Murray Rothbard sobre Cristianismo, Catolicismo e Teologia

1
Tempo estimado de leitura: 9 minutos

Uma joia escondida do pensamento de Murray Rothbard sobre a “Teoria Whig da História” foi publicada recentemente aqui. Esta publicação foi extraída de uma transcrição editada de “Ideologia e Teorias da História” (ITH), a primeira de uma série de seis palestras sobre a história do pensamento econômico proferidas por Rothbard em 1986, publicadas aqui em 2006. ITH também continha um tesouro oculto sobre seus pensamentos sobre Cristianismo e Catolicismo em relação à história, economia e liberdade. Na verdade, a segunda metade desta transcrição não editada de 40 páginas é dedicada exclusivamente a esse assunto. Uma dúzia das melhores citações de Rothbard de ITH sobre Cristianismo, Catolicismo e teologia seguem, com comentários.

      Um amigo meu está escrevendo um texto universitário com leituras sobre a história antiga, medieval e moderna. Eles não podem colocar nada sobre religião nisso. Não é uma questão de ser a favor ou contra. Qualquer coisa sobre isso é considerada controversa e, portanto, deve ser eliminada. É absolutamente bizarro, porque a religião influenciou todo o pensamento e toda a ação, pelo menos até o século XIX e provavelmente o século XX. Então, quando você fala sobre a história de qualquer coisa, especialmente a história do pensamento, deixar a religião de fora é deixar de fora a maior parte das coisas – deixar os valores e as ideias que os motivaram. É muito louco. Você não precisa ser pró-religião ou pró-Cristianismo para perceber que tem sido extremamente importante, e não falar sobre isso é um absurdo. (pág. 30)

Ele estava observando um fenômeno em meados da década de 1980 que vinha ganhando ritmo desde pelo menos a década de 1960, e agora atingiu o auge a partir de meados de 2020, ou seja, a abolição orwelliana da história. Atualmente, a academia ocidental é dirigida pelos marxistas culturais e pelos novos ateus, ambos hipermaterialistas e anticristãos. Os primeiros irresponsavelmente não acreditam na verdade objetiva; os últimos arrogantemente acreditam que possuem o monopólio dessa verdade. Ambos apoiam a censura e a cultura do cancelamento.

     Uma das coisas-chave que o Cristianismo trouxe ao mundo, acredito mais do que qualquer outra religião, é o individualismo – a suprema importância do indivíduo. Eu acho que é [onde] o selo individual da imagem de Deus, e sua salvação [através de Jesus Cristo], torna-se de extrema importância, e escolha moral e todo o resto. … Embora eu reverencie os gregos – eles são grandes racionalistas e tudo isso – os gregos são orientados para a polis. O que lhes importa não é o indivíduo, mas a polis, a cidade-estado. (pág. 31)

Uma das narrativas históricas padrão, mesmo para conservadores e libertários, é que a civilização ocidental moderna evoluiu conjunta e igualmente de uma síntese das antigas Atenas e Jerusalém. A primeira representava a filosofia e a ciência seculares; a última representava a ética e a lei judaico-cristã. Rothbard parece estar sugerindo que, embora possa ser uma colaboração, Jerusalém é o sócio principal. Observe que o Cristianismo certamente eleva o indivíduo, mas não o individualismo per se. Também faz o mesmo com o livre arbítrio, que é necessário, mas não suficiente, para a liberdade.

       A tradição da lei natural [de Aristóteles e dos estóicos] foi retomada por [Tomás] de Aquino e pelos escolásticos [espanhóis]. [Eles] redescobriram [o] uso da razão [para] descobrir a lei natural [ou] as leis da realidade, que incluem as leis da ética e que também impõem um limite firme ao Estado. Em outras palavras, o Estado não pode invadir uma esfera ou direitos… de cada indivíduo. (pág. 24)

A versão cristã da lei natural é talvez a defesa ética mais forte da liberdade humana, definitivamente mais sólida do que a antiga versão grega, e o mesmo vale para a Ética Argumentativa de Hoppe do final dos anos 1980. A razão é que, se um Deus perfeito e amoroso não forçará nenhum indivíduo a obedecer à Sua vontade ou a acreditar Nele, mesmo para o seu próprio bem ou para impedir o mal, então como pode um governo imperfeito e sem amor poder fazer isso de forma ilimitada? Isso estabelece Deus sobre o governo.

