Arcebispo Viganò sobre a causa e a cura das crises no mundo e na Igreja

2
Tempo estimado de leitura: 26 minutos

Meu nome é Robert Moynihan, sou um jornalista americano cobrindo o Vaticano há 30 anos; o pontificado de João Paulo II, sua disputa com a União Soviética, sua batalha pela cultura, a eleição do Papa Bento XVI, seu pontificado e então a eleição do Papa Francisco e estes últimos oito anos. Tenho muitos contatos e amigos diferentes na igreja e entre eles está o Arcebispo Carlo Maria Viganò. Eu o conheci há muitos anos. Mas nos últimos três anos, esse arcebispo, um arcebispo italiano que agora está com 80 anos, talvez tenha se tornado a figura mais controversa na Igreja Católica Romana. Por essa razão, acho imperativo entender como este alto oficial da Igreja pode se tornar um profundo crítico não só da corrupção na Igreja, mas também da confusão doutrinária, de todo o pontificado do Papa Francisco e, finalmente, nos últimos meses, crítico também dos desenvolvimentos seculares, o vírus, as vacinas, o plano global para uma única comunidade global. E ele foi além de sua área de especialização tradicional para se tornar uma das vozes no mundo de hoje que é mais convincente, mais controversa e mais interessante em compreender onde estamos agora em 2021 após o ano e meio do vírus e depois de muitas décadas de modernidade, que mudaram não só a Igreja Católica, mas também as igrejas protestantes, o judaísmo e também o islamismo. Portanto, temos uma ampla entrevista agora com este arcebispo italiano muito controverso e muito interessante, Carlo Maria Viganò.

 

Pergunta número 1: Arcebispo Viganò, é um prazer vê-lo novamente e muito prazer em saber que você está disposto a responder às nossas perguntas. A grande questão tem duas partes: o mundo e a Igreja. Estamos vendo uma pandemia global e os movimentos globais em direção à nova ordem mundial e também estamos vendo uma igreja em confusão, em divisão, na preocupação de como ela reage a esta nova ordem mundial, seja rompendo com sua tradição ou se mantendo firme à sua tradição. E você tem comentários a fazer e percepções sobre essas duas questões, a atual pandemia e a atual crise na Igreja Católica Romana. Então, o que você pensa sobre a atual pandemia e sobre a atual confusão e crise na Igreja Católica sob a liderança do Papa Francisco?

Arcebispo Viganò: Agora me parece claro que estamos enfrentando um cerco nas frentes sociais e religiosas. A chamada pandemia de emergência tem sido usada como falso pretexto para impor a vacinação e o passaporte vacinal em muitas nações do mundo, de forma simultânea e coordenada. Ao mesmo tempo, na outra frente, não apenas as autoridades eclesiásticas não condenam em absoluto o abuso de poder por parte daqueles que comandam a vida pública, mas os apoiam neste plano perverso e chegam ao ponto de condenar aqueles que não aceitam ser inoculados com soro gênico experimental com efeitos colaterais desconhecidos que não confere imunidade ao vírus – sem falar nas implicações morais relacionadas à presença de material genético derivado de fetos abortados, que para um católico é em si uma razão mais do que suficiente para recusar a vacina.

Estamos em guerra: uma guerra que não é declarada abertamente, que não é travada com armas convencionais, mas ainda assim uma guerra, em que há agressores e agredidos, algozes e vítimas, pseudotribunais e prisioneiros; uma guerra em que a violência é usada em formas aparentemente legais para violar os direitos dos cidadãos e também dos crentes. É uma guerra histórica que é um prelúdio para o fim dos tempos e a grande apostasia falada nas Sagradas Escrituras.

Pergunta número 2: Arcebispo, o senhor falou em termos muito rígidos sobre uma guerra não declarada e falou sobre graves perigos, mas enfatizou que vê o tipo de coordenação entre os globalistas, como podemos chamá-los, os arquitetos desta nova ordem mundial e da Igreja Católica com o Papa Francisco. Como podemos explicar o que parece ser uma nova aliança?

Arcebispo Viganò: A aliança não é entre Estado e Igreja, mas entre o estado profundo (Deep State) e a Igreja profunda (Deep Church), ou seja, os componentes degenerados presentes em cada um.

O Estado tem como fim o bonum commune, tanto no que diz respeito ao direito natural como ao direito divino e positivo. A Igreja tem como fim a salus animarum, no que diz respeito ao ensinamento imutável de Cristo. É óbvio que os governantes não buscam o bem comum quando expõem uma população a experimentações sem base científica, mesmo diante das evidências da ineficácia da vacina e dos danos que ela causa a quem a recebe. E é igualmente óbvio que a Hierarquia eclesiástica, na medida em que se presta a apoiar este massacre planeado a nível global, é cúmplice de um crime contra a humanidade e, mais ainda, de gravíssimo pecado contra Deus. O Sinédrio Bergogliano é claramente parte integrante do plano do Grande Reinício: por um lado, porque são perseguidos fins que nada têm a ver com o propósito da Igreja Católica, e, por outro lado, porque espera que sua cumplicidade possa lhe trazer algum tipo de vantagem política e econômica em vista da nova ordem.

Essa cumplicidade criminosa está à vista de todos e é ainda comprovada pela campanha de vacinação obsessiva de Bergoglio, que por meio de chantagem moral quer impor a todos a inoculação com um soro genético experimental. Nos últimos dias, ele chegou ao ponto de envolver cardeais e bispos da América do Norte e do Sul nesta propaganda vergonhosa, incluindo o arcebispo Gomez de Los Angeles, presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos. Eles também são responsáveis ​​por um grave crime contra a humanidade. Essa escandalosa subserviência dos Prelados à agenda globalista infernal foi superada apenas pelos recentes discursos heréticos do próprio Bergoglio.

