Juros em alta e a bolha do “Grande Reinício”

0
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Embora muitos neguem, o “Grande Reinício” existe, referindo-se a um conjunto de ideias que vão do “capitalismo das partes interessadas” ao “wokeísmo” e da “quarta revolução industrial” ao “transhumanismo“. Ele é efetivamente popularizado especialmente através do Fórum Econômico Mundial. A luta contra vírus e epidemias e, em particular, o afastamento politicamente impulsionado dos combustíveis fósseis para “salvar o clima global” são provavelmente as pegadas mais visíveis da agenda do Grande Reinício.

Em poucas palavras, o Grande Reinício é uma derrubada politicamente planejada do sistema econômico e social global – uma reestruturação – e esse esforço mais audacioso ganhou forte impulso na esteira das políticas de taxas de juros extremamente baixas dos bancos centrais nos últimos anos. Essa constatação é tudo menos surpreendente para aqueles cientes dos efeitos dos custos de crédito manipulados para baixo.

Deixe-me lembrá-los do seguinte: como resultado da crise financeira e econômica global em 2008-9, os principais bancos centrais em todo o mundo reduziram drasticamente as taxas de juros. Nos Estados Unidos, por exemplo, a taxa básica de juros permaneceu em zero até quase o final de 2015, subiu para apenas 2,5% no final de 2018, depois caiu novamente a partir do verão de 2019 – e permaneceu em torno de zero – até março de 2022.

Em um ambiente de taxas de juros extremamente baixas, o desvio de capital em grande escala passou quase despercebido. Por exemplo, taxas de juros artificialmente baixas reduziram o incentivo à poupança e estimularam o consumo. Ao mesmo tempo, projetos de investimento que não teriam sido interessantes sem custos de empréstimos suprimidos tornaram-se atraentes. Como resultado, as economias foram atraídas para uma falsa ascensão cíclica, criando um boom.

Em particular, contrair dívida adicional tornou-se mais desejável, e isso criou uma enxurrada associada de preços de ativos inflacionados pela liquidez, especialmente com ações e imóveis. Surgiu uma “ilusão de riqueza” que obscureceu o fato de que os recursos são escassos, fazendo com que os enormes custos associados ao Grande Reinício parecessem uma questão sem importância.

Uma taxa de juros zero de fato torna a preferência das pessoas por gratificação instantânea (satisfazendo necessidades no presente) ainda mais atraente do que com taxas mais altas. Do ponto de vista econômico, a taxa baixa desvalorizou o futuro em favor do aqui e agora. Como resultado, o desejo atual de salvar o clima tornou-se ainda mais urgente aos olhos das pessoas em comparação com seu desejo legítimo de ter bens abundantes à sua disposição no futuro.

Não menos importante, as taxas de juros artificialmente suprimidas permitiram que os estados implementassem suas políticas anti-livre mercado praticamente impunes. Por exemplo, muitos governos ao redor do mundo impuseram lockdowns em 2020-21, desencadeando a histeria do coronavírus. Os verdadeiros custos econômicos das medidas de lockdown permaneceram em grande parte escondidos dos olhos da população porque os governos mantiveram as economias funcionando por meio de gigantescos pacotes de gastos financiados por dívidas e enormes expansões da oferta monetária.

Tudo parecia estar funcionando a favor dos proponentes do Grande Reinício. O sistema de livre mercado, juntamente com uma sociedade livre, foram forçados a recuar cada vez mais, e o impulso em direção a uma “economia de comando” – uma “economia dirigida por ditames estatais” – foi efetivamente fortalecido e acelerado. Então, a enorme expansão da oferta monetária – causada pela monetização da dívida nacional pelos bancos centrais em grande escala – mostrou seu efeito colateral indesejável: a inflação começou a subir em 2020 sem fim à vista. Dada a inflação cada vez maior, os bancos centrais foram forçados a aumentar as taxas de juros para evitar um colapso da confiança em suas moedas fiduciárias.

