Steve Bannon entrevista o heroico arcebispo Viganò

1

Excelência, depois da psico-pandemia, temos agora a crise russo-ucraniana. Estamos na “fase dois” de um único projeto, ou podemos considerar que a farsa do Covid acabou e nos preocupar com o aumento dos preços da energia?

Se nos últimos dois anos tivéssemos sido confrontados com uma verdadeira pandemia, causada por um vírus mortal para o qual não existiam outras curas a não ser uma vacina, poderíamos pensar que a emergência não foi planejada. Mas não foi isso que aconteceu: o vírus SARS-CoV-2 nada mais é do que uma gripe sazonal que poderia ter sido curada com tratamentos existentes e prevenção eficaz baseada no fortalecimento das defesas imunológicas. A proibição do tratamento, o descrédito da eficácia de medicamentos em uso há décadas, a decisão de internar idosos que adoeceram em asilos e a imposição de um tratamento genético experimental que se mostrou não apenas ineficaz, mas também prejudicial e muitas vezes fatal – tudo isso nos confirma que a pandemia foi planejada e gerenciada com o objetivo de causar o maior dano possível. Este é um fato que foi estabelecido e confirmado pelos dados oficiais, apesar da falsificação sistemática desses mesmos dados.

Certamente, aqueles que queriam administrar a pandemia dessa maneira não estão dispostos agora a ceder facilmente, até porque há interesses bilionários por trás de tudo isso. Mas o que “eles” querem nem sempre acontece necessariamente.

Na sua opinião, Excelência, a pandemia foi gerida desta forma por inexperiência? Ou foi devido à corrupção de quem está em posição de controle que está em conflito de interesses porque é pago pela indústria farmacêutica?

Este é o segundo elemento a considerar: a resposta à pandemia foi a mesma em todo o mundo, onde as autoridades de saúde se adaptaram servilmente a protocolos de saúde contrários à literatura científica e à evidência médica, seguindo as diretrizes dos autoproclamados “especialistas”, que têm um histórico de fracassos estrondosos, previsões apocalípticas completamente divorciadas da realidade e gravíssimos conflitos de interesse. Não podemos pensar que milhões de médicos em todo o mundo perderam seus conhecimentos básicos da arte da medicina, acreditando que uma gripe deveria evoluir para pneumonia e depois ser tratada com taquipirina ou colocando os pacientes em ventiladores. Se o fizeram, é por pressão – até chantagem – das autoridades sanitárias sobre o pessoal médico, com a ajuda de uma escandalosa campanha de terrorismo mediático e com o apoio de dirigentes ocidentais. A maioria desses líderes são membros de um lobby – o Fórum Econômico Mundial – que os treinou e os colocou nos mais altos níveis das instituições nacionais e internacionais para ter certeza de que os governantes seriam obedientes. Klaus Schwab se gabou publicamente, em muitas ocasiões, de poder interferir até mesmo com líderes religiosos. Esses também são fatos documentados em todas as nações que seguiram as diretrizes da OMS e das empresas farmacêuticas. Há claramente um único roteiro sob uma única direção: isso demonstra a existência de um desígnio criminoso e a malícia de seus criadores.

Em algumas de suas outras declarações, você falou de um “golpe branco” (um “golpe silencioso”).

Um “golpe silencioso” é um golpe de estado que ocorre sem o uso da força, realizado por um governo que exerce o poder de forma inconstitucional.

Nesse caso, o golpe foi realizado em todas as nações ocidentais quase simultaneamente, começando nos primeiros anos da década de 1990. Esse golpe ocorreu com uma série de transferências progressivas de soberania das Nações para entidades supranacionais como a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu, o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial. Com a introdução do euro [em 2002], a soberania monetária foi retirada das nações aderentes ao Tratado de Maastricht, transferindo-a para o Banco Central Europeu, que é um banco privado. Este banco decide a taxa com que financia os orçamentos nacionais, usando o dinheiro que essas mesmas nações já lhe deram. Na prática, o Banco Central Europeu exige juros sobre o dinheiro que só rende um centavo de cada vez, e apenas sob certas condições: reformas, cortes nos gastos públicos, imposição de leis que promovam a igualdade de gênero, direitos ao aborto, doutrinação de crianças etc.

