Uma moeda fiduciária global: “Um anel para governar todos”

0
Tempo estimado de leitura: 17 minutos

1.

A história humana pode ser vista de muitos ângulos. Um deles é vê-la como uma luta pelo poder e dominação, como uma luta pela liberdade e contra a opressão, como uma luta do bem contra o mal.

É assim que Karl Marx (1818–83) viu, e Ludwig von Mises (1881–1973) julgou da mesma forma. Mises escreveu:

A história do Ocidente, desde a época da Polis grega até a resistência atual ao socialismo, é essencialmente a história da luta pela liberdade contra as usurpações dos governantes.[1]

Mas, ao contrário de Marx, Mises reconheceu que a história humana não segue leis predeterminadas de desenvolvimento social, mas, em última análise, depende de ideias que impulsionam a ação humana.

Do ponto de vista de Mises, a história humana pode ser entendida como uma batalha de boas ideias contra más ideias.

As ideias são boas se as ações que recomendam trazem resultados benéficos para todos e conduzem os agentes aos objetivos desejados;

Ao mesmo tempo, boas ideias são eticamente justificáveis, aplicam-se a todos, a qualquer hora e em qualquer lugar, e garantem que as pessoas que agem de acordo com elas possam sobreviver.

Por outro lado, as más ideias levam a ações que não beneficiam a todos, que não fazem com que todos os agentes atinjam seus objetivos e/ou são antiéticas.

Boas ideias são, por exemplo, pessoas aceitando “o meu e o seu”; ou entrando em relações de troca voluntariamente. Ideias ruins são coerção, fraude, peculato, roubo.

As ideias más são ideias muito más, ideias através das quais quem as põe em prática prejudica conscientemente os outros. Ideias más são, por exemplo, ataques físicos, assassinato, tirania.

2.

Com O Senhor dos Anéis, J. J. R. Tolkien (1892–1973) escreveu um monumento literário sobre a batalha épica entre o bem e o mal. Seu romance de fantasia, publicado em 1954, foi um sucesso mundial, também por causa da trilogia de filmes, lançada de 2001 a 2003.

Do que se trata O Senhor dos Anéis? Na Primeira Era, o profundamente malvado Sauron – o demônio, o horror hediondo, o necromante – tinha anéis de poder feitos pelas forjas élficas.

    Três anéis para os reis élficos sob o céu,

Sete para os Senhores Anões em seus salões de pedra,

Nove para homens mortais condenados a morrer,

Um para o Lorde das Trevas em seu trono escuro

Na Terra de Mordor, onde as sombras estão.

Um Anel para governar todos eles, Um Anel para encontrá-los,

Um Anel para trazer todos eles, e na escuridão prendê-los.

Na Terra de Mordor, onde as sombras estão.

Mas Sauron secretamente forja um anel adicional no qual ele derrama toda a sua escuridão e crueldade, e este anel, o anel mestre, governa todos os outros anéis.

Quando Sauron coloca o anel mestre em seu dedo, ele pode ler e controlar a mente de todos que usam um dos outros anéis.

Os elfos enxergam através do plano escuro e escondem seus três anéis. Os sete anéis dos anões também não conseguem subjugar seus portadores. Mas os nove anéis de homens provaram ser eficazes: Sauron escravizou nove reis humanos, que deveriam servi-lo.

Então, no entanto, na Terceira Era, na batalha diante do Monte da Perdição, Isildur, o filho mais velho do Rei Elendils, cortou o dedo anelar de Sauron com um golpe de espada. Sauron é derrotado e perde sua forma física, mas sobrevive.

Agora Isildur tem o anel do poder e toma posse dele. Ele não destrói o anel mestre quando tem a oportunidade, e isso lhe custa a vida. Quando Isildur é morto, o anel afunda no fundo de um rio e permanece lá por 2.500 anos.

Em seguida, o anel é encontrado por Sméagol, que é cativado por seu poder. O anel permanece com ele por quase quinhentos anos, escondido do mundo.

