Passaportes Vacinais: o meio é a mensagem

0

Quando o conceito de certificados de vacina começou a agradar a certos segmentos do público meses atrás, os oponentes perspicazmente invocaram Orwell em resposta ao que veio a ser chamado de “passaportes de liberdade”, “passes verdes” ou outros nomes bonitos.

O intelectual público que me veio à mente, porém, foi Marshall McLuhan.

McLuhan cunhou sua famosa máxima, “O meio é a mensagem”, em Os meios de comunicação como extensão do homem, de 1964, que se tornou uma espécie de bíblia para uma subcultura de nerds e beatniks em idade universitária que estavam se adaptando a uma nova era dominada pela comunicação de massa.

McLuhan não estava focado apenas nos efeitos da mídia tradicional. Sua teoria da mídia começa com as mensagens transmitidas por objetos do cotidiano. Ele explicou como a mensagem de um meio se estende além de seu conteúdo – um jardim em frente a uma casa pode ter flores como conteúdo, mas sua mensagem pode ser: “Pessoas respeitáveis ​​moram aqui.”

Olhe os cartões em sua carteira. O que eles dizem? A carteira de motorista tem conteúdo, mas em certos ambientes diz: “Eu sou maior de idade e posso beber”. Um cartão de crédito platinum tem números e cores como seu conteúdo, mas pode transmitir uma mensagem mais poderosa do que uma carteira de motorista – poderia dizer à pessoa que o está servindo para tratá-lo com respeito.

Da mesma forma, um certificado de vacina tem um conteúdo simples, mas com mensagens maiores e mais potentes. Os usuários dirão que esses objetos simplesmente dizem: “Estou seguro”. Ao argumentar que os não-vacinados são tolos, egoístas, estúpidos, libertários ou de direita, muitos portadores de passaportes provavelmente esperam, em algum nível semiconsciente, que o certificado também transmita sua inteligência, ética e tendências políticas – que diz: “Eu fiz a coisa certa, portanto, eu mereço entrar.” Se isso não descreve você, se você está usando seu passe com relutância, há outras pessoas que veem seu passe e também o deles de maneira muito diferente.

Isso é o que tornou os certificados de vacinas tão incendiários. Eles contêm mensagens de superioridade social e moral que vêm inflamando tensões, conflitos, acrimônia e violência ocasional em todas as nações ocidentais.

Como esses certificados estavam se preparando para sua estreia no Canadá em agosto passado, presumi que afirmar minha oposição em uma postagem no Facebook não seria tão polêmico. Mas se alguém em minha lista de cerca de 280 amigos me apoiou, eles permaneceram em silêncio, enquanto outros se manifestaram fortemente contra. Um conhecido que trabalha para uma ONG socialista não entendia como o direito de entrar em lojas e restaurantes pode ser considerado uma liberdade civil.

Todos nós conhecemos os argumentos agora, e não é preciso muito para adivinhar o que mais foi dito naquele tópico específico do Facebook. As comparações com carteiras de motoristas e leis de cinto de segurança, a necessidade de varrer a Covid da face da Terra e assim por diante. Foi minha primeira exposição ao que se tornou familiar para qualquer um que argumenta contra os passes e decretos vacinais – o debate circular no qual o argumento ostensivo de saúde pública, quando mostrado como reacionário e sem apoio científico, se transforma em um apelo à punição e ao ostracismo. “Se essas pessoas não fizerem a coisa certa para a sociedade, elas não merecem os mesmos privilégios diários que eu.” Quando questionado se essa punição vai longe demais, o argumento volta à posição derrotada da saúde pública: “Eu mereço estar seguro no meu local de trabalho”, apesar de ter sido totalmente vacinado.

Mas é sempre a “punição” que os proponentes do passaporte de vacina recorrem: “Sua vacina protege você dos não-vacinados.” Sim, mas posso pegar uma infecção invasiva. “Mas as chances de uma infecção levar você ao hospital são astronomicamente baixas.” Sim, mas eu poderia transmiti-lo a uma pessoa imunocomprometida. “Como você admite, as pessoas vacinadas podem carregar e transmitir o vírus. Portanto, o passaporte de vacina não está trazendo nenhum benefício.” Olha, essas pessoas são direitistas anticientíficos. Elas são negligentes e egoístas. Se elas não querem a vacina, então problema delas.