Todos os membros desses órgãos, incluindo os mesmos governantes que foram nomeados por recomendação de poderes não eleitos ou que conseguiram vencer eleições graças à manipulação de informações, são ao mesmo tempo servidores de grupos de alto poder financeiro ou de grandes fundos de investimento – alguns eram seus funcionários, como Draghi do Goldman Sachs – outros se tornaram funcionários após o término do mandato. Assim como as agências de medicamentos e organizações de saúde são compostas por ex-funcionários da BigPharma, que geralmente recebem contratos de consultoria e são pagos pelas próprias empresas farmacêuticas que deveriam estar de olho.

Até a pandemia, o poder ainda era, na prática, administrado pelo menos formalmente por nações individuais, e as leis eram aprovadas pelos parlamentos. Mas nos últimos dois anos, os Parlamentos foram privados de autoridade, e todos aqueles que o Fórum Econômico Mundial e outros lobbies conseguiram colocar nos altos níveis dos governos e instituições internacionais começaram a legislar contra a Constituição e os interesses da Nação, obedecendo às ordens que lhes são dadas do alto – “dos mercados”, dizem-nos – que na verdade é composta por um número muito pequeno de corporações multinacionais que engolfam empresas concorrentes, achatam competências profissionais com prejuízo à qualidade do produto e reduzem a proteção e os salários dos trabalhadores graças à cumplicidade dos sindicatos e da esquerda.

Em suma, somos governados por um alto comando de usurários e especuladores, de Bill Gates que investe em grandes fazendas logo às vésperas da emergência alimentar ou em vacinas pouco antes da eclosão da pandemia, a George Soros, que especula sobre flutuações de moedas e títulos do governo e junto com Hunter Biden financia um biolaboratório na Ucrânia.

Pensar que não há relação entre os instigadores desses crimes e aqueles que os realizam nos mais altos níveis dos governos nacionais, da UE e da ONU é um sinal de má-fé, porque até uma criança pode entender que estamos presos como reféns de um grupo de tecnocratas que são ideologicamente perversos e moralmente corruptos. Os povos do mundo precisam reivindicar sua soberania, que foi usurpada pela elite globalista.

Os instigadores deste crime mostram-se orgulhosos no Fórum de Davos, em reuniões da Comissão Trilateral ou do Grupo Bilderberg junto com os governantes, primeiros-ministros, diretores de jornais e emissoras de televisão, CEOs de banqueiros sociais e diretores de plataformas sociais e corporações multinacionais, banqueiros e diretores de agências de classificação de risco, presidentes de fundações e autodenominados filantropos. Todos eles compartilham a mesma agenda – que publicam em seus sites – e estão tão confiantes em seu próprio poder que afirmam impunemente – como Soros e Schwab fizeram recentemente – que é preciso criar uma narrativa a ser veiculada através da grande mídia, a fim de tornar suas decisões aceitáveis ​​para o povo. Eles adotam a censura e a manipulação em massa como instrumentum regni, e tivemos provas disso tanto com a farsa da pandemia quanto com a propaganda pró-Zelensky na Ucrânia.

Devemos entender que nossos governantes são traidores de nossa Nação que se dedicam à eliminação de populações, e que todas as suas ações são realizadas para causar o maior dano aos cidadãos. Não é um problema de inexperiência ou incapacidade, mas sim de uma intentio nocendi – uma intenção deliberada de prejudicar. Cidadãos honestos acham inconcebível que aqueles que os governam possam fazê-lo com a perversa intenção de miná-los e destruí-los, tanto que eles acham muito difícil de acreditar nisso. A causa principal deste gravíssimo problema encontra-se na corrupção da autoridade e na obediência resignada dos governados.

Também a Igreja Católica, a partir da revolução do Vaticano II e sobretudo durante os últimos nove anos do “pontificado” de Bergoglio, experimentou a mesma dissonância cognitiva: os fiéis e o Clero se resignaram a obedecer a meros funcionários públicos cínicos – que são não menos corruptos e pervertidos do que suas contrapartes no estado profundo – embora tenha sido evidente que o propósito das supostas “reformas” sempre foi a destruição sistemática da Igreja por seus líderes mais altos, que são hereges e traidores. E noto que a igreja profunda recorreu aos mesmos falsos argumentos para fazer passar a dissolução doutrinal, moral e litúrgica: em primeiro lugar, a falsa alegação de que essas reformas foram solicitadas “de baixo para cima” e não imposta à força de cima para baixo. Assim como as reformas planejadas pelo Fórum Econômico Mundial, o grupo Bilderberg e a Trilateral são adotadas por seus infiltrados nos mais altos níveis das nações e organismos internacionais, fazendo parecer que seus planos são ratificados por consenso popular.

