Lockdowns e quarentenas não salvaram vidas, conclui meta-análise

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

As medidas da pandemia de Covid-19 foram um marco na forma como as sociedades ocidentais modernas restringiram as liberdades diante de um novo patógeno. É justo dizer que entramos em pânico naqueles fatídicos meses do começo de 2020. Desde então, as discussões acaloradas, as populações indignadas, as amizades perdidas e as batalhas moralistas dividiram as sociedades ao meio.

Naquela época, os políticos, em parte influenciados pela má modelagem epidemiológica, optaram por um conjunto de políticas que nos acostumamos a chamar de “lockdowns”. Eles geralmente envolviam vários graus de obrigatoriedade do fechamento de locais públicos, que as crianças saíssem da escola e ficassem em casa, que os empregadores desocupassem seus escritórios para que os funcionários não interagissem fisicamente ou decretos governamentais rígidos de que você não deve sair de casa.

Dois anos após este experimento, é hora de reunir as evidências. Os lockdowns cumpriram seu objetivo? Eles “salvaram vidas” e “pararam a propagação” e todos os outros slogans que infestaram nossos ouvidos?

Muitos tentaram responder isso. Existem muitos estudos que não mostram efeitos de mitigação de vírus dos lockdowns (mas mostram muitos danos secundários). O problema de compilar essas listas de estudos é que elas são montadas ad hoc, selecionando o resultado e não o estudo em si. Empilhar mais estudos potencialmente escolhidos a dedo uns sobre os outros não está realmente avançando a afirmação científica de que os lockdowns não previnem a morte. Está acumulando evidências confirmatórias para uma determinada hipótese, em vez de investigar de forma abrangente como a completa variedade de estudos atende os padrões.

Para avaliar um campo grande e extenso, os cientistas usam meta-estudos – um tipo de estudo metodológico que busca sistematicamente estudos e incorpora seus resultados em um todo combinado. Jonas Herby, do Centro de Estudos Políticos de Copenhague, na Dinamarca, Lars Jonung, da Universidade de Lund, e Steve Hanke, da Johns Hopkins, fizeram exatamente isso para o período inicial antes de 1º de julho de 2020. No ‘Uma revisão da literatura e meta-análise dos efeitos dos lockdowns na mortalidade por Covid-19’, recém publicado como um documento de trabalho da série Studies in Applied Economics da Johns Hopkins, eles reúnem as evidências da relação entre os lockdowns e as mortes por Covid-19.

Como há muito espaço para mexer nos estudos que compõem uma meta-análise, aqui está a estratégia de seleção completa que os autores usaram:

1) Eles examinaram mais de 18.000 estudos, a maioria dos quais não estava relacionada à questão específica da eficácia do lockdown.

2) Restaram 1.048 estudos, onde a maioria foi excluída por não responder às duas principais questões de elegibilidade:

  • O estudo mede o efeito dos lockdowns na mortalidade?
  • O estudo usa uma abordagem empírica diff-in-diff?

3) Dos 117 estudos restantes, os autores excluem 83 que eram duplicatas, modelagem usada ou controles sintéticos. Os estudos de quebra estrutural não foram suficientes, argumentam os autores, “já que o efeito dos lockdowns nesses estudos pode conter mudanças dependentes do tempo, como a sazonalidade”.

34 estudos, assim, entram em sua análise e são divididos em três segmentos: impactos de mortalidade associados ao rigor das políticas de Covid (seguindo a muito divulgada métrica de Oxford); Estudos sobre o fica em casa; e estudos que visam intervenções não farmacêuticas específicas.

Estudos como Flaxman et al. na revista científica Nature, que professou milhões de vidas salvas por meio de medidas de lockdown, são excluídos por causa de seu projeto de estudo forçado:

    “a única interpretação possível para os resultados empíricos é que os lockdowns são a única coisa que importa, mesmo que outros fatores como estação, comportamento etc. tenham causado a mudança observada na taxa de reprodução […]

Flaxman et ai. ilustram como é problemático forçar os dados a se adequarem a um determinado modelo se você quiser inferir o efeito dos lockdowns na mortalidade por COVID-19.”

Você não pode assumir a conclusão que deseja provar.

Da mesma forma, eles seguem Christian Bjørnskov na Universidade de Aarhus ao excluir estudos de controle sintético. Bjørnskov mostra que, em muitos desses estudos, as características dos países que eles criam sinteticamente não se pareciam em nada com os países do mundo real que eles imitavam e, portanto, questionavam muito os números empíricos derivados de tais exercícios.

Navegar pelo resumo dos resultados dos 34 estudos finais é uma leitura terrível para quem acredita em lockdowns (os autores publicam uma tabela com uma breve descrição de todos). Alguns mostram medidas que correspondem positivamente à mortalidade por Covid. Dos que encontram resultados estatisticamente significativos do sinal certo (com lockdowns tendo um efeito negativo na mortalidade), os impactos são notavelmente pequenos: geralmente porcentagens de um dígito, com vários estudos relatando resultados em torno de zero.

