Uma dissecação hoppeana de Javier Milei

3
Tempo estimado de leitura: 18 minutos

[Lee esto en Español]

Introdução

Em seu livro, Democracia – o deus que falhou, Hans-Hermann Hoppe fala sobre o movimento neoconservador nos EUA surgido no final dos anos 1960 e início dos anos 1970, quando a esquerda se envolveu cada vez mais com os Black Powers, as ações afirmativas, o pró-arabismo e a contracultura daqueles tempos. Em oposição a tudo isso,

      “muitos intelectuais da esquerda tradicional (vários antigos trotskistas) e muitos “liberais” da Guerra Fria, liderados por Irving Kristol e Norman Podhoretz, romperam com os seus antigos aliados, frequentemente deslocando-se do refúgio de longa data da política esquerdista, o Partido Democrata, para o grupo dos republicanos. Desde então, os neoconservadores … obtiveram influência inigualável na política americana, promovendo, em geral, um estado de bem-estar social (assistencialista) “moderado” (o “capitalismo democrático”), o “conservadorismo cultural” e os “valores familiares” e, por fim, uma política externa intervencionista (“ativista”) e em especial sionista (“pró-Israel”).”

O atual presidente da Argentina, Javier Milei, é um fenômeno mundial conhecido como herói libertário. Mesmo como presidente, ele tem dito que o Estado é uma organização criminosa e que imposto é roubo. Como um libertário defende seus ideais como justo e digno para todos os povos do mundo, alguém pensaria que tal homem enfrentaria radicalmente o status quo estatista não apenas no nível nacional, mas também no internacional. Certamente, Milei pode ser melhor do que a maioria dos presidentes a que estamos acostumados, mas ele não é tão bom ou libertário como muitas pessoas pensam.

Milei, a direita e o aborto

Embora os chamados neoconservadores não estejam verdadeiramente preocupados com as questões culturais, eles reconhecem a necessidade de jogar a carta do conservadorismo cultural para ganhar poder. A maioria do apoio de Milei na Argentina vem dos antiesquerdistas (que geralmente incluem libertários) e dos conservadores pró-vida. Milei não é exatamente o tipo de conservador cultural que se poderia esperar, dados seus ferozes apoiadores fora da esfera libertária. Este homem solteiro sem filhos que acha a instituição social do casamento “aberrante” ganhou apoio devido à sua notável retórica antiesquerda, antissocialista e antiestatista e sua posição sobre o aborto em um país infestado pelo estatismo e pelo esquerdismo cultural financiado por impostos. Além disso, a ajuda de intelectuais famosos da direita argentina, como Agustín Laje, favoreceu Milei com uma quantidade importante de apoio para garantir ainda mais seu lugar dominante na direita. No entanto, o problema da direita em geral – que frequentemente sustenta muitas ideias libertárias e de livre mercado, seja na Argentina ou no exterior – é o fato de que seu principal desejo é a substituição de qualquer elite progressista de esquerda no comando do Estado por outra elite que represente melhor os interesses da direita. Isso é muitas vezes visto claramente com as guerras culturais. Podemos perguntar em que momento todas essas pessoas finalmente perceberão que essas guerras culturais desagradáveis não terão fim sem acabar com o Estado. De qualquer forma, elas sempre continuarão sendo um grande problema, a menos que consigamos tirar o Estado de cena o máximo possível – por exemplo, tirar o Estado completamente da educação.

Infelizmente, grande parte dos direitistas atuais não está verdadeiramente interessada em proteção contra o poder do Estado, mas sim em colocar o máximo de poder nas mãos de seus líderes – para eles, trata-se mais de controlar o poder do que de reduzir. De acordo com Robert Nisbet, era uma convicção conservadora desde Auguste Comte que a maneira mais segura de enfraquecer a família é o governo assumir as funções históricas da família. No entanto, a continuação e a expansão dos programas de bem-estar social de Milei assumem precisamente as funções das famílias e são tudo menos favoráveis ao conservadorismo cultural – quanto mais ao libertarianismo. Além disso, em relação ao aborto, do ponto de vista do conservador tradicional, Nisbet disse que “é tolice usar a família – como os cruzados evangélicos fazem regularmente – como justificativa para suas cruzadas incansáveis para proibir o aborto categoricamente”. A cruzada pró-vida de Milei – por referendo – envolve centralização política em vez de descentralização. E embora o aumento do aborto de nossos tempos deva ser visto como uma degeneração moral crescente, daí não se segue que devamos dar ao Estado e à centralização política o poder de intervir neste assunto privado. Como Hoppe diria sobre isso:

