Uma revolução pode surgir da destruição econômica causada pelos governos

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

O mundo parece estar pegando fogo. Há alguns meses, a recuperação econômica ainda estava firmemente estabelecida, a produção expandida e o desemprego estava em declínio. Tudo mudou com o advento do coronavírus ou, para ser mais preciso: as coisas ficaram realmente azedas com os decretos políticos de fechamento. Como reação à propagação do vírus, governos em muitos países ordenaram que lojas e empresas fechassem e que as pessoas ficassem em casa. O resultado inevitável foi um colapso quase completo do sistema econômico. Centenas de milhões de pessoas foram jogadas em desespero total; somente na Índia, 120 milhões de trabalhadores perderam o emprego em abril de 2020.

O colapso econômico fez com que o sistema de papel-moeda não lastreado entrasse em parafuso. Os mutuários não conseguiram pagar suas dívidas e os bancos não estavam dispostos a rolar empréstimos vencidos, muito menos estender novos fundos para os devedores em dificuldades. Toda a pirâmide de crédito estava prestes a desabar. Para impedir que isso acontecesse, os governos e seus bancos centrais deram “all in”, fornecendo enormes quantias de dinheiro para compensar a renda perdida das pessoas e os lucros evaporados das empresas. Obviamente, os governos não têm o dinheiro que prometeram gastar.

Os bancos centrais colocaram para funcionar as impressoras eletrônicas, emitindo grandes quantidades de dinheiro recém-criado para o setor bancário e financeiro e também injetando novos saldos nas contas das pessoas mantidas em bancos. Em outras palavras: enquanto a produção se contrai pesadamente, a quantidade de dinheiro está aumentando fortemente. Esta é, sem dúvida, uma política inflacionária, pois, se houver, a inflação deve ser entendida como um aumento na quantidade de moeda. Um resultado possível de uma política de aumentar a quantidade de dinheiro é a inflação de preços: o aumento dos preços de bens e serviços.

Outro resultado de um aumento na massa de moeda é uma redistribuição de renda e riqueza entre as pessoas. Nem todas as pessoas receberão uma parte do dinheiro recém-criado ao mesmo tempo, pois haverá recebedores antecipados e atrasados. O primeiro pode comprar bens e serviços a preços inalterados. Os últimos, no entanto, perdem: eles só podem comprar itens à venda ​​a preços já elevados. Como resultado, os recebedores iniciais do novo dinheiro ficam mais ricos em comparação com os recebedores atrasados. A injeção de dinheiro, portanto, equivale a uma redistribuição de renda e riqueza.

As vastas quantias de dinheiro que os bancos centrais estão emitindo para combater os sintomas da crise criarão vencedores e perdedores. Isso tornará alguns mais ricos e muitos outros mais pobres. Não cria uma situação ganha-ganha. Os bancos, o setor financeiro, as grandes empresas e os governos, assim como seus amigos e beneficiários próximos, podem estar do lado vencedor. Por outro lado, espera-se que as médias e pequenas empresas, o trabalhador médio e os aposentados estejam perdendo. Na verdade, a impressão de quantidades cada vez maiores de dinheiro aumenta a desigualdade econômica.

Não é mais um trabalho árduo, engenhosidade, frugalidade e prudência em consumir por parte do indivíduo que determina seu destino econômico, mas a proximidade com a máquina de impressão de dinheiro do banco central e o atendimento aos requisitos para receber favores do governo. Em tempos de expansão econômica, a oposição e o protesto contra a injustiça social que vem com a impressão de dinheiro são subjugados – a maioria das pessoas vê sua fatia do bolo aumentando pelo menos até certo ponto. Uma recessão, no entanto, muda isso: estabelece as bases para a oposição e rebelião definitivas.

Como Ludwig von Mises (1881–1973) observou perceptivamente:

O desemprego em massa permanente destrói os fundamentos morais da ordem social. Os jovens que, tendo terminado sua formação para o trabalho, são forçados a permanecer ociosos, são o fermento a partir do qual os movimentos políticos mais radicais são formados. Em suas fileiras, os soldados das próximas revoluções são recrutados.[1]

Oposição e rebelião contra o quê?

Atualmente, a maioria das pessoas coloca a culpa da perda de empregos e da terrível situação de renda no capitalismo – o sistema econômico em que os meios de produção estão em mãos privadas. Eles argumentam que o capitalismo torna os ricos ainda mais ricos e os pobres ainda mais pobres, e que o capitalismo é inerentemente instável e causa crises econômicas e financeiras recorrentes. No entanto, esta é uma interpretação totalmente falsa. Em primeiro lugar, nem nos EUA, Europa, Ásia nem América Latina encontramos o capitalismo no sentido puro da palavra.