Pergunta número 3: Você está nos dizendo que a Igreja fez uma aliança vergonhosa com pessoas cujos objetivos não são iguais aos objetivos cristãos tradicionais. Que preço, em sua opinião, a Igreja está pagando por fazer essa escolha? Por que ela está fazendo essa escolha?

Arcebispo Viganò: A escravização da Santa Sé e de todas as suas entidades periféricas à narrativa da pandemia é o pretium sanguinis de uma traição escandalosa, que vê a hierarquia eclesiástica – com algumas exceções – completamente parte integrante do plano globalista da elite, e não apenas na questão da saúde, mas também e sobretudo no que diz respeito ao Grande Reinício e toda a estrutura ideológica em que se baseia. Para fazer isso, a hierarquia teve que apostasizar a doutrina, negar a Cristo e desonrar Sua Igreja.

O ecologismo malthusiano, o ecumenismo irenista (que é um prelúdio à constituição da religião universal), a “quarta revolução” teorizada por Klaus Schwab e as famílias das elites financeiras internacionais, encontram em Bergoglio não um espectador neutro – que já seria algo inaceitável – mas na verdade um colaborador zeloso, que abusa da própria autoridade moral para apoiar ad extra [fora da Igreja] o projeto de dissolução da sociedade tradicional, enquanto ad intra [dentro da Igreja] avança o projeto da demolição da Igreja para substituí-la por uma organização filantrópica de inspiração maçônica. E é escandaloso, mas também fonte de grande dor, ver que face a este massacre implacável e cruel a maioria dos Bispos se calam, ou melhor, se alinham obedientemente por medo, interesse próprio ou cegueira ideológica.

Por outro lado, a Hierarquia de hoje vem da escola conciliar e foi formada e escolhida em função dessa evolução. Além do episcopado, todas as ordens religiosas, universidades e instituições católicas foram ocupadas desde o Concílio por quintas colunas que formaram gerações de clérigos, políticos, intelectuais, empresários, banqueiros, professores e jornalistas, doutrinando-os na ideologia progressista. E, assim como a esquerda fez na esfera política e cultural, também dentro da Igreja os inovadores condenaram ao ostracismo qualquer voz dissidente, afastaram aqueles que não estavam alinhados e expulsaram aqueles que resistiam.

A perseguição que estamos testemunhando hoje não é diferente daquela de décadas passadas, mas agora foi estendida às massas, enquanto anteriormente se concentrava nos indivíduos e na classe dominante. Isso se aplica tanto ao mundo civil quanto eclesiástico – confirmando a pactum sceleris [conspiração criminosa] entre o estado profundo e a igreja profunda. Parece-me que nesta conspiração o papel dos Jesuítas foi decisivo, e não é por acaso que pela primeira vez na história um religioso da Companhia de Jesus está sentado no Trono de Pedro, em violação da Regra estabelecida por Santo Inácio de Loyola.

Pergunta número 4: Em sua opinião, como o recente decreto papal, Traditionis Custodes – os Guardiões da Tradição – se encaixa no que está acontecendo em nível global? Em outras palavras, o Papa Francisco em 16 de julho emitiu um decreto surpreendente e inesperado cancelando a milenar liturgia da Igreja, dizendo: devemos agora ter apenas uma liturgia, aquela que foi escrita e introduzida na década de 1960. Muitos católicos ficaram com o coração partido porque têm uma ligação profunda com a velha liturgia. Você acredita que há uma conexão entre esta decisão do Papa Francisco e a preparação da Igreja para se aliar a esta nova ordem global no Grande Reinício. Você pode explicar como as orações na Igreja estão relacionadas ao Grande Reinício?

Arcebispo Viganò: A decisão de abolir a Liturgia tradicional – que foi restituída à Igreja por Bento XVI em 2007 – não é um fato isolado e deve ser contextualizado em uma perspectiva mais ampla. Bergoglio atua em duas frentes: uma ideológica, com a qual quer impedir qualquer manifestação de dissidência a respeito do fracasso da nova via conciliar; e também uma espiritual, que visa impedir a propagação do bem objetivo do Santo Sacrifício da Missa, a fim de favorecer aqueles que veem naquela Missa um terrível obstáculo ao estabelecimento da Nova Ordem – Novus Ordo Sæculorum – isto é, o reinado de o anticristo.

Não é possível acreditar que Bergoglio não compreenda claramente as consequências derivadas de sua decisão, ou que não perceba que privar a Igreja da missa apostólica é uma ajuda aos inimigos de Cristo e ao próprio demônio. É como se um comandante de uma divisão no auge da batalha ordenasse a seus soldados que lutassem contra os tanques com estilingues, depondo as armas mais eficazes que possibilitariam a vitória sobre o adversário.

Estou convencido de que os fiéis, numerosos sacerdotes e alguns bispos estão começando a compreender que a questão da Missa tradicional não é apenas uma simples diferença de opinião sobre assuntos litúrgicos, e por isso se perguntam como é possível que Bergoglio se mostre tão enfurecido contra um rito sacrossanto que já tem mais de mil anos, a menos que ele veja nele uma ameaça à realização do plano globalista que ele apoia. Pela graça de Deus, o destino da Igreja não está nas mãos do argentino, sobre cujos restos já pairam os abutres do Vaticano.

Pergunta número 5: Arcebispo Viganò, você está nos dizendo que a decisão de mudar a liturgia e abolir a velha liturgia tem algo a ver com esta crise geral e a Nova ordem mundial. Qual deve ser a reação das pessoas na Igreja ao que está acontecendo, visto que a Igreja parece cada vez mais se acomodar a um plano organizado por pessoas de fora da Igreja?

