O maior experimento em humanos da história

3
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Qual é a abordagem mais razoável que uma sociedade pode adotar no início de uma epidemia:

  1. Isolar doentes e tomar precauções razoáveis ​​para impedir que aqueles que são identificados como vulneráveis ​​contraiam a doença.
  2. Tentar “controlar o vírus” evitando que milhões de pessoas saudáveis ​​tenham contato com outras pessoas saudáveis.

Para qualquer sociedade anterior a 2020, seria óbvio que a primeira abordagem não é apenas lógica e proporcional, mas a menos provável de ter outras consequências indesejadas e altamente destrutivas. No entanto, para meu espanto contínuo, muitos em nossa sociedade não apenas acreditam que a resposta é a segunda, mas de alguma forma acreditam que ela se baseia na ciência estabelecida.

Agora eu entendo que muitos dos que apoiam lockdown e “quarentenas” de saudáveis farão objeções à minha caracterização de sua posição. Eles dirão que é deliberadamente enganoso, visto que fala sobre pessoas saudáveis ​​e não menciona os doentes. Tais objeções se baseiam, no entanto, neste fato inegável: quarentenas são, por sua natureza, uma abordagem totalmente não direcionada e indiscriminada para uma questão de saúde, e a proibição por lei de milhões de pessoas saudáveis ​​de terem contato com outras pessoas saudáveis ​​é uma característica, não é uma falha de uma política que não foi experimentada e testada antes de ser implementada pela primeira vez pelo Partido Comunista Chinês em janeiro do ano passado, e depois copiada por muitos governos ao redor do mundo.

Por alguma razão, muitos quarentenistas parecem pensar que a responsabilidade recai sobre os oponentes da quarentena em refutar sua posição. Mas, como o Dr. Malcolm Kendrick aponta em seu excelente artigo A querentena funciona ou não, isso é o oposto de como as coisas deveriam funcionar:

    O ponto de partida, para qualquer hipótese científica, é os proponentes refutarem a hipótese nula. Exigir que aqueles que acreditam que algo pode não funcionar provem que não funciona, é virar o método científico de cabeça para baixo. Você nunca pode provar uma negativa.

Mesmo assim, ele continua apontando que a maioria dos países com o maior número de mortes por milhão são aqueles que tiveram quarentenas bastante rigorosas e, portanto, os dados até agora certamente não mostram que as quarentenas são eficazes, mesmo em seus próprios termos. Claro, a Lógica Covidiana sempre tem uma resposta para isso, que é que essas quarentenas não eram quarentenas reais. Eram muito poucas, muito atrasadas, muito brandas, muito fracas, muito curtas, muito lenientes, muito roxas ou algo assim! Mas eles nunca podem estar errados. Baixas taxas de mortalidade mostram que elas funcionam. As altas taxas de mortalidade mostram que elas teriam funcionado se as pessoas não fossem más.

Mas o ponto principal que desejo enfatizar é que elas não são algo que foi proposto, estudado ou testado antes, mas uma prática inteiramente nova, imposta ao mundo pela primeira vez em 2020. O que isso significa? Isso significa que elas são um experimento em tempo real. Isso significa que nossa sociedade (junto com muitas outras) foi, durante o último ano, e continuará sendo no futuro previsível, sujeita a uma experiência. Na verdade, o maior experimento psicológico, social e já realizado.