       “Ao invés de os assuntos intrafamiliares – incluindo, por exemplo, temas como o aborto – serem considerados questões a serem julgadas e arbitradas no seio das famílias exclusivamente pelos seus chefes ou pelos seus membros, uma vez que um monopólio judicial tenha sido estabelecido, os seus agentes – o governo – também se tornam os juízes e os árbitros de última instância em todos os assuntos relacionados com a família, esforçando-se, naturalmente, para expandir esse poder.”

Milei e sua presidência até agora

Em nível nacional, a presidência de Milei tem sido um misto de boas e más ações. Vejamos os dois.

O bom: cortou gastos em alguns subsídios, fechou alguns órgãos do governo e deixou de financiar obras públicas em grande medida. Ele desregulamentou a economia até certo ponto, e planeja desregulamentá-la muito mais, incluindo privatizações do chamado patrimônio público e muito mais. A eliminação de vários controles de preços teve alguns resultados positivos em alguns mercados, mas os benefícios globais de tais medidas (bem como a redução de alguns subsídios) ainda são limitados numa economia altamente cartelizada e cheia de regulamentações impostas pelo Estado. Ele reduziu algumas tarifas e reduziu os impostos sobre as concessionárias de carros. Além disso, ele continua fazendo discursos sobre ideias libertárias e ciência econômica sólida em geral, e se opôs à esquerda cultural em termos principalmente bons e corretos.

O mal: em vez de repudiar a dívida do Estado, ele foi ao FMI e decidiu deixar os sofridos argentinos pagarem por estrangeiros e fundos de investimento estrangeiros que haviam sido estúpidos o suficiente para comprar obrigações de dívida emitidas por governos argentinos anteriores. Em vez de cortar impostos como prometido e permitir que a economia se recupere por conta própria, ele aumentou vários impostos (como sobre combustíveis e compras de moeda estrangeira) e até planeja restaurar uma categoria de imposto de renda. Em vez de, como prometido, abolir o banco central e permitir uma livre escolha em moeda, ele tenta manter o peso vivo – que de outra forma seria rapidamente superado e substituído pelo dólar americano (e possivelmente, mais tarde, por outras moedas ainda melhores e mais sólidas) – por meio de títulos especiais de curto prazo, manipulação das taxas de juros e taxas de câmbio artificialmente fixas. Em vez de cortar programas de bem-estar, ele expandiu o estado de bem-estar social – incluindo os pesos multiplicados para programas especialmente perniciosos para o tecido social de uma boa sociedade, como transferências para mulheres grávidas e famílias por cada filho dependente. Em vez de acabar com a guerra às drogas, ele intensificou essa abominação e até zombou dos críticos sobre isso. Em vez de equilibrar o orçamento gastando menos apenas, ele o equilibra com mais impostos e não com mais cortes de gastos – favorecendo as contas do Estado em detrimento das do povo produtivo da Argentina. E, em vez de promover e permitir a secessão e a descentralização política radical, tem estado a tentar reforçar o poder do governo central.

A política externa de Milei, a guerra e a perspectiva libertária

Por outro lado, como se a sua presidência em nível nacional já não estivesse significativamente marcada por erros para um suposto libertário, em nível internacional, nomeadamente, quando se trata de política externa, Milei é tudo menos um libertário. Ele apoia veementemente a narrativa imperialista de Washington (pró-OTAN, pró-Ucrânia e pró-Israel), ou seja, ele não é um antiglobalista consistente nem um não intervencionista em absoluto. Na verdade, sua política externa, tal como anunciada e executada desde que assumiu a presidência, são mais características de um neoconservador do que de um libertário.