Arcebispo Viganò: Encontramo-nos presos em um impasse, um beco sem saída, do qual não podemos escapar enquanto não o reconhecermos pelo que isto é. Se pensamos que a presente crise pode ser resolvida dirigindo-nos à autoridade civil ou religiosa, como se estivéssemos em condições de relativa normalidade, continuamos a não compreender que a responsabilidade por esta crise reside precisamente numa traição cometida por aqueles em posição de autoridade. Não podemos pedir justiça por um mal que sofremos se o juiz que deve condenar aqueles que infringem nossos direitos for seu cúmplice. Não podemos recorrer aos políticos, esperando que revoguem a violação das nossas liberdades fundamentais, se são eles próprios que votam nessas violações nos parlamentos porque obedecem a quem os paga ou os chantageia. E não podemos pedir aos Bispos – e muito menos à Santa Sé – que protejam os direitos dos fiéis, quando os Bispos e o Vaticano consideram o nosso pedido uma ameaça ao poder que detêm e à ideologia falida que defendem.

Pergunta número 6: Você falou sobre sentir que estamos em um impasse, um beco sem saída, tanto na Igreja quanto no mundo. Você descreveu um tipo de aliança entre a Igreja profunda e o Estado profundo que você sente que não está de acordo com o ensino cristão tradicional ou com o desejo tradicional de liberdade dos povos livres do Ocidente democrático. Mas se você está pregando sobre esse beco sem saída ou impasse, o que sugere às pessoas? Você está sugerindo algum tipo de desobediência ou algum tipo de rebelião?

Arcebispo Viganò: Os católicos são naturalmente orientados para a ordem, para o respeito pela autoridade e pela hierarquia, porque esta ordem e autoridade emanam da sabedoria de Deus e são necessárias para o governo tanto dos negócios públicos como da Igreja.

Mas, precisamente porque a autoridade dos homens vem de Deus, os católicos – como todos os cidadãos em geral – não podem aceitar a usurpação da autoridade por aqueles que fixam objetivos opostos às próprias razões pelas quais essa autoridade é constituída. O Senhor colocou à frente da Igreja o Sucessor do Príncipe dos Apóstolos, designando-o como seu Vigário, para que apascentasse as ovelhas que lhe confiara, não para que as dispersasse, senão o teria escolhido Judas e não São Pedro. Da mesma forma, a autoridade dos governantes temporais encontra sua legitimação no bom governo, não em tornar os cidadãos escravos e forçá-los a praticar o mal, impedindo-os de buscar o fim próximo de uma vida honesta e o fim da salvação eterna. Se a autoridade falha em seus deveres, e mesmo os trai e os subverte, não tem mais o direito de exigir a obediência de seus súditos.

A obediência, virtude ligada à Justiça, não consiste numa submissão acrítica ao poder, porque ao fazê-lo degenera no servilismo e na cumplicidade com os que praticam o mal. Ninguém pode impor obediência a ordens intrinsecamente más ou reconhecer autoridade naqueles que abusam dela para condescender com o mal. Assim, aqueles que resistem a uma ordem ilegítima aparentemente desobedecem a quem a concede, mas obedecem a Deus, cujo poder, entretanto, é exercido pela autoridade vicária contra seu propósito, isto é, contra o próprio Deus.

Pergunta número 7: Excelência, o senhor falou sobre a distinção entre autoridade legítima e autoridade ilegítima, entre ordens legítimas que devemos obedecer e ordens ilegítimas que não devemos obedecer e resistir. Mas como podemos distinguir entre elas? Não é verdade que São Paulo em sua carta aos Romanos falou muito claramente sobre a necessidade dos cristãos obedecerem às autoridades constituídas? O que me diz?

Arcebispo Viganò: São Paulo era cidadão romano e, como tal, tinha diante de si o exemplo de um poder regulado por leis que mais tarde formaram a base do direito das nações ocidentais e que também foram adotadas pela Igreja. A autoridade que nos governa hoje, ao contrário, cancelou milênios de civilização greco-romana e cristã, trazendo-nos de volta à barbárie dos assírios, à ausência de leis e princípios absolutos aos quais até a própria autoridade é obrigada a se conformar. Os que detêm o poder apresentam-se como representantes do povo, mas na verdade agem contra o povo, sem constrangimento, sem limites nem de cima – pois anularam a origem divina do poder dos governantes – nem de baixo, uma vez que não permitem que os cidadãos elejam seus próprios representantes, a menos que tenham certeza de que podem manipular o voto em seu próprio benefício.

Gostaria de sublinhar esta barbárie da lei, que a meu ver é a causa da crise da autoridade, da sua perversão e da sua arrogância descarada. Esses tiranos, barricados em seus palácios protegidos por guardas armados, comportam-se como Senaqueribe, deificando a autoridade em si mesmos, em um delírio de onipotência que lhes é garantido pela disponibilidade de meios financeiros, políticos e midiáticos.

E o que nos deixa desconcertantes é que as massas se deixam tiranizar, justamente em uma época que fez da Revolução um dos temas centrais da modernidade, a ponto de introduzir seus princípios nos recintos sagrados com o Vaticano II. Para uma perspectiva genuinamente católica, entretanto, o caos se manifesta tanto na rebelião contra a boa autoridade quanto na obediência servil à autoridade má, em uma subversão que temos hoje diante de nossos olhos que nos deixa incrédulos em sua arrogância anacrônica.

Pergunta número 8: Então, o que você realmente está dizendo é que pode haver dois tipos de caos. Um é um tipo de submissão servil a comandos ilegítimos e o outro seria um tipo de desobediência renegada aos comandos legítimos. Como distinguir entre essas duas coisas? E quando distinguimos entre os dois, o que podemos fazer para resistir aos abusos?