As estimativas combinadas nos estudos de rigor (mortes evitadas como proporção do total de mortes por Covid) ficam em torno de zero, com apenas um único estudo (Fuller et al. 2021) encontrando um grande impacto dos lockdowns na mortalidade por Covid-19. Ao ajustar a estimativa combinada para a estimativa altamente imprecisa desse estudo, Herby, Jonung e Hanke descobriram que a precisão ponderada média do efeito dos lockdowns na mortalidade por Covid-19 é de -0,2%:

    “Com base nos estudos do índice de rigor, encontramos pouca ou nenhuma evidência de que os lockdowns obrigatórios na Europa e nos Estados Unidos tiveram um efeito perceptível nas taxas de mortalidade por COVID-19”.

Quanto mais precisa a estimativa e mais limpo e abrangente o estudo, mais próximo de zero é o efeito dos lockdowns no Covid-19. Leia isso novamente. Quando revisamos os números com cuidado, qualquer efeito protetor inicial dos lockdowns nas mortes por Covid desaparece.

Os estudos do Fica Em Casa não se saem muito melhor. Embora o resultado final seja um pouco melhor (-2,9%), novamente, a maioria dos estudos mostra efeitos que se agrupam em torno de zero (ou porcentagens negativas baixas de um dígito):

    Não encontramos evidências claras de que as ordens de ficar em casa tenham um impacto perceptível na mortalidade por COVID-19. Alguns estudos encontram uma grande relação negativa entre lockdowns e mortalidade por COVID-19, mas isso parece ser causado por séries curtas de dados que não cobrem uma “onda” completa de COVID-19. Vários estudos encontram uma pequena relação positiva entre lockdowns e mortalidade por COVID-19. Embora isso pareça ser contra-intuitivo, pode ser o resultado de uma pessoa infectada (assintomática) ordenada a ficar isolada em casa pode infectar membros da família com uma carga viral mais alta, causando doenças mais graves.

Finalmente, no segmento de intervenções não farmacêuticas, podemos discernir uma lasca de justificativa para o argumento do lockdown. O conjunto de estudos é um pouco mais disperso, pois avalia diferentes intervenções (escolas, fechamento de fronteiras, aglomerações, máscara etc.) e, portanto, mais difícil de comparar. Ainda assim, escreve Herby, Jonung e Hanke:

     “não há evidências de uma relação perceptível entre os intervenções não farmacêuticas mais usados ​​e o COVID-19. No geral, os lockdowns e a limitação de reuniões parecem aumentar a mortalidade por COVID-19, embora o efeito seja modesto (0,6% e 1,6%, respectivamente) e o fechamento de fronteiras tenha pouco ou nenhum efeito na mortalidade por COVID-19”.

O maior efeito que sai dessa meta-análise é o efeito do fechamento de serviços não essenciais, principalmente bares, que foi associado a 10,6% menos mortes por covid.

Os autores são bastante severos em suas conclusões finais. Os lockdowns não reduziram significativamente a mortalidade por Covid-19: “o efeito é pouco ou nenhum”.

O melhor argumento que podemos fazer para os lockdowns é que o pequeno impacto que eles podem ter causado temporariamente na prevenção de mortes não vale o incômodo, a dor, a turbulência social, a miséria e o sofrimento humano que os acompanharam.

Algum dos responsáveis vai admitir esse erro de política?

 

 

 

Artigo original aqui

Leia também:

Quarentenas não controlam o Coronavírus: a evidência

Mais de 400 estudos sobre o fracasso das medidas dos governos contra a Covid

Quarentenas não reduzem a propagação do COVID, mostram três estudos

Dados mostram que quarentenas e máscaras não fazem nada contra o vírus

Fechamento de academias e parques foi mais um crime contra a saúde pública, apontam 3 estudos

Nenhuma relação entre quarentenas e diminuição da taxa de mortalidade COVID, comprovou um novo estudo

Um abrangente estudo contra quarentenas: como o Dr. Ari Joffe mudou de ideia

As evidências continuam se acumulando: quarentenas não funcionam

A OMS inverte o discurso, agora aconselha contra as quarentenas ‘punitivas’

Quarentenas e máscaras não reduzem a transmissão e mortes de COVID, mostra um novo estudo

Cientista do MIT: lockdowns não estão relacionados a menos mortes (mas estão relacionados a mais desemprego)

Novo estudo revisado por pares: quarentenas não adiantam contra o coronavírus

Estados livres se saíram muito melhor do que Estados com lockdown, mostram novos dados

Sem lockdown, a Suécia teve uma taxa de mortalidade mais baixa do que a maioria da Europa em 2020

Foi um erro fechar as escolas, diz estudo britânico