O grande expurgo do novo normal

0
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Então, o grande expurgo do novo normal começou … bem na hora, bem de acordo com o script.

Como nós, “teóricos da conspiração paranoicos” temos advertido que aconteceria nos últimos 18 meses, as pessoas que se recusam a se converter à nova ideologia oficial estão agora sendo segregadas, privadas de seus empregos, proibidas de frequentar escolas, tendo tratamento médico negado e outras perseguições.

A propaganda oficial implacável demonizando “os não vacinados” está sendo bombardeada pela mídia corporativa e estatal, por líderes do governo, por funcionários públicos da saúde e por fanáticos estridentes nas redes sociais. “Os não vacinados” são os novos “Untermenschen” oficiais, uma subclasse de “outros” subumanos que as novas massas normais estão sendo condicionadas a odiar.

Você pode ver o ódio nos olhos dos Novos Normais

Mas não é apenas um expurgo dos “não vacinados”. Qualquer pessoa que se desvie da ideologia oficial está sendo sistematicamente demonizada e perseguida. Na Alemanha, Austrália e outros países do Novo Normal, protestar contra o Novo Normal é oficialmente proibido. A Gestapo do Novo Normal está indo às casas das pessoas para interrogá-las sobre suas postagens anti-Novo Normal no Facebook. As empresas estão censurando abertamente o conteúdo que contradiz a narrativa oficial. Novos esquadrões de capangas do Novo Normal vagam pelas ruas, verificando os documentos de “vacinação” das pessoas.

E não são apenas governos e empresas realizando o Expurgo do Novo Normal. Amigos estão expurgando amigos. As esposas estão expurgando maridos. Pais estão expurgando filhos. Os filhos estão expurgando os pais. Novos Normais estão eliminando velhos pensamentos normais. As “autoridades de saúde” globais estão revisando as definições para torná-las conformes à “ciência” do Novo Normal.

E assim por diante … uma nova “realidade” oficial está sendo fabricada, bem diante de nossos olhos. Qualquer coisa e qualquer pessoa que não se conformar com isso está sendo expurgada, extirpada de sua personalidade, e tendo sua memória apagada.

Nada disso deveria ser uma surpresa.

Todo sistema totalitário nascente, em algum estágio de sua tomada de controle da sociedade, lança um expurgo de oponentes políticos, dissidentes ideológicos e outros “desviantes anti-sociais”. Esses expurgos podem ser breves ou ilimitados e podem assumir inúmeras formas externas, dependendo do tipo de sistema totalitário, mas você não pode ter totalitarismo sem eles.

A essência do totalitarismo – independentemente dos costumes e ideologia que use – é um desejo de controlar completamente a sociedade, todos os aspectos da sociedade, todos os comportamentos e pensamentos individuais. Todo sistema totalitário, seja uma nação inteira, um minúsculo culto ou qualquer outra forma de corpo social, evolui em direção a esse objetivo inatingível … a transformação ideológica total e o controle de cada elemento da sociedade (ou qualquer tipo de corpo social que ele compreenda). Essa busca fanática pelo controle total, pela uniformidade ideológica absoluta e pela eliminação de todos os dissidentes é o que torna o totalitarismo o totalitarismo.

Assim, cada novo sistema totalitário, em algum momento de sua evolução, precisa lançar um expurgo daqueles que se recusam a se conformar com sua ideologia oficial. Precisa fazer isso por duas razões básicas: (1) para segregar ou de outra forma eliminar oponentes políticos reais e dissidentes que representam uma ameaça ao novo regime; e (2) e mais importante, para estabelecer o território ideológico dentro do qual as massas devem agora se confinar a fim de evitar serem segregadas ou eliminadas.

O expurgo deve ser realizado abertamente, de forma brutal, para que as massas entendam que as regras da sociedade mudaram, para sempre, que seus antigos direitos e liberdades se foram, e que a partir de agora qualquer tipo de resistência ou desvio da ideologia oficial não será tolerado e será punido impiedosamente.

O expurgo é geralmente lançado durante um “estado de emergência”, sob ameaça iminente de algum “inimigo” oficial (por exemplo, “infiltrados comunistas”, “contra-revolucionários” ou … você sabe, uma “pandemia devastadora”), de tal forma que as regras normais da sociedade podem ser suspensas indefinidamente “por uma questão de sobrevivência”. Quanto mais aterrorizadas as massas ficam, mais dispostas estarão a renunciar à sua liberdade e seguir ordens, não importa o quão insanas sejam.