Arcebispo Viganò: Na esfera civil, é necessário rejeitar qualquer cooperação com a narrativa atual da pandemia e com a emergência climática que poderá substituí-la em breve. Ignorar regulamentos ilegítimos ou que expõem os cidadãos a riscos concretos para a sua saúde é moralmente lícito e, em certas circunstâncias, até mesmo um dever. De forma alguma se pode colocar em risco a vida e a saúde de seus filhos, nem mesmo diante da ameaça de retaliação; pois, nesse caso, nossa participação nos tornaria culpados diante de Deus e merecedores de Suas punições. De forma alguma podemos aceitar a administração de soros gênicos experimentais, no decurso de cuja produção crianças foram mortas no terceiro mês de gravidez: seu sangue cairia sobre aqueles que os produzem, bem como sobre aqueles que os impõem, e aqueles que os recebem. Em nenhum caso deve ser tolerado que uma pseudo-pandemia, cujas vítimas são em menor número do que as vítimas das supostas vacinas, se torne um álibi para impor controles e limitações às liberdades naturais e aos direitos civis. E se a mídia, escravizada ao poder e cúmplice dessa conspiração, censura todas as vozes dissidentes, isso deve nos persuadir de que a sociedade distópica descrita por Orwell agora se realiza seguindo um roteiro preciso, sob uma única direção. Denunciei-o no meu Apelo do ano passado e ninguém que o releia hoje pode acusar-me de ter feito soar alarmes injustificados.

Não vamos esquecer que, desde 2010, a Fundação Rockefeller previu quatro cenários para esses anos, um dos quais foi a pandemia de “ lockstep“. Os roteiros foram estudados para todos esses cenários, e é preocupante ver como aquele relacionado à pandemia basicamente saiu conforme o esperado (veja Cenários para o Futuro da Tecnologia e Desenvolvimento Internacional, aqui). Os milhares de incêndios iniciados em todo o mundo nos últimos dias estão a servir de pretexto aos grandes meios de comunicação para gritarem sobre a emergência climática, em nome da qual já nos avisam que teremos de nos preparar para novos lockdowns e novas formas de limitação das nossas liberdades e dos nossos direitos. Mas então haverá o ciberataque global ou a crise econômica, que já foram estudados e planejados, e cujos primeiros sinais podemos observar. Todas essas estratégias têm como objetivo o ataque ao indivíduo – isolado e atacado na sua emocionalidade, nos seus ritmos diários, em sua obra – e também atacar as massas de forma indiferenciada e anônima.

Aqueles que discordam, isto é, aqueles que não aceitam ser transformados em cobaias e ver a população mundial dizimada por transformá-la em uma massa de doentes crônicos, devem entender que a desobediência é tão necessária quanto no tempo de outras ditaduras do século passado, e ainda mais. É desconcertante que, depois de ter construído a retórica da era pós-Segunda Guerra Mundial sobre o anti-nazismo, ninguém pareça reconhecer que a mesma discriminação que possibilitou os campos de concentração está agora ressurgindo de forma mais implacável. Questiona-se se os regimes totalitários do século XX não constituíram uma experiência preparatória para o que está acontecendo hoje, a começar pelo Estado de Israel.

Pergunta número 9: Excelência, mais uma vez, você está falando em termos muito dramáticos sobre pessoas sendo usadas como cobaias, sobre humanos que ficam cronicamente doentes devido às medidas de saúde que estão sendo tomadas e você está nos pedindo para resistir ao que você chama de um tipo de novo totalitarismo. Mas como poderíamos realmente chegar a uma conclusão conjunta sobre a ameaça que enfrentamos com tanta incapacidade de compreender os verdadeiros fatos e saber realmente qual é a nossa posição realmente? O que você sugere?

Arcebispo Viganò: Acredito que é importante abrir os olhos das pessoas, mostrando-lhes o embuste que enfrentamos. É um embuste baseado em falsas premissas, artisticamente criadas e impostas de forma dogmática, para legitimar falsas soluções já planejadas e implementadas.

A pandemia pretendia impor um controle social que em condições normais teria sido rejeitado com desdém pelas massas, mas que, graças ao terrorismo da mídia e à cumplicidade de médicos, políticos, magistrados e agências de aplicação da lei, pode ser introduzido em muitas nações e até nas próprias instituições eclesiásticas: em Santa Marta [residência onde vive Bergoglio] não se pode comer no refeitório sem passaporte de vacina, e em muitas escolas católicas e universidades a vacina é exigida a todos os funcionários e alunos. Em breve vão nos pedir o passaporte de vacina para viajar, ocupar cargos públicos, votar e ir à igreja.

Quero ser bem claro neste ponto: sem entender a dimensão do problema, sem reconhecer seus autores e discernir seus objetivos, nunca poderemos sair dele. Porque o Senhor, para vir em nosso socorro, quer que reconheçamos o mal que nos oprime e compreendamos o que o causa, para depois podermos pedir-Lhe perdão e fazer penitência. E a causa deste inferno na terra é ter abandonado a Deus, tendo-O negado em Seu senhorio temporal e espiritual, tendo usurpado a coroa para dá-la ao Inimigo. Quando compreendermos que a sociedade atual, em seu delírio de poder pisotear a Cruz de Cristo, se fez escrava de Satanás, só então poderemos invocar a misericórdia de Deus e implorar Sua intervenção.

Pergunta número 10: Arcebispo, você está esboçando para nós um confronto dramático entre o bem e o mal. Você está falando de Deus e do diabo. Eu queria saber se você poderia entrar em um pouco mais de detalhes, ao invés deste tipo de antagonistas abrangentes em uma escala colossal. O que você pode ver em nossa história, fatos reais nos últimos anos, e mesmo nos últimos séculos, que nos levaram a essa guerra pelo destino da humanidade, a identidade do homem, a meta da vida humana, e nos leva a esse contraste gritante que você nos vê enfrentando hoje?

Arcebispo Viganò: A resposta é muito simples. Em primeiro lugar, como cristãos, sabemos que esta guerra histórica é travada por Satanás, o inimigo da humanidade. Por trás dos que praticam a iniquidade há sempre e somente ele, um assassino desde o início. Pouco importa se os cooperadores desse plano são empresas farmacêuticas ou grandes fundos, organizações filantrópicas ou seitas maçônicas, facções políticas ou meios de comunicação corruptos: todos eles, conscientes ou não, colaboram na obra do Diabo.