Isso mostra que agora estamos certificando a moralidade, talvez uma inovação histórica. Também estamos fazendo outra coisa que as sociedades modernas nunca praticaram: exigir que um produto seja consumido em vez de restringido. Quer você acredite ou não que isso seja para um propósito necessário, devemos admitir essas verdades e que nunca teríamos tolerado tais práticas até alguns meses atrás.

Os certificados de vacinas, sem dúvida, responsabilizam um grupo de pessoas por não chegar à mesma conclusão moral de outro. Aceitemos por um momento a posição de que temos duas opções de sociedades: uma sendo o mundo de hospitais superlotados e profissionais de saúde esgotados; o outro, um mundo de conflito onde todos, desde garçons de restaurantes a empregadores, políticos e policiais, estão expulsando pessoas de lanchonetes, demitindo trabalhadores, enviando pessoas para campos de segregação, jogando gás lacrimogêneo e quebrando crânios de manifestantes contrários aos decretos, onde milhões de amizades e relações familiares são fragmentadas por discussões em que apenas um lado é considerado válido e justo.

Nenhum dos dois mundos é desejável, mas existem aqueles que legitimamente arriscariam a Porta n.º 1 para evitar a Porta n.º 2, incluindo muitos médicos e profissionais de saúde.

Ainda há outros que argumentariam que os profissionais de saúde aceitaram um emprego em que hospitais superlotados são uma ocorrência regular e ocasionais pandemias severas eram esperadas. Os proponentes do passaporte vacinal mostraram suas verdadeiras intenções ao aceitar alegremente as demissões de centenas de milhares de médicos, enfermeiras e outros profissionais de saúde não-vacinados em meio a uma crise de saúde sem precedentes. Se tivermos o luxo de escolher quais trabalhadores são “seguros” para conviver com pacientes que estão vacinados ou já infectados com Covid, então talvez este argumento sobre os não-vacinados estarem colapsando de nossos sistemas de saúde – que uma vez achei convincente – não seja tão sério quanto está sendo declarado.

Quanto às minhas liberdades, não fui vacinado para participar de um programa formal de bode expiatório que levou a uma sociedade artificialmente mais violenta, agressiva e polarizada. Uma pessoa que usa um passaporte vacinal deve agora viver em relação moral com os não-vacinados, uma ansiedade imposta que em si é uma estranha perda de liberdade psicológica (a menos que o pensamento seja perversamente apreciado). Da mesma forma, minha decisão autônoma de fazer minha parte pela sociedade é invalidada por um documento que, no mínimo, adiciona um aborrecimento burocrático à minha vida e, no máximo, força a concordância com um princípio que desprezo – tornar alvos visíveis uma minoria de cidadãos.

Se as vacinas são seguras ou não ou vale a pena correr o risco, não é o ponto. Tenho minhas próprias opiniões sobre a variedade de vacinas Covid disponíveis em todo o mundo e estou convencido pela literatura científica que mostra certos níveis de danos ocasionais a grupos específicos de pessoas. Eu escolhi aquela com o qual me senti mais confortável devido à minha idade, sexo e estado de saúde. Mas como tenho o direito de recusar certas vacinas da Covid em favor da marca em que confio, seria um hipócrita dizer que outra pessoa não tem o direito de desconfiar da marca que tomei, ou de qualquer outra.

Eu gostaria de pensar que a ética não pode ser ditada ao indivíduo, mas como descobrimos, isso está sendo feito agora. Lembre-se de que pessoas não-vacinadas não estão infringindo nenhuma lei, razão pela qual os cumpridores dos certificados de vacina devem agir como árbitros extrajudiciais e fiscalizadores. Para entender esse ponto, uma pessoa que dirige sem carteira seria tratada pela polícia, não intimidada e moralizada por outros motoristas; sonegadores teriam que lidar com a Receita, e não teriam seu empregador forçado a demiti-los sem julgamento. Os não-vacinados estão tendo seus problemas julgados no tribunal da opinião pública e sendo condenados por seus vizinhos.

A intenção original do sistema de certificação era manter os não-vacinados longe da padaria ou da piscina pública, o que já era ruim, mas as crescentes punições agora incluem rescisão do contrato de trabalho, e alguns países como Áustria e Alemanha passaram a considerar multas e prisão para forçar o consumo de um produto que muitos consideram inseguro.

