O mito da “reforma” tributária

2
Tempo estimado de leitura: 16 minutos

Todos concordarão que o sistema tributário do país é uma bagunça. Os impostos são muito altos e o sistema emaranhado é tão complicado que mesmo os funcionários da Receita Federal não o entendem. Daí a necessidade evidente de algum tipo de reforma dramática, até drástica. Como sempre acontece, um grupo de reformadores dedicados e determinados surgiu para satisfazer essa necessidade. Mas antes de aceitarmos este novo evangelho, devemos prestar atenção à velha máxima sobre ir de mal a pior, e também lembrar a advertência do grande HL Mencken, que definiu “reforma” como “Essencialmente uma conspiração de tenazes charlatões para despojar o contribuinte.” E devemos também ter em mente que todos os atos do governo, por mais dignos que pareçam, acabam não resolvendo problemas e apenas piorando as coisas.

Trabalhando dentro da realidade tributária atual, os planos dos reformadores são variados e mudam quase diariamente, à medida que enfrentam pressões políticas conflitantes. Mas sejam eles Kemp-Kasten, Bradley-Gephardt, o plano do Tesouro do outono de 1984 (Regan ou Reagan I) ou o plano final de Reagan da primavera de 1985 (Reagan II), há um objetivo comum e aparentemente simples: que cada pessoa ou grupo deve pagar o mesmo imposto proporcional sobre sua renda líquida, e que todas as deduções, isenções e proteções sejam abolidas em nome deste imposto proporcional uniforme (um “imposto único sem isenções”).

Os reformadores tributários que propõe o imposto único têm muito em comum com ideólogos militantes com os quais nos familiarizamos muito no século XX. Em primeiro lugar, eles são igualitários neste caso, presumindo que seja pecaminoso ou pelo menos grosseiramente “injusto” que qualquer pessoa ou grupo escape da foice do grande imposto uniforme. Em segundo lugar, e junto com este igualitarismo, eles assumem de forma brusca e senhorial que somente eles representam e incorporam o “interesse geral”, e que todas as objeções a um imposto único uniforme podem ser rapidamente descartadas como os resmungos egoístas de “especial interesses.” Não parece importar se os “interesses especiais” abrangem a maior parte da população; eles devem ser postos de lado sem cerimônia para alcançar o paraíso do imposto único. O fato de a maior parte do ímpeto para essa e outras reformas vir de economistas acadêmicos coloca a cereja no topo do bolo de impostos. Idealistas acadêmicos sempre estiveram acostumados a colocar de lado os interesses e preocupações de todos os outros como mesquinhos e “especiais”, enquanto falam automaticamente pelos interesses maiores da humanidade. Na melhor das hipóteses, os reformadores arrogantemente negligenciam a enorme quantidade de dano e dor que infligirão no curso de sua grandiosa reforma.

Um exemplo: o imposto único imporia uma enorme quantidade de danos e prejuízos a cada proprietário. Em sua sabedoria, os defensores do imposto único decidiram que a dedução dos pagamentos de juros sobre sua hipoteca é um “subsídio” concedido pelo sistema tributário e que seu verdadeiro lucro líquido não permitiria tal dedução. Eles também concluíram que o proprietário desinformado também desfruta de outro “subsídio” do governo: não tributar seu “aluguel imputado”; ou seja, a quantia que ele teria que pagar de aluguel se estivesse alugando a casa em vez de possuí-la. Um dos muitos problemas com a última proposta é que o pobre proprietário nunca consegue pagar seus impostos “imputados”; não, seus impostos teriam que ser pagos em dinheiro, embora sua renda seja “psíquica” e não ganha em dinheiro. Mas continuamos. Um terceiro golpe para o proprietário seria a insistência do taxador em eliminar as deduções fiscais federais para impostos estaduais e locais, a maioria dos quais são impostos sobre a propriedade de uma casa. Assim, temos um aumento de impostos de três vezes infligido ao proprietário, e o efeito desse golpe um-dois-três seria uma redução permanente do valor de mercado da casa de alguém, que consiste no valor presente dos retornos futuros esperados de a casa.

