Totalitarismo patologizado

1
Tempo estimado de leitura: 8 minutos

Então, os capitalistas globalistas cruzaram o Rubicão. A fase final de sua transformação da sociedade em uma distopia totalitária patologizada, onde injeções de terapia genética obrigatórias e documentos de conformidade digital são comuns, está agora oficialmente em andamento.

Em 19 de novembro de 2021, o governo da Nova Normal Áustria decretou que, a partir de fevereiro, as injeções experimentais de mRNA serão obrigatórias para toda a população. Este decreto surge em meio à perseguição oficial da Áustria aos “não vacinados”, ou seja, dissidentes políticos e outras pessoas de consciência que se recusam a se converter à nova ideologia oficial e a se submeterem a uma série de injeções de mRNA, supostamente para combater um vírus que causa sintomas leves a moderados semelhantes aos da gripe (ou nenhum tipo de sintoma) em cerca de 95% dos infectados e a taxa geral de mortalidade por infecção é de aproximadamente 0,1% a 0,5%.

A Áustria é apenas a ponta de lança do Novo Normal. Fascistas neo-normais proeminentes na Alemanha, como Der Führer da Baviera, Markus Söder e o ministro da Propaganda Karl Lauterbach, já estão pedindo um impfpflicht allgemeine (ou seja, “exigência de vacinação obrigatória”), que não deve ser uma surpresa para ninguém. Os alemães não vão ficar de braços cruzados e deixar os austríacos publicamente ultrapassá-los no fascismo, vão? Afinal, eles têm uma reputação a zelar! A Itália provavelmente será a próxima a se juntar a eles, a menos que a Lituânia ou a Austrália os derrotem.

Mas, falando sério, este é apenas o começo do Cerco de Inverno sobre o qual escrevi recentemente. O plano parece ser o de Nova Normalizar a Europa primeiro – em geral, os europeus são mais dóceis, respeitosos com todas as autoridades e não muito bem armados – e então usá-la como alavanca para forçar o novo totalitarismo patologizado nos EUA e no Reino Unido, e no resto do mundo.

Não acredito que este plano terá sucesso. Apesar da campanha de propaganda mais intensa da história das campanhas de propaganda, ainda existem muitos de nós que se recusam firmemente a aceitar o “Novo Normal” como nossa nova realidade.

E muitos de nós estamos com raiva, extremamente bravos … militantemente, explosivamente bravos.

Não somos “hesitantes em vacinas” ou “anti-vacina” ou “teóricos da conspiração que negam a Covid”. Somos milhões de pessoas da classe trabalhadora regular, pessoas com princípios, que valorizam a liberdade, que não estão preparadas para adentrar docilmente na noite globalizada e totalitária patologizada. Não estamos mais dando a mínima para saber se nossos ex-amigos e familiares que aderiram ao Novo Normal entendem o que é isso. Nós entendemos. Nós entendemos exatamente o que é isso. É uma forma nascente de totalitarismo, e pretendemos matá-lo – ou pelo menos feri-lo gravemente – antes que ele amadureça e se torne um gigante adulto.

Agora, quero me fazer absolutamente claro. Não estou defendendo ou tolerando a violência. Mas isso vai acontecer. Já está acontecendo. O totalitarismo (mesmo esta versão “patologizada” dele) é imposto à sociedade e mantido com violência. Lutar contra o totalitarismo envolve inevitavelmente a violência. Não é minha tática preferida nas atuais circunstâncias, mas é inevitável agora que atingimos esse estágio, e é importante que aqueles que lutam nesta luta reconheçam que a violência é uma resposta natural à violência (e à ameaça implícita de violência) que está sendo implantada contra nós pelas autoridades do Novo Normal e as massas que eles instigaram em um frenesi fanático.

Também é importante (essencial, eu diria) tornar visível a violência do Novo Normal, ou seja, enquadrar essa luta em termos políticos, e não nos termos pseudo-médicos propagados pela narrativa oficial de Covid). Este não é um argumento acadêmico sobre a existência, gravidade ou a resposta a um vírus. Esta é uma luta para determinar o futuro de nossas sociedades.