Comecemos pela guerra Rússia-Ucrânia: em fevereiro de 2022, o deputado Milei deixou bem claro. Tendo denunciado na TV a “vocação totalitária de Putin”, ele se posicionou a favor do “mundo livre” e contra aqueles que são contra a liberdade. Ele criticou o governo argentino por não aproveitar a oportunidade para condenar a invasão russa da Ucrânia e por sua “falta de compreensão de como o mundo funciona”, e prosseguiu: “Não faço acordos com assassinos, eu disse não à China, não à Coreia do Norte, não à Rússia, não a quem não respeita o mundo livre”. Agora, de um ponto de vista libertário, é certamente legítimo chamar Putin, Kim e Xi de bandidos, gângsteres, assassinos, etc., mas depois continuar, como Milei faz, a saudar pessoas como Trump, Zelenskyy e Netanyahu como defensores da liberdade ou do capitalismo de livre mercado, em vez de apenas mais um bando de bandidos malvados, gângsteres e assassinos, é simplesmente alucinante. Dizê-lo o desqualifica totalmente como libertário e o revela apenas como mais um neoconservador. De fato, ao considerar seriamente emprestar apoio financeiro e militar ao regime de Zelenskyy, como Milei fez em abril de 2024, ele está prestes a se juntar às próprias fileiras dessas criaturas neocon malignas.

Milei então continuou seu discurso naquele dia na TV com “uma questão moral” sobre a guerra: “Quando o que está acontecendo é errado, você não pode adotar uma posição neutra porque você é cúmplice, ou seja, se você vê… que Tato estava batendo na Florencia, você tem que sair e defender a Florencia porque você sabe que isso está errado”. É verdade, mas apenas se você ajudar Florencia com seus próprios meios pessoais, e se tiver certeza de que Tato não estava simplesmente reagindo a uma agressão anterior de Florencia contra ele.

Também em fevereiro de 2022, falando sobre o conflito Rússia-Ucrânia, Milei postou uma mensagem em sua conta no Twitter (agora X), referindo-se ao “Concerto das Nações Democráticas do Mundo”, ameaçado pelo avanço militar do “autoritarismo coletivista”, e continuava:

      “Aqueles de nós que defendem sem hesitação um modelo de Sociedade Aberta e Livre devem unir forças em favor de uma estratégia eficaz para enfrentar os inimigos da Liberdade… Não há margem para os Líderes do Mundo Livre pararem em debates estéreis e paralisantes…”

No entanto, a perspectiva libertária sobre qualquer conflito dessa natureza é bem diferente: A típica rejeição da visão libertária não-intervencionista por muitas pessoas da direita – e talvez por Milei – pode ser atribuída à falta de compreensão ou adoção do libertarianismo. Como assim? Em suma, pelo simples fato de desconsiderar a própria natureza do Estado – a de uma facção criminosa, um esquema de proteção que tributa ou de outra forma esfola pessoas produtivas em benefício próprio e de seus membros, amigos e apoiadores. Essa visão fundamental esclarece qualquer confusão em relação não apenas ao Estado em si, mas em particular também em relação às guerras entre Estados – revelando-as como guerras entre gangues rivais.

Essas guerras normalmente envolvem questões territoriais e são sempre conduzidas por líderes de gangues à custa de outras pessoas (seu dinheiro, recursos e mão de obra). Seja ofensiva ou defensiva, os custos da guerra são socializados, e os ganhos prospectivos são privatizados – tornando as guerras mais prováveis, longas e agressivas. No caso das preocupações de Milei com Putin, a gangue de Zelenskyy continuamente provocou a gangue de Putin, e suas provocações foram encorajadas e apoiadas pela gangue dos EUA – auxiliada por seus vassalos da OTAN na Europa – que vê a gangue de Putin como inimiga e um dos dois únicos blocos restantes no caminho para a hegemonia global e dominação mundial.

Com base apenas em seus próprios poderes e recursos relativos, a gangue de Putin teria derrotado a gangue de Zelenskyy há muito tempo. Mas a guerra ainda se arrasta, desperdiçando milhares de vidas e provocando destruição e milhões de refugiados por causa da ajuda financeira, logística e militar dada à gangue de Zelenskyy pela gangue dos EUA e suas gangues subordinadas na Europa. De um modo geral, o segundo faz o financiamento, e o primeiro faz a luta em uma guerra conjunta contra a gangue de Putin.