Estas são apenas algumas das muitas consequências graves e danos que decorreriam das medidas dos reformadores. Mas os reformadores literalmente não se importam; nenhuma dor (quase invariavelmente sofrida por outros) deve ser permitida para bloquear ou atrasar a realização rápida de sua utopia. Quaisquer alterações são apenas concessões relutantes à feroz resistência dos “interesses especiais” ao advento da Nova Jerusalém dos proponentes do imposto único. Assim, o plano Regan de outono de 1984 (Reagan I), propunha aumentar drasticamente o imposto sobre ganhos de capital, em direção ao ideal de elevá-lo ao nível preciso do imposto de renda, e também sugeria uma redução acentuada das deduções ao esgotamento do petróleo. Grande resistência foi oferecida ao plano por investidores de capital de risco, que seriam particularmente esmagados por um alto imposto sobre ganhos de capital e pelos interesses do petróleo igualmente prejudicados, sempre considerados sinistros na imaginação popular. Como resultado, os reformadores foram forçados a abandonar esses dois aspectos de seu Grande Plano em Reagan II. Mas a longo prazo, esses recuos forçados não são importantes; seu objetivo – um imposto único e uniforme – sempre permanece o mesmo.

Mas por que esse plano é tão grandioso? Tão vitalmente importante que nossas dores e sofrimentos devem ser tratados como nada? Aqui, os reformadores oferecem poucos argumentos. Basicamente, suas razões se resumem a duas: seu sistema tributário seria simples (você poderia calcular seu imposto em um cartão postal) e, acima de tudo, seria justo.

O argumento da simplicidade

Pagar seus impostos, afirmam os reformadores, seria a mais pura simplicidade. Chega de trabalho árduo tentando descobrir o que está acontecendo, chega de contratar advogados tributários ou contadores. Mas a doce simplicidade do argumento pode ser descartada muito rapidamente. Em primeiro lugar, qualquer pessoa que queira simplicidade pode tê-la agora, usando a forma curta E-Z, e ​​dois terços dos americanos o fazem atualmente. Portanto, a pergunta a fazer é: por que um terço de nós escolhe a complexidade sofrendo por muitas horas com formas complexas, e por que contratamos advogados e contadores caros para nos ajudar? Certamente, não porque amamos a complexidade e as despesas por si mesmas, mas porque acreditamos que há coisas na vida piores do que a complexidade, e uma delas é pagar mais impostos! Estamos dispostos a sofrer com alguma complexidade para reduzir parte de nossa monstruosa carga tributária. E ao eliminar nossas deduções, isenções, proteções e assim por diante, os reformadores estão impondo simplicidade compulsória contra nossos desejos. Eles são verdadeiramente o que o grande historiador suíço do século XIX, Jacob Burckhardt, disse dos intelectuais estatistas de sua época, “simplificadores terríveis”.

Mas a piada é sobre nós, pois o sistema dos reformadores não seria de forma alguma simples. Ainda teríamos que passar por um labirinto complexo e tenebroso. Pois a chave para os proponentes do imposto único é que o imposto proporcional uniforme deve ser cobrado sobre todo o lucro líquido. Mas o que é lucro líquido? As respostas estão longe de ser simples e bons argumentos podem ser encontrados em ambos os lados. O fato interessante e crucial é que, em cada um desses argumentos, os proponentes do imposto único invariavelmente se vêm contra o contribuinte atormentado e a favor de entregar cada vez mais de nossa renda e ativos para a mandíbula gananciosa do Estado Leviatã tributário.

Então, “ganhos de capital” seriam rendimentos? Os reformadores dizem que sim, e pedem que seja tributada na mesma medida que a renda ordinária. A Europa Ocidental não desceu pelo ralo econômico em parte porque seus impostos sobre ganhos de capital sempre foram muito mais baixos do que seus impostos sobre a renda, mas esse fato não conta e não pode contar no duro cálculo de nossos reformadores. Os ganhos de capital devem ser tributados à medida que são acumulados em nossos livros ou apenas quando são realizados em dinheiro? Mais uma vez, os reformadores optam pelo acúmulo, apoderando-se de nossos ativos mais cedo e sem se importar com nosso problema de pagar impostos em dinheiro, enquanto nossos “ganhos” só se acumularam em nossa psique ou no papel. As perdas em nossas proteções fiscais são falsas ou devem ser tratadas como perdas reais para amortizar nossa receita? Os reformadores insistem que são falsas e que, portanto, devem ser desconsideradas quando nossos impostos são estimados. Mas quem pode dizer isso? Quem pode dizer que se eu comprar uma fazenda de cavalos na Virgínia e sofrer prejuízos, que sejam perdas que recebo para reduzir meus impostos? Quem está equipado para examinar meu coração e minha mente e descobrir se essas perdas são “genuínas” ou não? E desde quando a Receita Federal adquiriu poderes ocultos, junto com o resto de seu arsenal totalitário?