Os sistemas econômicos em todo o mundo representam o sistema intervencionista. Os governos restringiram bastante o funcionamento das forças do mercado livre através de impostos, diretrizes, leis e regulamentos. Onde quer que você olhe, o pouco que resta da ordem capitalista está sitiado e é eliminado cada vez mais. Um ponto bastante óbvio é o sistema monetário: a produção monetária foi monopolizada pelos bancos centrais patrocinados pelo governo, que distribuem licenças a bancos privados para participar da criação de moeda que não é lastreada por nenhuma poupança real.

A sólida teoria econômica nos ensina que esse sistema monetário causa grandes problemas: é inflacionário, causa ciclos de expansão e de quebra, faz com que a economia fique em superendividamento e permite que o estado se torne cada vez maior, transformando-se em um estado oculto em sua profundeza (Deep State). De fato, não há dúvidas de que, sem um sistema de papel-moeda sem lastro, os governos de hoje não poderiam ter se tornado tão grandes, invasores e supressores quanto são. O sistema não lastreado de papel moeda é, por assim dizer, o elixir para a criação de um governo tirânico.

Infelizmente, aqueles que culpam o capitalismo estão latindo na árvore errada. Apesar de todas as suas críticas a moeda inflacionária, as dificuldades econômicas e a crescente desigualdade são os resultados diretos da bem-sucedida guerra dos governos contra o capitalismo, que foi substituída por um sistema de intervenções. O sistema de livre mercado foi substituído por um sistema de decretos e proibições, todos incompatíveis com o capitalismo no verdadeiro sentido. Nesse cenário, surge a pergunta: como as pessoas colocam toda a culpa no capitalismo, e não no intervencionismo-socialismo?

Claro, existe uma coisa chamada “mentalidade anticapitalista”. Muitas pessoas não gostam do capitalismo, porque, sob o capitalismo, aqueles que melhor atendem à demanda do consumidor são economicamente recompensados: obter lucro é o resultado de ter produzido algo que os outros desejam comprar. Aqueles que estão menos ansiosos para servir ao próximo devem se contentar com rendimentos mais baixos. Essa verdade inevitável é o terreno fértil para ressentimento, inveja e malevolência. E essas emoções podem ser instrumentalizadas com bastante facilidade por demagogos.

É exatamente aí que entra a ideologia socialista. Ela apela e atende aos ressentimentos das pessoas. O capitalismo é declarado o bandido, o culpado de sua insatisfação. Nesse sentido, o capitalismo se torna uma espécie de “Judas” contra a qual as pessoas são encorajadas a direcionar todos os seus ressentimentos. Mais importante, as políticas anticapitalistas, o programa do socialismo, são elogiadas e promovidas como benéficas para os insatisfeitos, para reprimir os ricos e garantir uma distribuição mais uniforme de renda e riqueza.

Sem dúvida, a atual distribuição de renda e riqueza foi provocada pelo intervencionismo-socialismo, e não pelo capitalismo puro. Uma estratégia para remediar isso é canalizar a insatisfação das pessoas na direção certa – deixar claro que pedir menos intervencionismo, menos políticas socialistas e a desconstrução do Estado (como o conhecemos hoje) é o caminho a seguir, não empurrando o sistema de mercado livre do penhasco e permitindo que o estado profundo se torne ainda maior. Sem dúvida, isso equivale a uma tarefa educacional gigantesca.

Muita coisa depende de avançar nessa questão, pois seria uma receita para o desastre se o capitalismo continuasse sendo responsabilizado pelos problemas econômicos, sociais e políticos que são, de fato, causados ​​por um sistema que talvez possa ser melhor caracterizado como anticapitalismo. Ao dar adeus ao capitalismo, as pessoas colocam a paz e a prosperidade em grave risco, comprometendo o futuro existencial da grande maioria das vidas humanas em todo o mundo. Dito isto, salvaguardar o capitalismo de seus inimigos destrutivos é de extrema importância.

Este não é apenas um momento de crise econômica. Em retrospectiva, também pode parecer um impasse entre as forças que desejam avançar mais em direção ao socialismo e as que tentam voltar ao capitalismo, e talvez também como um tempo de revolução social. Esperemos que seja uma revolução contra o socialismo invasor na forma de governos cada vez maiores e ainda mais poderosos. Esperamos que seja uma revolução na qual as pessoas busquem recuperar o controle sobre suas vidas, pondo fim às ideologias de esquerda, seja o globalismo político, o intervencionismo ou o socialismo total.

 

____________________________________

Notas:

[1] Ludwig von Mises, Socialism: An Economic and Sociological Analysis, trans. J. Kahane (New Haven, CT: Yale University Press, 1959), p. 486.

 

Artigo original aqui.