O Mundo Livre morreu de Covid-19

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Sendo alguém com experiência em política externa e assuntos internacionais, muitas vezes me pedem para discutir as ramificações de ter Joe Biden como o suposto líder do Mundo Livre.

Embora seja fácil se deixar levar debatendo os méritos de um homem fortemente comprometido ser a representação física do Mundo Livre, e como isso é ridículo e deprimente, não posso deixar de me deter na possibilidade de que o próprio termo não faça mais sentido.

“Que mundo livre?”

O Mundo Livre é um termo que foi originalmente usado para descrever as potências Aliadas durante a Segunda Guerra Mundial, mas é mais aplicável aqui ao discutir o que uniu o bloco anti-soviético aos Estados Unidos durante a Guerra Fria. Foram esses valores do “mundo ocidental” de liberdade de expressão, mídia livre, liberdade de reunião e liberdade de associação que uniram nossos estados soberanos contra os males do comunismo.

A paranoia COVID transformou os estados soberanos do mundo em uma tirania após a outra. E as forças autoritárias do mundo venceram esta segunda “Guerra Fria” contra seus cidadãos sem disparar um tiro. Alguns parecem ter a impressão de que a classe dominante, que acabou de concluir a mais rápida ascensão de poder na história da humanidade, simplesmente retornará essas liberdades roubadas quando a “emergência nacional” chegar ao fim. Não estou exatamente convencido de que isso vá ocorrer.

Como John Adams disse uma vez: “Mas uma Constituição de Governo, uma vez diminuída de Liberdade, nunca pode ser restaurada. A liberdade, uma vez perdida, está perdida para sempre.”

Nos Estados Unidos, o sistema federalista permite bolsões de liberdade em lugares como Flórida, Texas, Dakota do Sul e outros. Mas se atreva a protestar na capital da nação hoje e você rapidamente se encontrará em uma lista de observação do FBI, e quase certamente, em uma data futura estará no sistema de tribunal arbitrário da nação. Continuamos a ver estados autoritários implementando “passaportes de vacinas” e outras medidas discriminatórias em nome de um vírus. Na maioria dos centros populacionais dos Estados Unidos, ainda existem pesadas “restrições COVID” na sociedade e na economia. Nossa nação não está mais unida por trás desses conceitos de “mundo livre”, e eles agora são considerados apenas ideias virtuosas nos bolsos de liberdade mencionados anteriormente nos EUA. No resto do país, ficou claro que seus direitos não existem diante de uma doença com uma taxa de recuperação de 99,8%.

Agora observe a devastação no resto da Anglosfera:

O Reino Unido colocou seus cidadãos sob confinamento por tempo indeterminado. Suas “restrições COVID” duraram bem mais de um ano e não há fim à vista.

O Canadá, que também está sob estrito lockdown há mais de um ano, mutilou a imprensa livre e, ao mesmo tempo, se transformou em uma colônia estatal chinesa. Sob a “liderança” de Justin Trudeau, o Canadá essencialmente proibiu a liberdade de movimento, liberdade de expressão, liberdade de religião e liberdade de reunião em nome de um vírus.

A Nova Zelândia, outra nação que está se aproximando de Pequim, está comprometida com um auto-cerco “Zero Covid” que bloqueou a nação insular do mundo por mais de um ano. Cidadãos com teste positivo para COVID-19 são enviados à força para campos de quarentena. O governo considerou recentemente uma legislação que pune as pessoas pelo ato de contraírem o COVID-19.

Os estados da Austrália implementaram alguns dos lockdowns mais intrusivos do mundo. Em Victoria, os lockdowns significavam que os cidadãos só podiam deixar suas casas uma hora por dia e não podiam viajar para fora de um determinado raio de suas casas. O ato de protestar é ilegal e será enfrentado pela tropa de choque.

Quanto a outros membros da OTAN e a outros rotulados como democracias liberais no “Mundo Livre”, as liberdades reais permanecem difíceis de identificar. Alemanha, França e Itália acabam de entrar em outra rodada de restrições de direitos, e inúmeras outras nações do “Mundo Livre” continuam destruindo as liberdades pessoais.

Para tornar as coisas ainda mais confusas (e abrir os olhos), as pessoas que vivem em países há muito considerados antagônicos e autoritários (como Rússia, China, Bielorrússia, etc.) estão desfrutando de mais liberdades do que o cidadão médio do Ocidente. A Bielorrússia nunca implementou bloqueios. Os russos trataram suas restrições de maneira muito frouxa. A China está aberta há mais de um ano.

Os valores ocidentais que alguns de nós têm em nossos corações e que são caros não são compartilhados por nossa classe dominante. O Mundo Livre, como uma força unida, esteve de fato muito doente durante a maior parte do século XXI, mas finalmente morreu de COVID-19. O conceito só vive em nossa imaginação e memórias. A era COVID expôs que esses valores que supostamente uniam o Ocidente nada mais são do que uma fachada.

No entanto, existem motivos para otimismo. Há milhões e milhões de nós que testemunhamos as atrocidades cometidas por governos ao longo do ano passado e nos tornamos “red-pillados” diante da ameaça representada por essas forças autoritárias. Pessoas com ideias semelhantes podem e irão construir uma nova coalizão que defenda nossos direitos inalienáveis. Resta ver se isso vem na forma de uma aliança de Estados-nação ou de um movimento mais independente de cidadãos ao redor do mundo. A demanda pelo reconhecimento das liberdades humanas básicas logo se tornará óbvia demais para ser ignorada. Existem muitos caminhos para o surgimento de um novo Mundo Livre, mas, por enquanto, o velho Mundo Livre como uma força unificadora dos valores ocidentais é uma relíquia da história.

 

Artigo original aqui