O Estado não é seu amigo

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Permita-me dizer algumas coisas que alguns de vocês podem achar chocantes, ofensivas ou até incompreensíveis. Por outro lado, suspeito que muitos ou a maioria de vocês possa concordar – mas não cristalizaram seus pensamentos ou hesitam em expressá-los. Eu me pergunto se será seguro expressá-los daqui mais cinco anos …

Você provavelmente sabe que sou libertário. Mas sou mais que libertário, sou anarcocapitalista. Em outras palavras, eu realmente não acredito no direito do Estado existir. Por que não? O Estado não é uma entidade mágica; é um parasita na sociedade. Qualquer coisa útil que o Estado faça poderia ser, e seria, fornecida por empreendedores que buscam lucro. E seria melhor e mais barato em virtude disso.

Mais importante, o Estado representa coerção institucionalizada. Ele tem o monopólio da força, e isso é sempre extremamente perigoso. Como disse Mao Tse-tung, atualmente um dos principais especialistas em governo do mundo: “O poder do Estado vem do cano de uma arma”. O Estado não é seu amigo.

Existem duas maneiras possíveis de as pessoas se relacionarem: voluntária ou coercivamente. O Estado é pura coerção institucionalizada. Como tal, não é apenas desnecessário, mas antitético, para uma sociedade civilizada. E isso é cada vez mais verdadeiro à medida que a tecnologia avança. Nunca foi moral, mas pelo menos era possível nos dias de carro de bois para os burocratas ordenarem as coisas. Hoje a ideia é ridícula.

O Estado é uma mão morta que se impõe à sociedade, beneficiando principalmente aqueles que a controlam e seus companheiros. Não deve ser reformado; deve ser abolido. Essa crença me torna, é claro, um anarquista.

As pessoas têm uma ideia errada sobre os anarquistas – que são pessoas violentas, que andam por ai vestidos omm capas pretas e segurando aquelas pequenas bombas redondas. Isso não faz sentido. Claro que existem anarquistas violentos. Existem dentistas violentos. Existem cristãos violentos. A violência, no entanto, não tem nada a ver com anarquismo. O anarquismo é simplesmente uma crença de que um governante não é necessário, que a sociedade se organiza, que os indivíduos são donos de si mesmos e que o Estado é realmente contraproducente.

Sempre foi uma batalha entre o indivíduo e o coletivo. Eu estou do lado do indivíduo. Um anarcocapitalista simplesmente não acredita que alguém tenha o direito de iniciar uma agressão contra alguém. Isso é uma crença irracional?

Deixe-me colocar deste jeito. Como o governo é coerção institucionalizada – uma coisa muito perigosa – se você quer um governo, ele não deve fazer nada além de proteger as pessoas em sua jurisdição de coerção física.

O que isso implica? Implica uma força policial para protegê-lo da coerção dentro de seus limites, um exército para protegê-lo da coerção de pessoas de fora e um sistema judicial para permitir que você decida disputas sem recorrer à coerção.

Eu poderia viver suficientemente feliz o com um governo que fizesse somente essas coisas. Infelizmente, o nosso  governo é apenas marginalmente competente na prestação de serviços nessas três áreas. Em vez disso, ele tenta fazer todo o resto concebível.

Pode-se argumentar que a maior entidade criminosa hoje não é um cartel colombiano de cocaína, mas o governo dos EUA. E eles são muito mais perigosos. Eles têm o monopólio legal da força para fazer o que quiserem com você. Não confunda o governo com a América; eles são entidades diferentes e separadas. O governo dos EUA tem seus próprios interesses, tão distintos quanto os da General Motors ou da Máfia. Na verdade, eu provavelmente preferiria lidar com a máfia do que com qualquer agência do governo dos EUA.

Mesmo nas piores circunstâncias – mesmo que a Máfia controlasse os Estados Unidos – não acredito que Tony Soprano ou Al Capone tentariam roubar 40% da renda das pessoas todos os anos. Eles não conseguiram se safar. Mas – porque dizem se tratar de uma democracia – o governo dos EUA pode se disfarçar de “Nós, o Povo” e conseguir.

Aliás, a ideia de democracia é um anacronismo, na melhor das hipóteses. Os EUA se transformaram em um império multicultural doméstico. A pessoa comum foi propagandeada a acreditar que é patriótico fazer o que ele mandou. “Precisamos de pilhas de regulamentações e fico feliz em pagar meus impostos. É o preço que pagamos pela civilização.” Não, isso é exatamente o oposto da realidade. Essas coisas são sinais de que a civilização está se degradando, que os membros da sociedade estão se tornando menos responsáveis ​​individualmente. E, portanto, que o país deve ser mantido unido pela força.

É tudo sobre controle. O poder corrompe, e o poder absoluto corrompe absolutamente. O tipo de pessoa que gravita para o governo gosta de controlar outras pessoas. Ao contrário do que nos dizem para pensar, é por isso que as piores pessoas – e não as melhores – querem entrar no governo.

E quanto a votação? Isso pode mudar e melhorar as coisas? Improvável. Posso apresentar cinco razões pelas quais você não deve votar em uma eleição (consulte este artigo). Veja se você concorda.

