A histeria da varíola do macaco

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

 

 

Tranquem-se dentro de suas casas! Tampem seus rostos com máscaras e face-shields profiláticos! Desligue o que resta de suas faculdades críticas e prepare-se para “seguir a Ciência!”

Sim, isso mesmo, bem quando os sobreviventes da Praga Apocalíptica Simulada de 2020-2021 estavam rastejando para fora de seus bunkers covidianos e começando a “reconstruir o mundo melhor”, outra pestilência bíblica aparentemente foi lançada sobre a humanidade!

Desta vez, é a temida “varíola do macaco”, uma doença zoonótica viral endêmica na África central e ocidental que circula entre ratos gigantes, esquilos, arganazes e outros roedores e infecta humanos há séculos ou milênios. A varíola do macaco causa febre, dores de cabeça, dores musculares e, às vezes, bolhas cheias de líquido, tende a desaparecer em duas a quatro semanas e, portanto, representa uma ameaça absolutamente zero para a civilização humana em geral.

A mídia corporativa não quer nos alarmar, mas é seu dever, como jornalistas profissionais, relatar que Ministério da Saúde da Argentina confirma primeiro caso da varíola dos macacos, Mundo já tem mais de 300 casos confirmados de varíola de macaco, Anvisa sugere máscara e isolamento para adiar chegada de varíola do macaco ao Brasil, O presidente dos Estados Unidos diz: “TODOS DEVEM ESTAR PREOCUPADOS!”

A OMS está chamando isso de “um surto de varíola em vários países!” A Bélgica introduziu uma quarentena obrigatória. O CDC determinou um “Alerta Nível 2!” Recomendam-se “precauções reforçadas”! Na cidade de Nova York, o nexo dos fanáticos do Novo Normal provavelmente mais paranoicos da face do planeta, usando máscaras e quadruplamente “vacinados”, o Departamento de Saúde está instruindo todos a usar as máscaras que já estão usando para protegê-los da Covid e da varíola dos macacos, da varíola e do câncer no ar, e Deus sabe que outros horrores podem estar por aí!

Aqui na capital da Nova Normal Alemanha, Karl Lauterbach, que, apesar de desperdiçar centenas de milhões de euros em “vacinas” supérfluas, tentando “vacinar” compulsoriamente todos os homens, mulheres e crianças do país, e se comportando como um fascista lunático, continua sendo o ministro oficial da Saúde, está animadamente promovendo as “recomendações de isolamento e quarentena” e outras “medidas de contenção da varíola”.

Como Yogi Berra disse, “é como um déjà vu de novo”.

Só que não é… ou provavelmente não é. Antes que eu pudesse terminar este artigo, os Ministérios da Verdade Unidos GloboCap começaram a diminuir o pânico da varíola. Parece que eles estão indo na linha de que “é uma pandemia gay” ou uma “pandemia LGBTQ” ou uma “pandemia LGBTQIA +” ou qualquer que seja a sigla oficial no momento em que eu clico no botão “publicar” e fazendo outros barulhos no sentido de que pode não ser absolutamente necessário desta vez ordenar um lockdown global em grande escala, liberar os drones e cães robóticos, injetar drogas experimentais em todos e começar a perseguir cruelmente os “negacionistas da varíola”.

Você realmente não acreditou que eles estavam lançando um remake de Covid, não é? Os produtores da GloboCap podem ser sobrenaturalmente maus, mas não são estúpidos. Apenas os Novos Normais mais irremediavelmente de cérebro lavado iriam engolir outra “pandemia apocalíptica” antes que a atual seja oficialmente cancelada. Não, infelizmente, as probabilidades são de que estamos apenas tendo uma prévia de como será a “vida” no Reich Novo Normal, onde as massas serão perpetuamente ameaçadas por uma variedade inesgotável de patógenos exóticos e ameaças pseudopatológicas intercambiáveis.

O Novo Normal nunca foi especificamente sobre o Covid. Sempre se tratou de implementar uma nova “realidade” – uma “realidade” patologizada-totalitária, não abertamente governada mas discretamente “guiada” por entidades governamentais não-governamentais, supranacionais, isentas de responsabilização, corporações globais e bilionários variados – na qual Covid, ou varíola dos macacos, ou varíola-canguru, ou qualquer outra doença zoonótica viral, ou qualquer desenvolvimento relacionado ao clima ou econômico, ou tendência ideológica ou comportamental aberrante, poderia ser usado como pretexto para fomentar outro surto de histeria em massa irracional e impor restrições adicionais à sociedade.