Diante de guerras entre Estados, os libertários devem permanecer neutros. Fora da zona de guerra, neutralidade significa não dar apoio material a nenhuma das gangues em guerra. Os libertários não devem ajudar nenhuma gangue e devem se opor estritamente a que sua própria gangue governante nacional use impostos e bens públicos para sustentar outras gangues ou ajudar na acomodação de refugiados de guerras. Na verdade, quanto mais essa oposição se transformar em uma barreira para as gangues dominantes em guerra, mais positiva ela será como uma contribuição para o objetivo final da paz. No entanto, favorecer o contrário reduz os custos da guerra em favor das gangues beligerantes. Dessa forma, a gangue de Zelenskyy externalizou a maior parte dos custos da guerra, e a guerra foi consequentemente prolongada – promovendo assim mais sofrimento, morte e destruição.

É claro que os libertários podem se envolver em esforços privados, humanitários e de caridade em apoio aos refugiados de guerra. Por sua própria conta e risco, e com seus próprios meios, os libertários podem ajudar as pessoas a escapar ou enfrentar a guerra para evitar ou minimizar a agressão em relação ao confisco, depredação e destruição na guerra em curso, independentemente da natureza “defensiva” ou “ofensiva” de ambos os lados. Embora seja uma coisa mais difícil de fazer, dado que sua vida e propriedade estão realmente ameaçadas por ambas as gangues em guerra, mesmo os libertários que residem dentro da zona de guerra devem permanecer, ou tentar permanecer, neutros – até onde e enquanto as circunstâncias permitirem. Eles podem ser recrutados ou mortos, seus bens podem ser confiscados ou destruídos, suas contas bancárias podem ser congeladas ou usadas – praticamente tudo pode acontecer em nome da guerra. Mas a proteção da própria vida, propriedade e bem-estar, e de sua família e amigos, é algo diferente do interesse da das gangues na proteção ou liberação de seu território nacional. Ambos os interesses podem ser contrários e fadados a colidir. De fato, como diria Hoppe, a segurança coletiva da defesa nacional é, na verdade, incompatível e, de fato, contrária à segurança privada e à defesa privada.

Diante do problema da segurança coletiva, os libertários devem tentar ficar equidistantes de ambas as partes (para evitar provocar qualquer um dos lados). Eles devem ouvir e estar sempre abertos a conversas com ambos os lados. E, na medida do possível, devem promover a descentralização do processo decisório para delimitar a guerra e reduzir seus custos. Os libertários devem defender que todas as decisões relativas à guerra sejam cada vez mais locais e, em última análise, privadas. Se nada disso acontecer, se não houver descentralização na estrutura de comando e, consequentemente, não houver iniciativas de paz regionais ou locais, então nenhuma delimitação progressiva e fragmentada da guerra real pode ser ativamente promovida.

No entanto, Milei realmente se desvia de um individualismo metodológico para um holismo metodológico ou coletivismo. Não existe Ucrânia ou Rússia, mas apenas gangues, grupos de proteção, que comandam esses países e pessoas que residem em territórios governados por essas gangues. Portanto, pedir que as gangues que os dirigem enviem dinheiro ou material para a zona de guerra não é libertário, porque essas gangues não são os legítimos donos do que enviam – e seria ainda pior se qualquer ajuda desse tipo fosse diretamente para a gangue que governa o país e não para as pessoas que estão nele.

Uma gangue que comanda e controla algum território é algo totalmente diferente das pessoas que residem no território. Os libertários não podem apoiar entregar aos seus líderes de gangues nacionais ainda mais poder do que já têm. Mas é justamente para isso que Milei contribui, ao expressar suas opiniões e espalhar propaganda de guerra. Em consequência, as gangues se tornam mais agressivas e opressoras. Então, para evitar que a propaganda de guerra se torne mais difundida, aceita e promovida pelo público, os libertários devem combatê-la com a verdade real. Os libertários deveriam fazer o mundo saber que as gangues beligerantes não são de modo algum boas e nobres, e não merecem qualquer apoio. Além disso, os libertários devem fazer o mesmo em relação ao fato de que o maior dano é sempre feito à população civil submetida ao domínio das gangues beligerantes.