Com o tempo, o poder de Sauron cresce novamente e ele quer o Anel do Poder de volta. Então o anel é encontrado e, por sessenta anos, permanece nas mãos do hobbit Bilbo Bolseiro, um ser amigável e bem-intencionado que não se deixa seduzir pelo poder do Um Anel.

Anos mais tarde, o mago Gandalf, o Cinzento, descobre que a ascensão de Sauron começou e que o Anel do Poder está nas mãos de Bilbo Bolseiro.

Gandalf sabe que só há uma maneira de derrotar o anel e seu mal: ele deve ser destruído onde foi criado, em Mordor.

O sobrinho de Bilbo Bolseiro, Frodo Bolseiro, concorda em assumir a tarefa. Ele e seus companheiros – um total de quatro hobbits, dois humanos, um anão e um elfo – embarcam na perigosa jornada.

Eles suportam dificuldades, adversidades e batalhas contra as forças das trevas e, no final, eles conseguem o que parecia impossível: a destruição do anel de poder nas chamas do Monte da Perdição. O bem triunfa sobre o mal.

3.

O anel no O Senhor dos Anéis de Tolkien não é apenas uma peça de ouro forjado. Ele incorpora o mal de Sauron, corrompendo todos que colocam as mãos ou olhos nele, envenena sua alma e os torna colaboradores voluntários do mal.

Ninguém pode exercer o poder cruel do Um Anel e usá-lo para o bem; nenhum humano, nenhum anão, nenhum elfo.

É possível encontrarmos hoje e neste mundo um equivalente do retrato literário de Tolkien do anel do mal? Sim, creio que sim, e a seguir, gostaria de oferecer-lhe o que espero ser uma interpretação surpreendente, mas que será no mínimo divertida.

Os anéis de poder de Tolkien incorporam ideias malignas.

Os dezenove anéis representam a ideia de que os portadores devem ter poder sobre os outros e governá-los.

E o Um Anel, ao qual todos os outros anéis estão sujeitos, incorpora uma ideia ainda mais sombria, ou seja, que o portador deste anel mestre tem poder sobre todos os outros portadores e aqueles governados por eles; que ele é o governante único e absoluto de todos.

Os dezenove anéis simbolizam a ideia de estabelecer e manter um estado (tal como o conhecemos hoje), nomeadamente um estado entendido como um monopólio territorial coercivo com o poder final de decisão sobre todos os conflitos.

No entanto, o Um Anel de poder representa a ideia particularmente maligna de criar um estado de estados, um governo mundial, um estado mundial; e a criação de uma única moeda fiduciária mundial controlada pelos estados abriria o caminho para esse resultado.

4.

Para explicar isso, vamos começar com o estado como o conhecemos hoje. O estado é a ideia do domínio de um sobre o outro.

É assim que o economista, sociólogo e doutor alemão Franz Oppenheimer (1864-1946) o vê:

    O estado… é uma instituição social, forçada por um grupo vitorioso de homens sobre um grupo derrotado, com o único propósito de regular o domínio do grupo vitorioso sobre os vencidos e se proteger contra a revolta interna e os ataques externos…. Este domínio não tinha outro propósito senão a exploração econômica dos vencidos pelos vencedores.[2]

Joseph Stalin (1878–1953) definiu o estado de maneira bastante semelhante:

    O estado é uma máquina nas mãos da classe dominante para suprimir a resistência de seus oponentes de classe.[3]

O estado moderno no mundo ocidental não usa mais a coerção e a violência tão obviamente como muitos de seus predecessores.

Mas também é, naturalmente, construído sobre coerção e violência, afirma-se por meio delas e, o que é mais importante, divide a sociedade em uma classe de governantes e uma classe de governados.

Como o estado consegue criar e manter essa sociedade de duas classes de governantes e governados?

