Os distúrbios são apenas a versão mais recente do “sindicalismo” marxista

1
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

O ano de 2020 é um dos mais turbulentos, pelo menos desde a última metade do século passado até hoje, ou mais. Protestos e revoltas globais, o vírus covid-19, quarentenas e assassinatos de cidadãos desarmados pela polícia. Acrescente a isso tumultos generalizados, saques, incêndios criminosos, falta de moradia e destruição de propriedade, incluindo a demolição de estátuas. Esse caos nas ruas está sendo facilitado por prefeitos, governadores e chefes de polícia que não estão dispostos a fazer cumprir a lei.

O grande Ludwig von Mises incluiu uma discussão sobre “sindicalismo” no capítulo 33 de seu Ação Humana – um tratado de economia. A maioria das pessoas nunca ouviu ou leu sobre esse conceito, mas é altamente relevante para a situação em que nos encontramos hoje. A análise de Mises é ainda mais importante para compreender e corrigir alguns dos problemas mais importantes que enfrentamos hoje. Em geral, eu defino sindicalismo como ser capaz de fazer o que quiser às custas dos outros.

Em parte, representa as ideias do filósofo francês Georges Sorel, que pensava que a violência implacável deveria ser usada contra as instituições do capitalismo. Isso incluiria a “greve geral” tão familiar na Europa até hoje. Isso está em contraste direto com a troca mutuamente benéfica e a cooperação social da divisão do trabalho. Suas idéias tiveram influência entre os marxistas, fascistas, nazistas e defensores do sindicalismo.

Um capítulo chave do Ação Humana de Mises

Quando tentei ler Ação Humana pela primeira vez, achei extremamente difícil. Acabei pulando capítulos inteiros e lendo outros sem entender o material. O Capítulo 33 é um bom exemplo disso. Hoje, ler o livro é muito mais fácil, porque agora temos coisas como o Human Action Podcast, do Jeff Deist, que agora contém uma série de entrevistas sobre o livro, e o Guia de Estudo do Ação Humana: Um Tratado de Economia de Robert Murphy.

Na década de 1990, ministrei um curso de economia austríaca na Auburn University, um curso avançado de graduação. Foi listado no catálogo ao lado das aulas de econometria e economia matemática. Passei as aulas revisando capítulos, mas o aspecto mais difícil foi tentar relacionar as palavras e conceitos de Mises aos eventos atuais. Devido a limitações de tempo, nunca abordei o capítulo 33.

Avance para tempos mais recentes. O Seminário de Pós-Graduação Rothbard analisa o Ação Humana a cada poucos anos junto com Man, Economy, and State de Rothbard e outras seleções durante outros anos. Sempre fui designado para ensinar uma seção de capítulos no final do livro, que inclui o capítulo 33. Mais uma vez, devido às limitações de tempo e minha percepção de sua relevância, decidi pular o capítulo. Ou seja, até este ano.

O que é sindicalismo?

Então, o que é sindicalismo? O sindicalismo político é uma ação revolucionária violenta direta contra as instituições do capitalismo, como as forças de segurança, a propriedade, especialmente a propriedade comercial e o Estado de Direito. Essa abordagem é frequentemente adotada por marxistas, socialistas e fascistas como meio de obter poder. Na raiz do caos e da agitação em nossas ruas está uma tentativa de desorganizar a sociedade e tomar mais controle dela por marxistas, socialistas e “anarquistas”.

O erro fundamental que o sindicalismo comete é pensar que os empresários e capitalistas são “autocratas irresponsáveis” livres para perseguir sua agenda pessoal. A realidade é que os líderes empresariais devem seguir os interesses dos consumidores a fim de promover seu interesse próprio em obter lucros. Eles têm que encontrar preços corretos, níveis de produção e meios de produção corretos. Essas coisas são determinadas por empreendedores com vários tipos de feedback do mercado.

Os motins, saques e violência contra as pessoas e suas propriedades são motivados principalmente para alcançar os ideais marxistas por meio da atividade sindicalista (ou seja, violência). Aqueles que empregam esses meios incluem Antifa, Black Lives Matter e especialmente os “provocadores anarquistas” que habilmente transformam protestos pacíficos em distúrbios violentos. Claro, também há alguma violência à direita, parte da qual eu testemunhei no campus da Auburn University. Mas em ambos os casos, com prefeitos, governadores e chefes de polícia restringindo e até mesmo desestabilizando a polícia, a violência muitas vezes não é controlada.

O outro tipo de sindicalismo

Este uso da palavra “sindicalismo” não deve ser confundido com o mais conhecido sindicalismo como sistema social, que é uma alternativa ao planejamento central socialista. Este sistema, em teoria, daria aos trabalhadores o controle sobre as indústrias em que trabalham. Eles tomariam as decisões sobre coisas que os empresários decidem no mercado, como salários, benefícios, horas, produção, etc. Os trabalhadores podem fazer o que quiserem às custas dos outros. Mas se todos estão aumentando seus preços e reduzindo a produção, como alguém pode ganhar com o acordo? Ambas as formas de sindicalismo repousam, em última análise, nas noções marxistas de que empresários e capitalistas exploram o trabalho e não têm um propósito real que valha a pena recompensar. Obviamente, cada setor desejaria salários mais altos, preços mais altos, jornadas de trabalho mais curtas e isso resultaria em produção mais baixa. Os preços das matérias-primas aumentam e são repassados ​​às indústrias de bens de consumo, que devem repassar esses aumentos ao consumidor junto com seus próprios aumentos. Isso acontece em toda a economia. Como resultado, a produção despenca e os preços se desviam dos preços de mercado. A “economia” entraria em colapso se o sindicalismo fosse tentado em toda a economia.

A democracia não oferece uma solução

Com a democracia, o voto e as opções militares improváveis ​​ou viáveis, uma opção individualista deve ser desenvolvida para resolver o problema. As pessoas estão se armando de várias maneiras. Elas estão usando vários dispositivos de segurança, como câmeras e portas mais fortes. Os comércios estão contratando empresas de segurança e protegendo vitrines. Outros estão simplesmente se mudando das cidades para os subúrbios ou mias longe. Não espere que o governo resolva o problema, embora mais secessionismo e descentralização certamente ajudem.