    Além de… estabelecer uma esfera de direitos individuais e limitar o governo… se você realmente acredita na lei natural, acredita que há limites naturais para a onipotência do homem ou para a onipotência dos indivíduos. Eles não acreditam na lei natural e vale tudo, você pode fazer qualquer coisa, você pode conquistar o mundo ou o que quer que seja sem nenhuma consequência negativa. Essa é outra razão pela qual a lei natural é importante. (pág. 28)

Na sequência do item 3 acima, a versão cristã da lei natural também é talvez a defesa econômica mais forte da liberdade humana. Por causa do pecado original e da queda da raça humana, entropia física e escassez econômica entraram em jogo. Elas asseguram que os humanos não podem criar a utopia ou o Céu por meio de suas próprias obras; temos uma chance muito melhor de criar distopia ou inferno na Terra. Os mercados livres não apenas tendem a mitigar a arrogância e a violência humanas, mas também facilitam a compreensão e a cooperação humanas.

       Obviamente, houve comércio em todas as civilizações, mas o verdadeiro capitalismo [de mercado]… existe apenas na Europa Ocidental, e o que a tornou assim? [Jean Beckler] aponta o fato de que o poder foi descentralizado [sob os] feudalistas. … Beckler diz: “A expansão do capitalismo deve sua origem e sua razão de ser a [essa] anarquia política”. … E particularmente, não é coincidência, de acordo com Beckler, que a verdadeira expansão do capitalismo ocorre no século XI … que coincide com a magnífica destruição do poder do Estado pelo [Papa] Gregório VII. (págs. 25-26)

Ele não apenas desafia corretamente uma das vacas sagradas do pensamento esquerdista dominante, como também faz o mesmo com o pensamento dominante de direita. Na esquerda, ele desafia a noção de que foi preciso o Renascimento, seguido pelo surgimento da ciência moderna, para então trazer o capitalismo. À direita, ele contesta a visão paralela de que, em vez disso, ocorreu a Reforma seguida pelo surgimento da ética protestante do trabalho.

    O Catolicismo controlou firmemente o poder do Estado durante a Idade Média e posteriormente. E a outra coisa importante, eu acho, é que a Igreja Católica era um controle transnacional da lei estatal. (…) Não quero arriscar, mas acho que é o único caso na história em que a igreja e o Estado não eram os mesmos. … E a maioria dos intelectuais ao longo da história foram clérigos. A ideia de um intelectual leigo surgiu apenas nos últimos duzentos anos. … [Depois] da Reforma Protestante … muitas das igrejas protestantes tornaram-se igrejas estatais. A Igreja Anglicana, claro, sendo uma igreja estatal total. (pág. 25)

Continuando com o número 5 acima, ele desafia a crença comum entre a maioria dos economistas e muitos outros de que a Igreja Católica era uma espécie de bastião atemporal do pensamento anticapitalista ou, pelo menos, em comparação com as igrejas protestantes. Tanto os pensadores católicos quanto os protestantes fizeram contribuições importantes e positivas para a liberdade e a economia – o primeiro por muito mais tempo, de Tomás de Aquino e Agostinho até GK Chesterton e Fulton Sheen. Este último é muito mais curto, incluindo desde os levelers ingleses e revolucionários americanos até CS Lewis e John Lennox.

      É apenas [entre] os calvinistas que [a] teoria do valor-trabalho floresceu. Os calvinistas acreditam em uma obrigação divina para o trabalho. Em outras palavras, praticamente esse trabalho é um fim em si mesmo. Os pensadores católicos tendem a ser a favor do consumo, do prazer moderado e do trabalho como um meio para um fim, que é mais uma forma econômica de ver isso, por assim dizer. Considerando que os calvinistas tendem a ser anti-diversão e querem manter o consumo limitado ao mínimo. … Como veremos, a primeira pessoa real da Teoria do Valor Trabalho foi [Adam] Smith [que era supostamente um neocalvinista]. (págs. 23-24)

Continuando com os números 5 e 6 acima, a esquerda ateia frequentemente retratou o Cristianismo (tanto protestante quanto católico), em um sentido amplo, como sendo anti-intelectual, enquanto a direita ateia frequentemente retratou o Cristianismo (principalmente o Catolicismo) de uma forma mais estrita, como sendo antieconômico. Ele não apenas (usando uma palavra usada e abusada pela esquerda de hoje) desmascara a última afirmação; ele enfraquece ainda mais a primeira.