Pecado, doença e morte são a marca inconfundível de sua obra. Pecado, doença e morte – não como um mal a ser curado, mas como uma resposta perversa, como o único suposto remédio para trazer vida e saúde material e espiritual aos homens. De fato, como uma normalidade para quem não vive mais na economia da Redenção, mas na escravidão de Satanás, que quer tornar irreversíveis os efeitos do pecado original e ineficaz o Sacrifício de Cristo. A ponto de os saudáveis ​​passarem a ser considerados doentes em potencial, disseminadores de pragas, propagadores de morte; e vice-versa, os vacinados – que são contagiosos – como as únicas pessoas com presunção de saúde. A ponto de o próprio clero se atrever a colocar a saúde do corpo acima do dever de administrar os sacramentos e celebrar a missa: a abjeta covardia de muitos padres e bispos, durante os recentes lockdowns, trouxe à luz um quadro desolado de timidez, na verdade de traição, e de falta de fé entre os membros do clero que mostra, se é que alguma vez foi necessário, as proporções dos danos causados ​​pela revolução conciliar.

Porque este é o absurdo do que vimos acontecer há um ano e meio: a resposta a uma gripe sazonal tem consistido na proibição de tratamentos eficazes e na imposição de terapias experimentais com novas tecnologias genéticas que, embora não curem as consequências do vírus, causa modificações genéticas e efeitos colaterais, ataques cardíacos e miocardite, morte de pessoas saudáveis ​​ou que poderiam se recuperar com os tratamentos disponíveis. E a isso se soma, como um ritual infernal, o uso de um soro gênico feito com fetos abortados, como se para renovar os sacrifícios humanos dos pagãos com uma nova reviravolta ne saúde, propiciando a vinda da Nova Ordem com a vida de inocentes. E enquanto o batismo cristão limpa a alma do pecado e nos torna filhos de Deus em seu caráter sacramental, o batismo satânico marca aqueles que o recebem com a marca da Besta.

Como os católicos são capazes de se submeter à vacina como uma espécie de batismo satânico sem qualquer escrúpulo de consciência continua sendo uma questão para a qual uma resposta deve ser dada. Certamente, décadas de cancelamento sistemático da Fé e da Moral dos fiéis, em nome de um diálogo com o mundo e com a modernidade, permitiram que as almas perdessem todas as referências sobrenaturais, deixando-se embotar por um sentimentalismo amorfo que nada tem de católico. A castração das almas deu-se no momento em que o certamen [combate] cristão contra o mundo, a carne e o demônio se perverteu em um recuo indecoroso, na verdade em uma deserção covarde. Outrora soldados de Cristo, muitos agora viram-se como cortesãos efeminados do adversário.

Pergunta número 11: Excelência, mais uma vez você nos chocou com sua linguagem polarizadora e seus tons sombrios com referência aos perigos terríveis que você vê que enfrentamos hoje, referindo-se à castração, referindo-se ao envenenamento por meios médicos. Vamos mudar a conversa um pouco para olhar mais de perto a sua área de verdadeira especialidade, que é a vida da Igreja. Você foi uma importante autoridade do Vaticano. Esteve próximo do Papa Paulo VI, de João Paulo II, do Papa Bento XVI e também do Papa Francisco. O que você acha que aconteceu com a Igreja que a colocou hoje em uma posição tão fraca, vis-à-vis sua tradição e vis-à-vis o mundo secular em geral?

Arcebispo Viganò: A fumaça de Satanás entrou na Igreja há mais de sessenta anos com o Concílio, e eu diria ainda antes: a revolução do Vaticano II foi possível porque foi preparada e organizada nos mínimos detalhes, durante décadas, por traidores que se infiltraram na Cúria Romana, dioceses, universidades, seminários, ordens religiosas. Uma obra de infiltração que encontrou os mais altos escalões da Igreja inertes e despreparados, intoxicados pelos ventos da novidade, inadequados perante os desafios da sociedade moderna, padecendo de um sentimento de inferioridade que os leva a crer que o são atrasados e fora de moda. E isso, devemos reconhecer, encontra sua causa principal na falta de uma visão sobrenatural, em ter negligenciado a vida da Graça em benefício de um ativismo dissipado, de um apostolado estéril precisamente porque não é alimentado pela oração e não é alimentado pela Caridade, que é o amor de Deus.

O mesmo acontece hoje, face a uma dominação pseudo-canônica com que se impõem limitações ilegítimas a um rito que, mesmo considerando apenas a sua antiguidade, está em si isento de qualquer possibilidade de abolição.

O problema da igreja conciliar – que como já disse várias vezes se sobrepõe à Igreja de Cristo como a lua cobre o sol durante um eclipse – é que ela quis chegar a um acordo com o mundo, quando o Evangelho nos ensina que o nosso destino é ser odiado e perseguido pelo mundo: “Se o mundo te odeia, sabe que antes de ti me odiou” (Jo 15,18). “Se eles me perseguiram, eles perseguirão vocês também” (Jo 15,20). “O discípulo não é superior ao mestre, nem o servo superior ao seu Senhor” (Mt 10,24). A Hierarquia conciliar sucumbiu à tentação de escolher o caminho fácil do diálogo, em vez de percorrer com coragem o caminho da Cruz, e isso a levou a renunciar ao anúncio do Evangelho, adulterando-o, adaptando-o ao espírito do mundo. Não esqueçamos que Satanás é chamado de “príncipe deste mundo” por Nosso Senhor (Jo 12,31 e 16,11).

E, no entanto, diante do colossal fracasso dessa suposta “primavera conciliar”, insiste-se com obstinação tetragonal por um caminho que se revelou suicida. Se o Vaticano II tivesse pelo menos aumentado o número de fiéis, poderíamos criticar seu método, mas pelo menos reconhecer seu benefício numérico, senão qualitativo. Em vez disso, a chamada “abertura” do Concílio não converteu um único irmão separado, causando o abandono de um número exorbitante de fiéis. Quem hoje permanece na Igreja tem um conhecimento da Fé quase sempre cheio de lacunas, incompleto e errôneo; sua vida espiritual é pobre, se não completamente ausente; e o estado de graça é aniquilado e negligenciado.