Mas Milei nunca dirá ao mundo que a gangue dos EUA não se importa com os ucranianos ou com a batalha contra o mal, mas sim que está perseguindo seu próprio objetivo de hegemonia global e a supremacia do dólar americano como moeda de reserva global. A guerra na Ucrânia, então, é mais uma guerra entre a gangue dos EUA e a gangue de Putin. Ou seja, o povo e sua gangue dominante na Ucrânia estão apenas cumprindo um papel instrumental. Mas como a gangue de Putin também é uma potência atômica, é sensato derrotá-la levando-a à ruína econômica. A guerra e as várias sanções econômicas dirigidas contra a Rússia foram para enfraquecer a gangue de Putin, mas também foram prejudiciais para a população civil. E se esta guerra, ou qualquer guerra, requer assassinato em massa e destruição em massa, que assim seja. Para a quadrilha norte-americana, o objetivo justifica os meios.

Para os libertários, visões simplistas e coletivistas como as de Milei devem ser completamente descartadas, porque aplicam a distinção fundamental entre o povo e o Estado em todos os lugares. Além disso, as posições de Milei não servem para combater os efeitos imediatos da guerra, que tornam todos os negócios mais arriscados, deprimem o nível geral de produção, dificultam o comércio e tornam os investimentos praticamente impossíveis. Ou seja, o livre mercado exige paz. Portanto, o desejo imperativo dos libertários é que qualquer guerra deve ser encerrada e, se possível, que nenhuma guerra deve ser iniciada. Um apelo generalizado à paz deve ser sempre a atitude geral dos libertários.

Como a opinião pública pode ter efeitos profundos, os libertários devem alinhar-se às vozes que pedem negociações de paz imediatas e defendem a secessão regional como forma de trazer a paz. Apenas coletivistas se opõem à secessão. Pode haver regiões cujos habitantes não se importam se são governados por uma ou outra gangue, pessoas que até preferem a gangue estrangeira e estão dispostas a se render pacificamente. Por que não? O que se costuma chamar de traição é crime apenas para os apologistas do poder do Estado. De fato, dado o status atual da maioria dos governos em todo o mundo, os libertários teriam dificuldade em imaginar como as coisas poderiam piorar. Algumas invasões podem até trazer melhorias para algumas pessoas. Diante da força superior e preocupados com a proteção de tudo o que lhes é caro, pode muito bem ser mais sensato para os libertários se renderem pacificamente a um invasor em vez de lutar em uma guerra coletiva contra uma gangue estrangeira. Dessa forma, vidas e bens que de outra forma poderiam ter sido destruídos podem ser salvos e protegidos.

Seja como for, quanto à nova política externa argentina, em menos de seis meses a Argentina de Milei adquiriu vinte e quatro jatos F-16 para sua força aérea, anunciou uma base naval conjunta com os EUA, solicitou a adesão à OTAN como parceiro global e sediou exercícios navais com a frota americana.

O sionismo de Milei e a perspectiva libertária

A pedra angular do libertarianismo é a ideia, o reconhecimento e a defesa dos direitos de propriedade privada. Seja na terra ou em qualquer outra coisa, tais direitos (exclusivos) são justamente atribuídos a certas pessoas com base na apropriação original ou na transferência voluntária de propriedade. Inversamente: todas as reivindicações de propriedade não baseadas nesses princípios são injustas. Quanto ao Estado de Israel, estabelecido em 1948 por judeus majoritariamente europeus de persuasão sionista, esses requisitos de justiça comprovadamente não são atendidos. Apenas cerca de 7% do Israel atual poderia ser considerado como tendo sido justamente adquirido pelos judeus antes de 1948 e, portanto, ser reivindicado como propriedade legítima. De lá para cá, o estabelecimento e a expansão contínua de Israel são esmagadoramente o resultado de expropriação, intimidação, terrorismo, guerra e conquista contra os residentes então presentes, em sua maioria árabes da região da Palestina e os residentes árabes agora remanescentes das regiões da Faixa de Gaza e da Cisjordânia. E como Hoppe disse:

       “A reivindicação dos judeus atuais a uma pátria na Palestina, então, só pode ser feita se você abandonar o individualismo metodológico subjacente e característico de todo pensamento libertário: a noção de personalidade individual, de propriedade privada, produto e realização privados, crime privado e culpa privada. Em vez disso, você deve adotar alguma forma de coletivismo que permita noções como propriedade e direitos de propriedade de grupo ou tribal, e responsabilidade coletiva e culpa coletiva.”