E a querida instituição americana do almoço dos longos almoços executivos? Reformadores, de Carter a Reagan, tentaram esmagar esse almoço e alegar que essas despesas não são genuínas ou valiosas. O rendimento líquido é obtido deduzindo os custos do rendimento bruto. Mas estes almoços são um custo “genuíno” dos negócios ou são uma forma furtiva de obter renda que não está sujeita a impostos? Quem sabe? Quem sabe quantos negócios genuínos, se houver, são conduzidos nesses almoços? Mais uma vez, os reformadores sabem! E eles sabem que essas deduções podem ser eliminadas.

E aí está o problema da corporação. Corporações são entidades. Sua renda deve ser tributada à mesma taxa que a renda pessoal? Os economistas passaram a reconhecer que não existe nenhum ser vivo chamado corporação. O imposto de renda corporativo é um imposto duplo sobre os acionistas, primeiro como uma “corporação” e, em seguida, sobre sua renda pessoal. Mas enquanto os economistas têm pedido cada vez mais a abolição do imposto sobre as sociedades, os reformadores decidiram em sua sabedoria que, uma vez que a renda de todas as entidades deve ser tributada uniformemente, o imposto de renda das sociedades deve ser incluído e até mesmo aumentado, se necessário, para ser tributado da mesma forma.

Nenhum desses argumentos é simples, mas é instrutivo que, em todos os casos, os reformadores optaram ferozmente pela inclusão de todas essas rendas ou ativos na categoria de tributação. Seu viés a favor de impostos, impostos e mais impostos deve estar claro agora.

O argumento da justiça

O principal argumento dos proponentes do imposto único é que é a “Justiça” que exige uma marcha rápida e forçada em direção ao seu ideal. Em nome da “Justiça” quase qualquer custo vale a pena. Mas é estranho que esse argumento ético venha de uma profissão (economistas acadêmicos) que fizeram carreira proclamando em voz alta que todas as suas doutrinas são “ciência sem juízo de valor” que nada têm a ver com ética. Então, quando eles se tornaram especialistas em ética? Na verdade, o argumento da justiça é geralmente e alegremente assumido como verdadeiro, após o qual os reformadores podem denunciar alegremente cada resistente a impostos mais altos ou mais amplos como personificações de sinistros interesses “especiais”.

Um argumento sustenta que a justiça exige que todos paguem sua parte igual nos “serviços” do governo. Deixemos de lado por um momento o ponto certamente importante de que esses “serviços” são frequentemente questionáveis, são excessivamente caros e às vezes significam que o contribuinte é forçado a pagar por seu próprio controle e opressão. Desde quando a “justiça” exige que todos paguem a mesma proporção de sua renda por um bem ou serviço? Misturado ao argumento pela justiça está a visão de que o governo não deve fazer nada para penalizar uma indústria ou ocupação, ou subsidiar outra. Esse argumento de neutralidade para o mercado coloca sobre os proponentes do imposto único um disfarce de adeptos militantes da livre iniciativa. Isso parece admirável, mas por que isso implica que todos deveriam pagar a mesma proporção de sua renda? Quando David Rockefeller e eu compramos um pão delicioso no supermercado, cada um de nós paga o mesmo preço; ninguém está lá para inspecionar nossas receitas anuais e cobrar uma multa proporcional. Ninguém obriga Rockefeller a pagar US$ 1.000 por um pão delicioso, só porque sua renda é mil vezes a do próximo homem na fila. O livre mercado tende a preços uniformes e iguais para cada produto; um preço para todos, seja qual for a raça, credo, classe, cor ou renda dessa pessoa. Por que de repente seria diferente para os impostos? Em suma, uma mudança silenciosa, mas muito importante, foi feita aqui no conceito de “igualdade”, mudou de preço igual e uniforme para todos no livre mercado, para proporção igual à renda nas mãos dos proponentes do imposto único.