E o que aconselha, Excelência, para sair deste beco sem saída?

O respeito pela autoridade é conatural ao homem civilizado, mas é preciso distinguir entre obediência e servilismo. Veja, toda virtude consiste na justa média entre dois vícios opostos, sem ser um meio-termo, mas estando no cume entre dois vales, por assim dizer. A desobediência peca por não alcançar o almejado, não querendo se submeter a uma boa ordem de uma autoridade legítima; o servilismo, por outro lado, peca pelo excesso, submetendo-se a ordens injustas ou de autoridade ilegítima. O bom cidadão deve saber desobedecer à autoridade civil, e o bom católico saber fazer o mesmo com a autoridade eclesiástica, desobedecendo sempre que a autoridade exigir obediência a uma ordem iníqua.

Essa conversa não parece um pouco revolucionária, Excelência?

Longe disso. Tanto os anarquistas quanto os cortesãos têm um conceito distorcido de autoridade: os primeiros a negam, enquanto os segundos a idolatram. O meio justo é o único caminho moralmente viável, porque responde à ordem que o Senhor imprimiu ao mundo e que respeita a hierarquia celeste. Devemos obediência à autoridade legítima na medida em que seu poder é exercido para os fins para os quais a autoridade foi estabelecida por Deus: o bem temporal dos cidadãos no caso do Estado e o bem espiritual dos fiéis no caso do Igreja. Uma autoridade que impõe o mal a seus súditos é por isso mesmo ilegítima e suas ordens são nulas. Não esqueçamos que o verdadeiro Senhor de quem vem toda autoridade é Deus, e que a autoridade terrena – tanto civil como espiritual – é sempre vicária, ou seja, está sujeita à autoridade de Jesus Cristo, Rei e Sumo Sacerdote. Colocar a autoridade vicária dos governantes no lugar da autoridade real do Senhor é um gesto louco e – sim – revolucionário e rebelde.

O que a elite quer obter? Promete-nos paz, segurança, prosperidade e emprego, mas há mais de cinquenta conflitos armados ocorrendo atualmente no mundo; nossas cidades são inabitáveis, cheias de criminosos, imersas em decadência e dominadas por minorias de pessoas perversas.

Este é o terceiro elemento indiscutível que não deve ser esquecido: a pandemia foi planejada como instrumento para a instauração de um regime totalitário, concebido por tecnocratas não eleitos e desprovidos de qualquer sentido de representação democrática.

A mesma coisa está acontecendo com a crise da Ucrânia: a maioria dos cidadãos não é absolutamente a favor de enviar armas para a Ucrânia e impor sanções contra a Federação Russa, e ainda assim os chefes de governo agem como se tivessem o total apoio de suas próprias nações, apoiados por falsificações embaraçosas da realidade pela grande mídia. E em alguns países, como a Itália, isso ocorre em uma situação de inquietante cumplicidade por parte de todos os poderes do Estado, tanto para legitimar a violação de direitos fundamentais sob os regulamentos anti-Covid, quanto para ratificar a participação em um conflito mesmo embora nunca tenha havido qualquer deliberação sobre a sua entrada por parte do Parlamento italiano, e que até o Presidente da República, o garantidor da Constituição, aprova e encoraja, para aplausos dos tecnocratas europeus. Também neste caso, aqueles que governam não obedecem à vontade do povo, que não buscam o bem comum, mas obedecem a ordens que lhes são transmitidas por entidades supranacionais com interesses próprios, que sabemos serem subversivos.

Quando falam de “transformação de bens em serviços”, de “economia compartilhada” por meio do setor digital, pretendem expropriar a propriedade privada dos cidadãos: “Você não terá nada e será feliz”. E quando impõem a privatização de bens ou serviços estatais, querem apropriar-se dos lucros deixando os custos nas costas da comunidade. Mas, como nem todos os países estão dispostos a fazer esse “reinício”, eles os estão forçando a aceitá-lo, provocando crises econômicas, pandemias e guerras. Isso é alta traição e subversão.

