mídia corporativa a liberar sua raiva sobre os “não vacinados”, exigir que sejamos segregados em campos de internamento, ameaçar abertamente nos assassinar cruelmente. Esta é também uma característica dos sistemas totalitários.

E é aí, meus amigos, onde estamos.

Não chegamos aqui da noite para o dia. Aqui estão apenas alguns dos sinais inconfundíveis ao longo do caminho para o totalitarismo que apontei nos últimos 17 meses.

Junho de 2020… O Novo (Patologizado) Totalitarismo.

Agosto de 2020… A invasão dos novos normais.

Outubro 2020… O culto covidiano.

Novembro de 2020 … Os alemães estão de volta!

Março de 2021… O Novo Normal (Fase 2).

Março de 2021 … A questão dos “não vacinados”.

Maio de 2021… A criminalização da dissidência.

Junho de 2021 … Fabricando a “realidade” nova  normal.

E agora, aqui estamos nós, o lugar para onde estávamos indo o tempo todo, claramente, inequivocamente indo… diretamente para a Tempestade que se aproxima, ou possivelmente para uma guerra civil global. Este não é o fim do caminho para o totalitarismo, mas tenho certeza de que estamos na reta final. Parece que as coisas estão prestes a ficar feias. Muito feias. Extremamente feias. Aqueles de nós que estão lutando para preservar nossos direitos, e alguma aparência básica de democracia, estão em menor número, mas ainda não não fomos vencidos… e há milhões de nós, e estamos bem acordados.

Então escolha um lado, se ainda não o fez. Mas, antes disso, talvez olhe para a história dos sistemas totalitários, que, por algum motivo, nunca parecem estar do lado dos totalitários, pelo menos não a longo prazo. Não sou um filósofo profissional nem nada, mas suspeito que isso possa ter algo a ver com o desejo inextinguível de liberdade de algumas pessoas e nossa vontade de lutar por ela, às vezes até a morte.

Isso meio que parece uma dessas vezes.

Desculpe por falar de “Coração Valente” com você, mas estou me preparando para levar uma surra dos esquadrões de capangas do Novo Normal amanhã, então estou um pouco… você sabe, excessivamente emotivo.

Sério, escolha um lado… agora… ou um lado será escolhido para você.

 

 

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorCuba: a ditadura e a mentira do “embargo”
Próximo artigoVerdade: o único governo que persiste
é um dramaturgo, romancista e satírico político premiado. Suas peças foram produzidas e fizeram turnê em teatros e festivais, incluindo Riverside Studios (Londres), 59E59 Theatres (Nova York), Traverse Theatre (Edimburgo), Belvoir St. Theatre (Sydney), o Du Maurier World Stage Festival (Toronto), Needtheater (Los Angeles), 7 Stages (Atlanta), Festival Fringe de Edimburgo, Adelaide Fringe, Festival de Brighton e Festival Noorderzon (Holanda), entre outros. Seus prêmios de redação incluem o 2002 First of the Scotsman Fringe Firsts, o Scotsman Fringe Firsts em 2002 e 2005 e o 2004 de Melhor peça de Adelaide Fringe. Sua sátira política e comentários foram apresentados no NPR Berlin, no CounterPunch, ColdType, The Unz Review, OffGuardian, ZeroHedge, Dissident Voice, The Greanville Post, ZNet, Black Agenda Report e outras publicações, e foram amplamente traduzidos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.