Em O Senhor dos Anéis de Tolkien, nove homens, todos eles reis, desejaram exercer o poder, e então se tornaram os portadores dos anéis, e por causa disso, eles foram inevitavelmente ligados ao Um Anel de poder de Sauron.

Isso é bastante semelhante à ideia de estado. Para tomar, manter e expandir o poder, o Estado seduz seus seguidores a fazerem o que for necessário, a recorrer a todo tipo de técnicas: propaganda, cenoura presa na vara, medo e até terror.

O estado faz as pessoas crerem que ele é bom, indispensável, inevitável. Sem isso, sussurra o estado, uma coexistência civilizada de pessoas não seria possível.

A maioria das pessoas sucumbe a esse tipo de propaganda, e o estado recebe carta branca para se infiltrar efetivamente em todas as questões econômicas e sociais – jardim de infância, escola, universidade, transporte, mídia, saúde, aposentadoria, lei, segurança, dinheiro e crédito, meio ambiente – e assim, ganha poder.

O estado recompensa seus seguidores com empregos, contratos comerciais gratificantes e transferências de receita. Aqueles que resistirem acabarão na prisão ou perderão seu sustento ou mesmo suas vidas.

O estado espalha o medo e o terror para tornar as pessoas complacentes – já que as pessoas que têm medo são fáceis de controlar, especialmente se forem levadas a acreditar que o estado as protegerá contra qualquer mal.

Ultimamente, os tópicos de mudança climática e coronavírus têm sido usados ​​para fomentar o medo, principalmente pelo estado, que os está usando habilmente para aumentar sua onipotência: destrói a economia e empregos, torna muitas pessoas financeiramente dependentes dele, reprime liberdades civis e empresariais.

No entanto, é de extrema importância que o estado ganhe a batalha das ideias e seja a autoridade para dizer o que são ideias boas e o que são más.

Porque são as ideias que determinam as ações das pessoas.

A tarefa de conquistar o público em geral para o Estado tradicionalmente recai sobre os chamados intelectuais – as pessoas cujas opiniões são amplamente ouvidas, como professores, médicos, professores universitários, pesquisadores, atores, comediantes, músicos, escritores, jornalistas e outros.

O estado fornece a um número crítico deles renda, influência, prestígio e status de várias maneiras – o que a maioria deles não teria sido capaz de alcançar sem o estado. Em agradecimento por isso, os intelectuais espalham a mensagem de que o Estado é bom, indispensável, inevitável.

Entre os intelectuais, costuma haver alguns que se submetem voluntariamente aos anéis do poder, ajudando – consciente ou inconscientemente – a trazer seus semelhantes, homens e mulheres, sob o feitiço dos anéis ou simplesmente a passar por cima deles, subjugá-los, dominá-los.

Quem pensa que o estado (como o conhecemos hoje) é aceitável, uma solução justificável, desde que não exceda certos limites de poder, está seriamente enganado.

Assim como o Um Anel de poder tenta encontrar seu caminho de volta para seu senhor e mestre, um estado inicialmente limitado inevitavelmente se esforça para atingir seu ponto final lógico: poder absoluto.

O estado (como o conhecemos hoje) está pressionando por expansão interna e externamente. Este é um fato conhecido derivado da lógica da ação humana.

George Orwell colocou de forma sucinta: “O objeto do poder é o poder.”[4] Ou, como Hans-Hermann Hoppe afirma, “[E] o governo mínimo tem a tendência inerente de se tornar um governo máximo.”[5]

Internamente, o estado está se expandindo por meio de todos os tipos de intervenções na vida econômica e social, por meio de regulamentos, decretos, leis e impostos.

Exteriormente, o estado econômica e militarmente mais forte buscará expandir sua esfera de influência. Na forma mais primitiva, isso se dá por meio de campanhas agressivas de conquista e guerra, e de forma mais sofisticada, pela busca da supremacia ideológica política.