A natureza premeditada dessa subversão é descaradamente clara, assim como a consciência das consequências desastrosas das decisões sociais, econômicas e de saúde que foram tomadas em relação à pandemia e à crise na Ucrânia. Bergoglio também admitiu isso: um chefe de Estado revelou-lhe, meses antes da operação militar de Putin na Ucrânia, que a OTAN e a União Europeia estavam provocando deliberadamente a Federação Russa, depois de terem ignorado durante anos a limpeza étnica levada a cabo por Kiev contra a minoria de língua russa em Donbass e na Crimeia. O objetivo dessa provocação era desencadear um conflito que forneceria uma cobertura para legitimar a imposição de sanções contra a Federação Russa e forçar as nações ocidentais a realizar a “transição verde”. E, ao mesmo tempo, prostraria a economia das nações em benefício de alguns fundos internacionais de investimento e especulação de mercado. Em essência, são dadas as mesmas premissas que foram dadas para justificar os Enclosure Acts na Inglaterra e depois o Holodomor na Ucrânia para transformar as massas camponesas em mão de obra barata para a industrialização das grandes cidades. Se o objetivo fosse evitar a guerra, a OTAN não deveria ter sido ampliada em violação aos tratados, e a proteção deveria ter sido assegurada para a minoria de língua russa na Ucrânia, conforme exigido pelo Protocolo de Minsk de 2014.

Como isso não foi feito, é porque o verdadeiro propósito que eles quiseram alcançar não tem nada a ver com o propósito aparente que eles declararam publicamente. E noto que não são especulações abstratas, mas fatos concretos que foram antecipados e planejados décadas atrás pelos teóricos do Grande Reinício, com o objetivo de forçar uma mudança social que ninguém quer, fazendo a economia e as finanças do mundo ocidental recomeçar do zero – assim como se reinicia um computador.

O fato de que isso cause miséria, bancarrota, falência de empresas, desemprego, instabilidade social, ampliação do fosso entre ricos e pobres, queda da natalidade e redução de serviços essenciais é considerado um detalhe insignificante, com a única preocupação de doutrinar as massas com falsos argumentos a favor da guerra ou do controle de cada detalhe da vida das pessoas, criminalizando quem discorda e apontando-o como inimigo do povo. Parece-me que esta narrativa está afundando sob o peso das mentiras da elite e de seus cúmplices.

Poderia nos dar um exemplo, Excelência?

O exemplo mais óbvio é descobrir que Richard Kalergi, um dos fundadores da União Europeia, queria seguir políticas de engenharia social destinadas a modificar as sociedades nacionais europeias por meio de imigração e cruzamento, gerando ondas migratórias com a atratividade de custos trabalhistas mais baratos. Ver a perversa obstinação com que as ondas de imigrantes ilegais continuam a ser acolhidas, mesmo quando é evidente o impacto que este fenómeno tem na segurança das cidades e na taxa geral de criminalidade e na identidade das populações nacionais, demonstra que o plano inicial foi realizado em sua maior parte, e que medidas devem ser tomadas para evitar que ele seja concluído.

E, no entanto, não são coisas que acontecem por acaso: eles nos disseram isso.

Você está absolutamente certo: o que me desconcerta é constatar com que imprudência os proponentes da Agenda 2030 nos disseram com bastante antecedência quais projetos criminosos pretendiam nos impor contra nossa vontade; apesar dessa evidência, há aqueles que se surpreendem que, após anos de infiltração imparável, eles estejam realmente realizando seus planos bem na frente de nossos olhos, mesmo quando nos acusam de ser “teóricos da conspiração”. Há definitivamente uma conspiração, mas quem deve ser julgado são os que a realizaram, não os que a denunciam.

Joe Biden coloca a responsabilidade pela crise sobre Vladimir Putin. Você concorda com esse julgamento?

Os americanos estão bem cientes de que o preço da gasolina subiu muito antes da crise russo-ucraniana e aumentou ainda mais devido a sanções – reais ou supostas – da comunidade internacional contra a Federação Russa. Hoje sabemos que as sanções – como era previsível – não afetaram Putin em nada, mas o motivo por trás delas é que elas deveriam atingir as nações ocidentais, e em particular as nações da Europa, a fim de provocar uma crise econômica e energética por meio das quais legitimar a transição ecológica, racionamentos, controle populacional e censura da informação.