Embora países como o Reino Unido, os EUA ou o Canadá possam não ter chegado a tais extremos (ainda?), não é difícil ver como os certificados nesses lugares poderiam ser estendidos a contas bancárias, renovações de carteira de motorista, prêmios de seguro residencial ou aluguel de apartamento. Impossível, você diz? Onde estamos agora era considerado impossível há um ano, impensável há dois anos.

Desde o início deste programa, nenhuma consideração foi dada a como a confiança e a adoção da vacina poderiam ser encorajadas sem coerção, ou se os passaportes e decretos estão resultando em taxas de vacinação não muito diferentes do que ocorreria voluntariamente. Muitos pesquisadores em ciências sociais disseram que os certificados da Covid podem ter o efeito oposto ao pretendido, e isso pode ser atribuído ao fato de que as pessoas se ressentem de que seus princípios morais sejam ditados a elas.

Assim como McLuhan disse que “o meio é a mensagem”, também é verdade que “os passaportes são o ponto”. O objetivo era apenas ostensivamente aumentar as taxas de vacinação e reduzir os encargos com a saúde, mas o meio do passaporte vacinal contém mensagens que intoxicam grandes segmentos da população. Ter o certificado de vacina e exibi-lo várias vezes ao dia permite ao portador demonstrar virtude e superioridade moral para com sua comunidade. Essa certificação de “supremacia ética” é o que permitiu ao público aceitar a estigmatização e cada vez mais punições extrajudiciais de uma minoria recém-identificada.

Outra mensagem mcLuhanesca do passaporte vacinal é que a vacina é a única ferramenta para superar a pandemia. Como tal, eu questionaria a moralidade de uma sociedade que ignora opções de prevenção e tratamento para aqueles que suspeitam das vacinas Covid de “nova tecnologia”, mas estão dispostos a tomar outras vacinas.

Por exemplo, as vacinas contra a gripe e a vacina contra o sarampo, caxumba e rubéola demonstraram reduzir significativamente os efeitos da Covid e reduzir as hospitalizações, assim como o uso diário de aspirina em baixas doses. Essas opções nunca foram discutidas ou incentivadas como alternativas para aqueles que desconfiam das vacinas da Covid. Tampouco houve qualquer esforço significativo para promover a saúde e a boa forma como modo de manter o sistema imunológico em forma e pronto para lutar contra as doenças, como tem sido comum nas campanhas governamentais de promoção da saúde em tempos não-pandêmicos.

Da mesma forma, o público e a mídia em geral não aderiram ao movimento da terapia com anticorpos monoclonais com o mesmo fervor da vacinação. Embora a fabricação e a distribuição sejam as barreiras atuais para a aceitação global deste produto, o fornecimento existente é, no entanto, suprimido por bloqueios burocráticos e uma falta de vontade por parte da liderança ocidental em priorizar esta opção altamente eficaz para derrotar Covid.

Eu poderia continuar. O resultado final é que as sociedades com passaportes vacinais parecem querer que os não-vacinados permaneçam vulneráveis, adoeçam e fiquem visivelmente hospitalizados, em vez de permanecerem saudáveis ​​sem terem tomado uma vacina Covid.

Esse estado de coisas permite que os defensores dos passaportes vacinais mantenham a documentação de superioridade moral, embora seja a fixação em uma seleção limitada de marcas de vacinas, com exclusão de outras opções de tratamento e prevenção, que por si só poderiam ser julgadas imorais. No entanto, a moralidade de aceitar uma ampla variedade de opções de tratamento e prevenção não pode ser facilmente documentada, pois não há um ritual médico único a ser submetido.

Alguns governos e órgãos políticos têm se posicionado contra os certificados de vacinas por uma questão de princípios. O Japão rejeitou abertamente o conceito, com seu ministério da saúde aconselhando sem rodeios seus cidadãos e empresas a “não discriminar aqueles que não foram vacinados”, enquanto o Partido Liberal Democrático Britânico afirma que “o uso dos chamados ‘passaportes de vacina’ fornece uma falsa sensação de segurança.” Taiwan, onde moro, também descartou o uso de tais documentos de vacina para socialização pública.