A força vital do totalitarismo é o medo … medo tanto do inimigo oficial do sistema (que é constantemente alimentado com propaganda) e do próprio sistema totalitário. O fato de a brutalidade do sistema ser racionalizada pela ameaça representada pelo inimigo oficial não o torna menos brutal ou aterrorizante. Em sistemas totalitários (de qualquer tipo ou escala) o medo é uma constante e não há como escapar dele.

O medo das massas é então canalizado em ódio … ódio ao “Untermenschen” oficial, a quem o sistema incentiva as massas a se tornarem bode expiatório. Assim, o expurgo é também um meio de permitir que as massas se purifiquem de seu medo, para transformá-lo em ódio hipócrita e liberá-lo contra o “Untermenschen” ao invés de contra o sistema totalitário, que, obviamente, seria suicida.

Cada sistema totalitário – tanto os indivíduos que o executam quanto o sistema, entende instintivamente como tudo isso funciona. O novo totalitarismo normal não é exceção.

Reflita sobre o que aconteceu nos últimos 18 meses.

Dia após dia, mês após mês, as massas foram submetidas à mais destrutiva campanha de terror psicológico da história do terror psicológico. Infelizmente, muitos deles foram reduzidos a paranoicos, inválidos com o ânus fechado, com medo de por o pé pra fora de casa, do contato humano, com medo de seus próprios filhos, com medo do ar, morbidamente obcecados por doença e morte … e consumidos pelo ódio ao “não vacinado.”

Seu ódio, é claro, é totalmente irracional, o produto do medo e da propaganda, como o ódio ao “Untermenschen” sempre é. Não tem absolutamente nada a ver com um vírus, como até mesmo as autoridades do Novo Normal admitem. “Os não vacinados” não são mais uma ameaça para ninguém do que qualquer outro ser humano … exceto na medida em que ameaçam a crença dos Novos Normais em sua ideologia delirante.

Não, já ultrapassamos a racionalidade neste ponto. Estamos testemunhando o nascimento de uma nova forma de totalitarismo. Não é “comunismo”. Não “fascismo”. Totalitarismo capitalista global. Totalitarismo pseudo-médico. Totalitarismo patologizado. Uma forma de totalitarismo sem ditador, sem ideologia definível. Um totalitarismo baseado na “ciência”, no “fato”, na “realidade”, que ele mesmo cria.

Eu não sei quanto a você, mas, até agora, certamente isso me impressionou bastante. Tanto é assim que deixei de lado meu veio satírico para tentar entendê-lo … o que realmente é isso, por que está acontecendo isso, por que está acontecendo agora, para onde isso vai e como se opor a isso, ou pelo menos interrompê-lo.

A meu ver, os próximos seis meses determinarão o quão bem-sucedidos serão os estágios iniciais de implantação desse novo totalitarismo. Em abril de 2022, ou estaremos todos mostrando nossos “documentos” à Gestapo Nova Normal para podermos trabalhar, frequentar uma escola, jantar em um restaurante, viajar e de alguma forma viver nossas vidas, ou teremos jogado uma chave inglesa na máquina. Não espero que capitalismo globalista abandone a implantação do Novo Normal no longo prazo – eles estão claramente comprometidos em implementá-lo – mas temos o poder de arruinar seu ato de abertura (que eles vêm planejando e ensaiando há vários anos).

Então, vamos em frente e fazer isso, certo? Antes de sermos expurgados, ou extirpados de nossas personalidades, ou o que seja. Não tenho certeza, pois ainda não vi uma “checagem de fatos”, mas acredito que temos alguns pilotos de linhas aéreas comerciais nos EUA que estão nos mostrando o caminho.

 

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorAs 3 empresas de vacina Covid aprovadas pela FDA empregam ex-diretores da FDA
Próximo artigoO mercado distorcido pelo capitalismo lacrador
é um dramaturgo, romancista e satírico político premiado. Suas peças foram produzidas e fizeram turnê em teatros e festivais, incluindo Riverside Studios (Londres), 59E59 Theatres (Nova York), Traverse Theatre (Edimburgo), Belvoir St. Theatre (Sydney), o Du Maurier World Stage Festival (Toronto), Needtheater (Los Angeles), 7 Stages (Atlanta), Festival Fringe de Edimburgo, Adelaide Fringe, Festival de Brighton e Festival Noorderzon (Holanda), entre outros. Seus prêmios de redação incluem o 2002 First of the Scotsman Fringe Firsts, o Scotsman Fringe Firsts em 2002 e 2005 e o 2004 de Melhor peça de Adelaide Fringe. Sua sátira política e comentários foram apresentados no NPR Berlin, no CounterPunch, ColdType, The Unz Review, OffGuardian, ZeroHedge, Dissident Voice, The Greanville Post, ZNet, Black Agenda Report e outras publicações, e foram amplamente traduzidos.