Relíquia do passado ou distopia incorporada?

0

Eu não esperava ter vontade de reler o livro Foi há muito tempo e nunca nem sequer aconteceu, de David Satter, que examina os horrores da era de Stalin e as consequências que continuam até hoje. No entanto, os assuntos atuais e o estado do mundo tornaram seu canto de sereia irresistível. (Um artigo anterior baseou-se fortemente nele.) Não é que o livro seja ruim, muito pelo contrário. É excelente, cativante, terrível, repugnante, assustador. Pelo menos, era há 10 anos quando foi lançado. Agora, sob os holofotes dos últimos anos, é tudo isso e muito mais; francamente, é assustador.

Que idiota complacente eu fui quando o li pela primeira vez. Sentei-me em minha poltrona e abri caminho, balançando a cabeça, imaginando como diabos tais crimes monstruosos e execuções sumárias poderiam ter ocorrido como aconteceram. Nada disso jamais aconteceria na minha vida, muito menos comigo. Haveria sinais ao longo do caminho, onde poderíamos corrigir quaisquer tendências sociais perigosas? Certamente!

Lendo-o agora, os mesmos padrões e reações terríveis daquela época são perturbadoramente reconhecíveis na sociedade de hoje.

No trecho a seguir, Lyubov Shaporina descreve em seu diário como se sentia sobre a maneira como as execuções eram discutidas:

     A náusea sobe à minha garganta quando ouço com que calma as pessoas podem dizer isso: ele foi baleado, outra pessoa foi baleada, baleada, baleada. A palavra está sempre no ar, ressoa pelo ar. As pessoas pronunciam as palavras com toda a calma, como se estivessem dizendo “Ele foi ao teatro”. Acho que o real significado da palavra não chega à nossa consciência – tudo o que ouvimos é o som. Não temos uma imagem mental dessas pessoas realmente morrendo sob as balas… as palavras ‘baleado’ e ‘preso’ não causam o menor impacto nos jovens.” Os rostos das pessoas comuns que estão em longas filas são “sem graça, amargurados, abatidos”. “É insuportável”, escreveu ela, “viver no meio disso tudo. É como andar por um matadouro, com o ar saturado do cheiro de sangue e carniça.” (enfase adicionada)

Com que calma agora observamos a onda de ataques cardíacos, derrames e colapsos mortais ao nosso redor, em jovens, atletas e de meia-idade, jovens demais para morrer. Um derrame, dizemos, um ataque cardíaco. Com que calma e prontidão adotamos um novo acrônimo, Morte Súbita. Com que calma notamos o esforço para colocar desfibriladores em cada esquina. Com que calma dizemos câncer súbito em estágio quatro, com que calma dizemos que a mortalidade por todas as causas e o excesso de mortes estão aumentando e a fertilidade caindo. E com que calma ouvimos os nossos algozes ‘especialistas’ enquanto eles nos dizem para tomar uma terceira, quarta, quinta dose. Falando sobre andar por um matadouro.

Uma página depois, Satter escreve:

    De uma maneira horrível, o Grande Terror preparou Leningrado para o massacre em massa que estava por vir. Durante 1937-38, a cidade sofreu nas mãos de seus próprios governantes. Durante a guerra, ela foi sitiada por um inimigo estrangeiro. Mas o assassinato de dezenas de milhares de indivíduos selecionados durante o Terror preparou o povo da cidade para ser sacrificado às centenas de milhares no interesse do estado soviético. Estabeleceu-se o princípio de que os objetivos do Estado, justificados ou não, eram os objetivos mais elevados de todos. (enfase adicionada)

O mundo inteiro ‘sofreu nas mãos de seus próprios governantes’ nos últimos anos. Melbourne certamente sofreu. Talvez não assassinato, mas sofrimento com certeza. Isso faz você se perguntar quem, exatamente, são nossos governantes? Tenho medo de pensar para o que essa experiência nos preparou. Parece uma questão de exame daqui a 50 anos: “O Grande Terror está para a Segunda Guerra Mundial assim como a era COVID está para ???”

Não há dúvida de que há uma memória e uma resposta coletiva agora conectadas a sociedades outrora democráticas, como o povo de Melbourne, que passou e cambaleou de lockdown para lockdown, para lockdown, para lockdown, para lockdown, para lockdown. A resposta automática é se entregar como um cordeiro e aceitar o que está por vir. Fomos expostos como covardes. Deus nos ajude da próxima vez.