Nas últimas décadas, este último assumiu a forma de socialismo democrático. Colocando de forma casual, socialismo democrático significa permitir e fazer o que a maioria deseja.

Sob o socialismo democrático, a propriedade privada é formalmente mantida, mas é declarado que ninguém é o legítimo proprietário de 100% da renda de sua propriedade.

As pessoas não se esforçam mais para se libertar de serem governadas, mas sim para participar do governo. O resultado não são as pessoas resistindo ao Estado, mas sim chegando a um acordo e cooperando com ele.

A consequência prática do socialismo democrático é o intervencionismo: o estado intervém na economia e na sociedade caso a caso para tornar gradualmente os ideais socialistas uma realidade.

Todas as sociedades do mundo ocidental abraçaram o socialismo democrático, algumas com mais autoridade do que outras, e todas usam o intervencionismo. Visto sob essa luz, todos os estados ocidentais agora estão agindo em conjunto.

O que eles também têm em comum é o desdém pela concorrência, porque a concorrência estabelece limites indesejáveis ​​à natureza expansiva do estado.

Portanto, estados maiores costumam formar um cartel. Estados menores e menos poderosos são obrigados a aderir – e se recusarem, sofrerão desvantagens políticas e econômicas.

Mas o cartel de estados é apenas uma etapa intermediária. O ponto final lógico pelo qual o socialismo democrático está se esforçando é a criação de uma autoridade central, algo como um governo mundial, um estado mundial.

5.

Em O Senhor dos Anéis de Tolkien, o Um Anel, o anel do poder, incorpora esta ideia muito sombria: governar todos eles, criar um estado mundial.

Para chegar mais perto desse objetivo, a democracia (como a entendemos hoje) está provando ser uma desbravadora ideal, e é provavelmente por isso que é endeusada pelos socialistas.

Mais cedo ou mais tarde, a democracia se transformará em oligarquia, como apontou o sociólogo ítalo-alemão Robert Michels em 1911.

Segundo Michels, os partidos surgem nas democracias. Esses partidos são organizações que precisam de liderança estrita, a qual é entregue às pessoas mais implacáveis ​​e sedentas de poder. Elas representarão a elite do partido.

A elite do partido pode romper com a vontade dos membros do partido e perseguir seus próprios objetivos e agendas. Por exemplo, eles podem formar coalizões ou cartéis com elites de outros partidos.

Como resultado, haverá uma oligarquização da democracia, na qual as elites eleitas do partido ou o cartel das elites do partido serão os reis do castelo. Não são os eleitores que darão o tom, mas as elites oligárquicas que governarão os eleitores.

A oligarquização da democracia não afetará apenas os estados individuais, mas também afetará as relações internacionais das democracias.

Elites oligárquicas de diferentes países se unirão e se fortalecerão, principalmente por meio da criação de instituições supranacionais.

O socialismo democrático evolui para o “globalismo político”: a ideia de que não se deve permitir que as pessoas moldem seu próprio destino em um sistema de mercados livres, mas que deve ser atribuído e dirigido por uma autoridade central global.

O Um Anel de poder leva aqueles que já foram seduzidos pelos anéis comuns a ansiar pelo poder absoluto, a se elevarem acima do resto da humanidade. Quem vem à mente?

Bem, vários políticos, burocratas de alto nível, intelectuais da corte, representantes de grandes bancos, grandes empresas, Big Pharma e Big Tech e, claro, grande mídia – juntos eles são frequentemente chamados de “elite de Davos” ou “establishment”.

Quer se trate de combater crises financeiras e econômicas, mudanças climáticas ou doenças virais – o único anel de poder garante que soluções supranacionais orquestradas pelo estado sejam propagadas; que a centralização é colocada acima da descentralização; que o estado, não o mercado livre, tem poder.

Clamores pela “nova ordem mundial”, a “Grande Transformação”, o “Grande Reinício” são os resultados dessa mentalidade venenosa inspirada por um anel de poder.