      Acho a teologia fascinante porque é uma espécie de sistema dedutivo, algo como a praxeologia, exceto, é claro, que os axiomas são diferentes. Mas uma vez que você tenha os axiomas, você pode desvendar quase tudo. E você pode falar sobre sistemas dedutivos coerentes versus incoerentes. … [Uma] pequena diferença nos axiomas – outra coisa sobre a teologia como um sistema dedutivo – uma diferença aparentemente sem importância nos axiomas pode causar tremendas diferenças nas conclusões políticas ou sociais. … [Isso inclui] a creatologia, a ciência dos primeiros dias … [e] a escatologia, ou seja, [a] ciência dos últimos dias. (págs. 30-31)

Assim como a falsa escolha entre natureza ou criação, entender melhor o reino natural ou espiritual requer dedução e indução, bem como abdução. Dito isso, CS Lewis escreveu em seu clássico atemporal Cristianismo Puro e Simples: “Há uma coisa, e apenas uma, em todo o universo sobre a qual sabemos mais do que poderíamos aprender com a observação externa. Essa única coisa é o Homem. Não apenas observamos os homens, somos homens. Nesse caso, temos, por assim dizer, informações privilegiadas.” Ele escreveu essas palavras em 1952, mais ou menos na mesma época em que Ludwig von Mises publicou Ação Humana (1949).

     A posição cristã ortodoxa é que [um perfeito] Deus criou o universo por puro amor. … A abordagem mística é que [um imperfeito] Deus criou o universo a partir de uma necessidade sentida, do que Mises teria chamado de desconforto sentido – Deus estava solitário. … [A última visão é] progressista, porque Deus então pode desenvolver sua perfeição, e o homem [coletivista] pode desenvolver sua perfeição. … O lado ruim é que o homem [coletivista] agora está separado de Deus pela primeira vez. Alienado. (págs. 32-33)

A visão cristã ortodoxa (felizmente tanto dos católicos tradicionais quanto dos protestantes conservadores) não é apenas a visão teológica correta, mas também a mais compatível com o capitalismo de livre mercado. A visão cristã mística (infelizmente tanto dos católicos da teologia da libertação quanto dos protestantes do Evangelho Social) não é apenas a visão teológica incorreta, mas também a mais compatível com o socialismo do Estado de bem-estar. Como Rothbard apontou em outro lugar, Karl Marx era muito mais místico do que se imagina. Isso porque Marx (como muitos dos novos ateus) não apenas desacreditava em Deus, mas odiava Deus. Esta situação não é muito diferente do colega filósofo alemão de sua época, Friedrich Nietzsche, ou de um certo anjo caído antes de todas as eras terrenas.

     O problema do mal, é claro, como todos sabemos, é se Deus é bom e onipotente, como é que temos o mal no mundo? … A solução cristã ortodoxa é que o homem é criado, os indivíduos são criados com livre arbítrio, que são livres para escolher o bem ou o mal. … A solução mística [é que] não há mal. Tudo o que parece mal é realmente parte de um bom processo, um processo da dialética [hegeliano-marxista], que termina em uma poderosa fusão das bolhas … mais ou menos como uma teoria Whig de uma maneira maluca. (pág. 35)

Em apoio à visão ortodoxa sobre o místico, CS Lewis escreveu: “Porque o livre-arbítrio, embora torne o mal possível, é também a única coisa que torna possível qualquer amor, bondade ou alegria que valha a pena ter [enquanto] um mundo de autômatos – de criaturas que funcionassem como máquinas – dificilmente valeria a pena criar.” E como Fulton Sheen poderia acrescentar: “A vida humana é ‘sobrenatural’ em relação à vida animal, pois [os humanos têm] livre arbítrio, coisa que os animais não têm”.