“Subsídio” verdadeiro e falso

No cerne das premissas de justiça e neutra-para-o-mercado dos proponentes do imposto único está seu desejo expresso de eliminar subsídios, que são considerados nocivos e não neutros para o livre mercado. O problema aqui é um equívoco sobre o termo “subsídio”. É certamente verdade que nosso sistema tributário e orçamentário está repleto de subsídios, propriamente definidos como tributar um grupo de pessoas para encher o bolso de outro ou roubar Pedro para pagar Paulo. Se você ou eu somos tributados para subsidiar produtores de tabaco, construtores de rodovias, empreiteiros ou beneficiários da previdência, então esses são de fato subsídios, casos em que pessoas produtivas estão sendo roubadas pelo governo para apoiar grupos que funcionam, na verdade, como parasitas dos produtores. São subsídios que devem ser eliminados imediatamente. Mas e quanto a, digamos, deduções para pagamento de juros sobre hipotecas, créditos fiscais para investimento ou deduções para pagamento de impostos estaduais e locais? Em que sentido são “subsídios”? Em vez disso, o que realmente está acontecendo aqui é que algumas pessoas – proprietários, investidores ou contribuintes estaduais e locais – são graciosamente autorizados pelo governo a ficar com mais de seu próprio dinheiro do que ficariam de outra forma. Afirmo que ter permissão para ficar com mais do seu dinheiro arduamente ganho não é um subsídio em nenhum sentido verdadeiro; simplesmente significa que você está sendo tosquiado com menos intensidade do que teria sido. Se um ladrão o assalta na estrada e está prestes a fugir com todos os seus recursos, e você o persuade a deixá-lo ficar com uma passagem de ônibus, ele está “subsidiando” você? Certamente não. A permissão para ficar com o seu próprio dinheiro dificilmente pode ser chamada de subsídio.

Agora somos capazes de ver através de dois sentidos muito diferentes do conceito de “interesse especial”. É bem verdade que o plantador de tabaco ou o empreiteiro rodoviário que exige avidamente os fundos do governo têm interesses especiais dedicados agressivamente a espoliar o contribuinte. Mas o investidor, ou o proprietário da casa, ou o capitalista de risco, ou quem quer que seja, que faz lobby para ser capaz de manter “mais de seu próprio dinheiro é um “interesse especial” em um sentido muito diferente. Eles resistem empenhados a defender seus próprios direitos e ativos contra ataques do governo. Eles podem ser “especiais”, mas estão, quer saibam ou não, empenhados no nobre esforço de defender os direitos e as liberdades de todos nós contra a agressão e a depredação.

Ao se concentrar nos defensores de suas propriedades e direitos como supostos requerentes de subsídios, os proponentes do imposto único estão se engajando em uma estratégia de “dividir para conquistar”. Os reformadores assumiram um movimento crescente de rebelião, ressentimento e clamor por impostos mais baixos e dividiram as forças pagadores de impostos, encorajando um grupo de nós a tentar identificar e perseguir o outro grupo. Os proponentes do imposto único conseguiram mudar o foco da discussão de “impostos mais baixos para todos” para a proposição: “Se você quer que seus impostos sejam mais baixos, encontre e confisque os ativos dessas pessoas más cujos impostos são ‘injustamente’ baixos.” O foco passa a ser aumentar os impostos do outro cara em vez de diminuir os seus e os de todos os outros. Infelizmente, essa manobra inteligente dos proponentes de altos impostos parece estar funcionando.

Os proponentes do imposto único gostam de proclamar que seu plano é “neutro em termos de receita”, ou seja, a carga tributária geral não mudará. A redução de alguns impostos sobre os grupos de renda mais alta, então, deve ser compensada “ampliando a base” ou estendendo a carga tributária a mais pessoas e fontes de renda. Mas quem pode garantir que, uma vez que a base seja ampliada e mais fontes de renda sejam colocadas sob o controle do governo, ele não seguirá suas tendências naturais e mais uma vez aumentará os impostos para todos?

O que é uma brecha?