Este fato, acima de tudo, é o que as classes dominantes capitalistas globalistas estão determinadas a esconder. O lançamento do Novo Normal falhará se for percebido como político (ou seja, uma forma de totalitarismo). Depende de nossa incapacidade de vê-lo como o que é. Assim, ele se esconde e esconde a violência que perpetra dentro de uma narrativa oficial pseudo-médica, tornando-se imune à oposição política.

Precisamos negar esse reduto perceptivo, esse esconderijo hermenêutico. Precisamos fazer com que ele se mostre pelo que é, uma forma “patologizada” de totalitarismo. Para fazer isso, precisamos entendê-lo … sua lógica interna e seus pontos fortes e fracos.

Totalitarismo patologizado

Estive descrevendo o Novo Normal como “totalitarismo patologizado” e prevendo que a “vacinação” obrigatória estava chegando pelo menos desde maio de 2020. (Ver, por exemplo, O novo totalitarismo patologizado). Eu uso o termo “totalitarismo” intencionalmente, não para efeito, mas por uma questão de precisão. O Novo Normal ainda é um totalitarismo nascente, mas sua essência é inequivocamente evidente. Descrevi essa essência em uma coluna recente:

   A essência do totalitarismo – independentemente dos costumes e ideologia que use – é um desejo de controlar completamente a sociedade, todos os aspectos da sociedade, todos os comportamentos e pensamentos individuais. Todo sistema totalitário, seja uma nação inteira, um minúsculo culto ou qualquer outra forma de corpo social, evolui em direção a esse objetivo inatingível … a transformação ideológica total e o controle de cada elemento da sociedade (ou qualquer tipo de corpo social que ele compreenda). Essa busca fanática pelo controle total, pela uniformidade ideológica absoluta e pela eliminação de todos os dissidentes é o que torna o totalitarismo o totalitarismo.

Em outubro de 2020, publiquei O culto covidiano, que desde então se transformou em uma série de ensaios examinando o totalitarismo Novo Normal (ou seja, patologizado) como “um culto em larga escala, em uma escala social”. Esta analogia é verdadeira para todas as formas de totalitarismo, mas especialmente para o totalitarismo Novo Normal, visto que é a primeira forma global de totalitarismo na história e, portanto:

    O paradigma culto/cultura foi invertido. Em vez de o culto existir como uma ilha dentro da cultura dominante, o culto se tornou a cultura dominante, e aqueles de nós que não aderiram ao culto se tornaram as ilhas isoladas dentro dele.

Em O culto covidiano (Parte III), observei:

    Para nos opor a essa nova forma de totalitarismo, precisamos entender como ela se assemelha e difere dos sistemas totalitários anteriores. As semelhanças são bastante óbvias – ou seja, a suspensão dos direitos constitucionais, governos governando por decreto, propaganda oficial, rituais de lealdade pública, proibição da oposição política, censura, segregação social, esquadrões de capangas aterrorizando o público e assim por diante – mas as diferenças não são tão óbvias.

E eu descrevi como o totalitarismo do Novo Normal difere fundamentalmente do totalitarismo do século XX em termos de sua ideologia, ou aparente falta dela.

    Enquanto o totalitarismo do século XX era mais ou menos nacional e abertamente político, o totalitarismo do Novo Normal é supranacional e sua ideologia é muito mais sutil. O Novo Normal não é nazismo ou stalinismo. É o totalitarismo capitalista globalista, e o capitalismo globalista não tem uma ideologia, tecnicamente, ou melhor, sua ideologia é “realidade”.

Mas a diferença mais significativa entre o totalitarismo do século XX e esse totalitarismo global nascente é como o totalitarismo do Novo Normal “patologiza” sua natureza política, tornando-se efetivamente invisível e, portanto, imune à oposição política. Enquanto o totalitarismo do século XX usava sua política na manga, o totalitarismo do Novo Normal se apresenta como uma reação não ideológica (isto é, supra-política) a uma emergência global de saúde pública.