As opiniões de Milei sobre Israel e o conflito em curso, então, são sionistas: ele demonstrou seu compromisso com Israel pelo menos já em junho de 2022, quando prometeu transferir a embaixada para Jerusalém se vencesse. Durante sua visita a Israel como presidente, Netanyahu considerou Milei “um grande amigo do Estado judeu” e ficou encantado com sua decisão sobre Jerusalém. Netanyahu disse que ambos “defendem” o livre mercado, mas deve ter esquecido que Israel não permite a propriedade privada de terras (todas as terras são de confiança pública), e o governo israelense interfere em todo o comércio com e dentro da Cisjordânia e da Faixa de Gaza (muitas vezes referido como o maior campo de concentração a céu aberto do mundo). Enquanto o “anticomunista” Milei deveria estar denunciando o Estado de Israel por realmente emular o manifesto comunista sobre a proibição da propriedade privada de terras e criticando a construção de assentamentos judaicos na Cisjordânia, que transformaram a Cisjordânia em prisões a céu aberto não contíguas controladas por Israel também, ele na verdade deu apoio irrestrito a um Estado que oprimiu os palestinos de quase todas as maneiras imagináveis por décadas.

Quando, em outubro de 2023, membros do Hamas, que, na época, dirigia a Faixa de Gaza, atacaram, mataram e sequestraram várias centenas de soldados e civis israelenses – embora uma parte das vítimas tenha sido resultado de “fogo amigo” das Forças de Defesa de Israel – então, qualquer libertário digno certamente teria condenado imediatamente tais atrocidades, mas também teria imediatamente entendido e reconhecido que o ataque do Hamas foi tão “não provocado” quanto o ataque russo à Ucrânia. Ambos foram definitivamente provocados pela conduta da liderança política ucraniana e israelense. E, em ambos os casos, suas provocações foram encorajadas, apoiadas e respaldadas pela liderança de gangues neoconservadoras predominantemente judaicas nos Estados Unidos. Ainda mais importante, todo libertário comprometido com o princípio da não agressão como pedra angular do libertarianismo também teria condenado em termos inequívocos a reação de Israel ao ataque do Hamas, por ser uma resposta desproporcional e uma atrocidade incomparável em sua magnitude e crueldade a qualquer outra coisa na história recente.

Para os libertários, tanto o Hamas quanto o Estado de Israel são gangues criminosas. A primeira é uma gangue pequena e de baixo orçamento, com armas em sua maioria de baixo nível; a segunda é uma gangue grande e de alto orçamento, fortemente subsidiada pelos EUA, com um grande exército e as armas mais sofisticadas e destrutivas disponíveis (incluindo bombas atômicas). O Hamas é um grupo formado em reação às décadas de tomada e ocupação sionista da Palestina. Diante desse pano de fundo, os libertários gostariam de desejar o pior aos líderes de ambas as gangues e a todos os líderes de gangues de Estados estrangeiros que prestam apoio a qualquer uma das gangues em guerra. Além disso, como na guerra Rússia-Ucrânia, os libertários devem levantar suas vozes em favor da paz e das negociações. Os líderes de gangues devem ser acusados de seus crimes e pressionados pela opinião pública a concordar com uma trégua imediata – e qualquer escalada do conflito armado deve ser evitada.

Como indicado, no entanto, não foi isso que aconteceu. Israel, ajudado pelos EUA e uma enxurrada contínua de fundos, armas e munições dos EUA, retaliou com tudo o que conseguiu. Toda a Faixa de Gaza foi transformada em escombros e dezenas de milhares de palestinos civis inocentes foram mortos por bombardeios, artilharia e tanques invasores sob o pretexto de defender Israel de um grupo terrorista – incluindo milhares de crianças, que não são combatentes por definição. E tudo isso continua acontecendo, até hoje, destruindo a vida de centenas de milhares de civis.