Quando eu uso esse tipo de linguagem, tendo a encontrar a seguinte resposta jocosa: “Então, você está dizendo que é tudo uma grande conspiração? Quem é o mestre das marionetes então?” Mas isso simplesmente desvia do ponto principal. Não precisa de algum Lorde das Trevas sentado no topo de tudo isso para que seja considerado um experimento, embora deva ser dito que gente como o Professor Schwab parece realmente ansioso em se apresentar como um ótimo candidato ao cargo de Lorde das Trevas. Não, é simplesmente por definição um experimento psicológico, social e econômico pela própria natureza do fato de que a quarentena em massa e o mascaramento em massa de milhões de pessoas, que não podem deixar de mudar a psicologia, a sociedade e a economia, são métodos não experimentados e não testados, com base apenas em hipóteses e não em dados concretos. Na verdade, os dados ainda estão chegando desse enorme experimento, mas, como diz o Dr. Kendrick, não parece bom para a hipótese:

    … Eu concluiria que os estudos observacionais – até agora – falharam em refutar a hipótese nula. Na verdade, as evidências até este ponto poderiam sugerir que as quarentenas podem aumentar a taxa de mortalidade. Em suma, eu tentaria formular outra ideia.

Mas a experimentação psicológica, social e econômica não é de forma alguma o fim disso. Agora passamos para a experimentação médica, ou seja, a aplicação das chamadas “vacinas” em milhões de pessoas (assim chamadas porque não impedem que as pessoas contraiam o vírus, e ainda não se sabe se impedem a transmissão).

Incrivelmente, se você olhar para o Pfizer BioNTech SE Clinical Study Trial no banco de dados da National Library of Medicine Clinical Trials dos EUA, notará algo muito estranho, que é a data estimada de conclusão do estudo em 31 de janeiro de 2023. Isto é:

    … a data em que o último participante de um estudo clínico foi examinado ou recebeu uma intervenção/tratamento para coletar dados finais para as medidas de desfecho primário, segundo várias medidas de resultados e eventos adversos.

Em outras palavras, os efeitos colaterais de médio a longo prazo deste produto não podem ser conhecidos, porque o estudo ainda está em andamento. Resumindo, como o professor Sucharit Bhakdi aponta nesta excelente entrevista (assista logo antes que os censuradores do YouTube a apaguem) é o seguinte: cada pessoa que agora recebe essas injeções é efetivamente uma cobaia involuntária no maior experimento médico já executado de todos os tempos, tendo sido solicitados a dar o seu consentimento para receberem um produto injetado no seu organismo sem terem sido devidamente informados sobre o status do produto.

Simplificando, nem aqueles que administram essas injeções nem aqueles que os recebem podem ter qualquer ideia das consequências potenciais de médio a longo prazo dessas coisas, porque as empresas que as produzem não concluíram os estudos sobre elas. E não, não é um sinal de um antivacina estar profundamente preocupado com isso (eu não sou um); é apenas sinal de ter as próprias faculdades críticas em funcionamento e de se preocupar com o que está sendo feito às pessoas – é chamado de Amar o próximo como a si mesmo.

Em resumo, tanto as quarentenas quanto as “vacinas” são essencialmente um experimento em massa na humanidade. As consequências de médio a longo prazo de ambos são totalmente desconhecidas. As gerações futuras ficarão maravilhadas com a forma como as autoridades foram capazes de fazer isso, mas ficarão ainda mais maravilhadas com a forma como milhões de pessoas consentiram sem pensar muito. Nada disso pode ser um bom presságio. Precisamos ser humildes e prestar atenção ao que estamos fazendo, ou permitindo que nos seja feito, o mais rápido possível.

 

Artigo original aqui.

3 COMENTÁRIOS

  1. “Mas, a quarentena não foi feito certo, tinha que ser assim, assado” Essa desculpa é a mesma do socialismo que não deu certo. É o mesmo cavalo de troia, mas de cor roxa.

    Existe uma imensidão de tipos de quarentena, como também de socialismo, por isso a questão, não é qual grau ou tipo é o correto a ser feito, mas é que a quarentena e o socialismo são abomináveis.

  2. A questão sobre as teorias da conspiração são contraproducentes, da mesma maneira que não se pode “provar” que o estado não foi “criado” pelos homens bons do mundo preocupados com o sono um dos outros, já que não existiam câmeras de segurança filmando os ladrões e saqueadores que são a origem do governo, é impossível estabelecer uma linha precisa entre o burocrata chinês que sugeriu a quarentena em Whuan com a ditadura mundial do coronga. São fatos consumados.