E, assim, suas características totalitárias clássicas – por exemplo, a revogação de direitos e liberdades básicos, centralização de poder, governo por decreto, policiamento opressor da população, demonização e perseguição de uma classe inferior de “bode expiatório”, censura, propaganda, etc. – não estão escondidos, porque são impossíveis de esconder, mas são recontextualizados em uma narrativa oficial patologizada.

Os Untermenschen tornam-se os “não-vacinados”. Os alfinetes de lapela com a suástica tornam-se máscaras médicas. Os documentos de identificação arianos tornam-se “passaportes de vacinação”. Restrições sociais irrefutavelmente sem sentido e rituais obrigatórios de obediência pública tornam-se “lockdowns”, “distanciamento social” e assim por diante. O mundo está unido em uma guerra total goebbelsiana, não contra um inimigo externo (ou seja, um inimigo racial ou político), mas contra um inimigo interno patológico.

Esta narrativa oficial patologizada é mais poderosa (e insidiosa) do que qualquer ideologia, pois funciona, não como um sistema de crenças ou ethos, mas sim como uma “realidade” objetiva. Você não pode argumentar ou se opor à “realidade”. A “realidade” não tem oponentes políticos. Aqueles que desafiam a “realidade” são “insanos”, isto é, “teóricos da conspiração”, “anti-vacinas”, “negacionistas dea Covid”, “extremistas”, etc. E, assim, a narrativa do Novo Normal patologizada também patologiza seus oponentes políticos, simultaneamente privando-nos de legitimidade política e projetando sua própria violência sobre nós.

O totalitarismo do século XX também atribuiu a sua violência a seus bodes expiatórios (ou seja, judeus, socialistas, contra-revolucionários, etc.), mas não tentou apagar sua violência. Pelo contrário, a exibiu abertamente, para aterrorizar as massas. O novo totalitarismo normal não pode fazer isso. Não pode ser abertamente totalitário, porque capitalismo e totalitarismo são ideologicamente contraditórios.

A ideologia capitalista globalista não funcionará como uma ideologia oficial em uma sociedade abertamente totalitária. Requer a simulação de “democracia” ou, pelo menos, uma simulação de “liberdade” baseada no mercado. Uma sociedade pode ser intensamente autoritária, mas, para funcionar no sistema capitalista globalista, deve permitir ao seu povo a “liberdade” básica que o capitalismo oferece a todos os consumidores, o direito/obrigação de participar do mercado, de possuir e trocar mercadorias etc.

Essa “liberdade” pode ser condicional ou extremamente restrita, mas deve existir em algum grau. A Arábia Saudita e a China são dois exemplos de sociedades capitalistas globalistas abertamente autoritárias que, no entanto, não são totalmente totalitárias, porque não podem ser e permanecer como parte do sistema. Suas ideologias oficiais anunciadas (ou seja, fundamentalismo islâmico e comunismo) funcionam basicamente como camadas superficiais da ideologia capitalista globalista fundamental que dita a “realidade” em que todos vivem. Essas ideologias “sobrepostas” não são falsas, mas quando entram em conflito com a ideologia capitalista globalista, adivinhe qual ideologia vence.

A questão é que o totalitarismo do Novo Normal – e qualquer forma capitalista globalista de totalitarismo – não pode se mostrar como totalitarismo, ou mesmo como autoritarismo. Não pode admitir sua natureza política. Para existir, não deve existir. Acima de tudo, deve apagar sua violência (a violência a que toda política se resume) e aparecer para nós como uma resposta essencialmente benéfica a uma legítima “crise de saúde global” (e uma “crise de mudança climática” e uma “crise de racismo,” e quaisquer outras “crises globais” que os capitalistas globalistas acharem que irão aterrorizar as massas em uma histeria estúpida que as faça seguir ordens).

Essa patologização do totalitarismo – e do conflito político/ideológico em que nos envolvemos nos últimos 20 meses – é a diferença mais significativa entre o totalitarismo do Novo Normal e o totalitarismo do século XX. Todo o aparato capitalista globalista (ou seja, corporações, governos, entidades supranacionais, a mídia corporativa e estatal, a academia, etc.) foi colocado a serviço para atingir esse objetivo.