Fronteiras nacionais são questionadas, a propriedade é relativizada ou declarada dispensável, e até mesmo uma fusão das identidades físicas, digitais e biológicas das pessoas – transumanismo – é declarada a meta do establishment globalista que se deu poder.

Mas como pode o globalismo político ser promovido em uma época em que (ainda) existem estados-nação social-democratas que insistem em sua independência? E onde as pessoas são separadas por diferentes línguas, valores e religiões?

Como os globalistas políticos se aproximam de seu objetivo de dominação mundial tão desejado, seu estado mundial?

6.

Sauron é o indiscutível tirano e ditador em seu reino das trevas. Ele opera algo como uma economia de comando, forçando seus súditos a limpar florestas, construir equipamentos militares e criar Orcs.

Não há mercados nem dinheiro no reino sinistro de Sauron. Sauron pega o que quiser; ele superou a troca e o dinheiro, por assim dizer.

O estado de hoje não é tão poderoso e se encontra em economias caracterizadas pela propriedade, divisão do trabalho e troca monetária.

O estado quer controlar o dinheiro – porque esta é uma das maneiras mais eficazes de obter o poder final.

Para este fim, o estado moderno já adquiriu o monopólio da produção de dinheiro; e substituiu o ouro por sua própria moeda fiduciária.

Com o tempo, a moeda fiduciária destrói o sistema de livre mercado e, portanto, a sociedade livre. Ludwig von Mises viu isso no início de 1912. Ele escreveu:

    Seria um erro presumir que a organização moderna de troca está fadada a continuar a existir. Carrega dentro de si o germe de sua própria destruição; o desenvolvimento do meio fiduciário deve necessariamente levar ao seu colapso.[6]

Na verdade, a moeda fiduciária não causa apenas inflação, crises econômicas e uma redistribuição anti-social de renda e riqueza. Acima de tudo, é um elixir de crescimento para o Estado, tornando-o cada vez maior e mais poderoso às custas da liberdade de seus cidadãos e empresários.

Com esse pano de fundo, deve ser perfeitamente compreensível por que os globalistas políticos veem a criação de uma moeda única mundial como um passo importante para tomar o poder absoluto.

Na Europa, o que os globalistas políticos desejam “em grande escala” já foi alcançado “em pequena escala”: fundir muitas moedas nacionais em uma.

Em 1999, onze Estados-nação europeus abandonaram suas moedas e as fundiram em uma única moeda, o euro, que é produzido por uma autoridade supranacional, o Banco Central Europeu.

A criação do euro fornece o plano pelo qual as principais moedas do mundo podem ser convertidas em uma moeda única mundial.

Isto é o que o Prêmio Nobel canadense de economia de 1999, Robert Mundell, recomenda: fixar as taxas de câmbio entre o dólar americano, o euro, o renmimbi chinês, o iene japonês e a libra esterlina uns contra os outros e também fixá-los contra uma nova unidade de conta, o INTOR. E abracadabra: aqui está a moeda fiduciária mundial, controlada por um cartel de bancos centrais ou um banco central mundial.

7.

É certo que a criação de uma moeda fiduciária mundial única parece ter poucas chances de ser realizada à primeira vista. Mas talvez à segunda vista.

Antes de mais nada, existe uma boa razão econômica para ter uma moeda mundial única: se todas as pessoas fizerem negócios com o mesmo dinheiro, o poder produtivo do dinheiro será otimizado. Do ponto de vista econômico, o número ideal de moedas no mundo é uma.

Além disso, os Estados-nação têm o monopólio do dinheiro em seus respectivos territórios e, uma vez que todos aderem ao socialismo democrático, também têm interesse em garantir que não haja competição monetária – nem mesmo entre diferentes moedas fiduciárias estatais. Isso os torna suscetíveis à ideia de reduzir o pluralismo de moedas.