Putin não mordeu a isca que lhe foi oferecida pelas provocações do estado profundo, limitando-se a intervir apenas quando necessário para dar segurança e proteção ao Donbass de língua russa. E invadiu a siderúrgica Azovstal, que escondia um dos biolaboratórios americanos secretos que produziam armas bacteriológicas e realizavam experimentos com SARS-CoV-2. Por outro lado, a família Biden tinha todo o interesse em causar uma guerra na Ucrânia, a fim de encobrir os casos de corrupção envolvendo Hunter Biden e distrair as pessoas dos escândalos iminentes que pairavam sobre Obama e Hillary Clinton para o Russiagate e sobre o estado profundo pela fraude eleitoral perpetrada contra Trump.

A guerra por procuração dos EUA contra a invasão russa é na realidade uma guerra do estado profundo contra uma nação que se recusou a aceitar ser engolida pelas ilusões dos tecnocratas globalistas e que hoje tem provas dos crimes cometidos pelo estado profundo. Mas enquanto a UE pode chantagear as nações europeias, vinculando o desembolso de fundos e taxas de juros de empréstimos à implementação de “reformas” – uma vez que essas nações têm soberania monetária e fiscal limitada – o mesmo não acontece com a Rússia, que é uma nação soberana e independente, bem como como auto-suficiente em matéria-prima, energia e recursos alimentares agrícolas.

Esta visão bipolar, que repropõe o confronto da Guerra Fria entre os EUA e a URSS, não é mais válida?

A esquerda hegemônica estabeleceu uma divisão maniqueísta entre o bem e o mal: esquerda x direita, liberalismo x fascismo, globalismo x soberanismo, vacinismo x anti-vacinas. Os “mocinhos” são obviamente os da esquerda: progressistas, mas solidários, globalistas, inclusivos, ecumênicos, resilientes e sustentáveis. Os “bandidos” são obviamente patriotas, cristãos, direitistas, soberanos e heterossexuais.

O que distingue a estrutura atual dos países ocidentais do passado?

A fusão do pior do liberalismo com o pior do socialismo coletivo. Hoje vemos, depois de dois anos da farsa da pandemia, como o liberalismo globalista fez uso de métodos comunistas e ditatoriais para se impor com seu Grande Reinício, e como os regimes comunistas estão usando métodos liberais para enriquecer os altos escalões do partido sem perder controle total sobre a população. Isso demonstra que o equilíbrio geopolítico está mudando para uma visão multipolar e que o bipolarismo alimentado pelo estado profundo está em declínio.

Existe alguma analogia entre o que está acontecendo na Igreja Católica sob o pontificado de Jorge Mario Bergoglio?

A igreja profunda é um desdobramento do estado profundo, em certo sentido. Por isso, não deve nos surpreender que estejamos testemunhando a demolição da Fé e da Moral em nome do ecumenismo e da sinodalidade, aplicando erros liberais na esfera teológica; e, por outro lado, a transformação do Papado e da Cúria Romana em um politburo em que a autoridade eclesiástica é absoluta e também desvinculada de sua fidelidade ao Magistério, seguindo as modalidades do exercício do poder em uma ditadura de tipo comunista. A lei não se baseia mais na justiça, mas na conveniência e utilidade de quem a aplica: basta ver com que severidade o clero e os fiéis tradicionais são tratados pelo Vaticano e, por outro lado, com quanta indulgência o Vaticano elogia notórios ativistas pró-aborto (penso em Biden e Pelosi entre os casos mais marcantes), bem como os propagandistas da ideologia LGBTQ e da teoria de gênero. Também aqui o liberalismo e o comunismo formaram uma aliança para demolir a instituição por dentro, assim como aconteceu na esfera civil. Mas sabemos que contra legem fit, quod in fraudem legis fit – o que burla a lei é feito contra a lei.

Excelência, como você acha que as coisas nos Estados Unidos podem mudar no futuro próximo?

O eventual retorno de Donald Trump à Casa Branca permitiria negociações de paz reais, uma vez que o estado profundo fosse erradicado do governo e das agências governamentais. Mas a reconstrução certamente exigirá a colaboração e o sacrifício de todos, e uma sólida visão espiritual que inspire a reconstrução do tecido social. Se tudo isso aconteceu através da fraude eleitoral demonstrada da última eleição presidencial, a vitória de Trump seria ainda mais marcante e teria fortes repercussões nas ramificações do estado profundo na Europa e em particular na Itália.