E a reação de Milei a tudo isso, então? Em março de 2024, Milei defendeu tudo isso como “direito de Israel à legítima defesa” e disse que o ataque do Hamas requer “respostas exemplares”, afirmando também que Israel “não está cometendo nenhum excesso, apesar dos excessos cometidos pelos terroristas do Hamas”. Em abril de 2024, após a resposta iraniana à política externa israelense, Milei voltou a expressar sua “solidariedade e compromisso inabaláveis com o Estado de Israel diante dos ataques iniciados pela República Islâmica do Irã”. O governo argentino apoia o Estado de Israel “na defesa de sua soberania, especialmente contra regimes que promovem o terror e buscam a destruição da civilização ocidental”. A Argentina adotou uma nova política externa baseada “na defesa dos valores ocidentais e de uma visão comum do mundo em defesa da vida, da liberdade e da propriedade privada”. Para o novo governo argentino, “o Estado de Israel é um baluarte dos valores ocidentais no Oriente Médio e a República Argentina estará sempre do seu lado contra aqueles que buscam seu extermínio”. Mais tarde, quando questionado em maio de 2024 sobre os protestos em universidades americanas a favor da Palestina, Milei dobrou a aposta dizendo que está do “lado certo da história” (dos EUA, de Israel e do Ocidente) e que eles usarão “todos os recursos” para se defender de terroristas.

Mesmo depois de todo esse tempo, Milei se mostrou incapaz de reconhecer os impulsos genocidas de vários líderes do Estado de Israel. Escandalosamente, embora ele considere o assassinato de nascituros como uma aberração, os assassinatos em massa de crianças totalmente formadas parecem não ser uma preocupação para ele – não surpreendentemente, o famoso especialista neoconservador sionista Ben Shapiro o ama.

Milei e a narrativa libertária

Seguindo Hoppe, a história só pode ser corretamente contada se for escrita essencialmente como “a história das vitórias e derrotas dos dominadores em suas tentativas de maximizar suas rendas adquiridas exploratoriamente, e dos dominados em suas tentativas de resistir a essa tendência e de tentar revertê-la”. Para explicar melhor, “a história precisa ser contada em termos de liberdade e exploração, parasitismo e empobrecimento econômico, propriedade privada e sua destruição”. No entanto, Milei até admira criminosos de guerra e governantes exploradores, como Ronald Reagan; e sua política externa e desregulamentação na Argentina se assemelham a um exemplo de desregulamentação interna e aumento da agressividade externa como o fornecido pelo próprio Reagan. Em cuja época, o movimento neoconservador foi fundido e amalgamado com o movimento conservador convencional. A paixão de Reagan pelas cruzadas, morais e militares, não era conservadora americana, mas era, no entanto, o resultado de um objetivo há muito desejado de justificar os impulsos belicistas do imperialismo americano para servir – é claro – a interesses especiais. Desde então, as principais figuras do movimento conservador costumam ser tão neoconservadoras quanto qualquer um.

De qualquer forma, Reagan é celebrado pelos neoconservadores, que se aproveitam de sua retórica anticomunista e antissocialista para apoiar a hegemonia do imperialismo americano. Milei está tocando a mesma canção, em vez de promover a narrativa libertária do revisionismo histórico que implica reconhecer as palavras do grande professor de Hoppe, Murray Rothbard, sobre o papel de determinados Estados no cenário internacional: o fato de que “a maior culpa pela guerra e pelo imperialismo no século XX pertence aos Estados Unidos e à Grã-Bretanha”, e que a maior fraude desses dois Estados é sua política externa supostamente defensiva e pacifista. No entanto, narrativas históricas defeituosas são protegidas pelos neoconservadores como verdades estabelecidas sobre a Primeira Guerra Mundial e a Segunda Guerra Mundial, sobre FDR e Churchill (a quem Milei admira “profundamente”), e assim por diante. E os libertários já têm as ferramentas para encontrar narrativas que são falsas ou misturadas com doses pesadas de ficção.