Satter entrevistou Yuri Zhigalkin sobre sua experiência em sua cidade natal, Korsakov, na década de 1970. Relembrando aquela época, ele descreve um modo geral de vida que se limitava ao básico.

     (Satter): “O que o regime estava dizendo ao seu povo e dizendo ao mundo era caricatural, mas dentro dessa caricatura as pessoas viviam uma vida normal?”

(Zhigalkin): “Exatamente. É por isso que algumas pessoas sentem falta desse tipo de vida. Naquela época, a vida deles era baseada em coisas primitivas.”

Parece-me que estamos vivendo dentro de um desenho animado. Colocar máscaras que são impossíveis de funcionar, seguir setas pelas lojas, pisar nos adesivos, inclinar-se nas telas de acrílico no caixa do supermercado. Estas são manifestações infantis das deliberações caprichosas de ditadores megalomaníacos e seus apparatchiks: beber sentado ok, beber em pé não ok.

Ainda ontem, o diretor de saúde da Austrália do Sul, Nicola Spurrier (o mesmo que aconselhou os torcedores que assistiam a um jogo de futebol a evitar tocar na bola caso ela fosse chutada para a arquibancada, por medo de você sabe o que) disse durante uma entrevista antes do período de Natal “Papai Noel, devias ter tomado as tuas quatro doses de vacina.” Aqui está o burocrata no topo do politburo da saúde literalmente falando em voz alta, na câmera, para uma invenção de sua imaginação – e devemos levá-la a sério.

Ela também ouve vozes? O que as vozes estão dizendo a ela? Isto já passou do ponto de ser uma piada. Mas de alguma forma, dentro daquele desenho estúpido, melburnianos, nova-iorquinos e londrinos conseguiram viver sua vida ‘normal’, de alguma forma ganhando a vida, cuidando de crianças e idosos, educando e celebrando, casando e dando à luz. Nem todos, claro. Não os suicidas, não os que perderam meios de subsistência, casas, casamentos. Mas o suficiente para dar a impressão de que a vida continuava normal. Será que algum dia vamos nos livrar desse desenho animado e viver em 4K Ultra HD novamente? Duvido, não se nossos funcionários públicos da saúde continuarem tendo esses episódios psicóticos.

Vamos supor, por enquanto, embora não seja de forma alguma garantido, que a era COVID se tornará de fato uma relíquia do passado limitada pelo tempo, em oposição a uma distopia incorporada que perdura no futuro previsível. É muito cedo para começar a falar sobre ‘sobreviventes’ da era COVID? Quem serão eles? Como falarão dessa época às gerações mais novas, ou aos visitantes dos poucos países que não caíram na armadilha? Satter escreve:

     Ao falar sobre o período de Stalin, a observação típica de sobreviventes e cidadãos comuns foi que os anos de assassinatos em massa foram “tempos terríveis”, uma observação válida, mas que implicava que o terror era inevitável, como o clima, e além do controle de qualquer indivíduo. . (ênfase adicionada)

Já ouço esse tipo de linguagem: “Claro que não podíamos fazer isso durante o lockdown” ou “Durante o COVID foi difícil”. Há uma relutância em insistir nos horrores dos lockdowns e dos decretos de vacinas; melhor esquecer tudo isso rapidamente e dizer apenas que foram ”tempos terríveis” e seguir em frente. Quem terá coragem ou energia daqui a 20, 30, 50 anos para contar como foi? Será mesmo possível? Isso depende inteiramente de estarmos atentos às lições da Rússia ou de nos deixarmos cair no frio abraço do totalitarismo. Já estamos ouvindo os slogans do FEM: “Você não será dono de nada e será feliz.” Vamos cair nessa ou resistir?

Satter novamente:

    Além da segurança, o comunismo deu aos russos a sensação de que suas vidas tinham significado. A relação entre o homem e Deus foi substituída pela relação entre o homem e o regime. O resultado foi a eliminação de um senso de valores universais que dependem de uma fonte supramundana. Mas os russos receberam em troca os “valores de classe” do marxismo e um regime que se tratava como gerador único da verdade absoluta.

Santa Jacinda já disse aos presidiários de Aotearoa (também conhecidos como cidadãos da Nova Zelândia) que ela é a única fonte da verdade. O Ocidente está a caminho da capitulação. A questão é, o que vamos fazer a respeito? Não tenho certeza se ficar calmo é a resposta.

 

 

 

Artigo original aqui

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.