De qualquer forma, as eleições de meio de mandato podem permitir que os republicanos tenham maioria na Câmara e no Senado, uma vez que os servidores do estado profundo – incluindo antes de tudo os “neoconservadores” – forem destituídos.

O fracasso do esforço de culpar Trump pela farsa do ataque ao Capitólio deve dissuadir seus organizadores – entre os quais não podemos deixar de citar Nancy Pelosi – de tentar replicar a cena no próximo outono, que cairia no grotesco, além de ser um caso de déjà vu.

Então o Grande Reinício falhou? Podemos cantar vitória?

Uma vitória só pode ser cantada quando a guerra foi vencida. O Grande Reinício está ontologicamente destinado ao fracasso, pois é inspirado em princípios desumanos e diabólicos. Mas o seu fim, por mais inevitável que seja, ainda pode demorar algum tempo, dependendo da nossa capacidade de oposição e também do que está contido nos planos da Divina Providência.

Se o Senhor quer nos conceder uma trégua, um período de paz depois que entendemos quão horrível é o inferno na terra que os inimigos de Deus e do homem desejam, então devemos nos comprometer a reconstruir – não “reconstruir melhor”, mas apenas ao contrário – sim, reconstruir o que foi destruído: a família, o vínculo matrimonial, a educação moral dos filhos, o amor à pátria, a dedicação ao trabalho e a caridade fraterna, especialmente para com os mais indefesos e necessitados. Devemos reafirmar a santidade e sacralidade intocável da vida desde a concepção até a morte natural; defendendo a complementaridade dos dois sexos contra a insanidade da ideologia de gênero, protegendo as crianças da corrupção e garantindo a inocência a que têm direito. Devemos finalmente deixar de lado a lógica do lucro – que é típica da mentalidade liberal – para recuperar o orgulho de cumprir nosso dever mesmo quando ninguém está nos observando, de produzir o que fazemos de maneira profissional e vendê-lo a um preço honesto. E devemos parar de nos considerar inferiores simplesmente porque alguém decidiu que, em seu modelo ímpio de sociedade distópica, ser honesto, leal, sincero e temente a Deus é algo para se envergonhar. Quem deveria se envergonhar, sim, são aqueles que clamam pela matança de crianças e idosos, o extermínio planejado da população por meio de campanhas de vacinas perversas, esterilização em massa, sodomia, pedofilia e todas as aberrações mais desviantes.

Excelência, acredita que o mundo pode voltar para Deus?

O mundo pode e deve retornar a Deus: esta é uma necessidade ditada pela ordem divina que o Criador imprimiu na criação. Deve retornar a Deus, porque somente onde Cristo reina pode ali haver verdadeira justiça e verdadeira paz. E o mundo pode fazer isso, mas não em uma visão coletivista ou comunitária em que os indivíduos desaparecem na massa, mas em uma visão pessoal e individual, em que cada um de nós reconhece livremente que nada pode ser melhor do que o que Nosso Pai Celestial preparou para nós, pois nos ama e quer nos tornar participantes de sua glória.

Se todos nós retornarmos a Deus, nossas nações também reconhecerão Seu Senhorio e conformarão suas leis à Sua Lei. Rezemos, portanto, para que se realize o que canta o salmista: Laudate Dominum omnes gentes; laudate eum omnes populi (Sl 116,1) – Louvai ao Senhor todas as nações, louvai-o todos os povos. Quoniam confirmata est super nos misericordia ejus; et veritas Domini manet in æternum (Sl 116,2) – Pois a sua Misericórdia é confirmada sobre nós, e a Verdade do Senhor permanece para sempre.

 

 

+ Carlo Maria Viganò, Arcebispo

21 de junho de 2022, São Luís Gonzaga

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. Amém Pastor Viganó.
    Que análise profunda da realidade e o quanto os objetivos dos satanistas são simples.
    O secretário do Diabo, MrsKlaus Schwaab, propagador e popularizador do conceito do “Grande Reset”, tem um busto do camarada Lênin e seu escritório. Literalmente ele recebe ordens lá de baixo….

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.