O legado duradouro de Carl Menger

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Carl Menger (23 de fevereiro de 1840 a 26 de fevereiro de 1921) é o fundador da Escola Austríaca de Economia. Ele é geralmente reconhecido na economia por sua contribuição para o desenvolvimento do conceito de utilidade marginal e como um pioneiro da teoria do valor subjetivo. Especificamente para a economia austríaca, ele lançou as bases com suas perspectivas sobre o uso do conhecimento e da previsão, a importância dos preços relativos, o papel do tempo e o papel do surgimento espontâneo das instituições sociais. Menger fornece uma perspectiva consistente da economia e oferece uma exposição coerente das complexidades da inter-relação entre bens, valor, troca e preços.

Contexto

Menger define economia como a ciência da escolha individual. Seu método de investigação é baseado na lógica dedutiva como um instrumento para trazer à luz a estrutura oculta no material empírico disponível. Joseph Salerno caracteriza a metodologia de Menger como “análise causal realista”.

Em seu ensaio sobre Carl Menger, Friedrich von Hayek aponta que, na época em que Menger escreveu, o progresso na teoria econômica havia estagnado na Inglaterra, enquanto na Alemanha a segunda geração de economistas históricos dominava o campo. Esses estudiosos alemães ignoravam a teoria econômica e consideravam a teoria uma especulação inútil e possivelmente até prejudicial (p. Vii).

No entanto, a tradição econômica alemã exerceu influência sobre Menger na medida em que muitos economistas continentais (como na Itália e na França) permaneceram conscientes das contradições inerentes à determinação dos preços pelos custos de produção com base na teoria do valor-trabalho. Afinal, houve Hermann Heinrich Gossen (1810-58), que formulou o princípio da utilidade marginal em seu volumoso tratado, embora tenha passado despercebido nos círculos acadêmicos quando foi publicado. Em seu livro de 1854 (traduzido para o inglês como As Leis das Relações Humanas e as Regras da Ação Humana Derivadas Dela [1983]), Gossen formulou a lei econômica de diminuir as utilidades marginais na avaliação dos bens relevantes para a tomada de decisões. Gossen também foi pioneiro na lei de que o equilíbrio exige que a razão entre a utilidade marginal e o preço seja igual para todos os bens em consideração, um teorema que se tornou padrão na microeconomia moderna em sua formulação matemática.

Teoria do Valor

Em seus Princípios de Economia Política (1871), Menger explica que as pessoas negociam porque ambos os lados ganham com a troca. As pessoas atribuem avaliações diferentes ao mesmo bem específico. Portanto, na troca voluntária de bens, os equivalentes não mudam de mãos, mas ambas as partes estão em melhor situação do que antes. O valor é subjetivo. Seu grau muda com as condições do indivíduo. A diminuição da utilidade marginal significa que mais do mesmo bem diminui o valor de cada unidade do bem.

Embora Menger não tenha cunhado o termo “utilidade marginal”, que foi introduzido posteriormente por Friedrich Wieser, o conceito foi desenvolvido por Menger como a magnitude da importância que um agente econômico atribui à satisfação menos importante que ele ainda pode assegurar por uma única unidade da quantidade disponível da mercadoria (Grundsätze der Volkswirtschaftslehr, pp. 87, 99). Uma unidade de água para saciar a sede tem uma classificação mais elevada do que a unidade de água usada para lavar as mãos. No entanto, quando existe água suficiente para satisfazer plenamente a necessidade de lavar as mãos, a unidade de água para beber não tem mais valor do que a mesma unidade de água para lavar as mãos.

As principais contribuições de Menger, conforme elaboradas em seus Princípios de Economia Política, incluem a explicação da base subjetiva do valor econômico e que as relações de troca representam a base dos preços relativos. Menger elaborou os princípios da teoria da utilidade e rejeitou as teorias do valor do custo de produção conforme foram desenvolvidas pelos economistas clássicos e usadas por Karl Marx em sua teoria da exploração.

Bem ciente dessas teorias, Menger expõe seu princípio de utilidade marginal como a avaliação subjetiva dos bens dependendo do número de unidades do bem que estão ao alcance de um indivíduo. A utilidade marginal diminui e, portanto, a satisfação que a unidade menos valiosa do bem proporciona para um indivíduo determina o valor dos bens que satisfazem as preferências mais altas na tabela de classificação dessa pessoa.

Ação Econômica

O início da investigação da relação causal entre as necessidades humanas e a disponibilidade dos meios de sua satisfação levou Menger a distinguir entre bens de primeira ordem, segunda ordem e ordens superiores de bens. Os bens de primeira ordem servem para consumo imediato, enquanto os bens de ordem superior servem para produzir os bens de primeira ordem. Com o conceito de complementaridade de bens, Menger nos alerta para os problemas de tempo e incerteza.