É irônico que o slogan “feche as brechas”, que costumava ser uma marca registrada do progressismo de esquerda, agora tenha sido adotado pelo governo Reagan e pelos proponentes do imposto único. O grande economista de livre mercado Ludwig von Mises certa vez se levantou em uma conferência sobre tributação que dedicava muita energia para eliminar as brechas fiscais e fez a pergunta crucial: “O que é uma brecha?” Ele respondeu que o pressuposto dos teóricos da brecha parecia ser que toda a renda de todos realmente pertence ao governo e que, se o governo deixar de tributá-la totalmente, está deixando uma “brecha” que deve ser fechada. A mesma cobrança se aplica às deduções, isenções, créditos e todas as outras brechas de um imposto único tão condenados por nossos reformadores tributários.

Vamos agora considerar a difícil questão de acabar com a dedutibilidade de impostos estaduais e locais – um ponto vital para nossos reformadores – porque acabar com a dedutibilidade proporcionará uma grande bonança para nossos coletores de impostos federais. Os proponentes do imposto único argumentam que, ao permitir deduções, os cidadãos de cidades e estados com impostos baixos estão “subsidiando” os cidadãos de estados com impostos elevados e que o fim das deduções colocará todas as regiões em um plano de justiça e uniformidade. O governador Mario Cuomo, em nome dos cidadãos notoriamente oprimidos de impostos de Nova York, aceitou a cobrança de subsídio e, em seguida, jogou-a de volta com eloquência aos críticos de Nova York, perguntando, com efeito: “O que há de errado com um subsídio? Você é contra os cidadãos de Nova York que subsidiam os produtores de tabaco na Carolina do Norte ou que subsidiam empreiteiros de rodovias em Iowa?” Como um raro defensor consistente do progressismo de esquerda, Cuomo foi capaz de revelar a hipocrisia daqueles cujos ataques aos subsídios habitualmente sofrem de um padrão duplo (ou triplo) conveniente. Sendo um progressista de esquerda, Cuomo não estava capacitado para dar um passo além – para sair do gigantesco sistema de subsídios e fazer a pergunta crucial: os cidadãos de Iowa estão realmente subsidiando os nova-iorquinos sob dedutibilidade? Ou os nova-iorquinos oprimidos e cruelmente tributados estão sendo poupados de serem duplamente tributados sobre sua própria renda? O nova-iorquino médio não é responsável por seus altos impostos; ele sofre de relutantemente com os mais altos impostos sobre vendas, renda e propriedade do país. Por que ele deveria sofrer mais do que o iowano médio? O que há de tão “justo” nisso?

Os defensores no governo Reagan do fim da dedutibilidade oferecem um argumento pragmático ou estratégico em resposta. Se você tributar os nova-iorquinos mais alto, eliminando as deduções, eles aumentarão e reduzirão os impostos estaduais e municipais de Nova York para o nível inferior de Iowa. Esse é o velho argumento do quanto-pior-melhor que, infelizmente, além de ser estratégico e não moral, nunca parece funcionar. Um dos principais argumentos para introduzir o imposto de renda no início do século XX era que agora, em contraste com a tarifa indireta, todos sentiriam diretamente esse imposto e, portanto, o público protestaria para manter os impostos baixos. Obviamente, não funcionou assim. Em vez disso, mantivemos e aumentamos as tarifas, exploramos uma nova fonte de impostos e a elevamos a proporções gigantescas e paralisantes.

“Justiça”: Igualdade de escravidão

Uma maneira dramática de olhar para o nosso sistema tributário em relação à questão do subsídio ou justiça é supor por um momento que estamos em 1850 e que surge a questão no Norte sobre o que deveria ser feito com os escravos que conseguiram escapar do Sul. Suponhamos que ambos os lados de um debate crescente sejam ardentemente a favor da liberdade e se oponham à escravidão. O Grupo A saúda a fuga dos escravos e defende sua libertação. Mas o Grupo B argumenta o seguinte:

    É claro que somos tão ardorosos defensores da liberdade dos escravos quanto o povo do Grupo A. Mas acreditamos que é injusto que um grupo de escravos escape, enquanto o restante de seus irmãos e irmãs permanecem na escravidão. Portanto, sustentamos que esses fugitivos devem ser enviados de volta à escravidão até que todos os escravos possam ser libertados juntos e simultaneamente.