    O autor diz corretamente que quarentenas nunca foram utilizadas desta forma, mas tem muita gente que acredita que uso já aconteceu no passado, e com eficiência! Tem um liberalóide randiano, que diz que há 600 anos quarentenas são utilizadas para evitar a transmissão da peste. É um canalha que influencia muita aloprado, já que ele sanciona o lockdown com base em navio que tinham que ficar 40 dias atracados antes que qualquer tripulante pudesse desembarcar. Ou seja estrangeiros impedidos de desembarcar torna-se igual a trancar toda a população do prórpio país em casa.

    Não deixa de ser curioso observar que a lógica dos estatista e seus apoiadores segue o mesmo padrão dos genocidas que tentam passar pano nos crimes do comunismo:

    “Claro, a Lógica Covidiana sempre tem uma resposta para isso, que é que essas quarentenas não eram quarentenas reais. Eram muito poucas, muito atrasadas, muito brandas, muito fracas, muito curtas, muito lenientes, muito roxas ou algo assim!”

    Isso é exatamente o que dizem as cortesãs do aparelho ideológico da gangue de ladrões em larga escala estatal sobre as ditaduras comunistas: “ah, mas aquilo não era comunismo de verdade”. Chega a ser patético. São falácias propostas para enganar.

    E tem mais:

    “Baixas taxas de mortalidade mostram que elas funcionam. As altas taxas de mortalidade mostram que elas teriam funcionado se as pessoas não fossem más.”

    Isso pode ser comparado com uma certa justiça que perseguia bruxas no passado. Para determinar a culpa da pobre infeliz, a mulher suspeita era amarrada à uma pedra e atirada no rio: se ela morresse afogada, era inocente. Se boiasse na água, era culpada, pois estaria usando um encantamento. Assim iria para a fogueira. Ou seja, a máfia estatal determina se ele mesmo é bom ou ruim de acordo com a quantidade de pessoas que ele consegue matar.

    A parte em que o autor descreve a aplicação das vacinas é outra questão bastante triste no que já estava ruim. E novamente, esse experimento é apoiado e implorado por milhões de covidiotas. Quando eu vejo um idoso sendo vacinado isso realmente me deixa triste, pois isso é quase que uma eutanásia, ainda que sem provas:

    “nem aqueles que administram essas injeções nem aqueles que os recebem podem ter qualquer ideia das consequências potenciais de médio a longo prazo dessas coisas, porque as empresas que as produzem não concluíram os estudos sobre elas”

    Na incerteza, devemos sempre superestimar os riscos, ou seja, eu aceito tranquilamente a hipótese do estado, aliado aos interesses especiais do complexo industrial farmacêutico estar praticando assassassinato em massa. Quando eu vejo a indignação das pessoas com os “fura-filas”, eu já acho que políticos, professores, polícia e cobradores de impostos deveriam serem vacinados antes de todo mundo, e com doses extras para ganrantir.

    As pessoas não entendem que a ineficiência do estado leviatã é uma aliada do humanidade, e não um problema. São as diferentes capacidades do governo em impor a sua, é que fazem com que os indivíduos ainda tenham alguma chance de sobreviver. Alguém calculou que Israel tem a capacidade de vacinar a sua população 11 vezes mais rápida que o Brasil. Não preciso nem dizer que o Brasil ainda tem salvação, e Israel não. Qual brasileiro já não está pensando em arranjara um passaporte da vacina falsificado?

    No final, os efeitos deste que é sem dúvida, o maior golpe político de todos os tempos, seja talvez o declínio da civilização, algo que já vem acontecendo desde a quebra do padrão-ouro e introdução da moeda fiduciária. O que os comunistas, nazistas e todas as guerras comandas pelos estatistas fizeram nem se compara a isso.