A melhoria é o motivador da ação econômica. Segundo Menger, o objetivo da atividade econômica de um indivíduo é melhorar suas condições. O desenvolvimento, no sentido de melhoria das circunstâncias econômicas pessoais, ocorre quando o nível de bem-estar dos indivíduos aumenta. Para isso, a produção dos chamados bens de ordem superior é o principal meio. Os bens de primeira ordem servem diretamente para o consumo, enquanto os bens de ordens superiores servem para a produção dos bens de primeira ordem. Esses bens de produção não têm utilidade direta, mas derivam da utilidade dos bens finais.

O progresso econômico ocorre por meio do aumento do conhecimento humano, da redução dos custos de transação e da disponibilidade de economias. Assim, a extensão dos mercados livres é a chave para o desenvolvimento, junto com a ação empresarial voltada para encontrar as melhores maneiras de criar e lidar com o edifício dos bens de ordem superior – a estrutura de capital. A prosperidade depende de quão bem a economia gera conhecimento e quão efetivamente a aplicação das novas percepções pode ser realizada. O critério do progresso não é a acumulação de cada vez mais bens, mas a satisfação das necessidades subjetivas dos indivíduos em todo o seu âmbito, o que incluiria também o lazer e os bens imateriais.

Troca e preço

No contexto de bens de ordens superiores, Menger elabora o princípio da imputação, que diz que os bens de produção têm uma utilidade derivada que reside na utilidade que os indivíduos atribuem aos bens finais que são produzidos com a ajuda dos bens de ordem superior ( Grundsätze, pp. 138-42).

O conceito de “utilidade derivada” também se aplica ao trabalho. O trabalho tem valor, mas resulta da utilidade que contribui para o bem final. Nesse sentido, o trabalho é um bem de ordem superior que está presente em todas as etapas do processo produtivo. Em cada estágio, o valor do trabalho é derivado de (ou “imputado”, como o termo foi cunhado por Friedrich Wieser, a ele por) sua contribuição para o produto final.

Menger também rejeita a ideia de que os preços sejam um dos aspectos mais importantes da economia ou mesmo sua característica mais importante. Os preços são “acidentais”, explica Menger, porque o que conta são as relações de troca subjacentes. Esses valores de troca, por sua vez, são determinados pelas avaliações subjetivas dos atores econômicos individuais. Os preços surgem como reflexos dos valores subjetivos dos participantes individuais em uma troca.

Utilizando o conceito de “mercadoria” como um bem que se destina a ser vendido no mercado, Menger destaca os diferentes graus de vendabilidade dos bens. Dado que alguns bens específicos têm um grau excepcionalmente alto de vendabilidade, o que significa que são geralmente aceitos nas trocas, Menger chega à explicação do surgimento do dinheiro em uma economia.

O dinheiro não é produto de um acordo privado ou oficial, muito menos de um ato legislativo. O dinheiro não é uma invenção. O dinheiro passou a ser usado quanto mais as pessoas percebiam que seus objetivos econômicos eram promovidos com mais rapidez em uma troca, aceitando bens com maior comercialização. O dinheiro é o resultado das atividades econômicas humanas.

Menger ressalta que o dinheiro é uma ferramenta para facilitar as trocas e, como tal, não serve como padrão e reserva de valor. O dinheiro não é uma régua de medição. A base da troca não é o comércio de iguais, mas a estimativa inversa dos parceiros comerciais quanto ao valor dos bens trocados. Os preços têm significado apenas como preços relativos, como expressão das relações de troca.

Legado

Muitas das percepções de Menger hoje em dia fazem parte da economia padrão. Muitas mais são preservadas na distinta Escola Austríaca de Economia. Isso se aplica particularmente às noções de previsão e o papel da incerteza, que são fundamentais para a atividade econômica na perspectiva de Menger.

Apesar de seu amplo escopo, os Princípios de Economia Política não incluem toda a gama de tópicos que Carl Menger queria cobrir. De acordo com Hayek (p. Xi), Menger tinha planos de entregar mais três volumes. A segunda parte do projeto era tratar “juros, salários, aluguel, renda, crédito e papel-moeda”, a terceira parte era para cobrir a produção e o comércio, enquanto a quarta parte era para discutir e criticar o sistema econômico existente e fazer propostas para a sua reforma. Provavelmente distraído pelo “Methodenstreit“, Menger não executou seus planos originais e, portanto, deixou muito ainda a fazer para as gerações seguintes de economistas. O trabalho original de Menger está repleto de percepções profundas. Ele é corretamente citado como o único fundador da Escola Austríaca de Economia.

 

Esta é a parte final da série sobre os Princípios de Economia Política de Carl Menger (1871). As partes anteriores cobriram a exposição de bens e economia de Menger e suas explicações de valor, troca e preço. Esta edição final oferece um resumo do contexto teórico da obra-prima de Menger.

Artigo original aqui.

 

Leia também:

Carl Menger explica a natureza dos bens.

Qual é o propósito da economia? Carl Menger explica.

Carl Menger explica o valor

Usar bens ou trocá-los: Menger explica a diferença

De onde vêm os preços: Menger explica