     Então, finalmente – começamos com esta unidade, e então temos uma separação, alienação, e então temos uma culminação final da história – aqui, é claro, temos uma escatologia – será uma reunião do homem e Deus. … [Sob a abordagem mística] o indivíduo não é nada – as pessoas individuais são apenas átomos nessa coisa toda. Assim, o homem e Deus estarão unidos em alguma unidade de espécie cataclísmica. Cada indivíduo também será unido a todos os outros indivíduos em uma bolha. (págs. 33-34)

O Cristianismo ortodoxo concorda com o conceito de “separação” humana de Deus e do Jardim do Éden após o pecado original e a queda da raça humana. Mas discorda que os indivíduos sejam qualquer tipo de “uma bolha” ou “unidade” com Deus, seja pré ou pós-história. Em vez disso, ele postula que cada pessoa é singular e eterna. A única questão é se alguém será ressuscitado corporalmente após a morte para passar a eternidade com Cristo. Observe que tanto a ciência quanto a revelação concordam que esta terra e o universo terminarão – o primeiro, devido ao nosso sol se apagar, seguido algum tempo depois pelo The Big Crunch; o último, com o Retorno do Rei (como o famoso escritor católico JRR Tolkien o chamaria).

      Um dos meus escritores favoritos de todos os tempos é GK Chesterton. … HL Mencken, que também é meu escritor favorito. (págs. 34-35)

HL Mencken é uma lenda da liberdade, mas quando se trata do Cristianismo, ele está, na melhor das hipóteses, enganado e, na pior, simplesmente errado. Por exemplo, ele disse uma vez: “A religião se opõe fundamentalmente a tudo que eu venero – coragem, pensamento claro, honestidade, justiça e, acima de tudo, amor à verdade”. O amor pela verdade não significa que alguém encontrou a verdade, muito menos a Verdade. O contemporâneo de Mencken, GK Chesterton, retrucou: “Não sinto nenhum desprezo por um ateu, que muitas vezes é um homem limitado e constrangido por sua própria lógica a uma simplificação muito triste”. Chesterton acrescentou com humor: “Se não houvesse Deus, não haveria ateus”.

Apesar de ter sido ateu por toda a vida, nesta palestra de 1986, Murray Rothbard mostrou não apenas respeito pelo papel ético positivo desempenhado pelo Cristianismo em geral e pelo Catolicismo romano em particular ao longo da história da civilização ocidental, mas também pelas principais contribuições lógicas feitas aos fundamentos da pessoa livre e dos mercados livres em todos os lugares. Em uma carta de 1991 extraída aqui, Rothbard foi um pouco mais longe, dizendo: “Embora eu não seja crente, saúdo o Cristianismo, e especialmente o Catolicismo, como a base da liberdade”.

 

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. A “abolição orwelliana da história” a que o autor se refere passa pela novilíngua. Um recurso já surrado é o de inventar uma palavra onde “despejar” tudo que houver de negativo sobre um determinado assunto.
    Assim, os conservadores se livram de todos os seus defeitos dizendo que quem têm defeitos não são eles, são os neoconservadores.
    Da mesma forma, a esquerda que quer se chamar de liberal mas de liberal não tem nada, inventou o neoliberal para levar a culpa de tudo.
    Da mesma forma, quem quer acreditar em uma igreja perfeita, que embora seja constituida por seres humanos é à prova de erros e imune aos defeitos humanos, recorre à mesma negação. Tudo que houver de positivo na história da igreja é prova de sua santidade, mas nas inúmeras vezes em que ela participou do jogo sujo do poder, aliou-se aos políticos, participou de conspirações, recrutou exércitos, promoveu guerras, e vários etc, aí não era a igreja de verdade, e até o papa deixa de ser cristão se necessário.
    Outro recurso já bastante velho e usado à esquerda e à direita é o de acusar qualquer um que discorde de “discurso de ódio”. No caso dos defensores da igreja, inventaram o neoateu, que da mesma forma que as bruxas malvadas dos contos de fada, é malvado simplesmente porque é. Sempre que alguém faz uma pergunta inconveniente ou lembra um fato histórico desagradável, a apologética simplesmente decreta que trata-se de um neoateu, e com isso finge-se que nada aconteceu. A justificativa é um primor de falta de lógica: o neoateu teria “ódio de Deus”, Deus que ele declara não existir. A prática mostra que é difícil responder com lógica a uma afirmação tão contraditória em si mesma, e assim consegue-se o objetivo, que é interditar o debate.
    O resultado é que, como Fernando Pessoa, que afirmou que o Tejo é mais bonito que o rio de sua aldeia, mas não é mais bonito que o rio de sua aldeia porque não é o rio de sua aldeia, temos longos textos como esse dando voltas para afirmar que embora outras pessoas estejam certas sobre a sua igreja, elas não estão certas sobre a sua igreja porque elas não fazem parte de sua igreja. Versão resumida: a sua igreja sempre está certa, os outros sempre estão errados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.