Onde está – pergunto-me – este sucesso retumbante do Vaticano II, com base no qual devemos continuar no caminho que percorreu, depois de ter abandonado o caminho real que os Pontífices Romanos seguiram até Pio XII? Mesmo uma avaliação humana seria suficiente para compreender o fracasso da ideologia conciliar e a necessidade de reparar o erro cometido.

E devemos nos perguntar – talvez sem piedade, mas ainda honesta e realisticamente – se a alegada renovação não foi nada mais do que um pretexto, atrás do qual estava escondida a intenção lúcida e maliciosa de destruir a Igreja de Cristo e substituí-la por uma contrafação: uma intenção certamente não compreendida ou compartilhada pela maioria dos Bispos, mas que surge clara e evidentemente na ação de alguns traidores organizados e eficientes. Não é por acaso que falam da velha religião e da velha missa, em contraste com a nova religião conciliar e a nova missa reformada. Aquele sulco, que eles cavaram deliberadamente usando o Concílio como relha do arado, hoje se mostra real, como um discrimen que separa o que é católico do que não é mais católico, quem é católico de quem não quer mais ser.

Pergunta número 12: Excelência, o senhor descreveu agora para nós um processo que dura 60 anos, como você diz, no qual a Igreja tem enfrentado um tipo de corrupção. Você denunciou a corrupção no plano moral, o abuso de crianças. O que você está denunciando agora é a corrupção no plano doutrinário. Você está dizendo que houve um tipo de desvio do ensino cristão tradicional nos últimos 60 anos. Você pode explicar ainda mais detalhadamente como você acha que isso ocorreu e o que pode ser feito a respeito?

Excelência, o que acaba de nos dizer mais uma vez em termos muito nítidos é que algo aconteceu na Igreja para modernizá-la e fazê-la se afastar de suas tradições e você acha que isso é uma coisa muito terrível e perigosa. A Igreja Católica realizou um concílio, um concílio ecumênico, nos anos 1960, 1962-1965, quatro anos. Depois do concílio, a Igreja disse que agora demos grandes passos em direção à modernização da Igreja, tornando-a mais atraente para o homem moderno. Mas você acredita que este é de alguma forma o erro fundamental desse período da história. Por favor, diga ao nosso público o que você acha que aconteceu no concílio e por que você acha que foi um grande erro da Igreja seguir esse caminho e por que isso não foi denunciado por outros, mas apenas por você?

Arcebispo Viganò: O problema da igreja conciliar está em ter feito suas as exigências revolucionárias, negando a realeza de Cristo e transferindo – pelo menos em palavras – a soberania ao povo, àqueles que a elite clerical convenceu que podem escolher quais verdades rejeitar e quais novos dogmas inventar. E saliento que, assim como aconteceu na vida pública, também na esfera eclesial o poder foi usurpado por novas entidades com finalidades opostas àquelas que a autoridade foi estabelecida; e sempre considerando o povo como uma massa a manipular e subjugar. As modalidades com que foi imposta a reforma litúrgica não são diferentes daquelas com que o passaporte de vacina nos é imposto hoje: sempre para o nosso bem, sempre porque há quem decide por nós, sempre mentindo para esconder as suas verdadeiras intenções.

Se seu verdadeiro propósito fosse o bem das almas, eles teriam que se arrepender desde o início, olhando com horror para o desastre que aconteceu. Mas se o propósito é realmente o desastre, entende-se o ódio e a aversão a tudo que visa limitá-lo e reparar o dano. Visto por este prisma, perseverare diabolicum [persistir é diabólico]. E isso vale tanto para a obstinação em relação ao Concílio quanto para a obstinação em relação à farsa pandêmica.

Pergunta número 13: Excelência, agora você nos deu um tipo de visão revisionista dos últimos 60 anos da história católica. Mas agora eu gostaria de empurrar o horizonte aqui por um século ou mais. O que realmente gostaríamos de entender é sua visão de onde isso veio. E eu sei, como já falamos em outras ocasiões, que você tem uma teoria precisa e tem a ver com o Iluminismo, o declínio do ancien regime, o antigo regime na Europa que estava vivo com a Igreja, a vinda da Revolução Francesa e todas as mudanças que ocorreram no século XIX, a primeira parte do século XX que levou ao concílio. Essa é a sua, por assim dizer, sua história de fundo de como a Igreja se tornou moderna e, de certo modo, na sua visão pós-cristã após o Concílio Vaticano II. Mas o que aconteceu antes disso? Você pode e explicar sua visão do Iluminismo e do período pós-Revolução Francesa?

Excelência, muitas e muitas pessoas acreditam que o Iluminismo levou a uma grande abertura da mente humana. Elas acham que foi um avanço maravilhoso na história da humanidade. São poucos os que têm críticas a esse período e as sustentam em bases religiosas, como você. Mas você pode nos guiar por meio de sua compreensão do que aconteceu no Iluminismo que o leva a considerá-lo virtualmente um Crepúsculo? Que forças estavam desempenhando um papel? Você falou comigo em outras ocasiões sobre o grupo chamado Maçonaria e sobre seu interesse em causar algumas dessas mudanças. Você pode discutir isso?

Arcebispo Viganò: A Maçonaria é o corpo místico de Satanás, porque Satanás é a entidade que ela adora em seus níveis mais elevados de iniciação. A “iluminação” que promove aos seus membros consiste em submetê-los a adoração cúltica de um Grande Arquiteto, que só mostra as suas feições infernais quando já não se consegue voltar atrás. O Iluminismo, como outros movimentos filosóficos, foi o instrumento cultural e ideológico com o qual a Maçonaria corrompeu as elites europeias e mobilizou as massas para a rebelião contra a autoridade dos soberanos e também contra a autoridade dos Pontífices Romanos. As numerosas encíclicas que condenam a infame seita demonstram a sabedoria da Igreja e a lucidez do julgamento dos Papas, assim como revelam as infiltrações e cumplicidades da Hierarquia conciliar.

