Como o governador da Flórida derrotou a tirania COVID

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Ele defendeu a liberdade, apoiado pela ciência.

Assistir a totalidade da Anglosfera, e até mesmo grande parte do Ocidente, preso na histeria perpétua de COVID me deu a oportunidade de refletir sobre o quão perto chegamos de ficar presos em um complexo “Zero COVID ” com o resto do mundo. Se não fosse por Ron DeSantis e um punhado de governadores republicanos, com toda a probabilidade, ainda estaríamos desesperadamente na primeira etapa de nosso caminho para a normalidade.

Basta dar uma olhada nos eventos na Anglosfera nos últimos dias e semanas.

A Austrália impôs outro lockdown ultra-restritivo. Eu perdi a conta de quantos lockdowns Melbourne já teve, e quantas vezes eles “eliminaram” o COVID, apenas para que ele retornasse semanas depois.

O Canadá permanece em estado de lockdown total.

O Reino Unido está prestes a revisar seu plano para acabar com os lockdowns, apesar de não ter encontrado nenhum caso real de COVID, citando a última “variante assustadora”.

O auto-cerco da Nova Zelândia continua indefinidamente.

Agora, após um ano e meio de histeria COVID, grande parte do mundo continua em uma completa insanidade pseudocientífica, apesar de não haver nenhuma evidência de apoio para as atrocidades de direitos humanos cometidas contra seus próprios cidadãos em nome da interrupção de um vírus.

Esse também poderia ter sido o nosso destino, não fosse por um pequeno grupo de líderes que ousou desafiar o chamado consenso científico sobre os lockdowns.

Claro, os governadores republicanos Kristi Noem (Dakota do Sul) e Brian Kemp (Georgia), entre outros, devem ser aplaudidos por seus esforços em manter seus estados o mais abertos possível, mas nenhum político americano foi tão implacável quanto o governador DeSantis quando se trata de argumentar contra a loucura draconiana que consiste os lockdowns, fechamentos de escolas, decretos de máscaras, passaportes de vacinas e uma série de outras restrições desastrosas relacionadas ao COVID.

DeSantis fez questão de mostrar que suas decisões políticas instintivamente se apoiavam na liberdade, além de serem baseadas em evidências. Ele deu voz a alguns dos mais proeminentes especialistas na área para argumentar que essas restrições não eram apenas fundamentalmente antiamericanas, mas também se baseavam em ciência fraudulenta. Ao defender seu curso de ação, DeSantis realizou várias mesas redondas ao vivo e discussões abertas para um público global sobre a ciência real e os dados da pandemia com algumas das melhores e mais brilhantes mentes da profissão, incluindo o Dr. Scott Atlas da Hoover Institution, Dr. Sunetra Gupta de Oxford, Martin Kulldorff de Harvard e Dr. Jay Bhattacharya de Stanford, para citar alguns.

O que separa o governador DeSantis de seus colegas governadores em todo os EUA é que ele estava disposto a travar ambas as batalhas e envolver os argumentos morais e científicos contra os lockdowns ao mesmo tempo. Ao fazer isso, DeSantis se tornou o líder de fato da resistência contra a tirania COVID na América, desafiando instituições corruptas e hiperpolitizadas de saúde do governo dos EUA, como o CDC e o NIH, o governo Biden, a “expertise” de burocratas de carreira como Anthony Fauci e a recentemente “aposentada” Deborah Birx e governadores democratas pró-lockdown sedentos de poder como Andrew Cuomo (NY) e Gavin Newsom (Califórnia).

A reabertura da Flórida foi um sucesso óbvio demais para ser ignorado por qualquer observador imparcial. Tanto os dados quanto a experiência vivida pelos moradores da Flórida mostraram que os lockdowns fizeram mais mal do que bem. A Flórida, mesmo com sua população mais velha, superou consistentemente os estados com lockdown. A Flórida, com suas escolas e comércios abertos, superou os estados onde essas instituições permaneceram isoladas do povo.

Além disso, o sucesso anti-lockdown da Flórida foi fundamental para as políticas de governadores como Doug Ducey no Arizona e Greg Abbott no Texas, que finalmente, depois de meses servindo à suposta ciência por trás das restrições, seguiram o caminho da Flórida para a reabertura.

Embora os ativistas políticos e a imprensa corporativa (como o Miami Herald e outras publicações importantes, tanto dentro como fora da Flórida) tenham feito o possível para tentar manchar as políticas COVID do governador com dados falsos e teorias de conspiração, os resultados positivos da Flórida com seu modelo de governança “Estado Livre” era bom demais para ser ignorado. “Especialistas em saúde pública” e incitadores de pânico não conseguiram fornecer uma narrativa contrária à história de sucesso da Flórida e, eventualmente, as massas começaram a exigir respostas sobre por que suas condições não podiam ser semelhantes às da Flórida.

O sucesso da Flórida fez com que o governo Biden e os governadores pró-lockdown lutassem por respostas. Após meses tendo se colocado em uma posição moral elevada, eles foram colocados na defensiva. Tornou-se cada vez mais difícil para essas forças autoritárias continuar a justificar suas tomadas de poder. Embora ainda existam alguns obstáculos, essas forças nem se dão ao trabalho de afirmar que a ciência está do seu lado. Elas agora estão justificando amplamente suas restrições restantes, alegando que os cidadãos não estão psicologicamente prontos para abraçar a liberdade novamente por enquanto.

O governador DeSantis pode não ter sido o primeiro homem a se opor ao lockdown, mas ele defendeu a liberdade contra a tirania de COVID com mais firmeza, de forma mais sucinta e com mais paixão e persistência do que qualquer um de seus aliados políticos homólogos em todo o país. Seus esforços para aumentar a conscientização sobre a crueldade e a natureza anticientífica dos fechamentos sociais e institucionais não pararam apenas com a reabertura da Flórida, eles continuam até hoje. E por uma boa razão, tanto seus aliados quanto adversários foram forçados a reconhecer o governador da Flórida como uma força emergente a ser considerada no cenário mundial.

 

Artigo original aqui