Precisamos aceitar esse fato. Nós precisamos. Não os novos normais. Nós.

Os capitalistas globalistas estão à beira de remodelar a sociedade em uma distopia totalitária patologizada feliz e sorridente, onde podem exigir “terapias” genéticas experimentais e qualquer outro tipo de “terapias” que desejem, e nos forçar a mostrar nossos “documentos de conformidade” para ter acesso aos aspectos mais básicos da vida. Essa reconstrução da sociedade é violenta. Está sendo feita à força, com violência e a ameaça sempre presente de violência. Precisamos enfrentar isso e agir de acordo.

Aqui na Nova Normal Alemanha, se você tentar fazer compras sem uma máscara tipo médica, a polícia armada irá removê-lo do local (e estou dizendo isso por experiência própria). Na Nova Normal Austrália, se você for à sinagoga, a imprensa será alertada e a polícia o cercará. Na Alemanha, Austrália, França, Itália, Holanda, Bélgica e em muitos outros países, se você exercer o seu direito de se reunir e protestar, a polícia o alvejará com canhões de água, atirará em você com balas de borracha (e às vezes balas de verdade), espirrará tóxicos em seus olhos e na maioria das vezes irá te encher de porrada.

E assim por diante. Aqueles de nós que lutam por nossos direitos e se opõem a esse totalitarismo patologizado estão bem familiarizados com a realidade de sua violência e com o ódio que ela fomentou nas novas massas normais. Nós experimentamos isso diariamente. Sentimos isso toda vez que somos forçados a usar uma máscara, quando algum funcionário público (ou garçom) exige ver nossos “documentos”. Sentimos isso quando somos ameaçados por nosso governo, quando sofremos gaslighting e somos demonizados pela mídia, por médicos, celebridades, estranhos aleatórios e por nossos colegas, amigos e familiares.

Reconhecemos o olhar em seus olhos. Lembramos de onde vem e para onde leva.

Não é apenas ignorância, histeria em massa, confusão ou uma reação exagerada, ou medo … ou, OK, sim, são todas essas coisas, mas também é o totalitarismo de livro didático (apesar da nova reviravolta patologizada). Totalitarismo básico.

Encare ele olhando nos olhos e aja de acordo.

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorÁfrica: muito menos vacinados e muito menos mortes, qual a mágica?
Próximo artigoImpostos: ligeiramente acima da escravidão
é um dramaturgo, romancista e satírico político premiado. Suas peças foram produzidas e fizeram turnê em teatros e festivais, incluindo Riverside Studios (Londres), 59E59 Theatres (Nova York), Traverse Theatre (Edimburgo), Belvoir St. Theatre (Sydney), o Du Maurier World Stage Festival (Toronto), Needtheater (Los Angeles), 7 Stages (Atlanta), Festival Fringe de Edimburgo, Adelaide Fringe, Festival de Brighton e Festival Noorderzon (Holanda), entre outros. Seus prêmios de redação incluem o 2002 First of the Scotsman Fringe Firsts, o Scotsman Fringe Firsts em 2002 e 2005 e o 2004 de Melhor peça de Adelaide Fringe. Sua sátira política e comentários foram apresentados no NPR Berlin, no CounterPunch, ColdType, The Unz Review, OffGuardian, ZeroHedge, Dissident Voice, The Greanville Post, ZNet, Black Agenda Report e outras publicações, e foram amplamente traduzidos.

1 COMENTÁRIO

  1. vocês precisam pegar esses ótimos artigos, juntar e publicar um livro, da até mais de um.
    e começarem a divulgar estas ideias na tv aberta, que apesar de bem derrubada em audiência, ainda tem uma casta da população que não faz ideia do que é libertarianismo. acham que o dinheiro roubado do imposto tem algum reterno. sendo que o pobre tem celular, roupas, eletrodoméstico e casa tudo graças ao capitalismo, e graças ao governo só tem dor de cabeça. presidentes de estatais com 16º salário, auxílio X e y, e o povo tem que pagar tudo.