Além disso, não se deve interpretar mal a chamada rivalidade entre os grandes Estados como os EUA e a China e entre a China e a Europa, que vem sendo discutida regularmente na grande mídia.

Sem dúvida, existe uma rivalidade entre os governantes nacionais: eles não querem abrir mão do poder que conquistaram em seus respectivos países; eles querem se tornar ainda mais poderosos.

Mas a rivalidade entre as democracias oligárquicas do Ocidente já se enfraqueceu significativamente e há grandes incentivos para que as elites do partido oligárquico trabalhem juntas além das fronteiras.

Na verdade, foi a oligarquização da democracia no mundo ocidental que permitiu a reaproximação com um regime socialista-comunista: o estado cada vez mais assumindo o controle do sistema econômico e social.

Este desenvolvimento pode ser chamado de “Chinacização do Ocidente”.

A maneira como o mundo ocidental lidou com o coronavírus – a suspensão, talvez a extinção dos direitos e liberdades constitucionais – sem dúvida mostra para onde a jornada está indo: para o estado autoritário que está além do controle do povo – como é o caso da comunista China. O slogan adequado para isso pode ser “Um sistema, muitos países”.

Seria também muito absurdo supor que o mundo ocidental fará um esforço comum com a China comunista não apenas em questões de saúde, mas também na questão da moeda mundial? Os socialistas democráticos no Ocidente e no Partido Comunista Chinês muitos pontos e interesses em comum, eu acho.

Certamente não é coincidência que a China tenha pressionado muito para que o renmimbi chinês fosse incluído nos direitos especiais de saque do Fundo Monetário Internacional, e que o FMI já tenha concordado em novembro de 2015.

8.

A questão do dinheiro digital do banco central, algo em que os principais bancos centrais do mundo estão trabalhando, pode ser um catalisador na criação de uma moeda única mundial.

A questão do dinheiro digital do banco central não apenas anuncia o fim do dinheiro – a opção de pagamento anônimo para cidadãos e empresários.

Assim que as pessoas começarem a usar o dinheiro digital do banco central, será fácil para o banco central e o estado espionar as transações das pessoas.

O estado não saberá apenas quem paga o quê, quando, onde e para quê. Também estará em posição de determinar quem tem acesso aos depósitos: quem os obtém e quem não.

A China está abrindo caminho com seu “sistema de crédito social”: o comportamento em conformidade ao regime comunista é recompensado, o comportamento que não o faz é punido.

Contra esse pano de fundo, o dinheiro digital do banco central seria particularmente eficaz em sufocar a oposição política indesejada.

O dinheiro digital do banco central não apenas substituirá o dinheiro, mas também competirá cada vez mais com o dinheiro dos bancos comerciais.

Por que você deve manter seu dinheiro com bancos que estão expostos ao risco de inadimplência, quando você pode mantê-lo seguro com o banco central que nunca vai à falência?

Uma vez que os depósitos dos bancos comerciais podem ser trocados um a um por dinheiro digital do banco central – e isso é esperado – o sistema monetário e de crédito é de fato totalmente nacionalizado.

Porque, nessas condições, o banco central transfere sua solvência ilimitada para o setor de banco comercial.

Isso priva completamente os mercados financeiros de sua função de determinar o custo do capital – e a economia planejada pelo Estado torna-se uma realidade.

Na verdade, esse é o tipo de economia de comando e controle que surgiu na Alemanha nacional-socialista na década de 1930. O estado reteve formalmente a propriedade dos meios de produção.

Mas com ordens, proibições, leis, impostos e controle, o estado determina quem tem permissão para produzir o quê, quando e sob quais condições, e quem tem permissão para consumir o quê, quando e quanto.

Em tal economia de comando e controle, é perfeitamente concebível que a forma de produção de dinheiro mude – passando da criação de dinheiro por meio de empréstimos para a emissão de dinheiro de helicóptero.

