Carl Menger explica o valor

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

O Conceito Geral de Valor

O valor de um bem resulta do conhecimento de que cada obtenção parcial desse bem está ligada à satisfação de necessidades. Um bem é valorizado com o conhecimento de que sua utilização atende à satisfação de nossos desejos.

Bens não econômicos não têm valor. Quando há suprimento suficiente para satisfazer completamente todos os desejos desse bem, a quantidade parcial desse bem não tem valor. Portanto, os bens não econômicos não só não têm valor de troca, mas também não têm valor algum e, portanto, também não têm valor de uso. Tanto o valor de troca quanto o valor de uso são dois conceitos subordinados ao conceito geral de valor, ou seja, conceitos que se coordenam em sua relação. Assim, o conceito geral de valor é válido tanto para o valor de uso quanto para o valor de troca.

Utilidade é a adequação de uma coisa para atender às necessidades humanas. Mesmo os bens não econômicos são úteis, na medida em que são tão adequados para atender às nossas necessidades como os bens econômicos. Utilidade e valor não coincidem. Confundir utilidade com valor de uso nunca teve consequências práticas, mas atrapalhou o progresso da ciência econômica. Na verdade, pessoas práticas nunca se tornaram vítimas desse erro. Que um bem tem valor para nós reside no fato de tê-lo à nossa disposição para a satisfação de uma necessidade. O valor dos bens não é arbitrário, mas a consequência necessária do conhecimento do homem de que a manutenção de sua vida e de seu bem-estar depende da disposição de um determinado bem ou de um conjunto de bens específicos.

O valor dos bens é baseado na relação dos bens com as nossas necessidades, não nos próprios bens. Com a mudança nesta relação, o valor irá consequentemente aparecer ou desaparecer. O valor não é nada que adere aos bens, não é sua propriedade e não é uma coisa independente que existe por si mesma. “Valor é um julgamento que os agentes econômicos fazem sobre a importância dos bens à sua disposição para a manutenção de sua vida e bem-estar e, portanto, não existe fora da consciência humana” (p. 86).

Como o valor de um bem resulta dos desejos, o grau do valor de um bem deve depender do grau em que nossos desejos são satisfeitos. Dos fundamentos do valor dos bens seguem as variações temporais do valor dos bens.

Ranking

O grau de satisfação dos desejos é variado, começando com a urgência de manutenção da vida para proporcionar apenas um breve prazer. Essa mesma variação se mostra não apenas entre diferentes áreas de satisfação em geral, mas também com a satisfação de um tipo específico. O exemplo da comida mostra que comer serve, por um lado, para a manutenção da vida, mas também para aumentar o prazer, enquanto o consumo em excesso causa desprazer. Da mesma forma, enquanto a habitação é essencial para sustentar a vida e uma casa maior aumenta o prazer, um tamanho extremo traz indiferença e um fardo. A satisfação do mesmo desejo varia até mesmo para desejos essenciais que vão desde a necessidade de sobrevivência até um prazer curto e superficial. A variação vai da necessidade ao prazer e ao nojo.

A apreciação é relativamente fácil no caso em que um bem fornece apenas um tipo de satisfação. No entanto, na vida real, nos deparamos com bens polivalentes. Existe um complexo de desejos que o uso de um bem específico pode satisfazer em vários graus. Um fazendeiro, por exemplo, pode usar sua colheita de grãos para diversos fins, desde a manutenção de sua vida até o uso para bebidas destiladas ou ração para animais de estimação. Assim, surge a pergunta: Qual é o valor em tais circunstâncias de uma certa quantidade parcial de grãos para este agricultor? Como os diferentes usos devem ser classificados? Quais propósitos têm maior e quais têm menor valor? A questão é que a importância da satisfação muda drasticamente com o uso, embora o bem permaneça o mesmo.

O esforço econômico é direcionado para a satisfação mais completa dos desejos. Se houver excesso de bens após a satisfação de um desejo, os próximos desejos no ranking serão satisfeitos e assim por diante. As pessoas organizam as classificações de acordo com a importância que atribuem ao uso específico daquela quantidade parcial de um bem. O valor de cada parte da quantidade total do bem ao alcance é igual à importância que essa quantidade parcial tem na satisfação daquele desejo de menor importância.