Lembre-se dos anos 1960 quando eles disseram: “Suponha que declarem uma guerra e ninguém apareça?” Mas vamos além: suponha que cobrem um imposto e ninguém pague? Suponha que eles realize uma eleição e ninguém vote? Isso deslegitimizaria o Estado.

Por isso, aplaudo o fato de que apenas metade dos americanos vota – embora seja por apatia, não por uma afirmação filosófica. Se esse número caísse para 25%, 10% e 0%, talvez todo mundo olhasse em volta e dissesse: “Espere um minuto, nenhum de nós acredita nessa farsa maligna. Não gosto de Tweedledee da ala esquerda do Partido Demopublicano, assim como não gosto de Tweedledum da ala direita … ”

Lembre-se, não são os melhores e os mais brilhantes que vão para o governo. Isso porque existem dois tipos de pessoas. Você tem pessoas que gostam de controlar a realidade física – coisas. E pessoas que gostam de controlar outras pessoas. Esse segundo grupo, aqueles que gostam de dominar seus companheiros, são naturalmente atraídos para o governo e para a política.

Alguns podem questionar: “Você não é leal ao seu país?” e “Como você pode dizer essas coisas terríveis?” Minha resposta é: “É claro que sou leal à América, mas a América é uma ideia, não é necessariamente um lugar. Pelo menos não mais …

Os EUA já foram únicos entre os países do mundo. Infelizmente, esse não é mais o caso. A ideia ainda é única, mas o país não é mais.

E digo mais. Dizem que você deveria ser leal aos seus colegas americanos. Bem, aqui está uma revelação. Tenho menos em comum com meu colega americano médio do que com meus amigos no Congo, Argentina ou China. O motivo é que eu compartilho valores com meus amigos; olhamos o mundo da mesma maneira e temos a mesma visão de mundo. Mas quanto tenho em comum com meus colegas americanos que moram nos parques de trailers, bairros e guetos? Ou até Hollywood e Washington? Não muito.

Quanto você realmente tem em comum com seus colegas americanos que apoiam Bernie Sanders, AOC, antifa ou Elizabeth Warren?

Você provavelmente tem muito pouco em comum com eles, além de compartilhar o mesmo passaporte. A maioria de seus colegas americanos é na verdade beneficiários de assistência social, dependentes do Estado de alguma forma. E, portanto, uma ameaça ativa à sua liberdade pessoal e bem-estar econômico.

Todo mundo tem que ser julgado como indivíduo. Por isso, escolho meus compatriotas com base em seu caráter e crenças, não em sua nacionalidade. O fato de todos podermos portar passaportes dos EUA é simplesmente um acidente de nascimento.

Aqueles que acham este pensamento ofensivo provavelmente sofrem de uma aberração psicológica chamada “nacionalismo”; em casos graves, pode se tornar “jingoísmo”. As autoridades e o público em geral preferem chamá-lo de “patriotismo”.

Porém, é compreensível. Todos, inclusive os norte-coreanos, tendem a se identificar com o local em que nasceram e com o Estado que os governa. Mas isso deve ficar lá embaixo em qualquer lista de virtudes. Nacionalismo é a crença de que meu país é o melhor país do mundo só porque nasci lá. É assustador a qualquer momento, mas mais virulento durante guerras e eleições. É como assistir a um bando de chimpanzés grunhindo e ofegando outra tribo de chimpanzés do outro lado do poço.

Na verdade, é perigoso não ser nacionalista, principalmente quando o Estado se torna mais poderoso. O crescimento do Estado está realmente destruindo a ideia da América. Nos últimos 100 anos, o Estado cresceu a uma taxa exponencial; é o inimigo do indivíduo. Não vejo razão para que essa tendência pare. E certamente não há razão para isso se reverter. Embora a eleição de Trump em 2016 tenha sido amplamente preferível a de Hillary do ponto de vista da liberdade pessoal e da prosperidade econômica, dificilmente equivale a uma mudança de tendência.

O declínio dos EUA é como uma bola de neve gigante rolando ladeira abaixo do topo da montanha. Poderia ter sido parado no início de sua descida, mas agora a coisa é colossal. Se você ficar no seu caminho, será esmagado. Parará apenas quando esmagar a vila no fundo do vale.

Sou bastante pessimista sobre o futuro da liberdade nos EUA. Está em tendência de baixa há muitas décadas. Mas os eventos de 11 de setembro de 2001 turbinaram a perda de liberdade nos EUA. Em algum momento, inimigos estrangeiros ou domésticos causarão outro 11 de setembro, real ou imaginário.

Quando houver outro 11 de setembro – e teremos outro – o Estado trancará os EUA como uma de suas numerosas novas prisões. Eu estava com medo de que o número de mortos e feridos por várias centenas de pessoas em Las Vegas em 1º de outubro de 2017 pudesse ter sido o catalisador. Mas, estranhamente, o ciclo de notícias continua, deixando dezenas de perguntas sérias e sem resposta. Nenhum relatório competente e nenhuma preocupação pública. Mais um testemunho do estado degradado dos EUA hoje.

Em breve, isso se tornará muito desagradável nos EUA. Parece-me que o inevitável está se tornando iminente.

Artigo original aqui.