O banco central determina quem recebe quanto dinheiro novo e quando. A quantidade de dinheiro nas contas bancárias das pessoas não reflete mais seu sucesso econômico. Doravante, é o resultado de decisões políticas arbitrárias dos bancos centrais, ou seja, dos governantes.

A perspectiva de receber dinheiro novo do estado e de seu banco central – isto é, receber uma renda básica incondicional – provavelmente levará muitos povos para os braços do estado e fará com que qualquer resistência às suas maquinações seja interrompida.

9.

Será que as pessoas, o público em geral, realmente concordarão com tudo isso?

Bem, economistas patrocinados pelo governo, em particular, farão o possível para nos informar sobre os benefícios de ter uma política monetária coordenada globalmente; que estabilizar as taxas de câmbio entre as moedas nacionais é benéfico; que se uma moeda supranacional controlada – com o nome INTOR ou GLOBAL – for criada, alcançaremos o melhor dos mundos. E como a emissão de dinheiro digital do banco central acabou com os últimos resquícios de um mercado de capital livre, a fusão de diferentes moedas nacionais em uma será relativamente fácil.

A moeda única mundial que os globalistas políticos desejam criar será uma moeda fiduciária, certamente não uma moeda-mercadoria.

Essa moeda fiduciária mundial única não sofrerá apenas com todos os defeitos econômicos e éticos que pesam sobre as moedas fiduciárias nacionais.

Também irá exacerbar e exponenciar os danos causados ​​por uma moeda fiduciária nacional. A porta para uma política de alta inflação seria totalmente aberta – já que ninguém poderia escapar da moeda fiduciária mundial inflacionária.

Os estados são os principais beneficiários: podem obter dinheiro do banco central mundial a qualquer momento, desde que cumpram as regras estabelecidas pelo banco central mundial e pelos grupos de interesses especiais que o regem.

Isso cria o incentivo para que os estados nacionais renunciem aos direitos de soberania e se submetam a regras supranacionais – por exemplo, em matéria de tributação e regulamentação do mercado financeiro.

É, portanto, o incentivo resultante de uma moeda única mundial que abre o caminho para um governo mundial e um estado mundial.

Neste contexto, observe o que aconteceu na zona do euro: o ponto de partida não foi a criação do superestado da UE, que viria a ser seguido pela introdução do euro. Foi exatamente o oposto: o euro foi introduzido para superar a soberania nacional e, em última instância, estabelecer as Nações Unidas da Europa.

Temos boas razões para temer que a ideia de emitir uma moeda fiduciária mundial – que o anel mestre defende implacavelmente – traria o totalitarismo – que provavelmente ofuscaria os regimes estabelecidos por Joseph Stalin, Adolf Hitler, Mao Zedong, Pol Pot e outros criminosos.

10.

Em O Senhor dos Anéis de Tolkien, o mal é eventualmente derrotado. A história tem um final feliz. Será assim tão fácil em nosso mundo?

As ideias de ter um estado (como o conhecemos hoje), de tolerá-lo, de cooperar com ele, de dar ao estado o controle total sobre nosso dinheiro, de aceitar o dinheiro fiduciário, estão profundamente enraizadas nas mentes das pessoas como boas ideias.

De onde virão as forças que irão esclarecer as pessoas sobre o mal que o estado (como o conhecemos hoje) traz à humanidade?

Particularmente, de onde poderiam vir quando em jardins de infância, escolas e universidades – que estão todos nas mãos do estado – os ensinamentos do coletivismo-socialismo-marxismo são sistematicamente martelados na cabeça das pessoas (especialmente das crianças impressionáveis), e os ensinamentos de liberdade, livre mercado e sociedade livre e capitalismo raramente ou nunca são transmitidos à geração mais jovem?

Quem explicará às pessoas a incômoda verdade de que mesmo um estado mínimo se tornará um estado máximo? Que os monopólios dos Estados sobre o dinheiro levarão a uma moeda única mundial e, portanto, à tirania mundial?