Embora isso nos dê alguma esperança, tais princípios podem ser abandonados sob pressão do público ou talvez de lobistas corporativos. Há apenas cinco meses, os líderes canadenses de esquerda e direita se opuseram aos certificados de vacinas. A secretária de saúde do governo de esquerda da Colúmbia Britânica, Bonnie Henry, declarou inequivocamente:

“Este vírus nos mostrou que existem iniquidades em nossa sociedade que foram exacerbadas por esta pandemia, e não há como recomendarmos que as iniquidades sejam aumentadas pelo uso de coisas como passaportes de vacina para serviços, para acesso público aqui na Colúmbia Britânica. Esse é o meu conselho e tenho o apoio do primeiro-ministro.”

O primeiro-ministro conservador de Alberta também se opôs aos passaportes de vacina. Ambas as províncias mudaram. Deve haver dezenas de outros exemplos dessas conversões rápidas em todo o Ocidente.

Suspeito que haja uma grande parte do público, talvez a maioria, portando certificados de vacinas apenas por conveniência, porque este é “o novo normal”, sem necessariamente ter certeza da utilidade do documento. Embora eu não esteja querendo dar uma palestra sobre isso, espero que um número cada vez maior comece a ver que há uma conexão entre mostrar um passaporte de vacina para entrar em uma academia e permitir que as desigualdades e conflitos criados artificialmente continuem a crescer em todo o mundo.

Quando você vir este cartoon do jornal diário alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung mostrando um homem jogando um videogame chamado Covidstrike, no qual ele atira em pessoas não-vacinadas causando-lhes uma morte sangrenta (“um grande sucesso sob a árvore de Natal”), você pode ficar enojado e dizer , “Bem, isso é em outro lugar, e as pessoas aqui nunca defenderiam uma violência como essa.” Eu responderia: Demitir pessoas não-vacinadas teria sido considerado impossível no ano passado. O que vem no próximo ano? Uma vez que você identifica uma minoria e a escolhe para a discriminação, não importa quão nobre a intenção possa ter sido originalmente, não restam mais dúvidas: A violência é possível.

Vale a pena alimentar esse tipo de conflito pelos passaportes vacinais? Se eu tivesse sido demitido de um emprego por recusar um medicamento que não preciso ou não quero, cuja utilidade na prevenção da propagação de doenças fosse altamente discutível, eu poderia ficar com raiva o suficiente para atacar de alguma forma também. Usar um passaporte vacinal para beber com os amigos tem uma ligação direta com este novo mundo de conflito, confusão e alienação.

Muitas partes inocentes sofrerão alguma forma de discriminação quando seguirem o conselho incorreto de um médico sobre um cronograma de reforço e um burocrata os tornar tecnicamente não-vacinados, ou quando um sistema de passaporte vacinal travar e os impossibilitar de entrar em um café ou embarcar em um avião.

Tendo morado em Taiwan por quase três anos, onde a Covid tem sido escassa e a vacinação atrasada, só posso especular como eu teria reagido à pandemia e à introdução de certificados vacinais se tivesse permanecido no Canadá.

Tenho certeza de que teria corrido para tomar a primeira vacina Covid disponível, com base em meus sentimentos em janeiro passado. Também estou certo de que teria me recusado a usar um passaporte vacinal quando eles entraram em vigor em setembro. Ou eu teria usado uma versão em papel que teria emoldurado em papelão com uma mensagem de protesto – “Não tenho medo dos não-vacinados” ou “Este é um documento fascista” – e usado ele o mínimo possível.

O que cada pessoa faz com o seu certificado de vacina – gostar dele, usar com protesto, se recusar a ir a qualquer lugar que exija – é uma escolha individual. Só espero que um número crescente de pessoas acorde para o que o passaporte vacinal realmente representa e perceba que os países e outras jurisdições que não os usam não estão, em média, se saindo pior na batalha contra Covid, ao passo que estão evitando conflitos sociais. E os lugares que usam passaporte vacinal estão no meio de uma experiência perturbadora.

O meio do passaporte vacinal transmite uma mensagem que está dilacerando nossas sociedades. É hora de desligar esse meio e encontrar uma nova mensagem depois que todos recuarem e contemplarem o que está sendo feito.

 

 

Artigo original aqui

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.