Pergunta número 14: Mas alguns dizem que o Iluminismo também foi influenciado por certas filosofias orientais que começaram a chegar ao Ocidente. Você pode comentar sobre isso?

Arcebispo Viganò: As filosofias e correntes neopagãs do espiritualismo oriental insinuaram em nossa sociedade uma avaliação positiva de conceitos originados em uma matriz gnóstica e maçônica. Isso não é uma coincidência: muitos desses movimentos nada mais são do que a declinação religiosa dos princípios filosóficos do Iluminismo, do relativismo, do subjetivismo, do liberalismo e todos os erros modernos. Assim, a iluminação de Buda – que consiste em uma espécie de consciência da própria divinização ou da aniquilação em um todo panteísta – encontra seu correspondente na blasfema Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão, que se torna o centro do mundo depois de ter destituído Jesus Cristo.

A verdadeira religião defende a individualidade de cada pessoa em seu relacionamento íntimo com seu Criador, Senhor e Redentor e em seu relacionamento com seus semelhantes. Em contraste, na nova concepção antropocêntrica, o indivíduo é anulado em uma massa indistinta em que o Estado é lorde e senhor de seus cidadãos, e isso lançou as bases para o socialismo, comunismo, nazismo e o globalismo transhumanista de hoje. Não deixará de ser notado que, consequentemente, a abordagem antropocêntrica e comunitária é a marca distintiva da Novus Ordo, em total contraste com a visão teocêntrica da Missa Tradicional.

Gostaria de lembrar que o budismo, em particular o budismo da Soka Gakkai International, é uma espécie de versão oriental do pensamento ecumênico conciliar, e não é surpreendente que seu presidente, Daisaku Ikeda, tenha colaborado com Aurelio Peccei e o Club di Roma precisamente em dar ao movimento uma marca religiosa que predispôs seus adeptos aos princípios maçônicos e globalistas, impregnados de panteísmo ecológico e pacifismo, que hoje a igreja bergogliana adotou como seus (aqui). Todos os princípios professados ​​pela Soka Gakkai coincidem com os princípios do globalismo e da Nova Ordem Mundial, emprestando muito do mesmo léxico (aqui). Também é interessante notar que a Soka Gakkai representa uma “heresia” do Budismo tradicional, da mesma forma que a religião conciliar é herética com respeito ao Catolicismo Romano ou o Sionismo com respeito ao Judaísmo Ortodoxo. Quando o projeto da Religião Universal se tornar realidade, os fiéis das religiões que não aceitam a visão maçônica e globalista serão excluídos. Mas já agora vemos uma verdadeira rixa, por assim dizer, entre progressistas e fundamentalistas.

Pergunta número 15: Arcebispo, o que queremos entender é a extensão de sua condenação do que nos foi ensinado sobre o Iluminismo. Como você pode ver isso de forma tão diferente do que nossos acadêmicos e toda a nossa sociedade nos ensinaram sobre a glória e a bondade da Revolução Francesa, liberdade, igualdade, fraternidade? Você pode mergulhar fundo neste assunto e nos dar algo que nos permita entender melhor sua posição?

Arcebispo Viganò: Como tudo o que não vem de Deus, também o pensamento iluminista é mentiroso e falso, pois promete um paraíso inatingível na terra, uma utopia humana baseada em um imanentismo que contradiz a realidade objetiva de um Deus pessoal e transcendente. Os princípios do Iluminismo são quimeras: falsificações grotescas. A liberdade maçônica é licença; A fraternidade maçônica é um pacto entre conspiradores contra Deus; A igualdade maçônica é um achatamento miserável da individualidade e uma rejeição da ordem social e religiosa. E também é significativo que as mesmas pessoas que propagam a igualdade também consideram pertencer à loja maçônica como uma condição de privilégio que as coloca em uma posição de superioridade moral com respeito às massas não iniciadas.

Pergunta número 16: A Revolução na França, a Revolução Francesa, trouxe uma mudança monumental na estrutura social e política da Europa. Acabou com as monarquias. Trouxe as democracias. Agora, herdamos essa revolução nos últimos 200 anos. Parece que agora estamos à beira de uma grande revolução final que nos levará da ideia de democracias ou estados separados para a ideia de um estado único, unificado e global. Você pode comentar sobre esta perspectiva atual?

Arcebispo Viganò: O Estado moderno nasceu da conspiração política, social e religiosa das seitas maçônicas que queriam cancelar o reinado de Nosso Senhor, primeiro da sociedade civil por meio da Revolução Francesa, e depois da Igreja por meio do Vaticano II. O próprio conceito de democracia e soberania popular, além de ser um engano para o povo, teve sua origem em um contexto anticatólico e anticristão, em clara antítese ao poder dos soberanos como expressão vicária do poder de Deus sobre os negócios públicos.

Na ordem cristã, o Soberano ocupa o lugar de Cristo em questões temporais, e a autoridade do Soberano se move dentro dos limites da lei natural, da lei divina e da lei positiva que o Soberano deve estipular. O conceito de bonum commune está indissoluvelmente ligado à lei natural e à Verdade revelada e, como tal, aplica-se em todos os tempos e lugares; enquanto no estado moderno as massas decidem o que é bom com base em uma maioria numérica pelo menos aparente ou, como acontece hoje, no paradoxo de uma minoria mais organizada que se impõe ideologicamente graças à cumplicidade da mídia e dos potentados economicos.