O que pensaríamos de tal argumento? Chamar isso de especioso seria um eufemismo gentil. Mas eu proponho que os que acreditam no livre mercado estão argumentando exatamente da mesma maneira quando dizem que todos os impostos devem ser uniformes e todas as deduções ou isenções fiscais específicas devem ser canceladas até que os impostos de todos possam ser reduzidos uniformemente. Em ambos os casos, os igualitários estão argumentando não por liberdade igual, mas por escravidão igual ou roubo igual em nome da “justiça”. Em ambos os casos, a refutação sustenta que a escravidão ou pilhagem de um grupo não pode de forma alguma justificar a escravidão ou pilhagem de outro, seja em nome da justiça, equidade ou o que quer que seja.

O argumento para a má alocação de recursos

O argumento mais sofisticado dos reformadores do imposto único é que as deduções, isenções e brechas distorcem a alocação de recursos daquela que seria no livre mercado e, portanto, devem ser abolidas. Isso é parte integrante do argumento da neutralidade em relação ao mercado e é particularmente insidioso, porque faz com que os reformadores pareçam ser defensores do livre mercado dedicados e versados. Tomemos, por exemplo, dois créditos ou deduções: um crédito fiscal de investimento e um crédito de energia. Os reformadores argumentam que o resultado do “subsídio” dos créditos tributários é que mais recursos estão indo para investimento ou energia, e menos para outras áreas, do que iriam no livre mercado, e que, portanto, esses créditos devem ser eliminados.

É verdade que mais recursos agora estão indo para investimento, energia e uma série de outras áreas do que em um sistema de mercado puramente livre. Mas os reformadores omitem um ponto crucial: qual é a alternativa? Se o investimento, energia ou outros créditos ou deduções forem abolidos, os recursos não irão automaticamente para áreas mais produtivas; em vez disso, eles vão para o governo, por meio de impostos mais altos. Em suma, as alternativas aos créditos de energia não são apenas Energia ou Todos os Outros Consumos e Investimentos. São três: Energia, Outras Formas de Despesa, e Governo. E um imposto mais alto será simplesmente desperdiçado, jogado no bueiro dos gastos improdutivos e perdulários do governo. Em suma, não há desperdício – nenhuma alocação incorreta – que se iguale ao governo; qualquer outra coisa seria uma melhoria.

O caminho para sair da bagunça

As conclusões para políticas que fluem de nossa análise são diametralmente opostas às dos proponentes do imposto único. Ao olhar para a história da reforma e para os argumentos dos proponentes do imposto único, é quase capaz de simpatizarmos com Richard L. Doernberg, professor de direito na Emory University, que lava as mãos e conclui que “Temos um sistema péssimo; melhor não mexer nele ou vai piorar.” Doernberg insiste que o código tributário atual, por pior que seja, deve permanecer exatamente do jeito que está para sempre, para que pelo menos as pessoas conheçam a partitura e sejam capazes de planejar em torno de suas disposições.

Mas podemos fazer melhor do que isso. Temos que olhar de forma diferente para a tributação. Temos que parar de olhar para os impostos como um sistema poderoso para alcançar objetivos sociais, que apenas precisa ser tornado “justo” e racional para dar início à utopia. Temos que começar a ver a tributação como um vasto sistema de roubo e opressão, pelo qual algumas pessoas podem viver de forma coercitiva e parasitária às custas de outras. Devemos perceber que, do ponto de vista da justiça ou da prosperidade econômica, quanto menos as pessoas forem tributadas, melhor. É por isso que devemos nos alegrar a cada nova brecha, novo crédito, nova manifestação da economia “clandestina”. A União Soviética só pode produzir ou trabalhar na medida em que os indivíduos eram capazes de evitar a miríade de controles, impostos e regulamentações. O mesmo é verdade para a maioria dos países do Terceiro Mundo, e o mesmo é cada vez mais verdade para nós. Toda atividade econômica que escapa aos impostos e controles não é apenas um golpe para a liberdade e os direitos de propriedade; é também mais um exemplo de um fluxo livre de energia produtiva saindo da repressão parasitária.