Milei e a luta adequada contra a esquerda e o estatismo

Os libertários devem se aliar aos neoconservadores para se opor à esquerda? Em primeiro lugar, em contraste com a Velha Direita decididamente não intervencionista, os neoconservadores – principalmente seus líderes, mas também seus seguidores públicos – são pessoas estatistas, nacionalistas, pró-guerra, pró-militaristas e imperialistas. Com base apenas nisso, qualquer aliança geral com eles é simplesmente impossível e contrária aos objetivos e princípios libertários. Assim, os libertários devem se aliar a outros não libertários apenas no que diz respeito a objetivos específicos em direção à liberdade. Embora não sejam necessariamente contraproducentes no curto prazo, alianças gerais com simpatizantes aparentemente libertários geralmente se mostram mais benéficas para os estatistas de tais alianças do que para os próprios libertários. Assim, as prioridades libertárias devem, em geral, recair sobre soluções e propostas locais e descentralistas e não nacionais e centralistas.

Em vez de ver a democracia liberal digna de apreciação como o presidente Milei, os libertários deveriam ver a democracia apenas como um meio para fins defensivos e libertários – eles deveriam promover candidatos e ideias antidemocráticas e ajudar a gerar constituintes antidemocráticos para impulsionar e implementar políticas para o reconhecimento e proteção dos direitos de propriedade privada. Junto com isso, os libertários devem buscar a secessão e a descentralização política radical, não apenas para reduzir a centralização e se opor ao fortalecimento do poder do Estado, mas também para tornar a responsabilização política o mais viável possível para conter a agressão institucionalizada e o desperdício econômico.

Conclusões

Até hoje, Milei demonstrou uma subserviência completa e inquestionável aos interesses e ambições imperialistas dos neoconservadores dos EUA e seus amigos sionistas em Israel, e uma igualmente completa e inquestionável falta de vontade de entender e compreender as forças ao redor do mundo que não estão dispostas a se curvar e obedecer a seus mestres ocidentais.

As palavras e ações de Milei tornaram imperativo que os verdadeiros libertários tomassem conhecimento da associação de seu nome com o libertarianismo e o movimento libertário. À medida que ele se desvia e cai em múltiplos e graves erros, incluindo os mais absurdos esforços propagandísticos de gangues governantes especialmente assassinas como a de Israel, os libertários deveriam se distanciar publicamente dele para preservar sua reputação e a de todo o edifício intelectual libertário.

Os desvios de Milei são, na verdade, renúncias aos princípios fundamentais da única doutrina libertária consistente sistematizada na tradição rothbardiana. Por exemplo, seu apoio irrestrito a Israel é essencialmente a rejeição e renúncia às próprias pedras angulares do sistema rothbardiano, como o princípio de não agressão que o próprio Milei pronuncia com tanta frequência. Portanto, acreditar que Hoppe (ou seu grande professor, Rothbard) ainda endossaria, depois de contrariadas todas as esperanças e desejos iniciais, o “libertarianismo” de Milei é simplesmente ridículo e ignorante. De fato, continuar chamando Milei de libertário deve ser considerado equivocado, pois significa fazer passar um neoconservador como libertário.*

 


* Quero agradecer a Hans-Hermann Hoppe por sua generosa ajuda na redação deste artigo.

 Artigo original aqui.

3 COMENTÁRIOS

  1. Nunca confiei muito nesse Millei. É obvio que um cara ligado ao FMI e abertamente adorador dos EUA será qualquer coisa menos um libertário pratico de fato. Os ancaps babaram ovo dele mais por ele ser um exemplo do “populista de direita” do rothbard, conceito esse que eu não concordo senão apenas como meio de disseminação de ideias.

  2. O atual presidente da Argentina não passa de mais um falsário e estelionatário que farejou no libertarianismo um nicho para se promover pessoalmente e embarcar em certa onda pretensamente liberal que pegou de cheio o Brasil e outros países da América Latina nos últimos anos. Não passa de mais um político minúsculo e hipócrita interessado em centralização e proibicionismos que, ao contrário de tirar a Argentina da lama atual vai afundá-la ainda mais a longo prazo.