O plano infernal de cancelar o cristianismo não poderia deixar de fora a destruição das monarquias católicas, como ocorreu nos últimos dois séculos e meio. E na ausência de princípios imutáveis ​​que regulem a vida dos cidadãos de acordo com a moral católica, a Maçonaria tem sido capaz de corromper gerações inteiras, doutrinando-as em um falso conceito de liberdade, pelo qual o homem rebelde se voltou contra a ordem querida por Deus – a hierarquia é uma ordem sagrada – e indócil à Redenção realizada por Nosso Senhor. A liberdade religiosa, junto com a desastrosa liberdade de imprensa e de opinião, também serviu para insinuar a ideia de que o homem é moralmente livre para abraçar qualquer credo ou ideologia que escolher, sem que essa escolha tenha qualquer consequência para o destino eterno de sua alma imortal e o destino de toda a sociedade.

Obviamente, são conceitos que depois de séculos de lavagem cerebral são difíceis de entender para a mentalidade de nossos contemporâneos, sobretudo depois que o Vaticano II os endossou, negando as condenações que essas ideias haviam merecido da Igreja.

Nesse sentido, podemos acreditar que a Nova Ordem Mundial se organizará em uma sinarquia, um governo único, no qual o poder será inicialmente delegado a um pequeno círculo e depois se transformará em uma tirania que será chefiada pelo Anticristo. Não esqueçamos que Satanás sabe muito bem a eficácia do sistema monárquico no exercício do governo: o que ele não aceita é que quem governe seja Jesus Cristo por meio de seu representante, porque também nisso Satanás deseja usurpar o lugar do Filho de Deus.

Pergunta número 17: Excelência, o senhor esboçou para nós uma espécie de quadro nítido de um grande desafio à nossa humanidade, às nossas tradições, à nossa compreensão de nossa liberdade e a possível perda dessa liberdade. Você tem alguma esperança para nos deixar na visão que você tem para o nosso possível futuro enquanto enfrentamos esses desafios terríveis?

Arcebispo Viganò: Gostaria de fortalecer o coração de todos os que me ouvem, usando palavras que já usei muitas vezes. Basta repetir as palavras de Nosso Senhor – portæ inferi non prævalebunt – para encontrar a serenidade. São palavras que conhecemos bem e com base nelas sabemos que a vitória final pertence a Deus. No entanto, ao mesmo tempo em que consideramos verdades escatológicas, também é compreensível que estejamos preocupados com nosso destino mais imediato, ou seja, o que nos acontecerá nos próximos meses e anos. Estamos preocupados com nossos entes queridos, nossos filhos, nossos mais idosos. Estamos preocupados com o que nos acontecerá daqui a algumas semanas, porque a cada dia aqueles que governam impõem novas normas, limitações e obrigações. E se muitos fatos nos fazem pensar que estamos nos aproximando do fim dos tempos, isso não diminui nosso sofrimento no presente e no futuro imediato.

O meu primeiro pensamento vai para as palavras de Nosso Senhor: “Não tenhas medo dos que matam o corpo, mas não podem matar a alma; temei antes aquele que tem poder para fazer perecer na Geena a alma e o corpo” (Mt 10:28). A vida da graça, a amizade com Deus e a recepção frequente dos sacramentos são para nós um remédio invencível contra a praga espiritual que assola a humanidade. Não nos assustemos com as ameaças iminentes: quando o demônio ruge, significa que o Senhor não o deixa morder. Temos ao nosso lado a Santíssima Virgem, Aquela que é nossa Mãe e Rainha. Confiamos a nós mesmos e a nossos entes queridos à Sua proteção, certos de que Ela saberá acertar aquele leão voraz como ele merece. “Resisti-lhe com firmeza na fé, sabendo que os vossos irmãos espalhados pelo mundo estão a sofrer os mesmos sofrimentos” (1 Pd 5, 9).

Pergunta número 18: Obrigado, arcebispo, por essas palavras esperançosas. Agora vou fazer minha pergunta final. Você deixou de lado um pequeno aspecto. Além da pandemia, das vacinas, do passaporte sanitário, muitos fiéis católicos estão preocupados com o destino dessas comunidades que estão ligadas à velha missa. O que você pode dizer sobre o destino dessas comunidades e a velha forma de rezar na Igreja Católica que gera tanta preocupação?

Arcebispo Viganò: Também neste caso, o leão que ruge que ameaça retaliação e excomunhão agora não tem dentes. Os fiéis e os padres compreenderam muito bem que suas ameaças, sua fúria iconoclasta e seu ódio agora flagrante contra a missa católica o revelaram por quem ele realmente é. O que ele pode fazer a um sacerdote que continua a celebrar o Santo Sacrifício? Suspende-lo a divinis ou mesmo excomungá-lo? Expulsá-lo da paróquia? Reduzi-lo ao estado de leigo? Isso não impedirá que os bons sacerdotes continuem seu apostolado na clandestinidade, com humildade e constância. Não é a primeira vez e talvez não seja a última. E quem compreendeu o que está em jogo – a salvação eterna – não se deixará intimidar pelos gritos indecentes vindo de Santa Marta.

Exorto também os fiéis a acolher e ajudar com gratidão estes sacerdotes, encorajando-os a não ceder perante a perseguição. Convido os fiéis a construir altares domésticos, ao redor dos quais reunir seus irmãos na Fé para se alimentar do Pão dos Anjos. As incomensuráveis ​​graças da Santa Missa se derramarão copiosamente em nossas comunidades menores, na Igreja e no mundo. Rezemos para que o bom clero permaneça fiel à sua vocação, para que os mornos encontrem no Alimento divino a coragem de pregar a Palavra opportune importune [a tempo e fora de tempo], para que aqueles que se esqueceram do valor de sua unção sacerdotal possam converter e corrigir seus caminhos.

Na perseguição, as graças se multiplicam sempre, a cegueira espiritual se abre à contemplação do Verdadeiro e do Bem, e a dureza de coração se desmancha em docilidade à voz de Deus.

 

+ Carlo Maria Viganò, arcebispo

15 de agosto de 2021

In Assumptione Beatae Mariae Virginis

 

Artigo original aqui