Essa nova “realidade” foi implementada… talvez não tão exatamente quanto originalmente pretendido, mas implementada mesmo assim. Estamos sendo condicionados a aceitar essa nova “realidade”, como fomos condicionados a aceitar a “realidade” da Guerra ao Terror, a tirar inutilmente nossos calçados no aeroporto, colocar nossos líquidos em recipientes de tamanho de viagem, submeter-nos ao tateamento por “segurança pessoal” e de outras formas viver em um estado de constante medo de baixo nível de um “ataque terrorista”, pois agora estamos sendo condicionados a usar máscaras onde nos dizem, nos submeter à “vacinação” obrigatória e viver em constante baixo nível de medo do próximo patógeno supostamente mortal.

Infelizmente, a maioria de nós aceitará esse condicionamento e se adaptará aos “pequenos inconvenientes” que nos são impostos a cada vez. Afinal, que diferença realmente faz se tivermos que usar uma pequena máscara no avião, no transporte público ou no consultório médico? E é realmente uma violação de nossos direitos fundamentais à liberdade de expressão, liberdade de movimento, associação, privacidade e autonomia corporal básica se tivermos que permitir que governos e corporações globais censurem nossas opiniões políticas, nos impeçam de viajar, nos proíbam de protestar e nos forcem a submeter-nos a tratamentos médicos invasivos para manter um emprego? Nós nos acostumamos a tirar os sapatos no aeroporto e ver a “equipe de segurança” acariciar os genitais de nossos filhos, invadir e bombardear outros países e matar famílias inteiras com drones, não é? Certamente, vamos nos acostumar com isso.

Ou… OK, eu não vou, e você também não, provavelmente, mas a maioria das massas vai. Eles apenas demonstraram isso muito claramente, não é? Como eles demonstraram durante a Guerra Global ao Terror. Como eles demonstraram durante a Guerra Fria. Como eles demonstraram… ah, não importa.

Desculpe, eu realmente queria terminar este artigo com uma mensagem positiva. Pronto, aqui está uma! Uma boa notícia, finalmente! De acordo com os verificadores de fatos profissionais da Reuters, verificou-se que “não há nenhuma evidência de que a reunião anual do Fórum Econômico Mundial [que está ocorrendo em Davos agora] estava programada para coincidir com esses surtos de varíola do macaco”, e qualquer um quem diz que existe, ou insinua que existe, ou quem se desvia ou questiona os “fatos”, ou a “Ciência”, ou o que quer que seja, é um “desinformativo que nega a varíola, teoriza conspirações, antivacina, amante de Putin, ” e então tudo está realmente às mil maravilhas, ou estará às mil maravilhas em breve, assim que ensinarmos a esses malvados atrevidos uma pequena lição termonuclear!

Eu não sei você, mas isso tira um grande peso da minha mente. Por um momento, pensei que estávamos em apuros.

 

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorDavos 2022: uma briga de nonagenários sobre a Ucrânia
Próximo artigoA busca pela liberdade real
é um dramaturgo, romancista e satírico político premiado. Suas peças foram produzidas e fizeram turnê em teatros e festivais, incluindo Riverside Studios (Londres), 59E59 Theatres (Nova York), Traverse Theatre (Edimburgo), Belvoir St. Theatre (Sydney), o Du Maurier World Stage Festival (Toronto), Needtheater (Los Angeles), 7 Stages (Atlanta), Festival Fringe de Edimburgo, Adelaide Fringe, Festival de Brighton e Festival Noorderzon (Holanda), entre outros. Seus prêmios de redação incluem o 2002 First of the Scotsman Fringe Firsts, o Scotsman Fringe Firsts em 2002 e 2005 e o 2004 de Melhor peça de Adelaide Fringe. Sua sátira política e comentários foram apresentados no NPR Berlin, no CounterPunch, ColdType, The Unz Review, OffGuardian, ZeroHedge, Dissident Voice, The Greanville Post, ZNet, Black Agenda Report e outras publicações, e foram amplamente traduzidos.