É por isso que devemos dar as boas-vindas a cada nova brecha, proteção, crédito ou isenção e trabalhar, não para eliminá-los, mas para expandi-los para incluir todos os outros, incluindo nós mesmos.

Se, então, o padrão para uma reforma adequada é reduzir todo e qualquer imposto o máximo possível, como os serviços do governo podem ser fornecidos? Para responder, devemos examinar com atenção os serviços do governo. São “serviços” ou personificações da repressão? Ou são “serviços”, na melhor das hipóteses, que ninguém realmente deseja? E se forem serviços genuínos, não seriam fornecidos de forma mais eficiente, bem como voluntariamente, pela iniciativa privada? E se nossos amigos reformadores tributários estão tão preocupados com o livre mercado, não deveriam eles responder a esta pergunta: por que não enfatizar a privatização e, assim, reduzir/eliminar drasticamente os serviços do governo? Isso não seria realmente neutro e consistente com o livre mercado? Como explicamos o fato de que, se voltarmos aos primeiros anos de nossa nação, o nível de gastos e impostos do governo – mesmo ajustados pela inflação e pelo crescimento da população – era enormemente menor, em todos os níveis de jurisdição, do que é hoje? E ainda assim a República sobreviveu, e até floresceu.

Devemos, em suma, superar o estratagema favorito dos reformadores tributários de neutralidade de receita. Por que a receita total deve permanecer a mesma? Em vez disso, deve ser baixada drasticamente e tanto quanto possível.

Voltamos agora à velha questão da “justiça”: se sobraram impostos ou gastos do governo após nossos cortes drásticos, como os impostos restantes deveriam ser cobrados? Aqui reabrimos o ponto de que a justiça é a aproximação mais perto possível da neutralidade em relação ao livre mercado. Um método seria taxas de usuário, de modo que apenas usuários diretos paguem por um serviço e não haja coerção extra para não usuários. Quanto ao resto, devemos nos basear no sistema de livre mercado de um preço por um bem ou serviço. Podemos então sugerir um sistema não de imposto de renda proporcional igual, mas de imposto igual, ponto final. Este é o antigo sistema do “imposto por cabeça”, em que cada cidadão paga uma quantia igual a cada ano ao governo, em pagamento por quaisquer serviços que possam ter sido conferidos a ele pela existência do governo durante aquele ano. A abolição do imposto de renda significaria o fim da espionagem e vigilância da Receita Federal, bem como a eliminação de vastas distorções econômicas e opressão causadas pelo sistema; o fim dos impostos sobre vendas e propriedades também seria um grande benefício para a liberdade e a prosperidade de todos.

Teríamos assim, e somente assim, um sistema tributário que verdadeiramente, e finalmente, cumprisse os objetivos proclamados de nossos reformadores proponentes do imposto único. Pois aqui haveria um sistema que seria verdadeiramente simples, verdadeiramente justo e genuinamente neutro para o livre mercado. Na falta dessa meta, poderíamos nos contentar temporariamente com a interessante variante do ex-congressista Ron Paul (R-TX) da proposta de imposto único: reduzir todas as alíquotas de imposto de renda para 10%, enquanto, ao mesmo tempo, manter todas as deduções, créditos e isenções existentes. O princípio deve ser claro: apoiar todas as reduções de impostos, sejam elas menores alíquotas ou ampliação das isenções e deduções; e se opor a todos os aumentos de tarifas ou reduções de isenção. Em suma, procurar, em todas as instâncias, remover ao máximo a praga da tributação. Aqui está uma reforma, pelo menos, que não poderia se enquadrar na definição de Mencken de um complô para prejudicar o contribuinte.

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS

  1. Texto importante a ser lido em época de reforma tributária no Brasil. Pena que a tradução seja um pouco truncada e torna difícil de entender algumas passagens desse texto longo e instrutivo. Nosso amigo do Ancapsu já alertava dos perigos de se fazer reformas tributárias hahaha Vai sempre ir na direção de aumento de impostos e não o contrário. O jeito mesmo, pelo que vejo, é ir pra contra economia ao invés de gastar tempo em jogo político, aliás o próprio Rothbard teve que dar o braço a torcer nisso quando ele sai do partido libertário desiludido com o uso da política.