Não é preciso muito para tornar sombrio o futuro da ordem econômica e social livre.

No entanto, seria míope ser pessimista.

Aqueles que acreditam em Jesus Cristo podem confiar que Deus não os deixará. Se não conseguirmos pensar em uma solução para os problemas em questão, os crentes podem confiar em Deus. Porque “[mesmo] na noite mais escura, há uma luz brilhante brilhando em algum lugar.”

Ou: por favor, lembre-se do movimento do Iluminismo no século XVIII. Naquela época, o filósofo prussiano Immanuel Kant explicou ao povo o “inaudito”, ou seja, que existe algo como “autonomia da razão”.

Significa que você e eu temos o direito indiscutível de levar nossas vidas de forma independente; que devemos lidar com isso de acordo com regras auto-impostas, regras que nós mesmos determinamos com base na boa razão.

As pessoas naquela época entenderam a mensagem de Kant. Por que essa revolução intelectual – desencadeada pelos escritos e palavras de um livre pensador – não seria capaz de se repetir no futuro?

Ou: o fato de que as pessoas ainda não aprenderam com a experiência ruim não significa que eventualmente não aprenderão com ela.

Quando se trata de pensar em mudanças para melhor, é importante observar que não é a massa de pessoas que importa, mas o indivíduo.

Aplicados às condições do mundo de hoje, entre aqueles pensadores que podem derrotar o mal e ajudar os bons a fazer um avanço estão Ludwig von Mises, Murray Rothbard e Hans-Hermann Hoppe – e todos aqueles que seguem seus ensinamentos e os disseminam sem medo – como estudiosos ou como fãs.

Eles são – nos termos de O Senhor dos Anéis de Tolkien – os companheiros. Eles nos dão o poder de fogo intelectual e a coragem para lutar e derrotar o mal.

Não sei se Ludwig von Mises conhecia O Senhor dos Anéis de Tolkien. Mas ele certamente estava bem ciente da luta entre o bem e o mal que continua ao longo da história humana.

Na verdade, o conhecimento dessa luta moldou a máxima de vida de Mises, que ele tirou do verso do poeta romano Virgílio (70 a 19 aC):

“Tu ne cede malis, sed contra audentior ito”, que significa “Não ceda ao mal, mas proceda cada vez mais ousadamente contra ele”.

Quero encerrar minha análise com uma citação de Samwise Gamgee, o amigo leal e companheiro de Frodo Bolseiro.

Em uma situação realmente desesperadora, Sam diz a Frodo: “Há algo bom neste mundo, Sr. Frodo. E vale a pena lutar por isto.”

Então, se quisermos lutar pelo bem neste mundo, sabemos o que temos que fazer: temos que lutar pela propriedade e liberdade e contra as trevas que o estado (como o conhecemos hoje) deseja trazer sobre nós, especialmente com sua moeda fiduciária.

Na verdade, devemos lutar firmemente por uma sociedade de propriedade e liberdade!

Muito obrigado pela atenção!

 

[Apresentado na Property and Freedom Society em Bodrum, Turquia, em 17 de setembro de 2021.]

 

______________________________

Notas

[1] Ludwig von Mises, O fundamento último da ciência econômica (Princeton, NJ: D. Van Nostrand, 1962), p. 98

[2] Franz Oppenheimer, O Estado: Sua História e Desenvolvimento Visto Sociologicamente (B.W. Huebsch, 1922), p. 15

[3] Joseph Stalin, The Foundations of Leninism (Moscou: Pravda, 1924).

[4] George Orwell, 1984 (Londres: Secker and Warburg, 1949), p. 353.

[5] Hans-Hermann Hoppe, Democracia – o deus que falhou (New Brunswick, NJ: Transaction Publishers, 2001), p. 229.

[6] Ludwig von Mises, The Theory of Money and Credit, trad. J.E. Batson (Auburn, AL: Ludwig von Mises Institute, 2009), p. 409.