Para horror dos proponentes do Grande Reinício, o aumento das taxas de juros está agora esvaziando a “bolha do Grande Reinício”: de repente, a oferta futura de bens não é mais tão sem sentido para as pessoas que vivem no aqui e agora, na verdade, a oferta futura de bens se tornou muito mais valiosa novamente. Isso torna os custos do abandono planejado do petróleo, carvão e gás ainda mais dolorosos. Não só a produção atual está diminuindo devido aos preços elevados da energia, mas o aumento dos custos de crédito e capital também está tornando muitas empresas não lucrativas, exacerbando o declínio do emprego e da produção.

Torna-se óbvio que as perdas de renda e bem-estar para a população em geral têm sido enormes. O Grande Reinício de repente se tornou um projeto de luxo extremamente caro, e as pessoas estão cada vez mais começando a se rebelar contra o efeito de empobrecimento que vem com ele.

Poderíamos, talvez, concluir que o Grande Reinício requer uma taxa de juros artificialmente reduzida para ser implementado? O “capitalismo das partes interessadas” e o “wokeísmo” e o abandono dos combustíveis fósseis só compensam em um mundo de taxas de juros artificialmente mais baixas? A “nova ordem mundial”, tal como imaginada pelos proponentes do Grande Reinício, requer necessariamente taxas de juros de mercado artificialmente suprimidas?

Isso provavelmente seria um exagero. Afinal, a taxa de juros de mercado manipulada é apenas uma variável na implementação do esquema Grande Reinício. Independentemente do nível da taxa de juros, uma sociedade de pessoas infectadas, ou fanatizadas, por uma ideologia desumana poderia muito provavelmente decidir sacrificar sua prosperidade no aqui e agora para alcançar um estado de felicidade imaginária no futuro – e lutar por um Grande Reinício e, portanto, o neossocialismo.

No entanto, uma taxa de juros manipulada para baixo indubitavelmente facilita a derrubada da estrutura de propriedade e riqueza existente, como pretendido pelo Grande Reinício. Dito isso, a política de juros dos bancos centrais é algo como uma “agulha de bússola”, um indicador direcional: o aumento contínuo das taxas de juros joga areia nas engrenagens dos fanáticos do Grande Reinício, enquanto um retorno à política de redução das taxas de juros tem o potencial de encher a bolha do Grande Reinício com novos ares.

Os bancos centrais poderiam ter minado o Grande Reinício com os aumentos das taxas de juros que introduziram desde o início de 2022, de modo que o projeto agora está parado? Provavelmente não. Na verdade, pouco alimenta essa esperança. No final das contas, os conselhos dos bancos centrais apoiam totalmente a agenda de política econômica de seus governos, incluindo o Grande Reinício. Portanto, não devemos alimentar muita esperança de que os últimos aumentos das taxas de juros tenham realmente anunciado o fim da maquinação do Grande Reinício.

Não, o Grande Reinício só pode ser interrompido e revertido se e quando as pessoas acordarem. Isso exige que as pessoas comecem a enxergar o esquema: ou seja, que o Grande Reinício não representa um mundo melhor, mas visa implementar um controle global e um regime opressor em que o indivíduo não conta mais, o estado se torna totalitário e a liberdade e a prosperidade como a conhecemos hoje não existiriam mais.

O retorno da política de redução das taxas de juros por parte dos bancos centrais – que deve se desenrolar em breve – deve, portanto, ser visto como a retomada da luta contra a liberdade e a prosperidade das pessoas. Taxas de juros artificialmente reduzidas ajudam a evitar que a bolha do Grande Reinício imploda ou, pelo menos, a mantenha inflada por mais tempo do que qualquer um que se preocupa com a liberdade e a prosperidade gostaria.

Mais uma vez, para efetivamente acabar com o Grande Reinício e estourar sua bolha, as pessoas devem acordar agora e acabar com ele – antes que seja tarde demais.

 

 

 

Artigo original aqui