O valor de um bem específico ou a quantidade parcial de um bem é igual à satisfação que ainda é garantida pela satisfação do desejo menos importante. Não apenas o valor do bem é subjetivo, mas também a avaliação de suas quantidades parciais. “Enquanto um sujeito econômico valoriza certa quantidade de um bem igual a uma quantidade maior de outro bem, com outro sujeito econômico não é raramente possível observar precisamente a proporção oposta do valor dos bens. Consequentemente, o valor é subjetivo não apenas em sua essência, mas também em sua dimensão ”(p. 107).

Valor dos bens de produção

O valor de um bem não é determinado pela quantidade necessária para sua produção, incluindo o trabalho que é gasto nele, mas pela estimativa subjetiva. Este princípio de subjetividade também se aplica a bens de investimento. Não são os custos dos bens de produção que determinam o valor dos bens de consumo, mas, pelo contrário: “[O] valor dos bens de ordem superior é sempre determinado pelo valor esperado que eles têm para a produção a que servem” (p. 124). Dessa consideração resulta “o princípio do valor dos bens de ordem superior” – que o valor esperado dos bens de ordem superior é condicionado pelo valor esperado dos bens de ordem inferior. Consequentemente, os bens de ordem superior só podem adquirir e manter valor na medida em que contribuam para o valor dos bens de ordem inferior.

O que conta nesta avaliação é a diferença estimada entre a demanda futura e a quantidade esperada a ser alcançada no futuro. Assim, entra em cena o princípio da preferência temporal, que afirma que as preocupações humanas mais fortes estão voltadas para a preservação da vida e do bem-estar no presente ou no futuro próximo. Essas preocupações diminuem em períodos mais distantes no futuro. Esse fenômeno não é acidental, mas está enraizado na natureza humana, porque garantir a satisfação das necessidades do presente e dos períodos anteriores deve necessariamente preceder as dos períodos posteriores (p. 127).

Mercadorias que só estão ao nosso alcance no futuro não ajudam a manter nossa existência ou saúde se houver uma escassez no momento. Assim, as necessidades e desejos imediatos constituem um limite para a acumulação de bens superiores. As circunstâncias atuais estabelecem um limite para a busca pelo uso progressivo de bens de ordem superior. A obtenção dos benefícios econômicos provenientes de bens de ordem superior depende da condição de que as necessidades imediatas e as do futuro próximo sejam atendidas.

Aqui entra em jogo o papel do empresário como a pessoa que dirige a transformação de bens de ordem superior em bens de ordem inferior e que orienta esse processo com base em conhecimentos e cálculos econômicos e técnicos. Além da utilização do conhecimento e do cálculo, a função empreendedora é também a força de vontade e a motivação do empresário para supervisionar e controlar o processo produtivo sob o critério da rentabilidade. Bens de ordem superior não incluem apenas aqueles que são necessários para a produção técnica, mas também para o capital e a atividade empresarial.

Conclusão

O valor é subjetivo e individual e denota a importância que uma pessoa específica atribui a um determinado bem em um determinado momento sob circunstâncias específicas. Originalmente, apenas os bens que servem à sobrevivência humana têm valor e, como consequência lógica, transferimos esse significado para todos os bens que sabemos que podem servir a satisfação de nossas necessidades. Isso significa que a importância que as várias satisfações concretas de necessidades têm para nós é desigual, e o grau disso reside no grau de sua importância para a manutenção de nossas vidas e nosso bem-estar. A âncora de toda valorização é a utilidade de um bem para o bem-estar de um ser humano individual. O ator econômico transfere o valor das mercadorias de primeira ordem para as mercadorias de segunda ordem, mercadorias de terceira ordem e assim por diante. Dessa forma, o valor dos bens de ordem superior é uma manifestação especial da importância que o ser humano atribui à sua vida e ao seu bem-estar.

Esta é a terceira parte da série sobre Princípios de Economia Política, de Carl Menger, que foi publicado há 150 anos em 1871. (Os aspectos mais técnicos serão tratados em artigo à parte que trata da formação dos preços).

Artigo original aqui.

 

Leia também:

Carl Menger explica a natureza dos bens.

Qual é o propósito da economia? Carl Menger explica.

Usar bens ou trocá-los: Menger explica a diferença

De onde vêm os preços: Menger explica

O legado duradouro de Carl Menger