O fracasso da “economia moderna”

7
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Título original The Failure of the ‘New Economics’

Autor: Henry Hazlitt

Créditos da tradução:

 Organização

Wallace Nascimento

 Tradução

João Henrique Cedraz

Lucas Kuhn

Leonardo Antônio de Araujo

dvaal

Matheus Ferreira Santos

Pablo Tavares

Rodolfo Faria Esteves

Wallace Nascimento

 Revisão

Panda, o Poeta

Wallace Nascimento

 Diagramação

Matheus Ferreira Santos

Capa: Fernando Chiocca

 

 

Conteúdo

Prefácio

I. Introdução

  1. Canonização
  2. Usos da refutação
  3. Um pioneiro que abre caminho?
  4. A teoria “geral”
  5. Postulados da Economia Keynesiana
  6. O que é a teoria clássica do emprego?
  7. Taxas salariais e desemprego
  8. Sem “níveis gerais” de salário
  9. Economia “não euclidiana”

II. Postulados da Economia Keynesiana

  1. O que é a teoria clássica do emprego?
  2. Taxas salariais e desemprego
  3. Sem “níveis gerais” de salário
  4. 4. Economia “não euclidiana”

III. Keynes vs. Lei de Say

  1. A “grande realização” de Keynes
  2. A declaração de Ricardo
  3. A Resposta de Haberler
  4. Poupar é gastar

IV. A Abertura

  1. “Demanda efetiva”
  2. A propensão a consumir
  3. Desprezo à poupança

V. “Unidades de Trabalho” e “Unidades de Pagamento”

VI. O Papel das Expectativas

VII. “Estática” vs. “Dinâmica”

Apêndice sobre “custo do usuário”

VII. “Estática” vs. “Dinâmica”

Apêndice sobre “custo do usuário”

VIII. Renda, Poupança e Investimento 

  1. Definições confusas
  2. Por que “poupança” equivale à “investimento”
  3. Poupança como um vilão
  4. Paradoxos keynesianos
  5. A poupança pode ser impressa?

IX. “A Propensão para Consumir”: I

  1. Digressão na matemática econômica
  2. A “lei psicológica fundamental”
  3. A ambiguidade da “função consumo”.
  4. O significado de “poupar”.
  5. O fantasma dos fundos de amortização
  6. Resumindo

X. “A Propensão para Consumir”: II

  1. Razões para não gastar
  2. O medo da poupança

XI. “O Multiplicador”

  1. A mágica da coisa
  2. Não fixo ou previsível
  3. “Poupança” e “investimento” novamente
  4. “Investimento” significa gastos governamentais
  5. Paradoxos e pirâmides

XII. “A Eficiência Marginal do Capital”

  1. Termos escorregadios
  2. As taxas de juros incorporam as expectativas
  3. Efeitos da inflação esperada
  4. O empréstimo duplica o risco?
  5. Confusões sobre “estática” e “dinâmica”

XIII. Expectativa e Especulação

  1. O estado de confiança
  2. Ficções sobre o mercado de ações
  3. Jogar, especular e empreender

XIV. “A Preferência por Liquidez”

  1. Não há “liquidez” sem poupança
  2. O dinheiro é um ativo produtivo
  3. Juros não são puramente monetários

XV. A Teoria dos Juros

  1. Um “problema não solucionado”
  2. Teorias de produtividade
  3. Teorias de Preferência Temporal
  4. Teorias de juros mistas
  5. Fatores reais e monetários

XVI. Confusões Acerca do Capital

  1. Sobre ficar sem jantar
  2. Poupança, investimento e oferta monetária
  3. Produção indireta
  4. Abundância ilimitada

XVII. “Taxas de Juro Internas”

  1. As antecipações especulativas não são “juros”
  2. Milagres impossíveis
  3. Os salários devem ser rígidos?
  4. Nós devemos nossas vidas à poupança
  5. Keynes vs. Wicksell
  6. “Equilíbrio” de um cubo de gelo

XVIII. A Teoria Geral Reafirmada 

  1. Inter-relações Econômicas
  2. Desemprego “Estável”
  3. A Demanda por Trabalho é Elástica
  4. Estabilizar salários – ou emprego?

XIX. Desemprego e Taxas Salariais

  1. O desemprego é causado pelas taxas salariais
  2. As taxas salariais não são rendimentos salariais
  3. “Elasticidade” da demanda de trabalho
  4. Falácias da Economia Agregada
  5. O ataque às taxas salariais flexíveis
  6. Inflação vs. ajustes fragmentados
  7. Uma teoria de classe do desemprego

XX. Empregos, Dinheiro e Preços

  1. Uma relação “funcional” não comprovada
  2. Teoria geral do valor vs. teoria monetária

XXI. Preços e Dinheiro

  1. “Custos” são Preços
  2. A teoria positiva do dinheiro
  3. Qual teoria dos preços?
  4. Outra digressão sobre “matemática” econômica
  5. A “elasticidade” da demanda não pode ser medida
  6. Taxas salariais sacrossantas, taxas de juros pecaminosas
  7. Inflação monetária preferida ao ajuste salarial
  8. Esses credores arbitrários

XXII. O “Ciclo Econômico”

  1. Um “repentino colapso” da “eficiência marginal de capital”?
  2. Quando Governos Controlam o Investimento
  3. A vida de ativos duráveis
  4. Uma política de inflação permanente
  5. Mais carroças antes de cavalos
  6. Manchas solares além dos olhos

XXIII. Retorno ao Mercantilismo?

  1. “Deixe os bens serem caseiros”
  2. Breves comentários sobre breves comentários
  3. Mercantilistas sábios, economistas estúpidos
  4. A Religião dos Controles Governamentais
  5. Canonização das manivelas
  6. Mandeville, Malthus e os avarentos
  7. A contribuição de Mill
  8. J. A. Hob filho e Major Douglas

XXIV. Keynes se Deixou Levar

  1. Desigualdades de Rendimento
  2. A eutanásia do rentista
  3. Roubando produtividade
  4. A socialização do investimento
  5. As “causas econômicas da guerra”
  6. O poder das ideias

XXV. Keynes se retratou?

  1. “O remédio clássico”
  2. Contradições subjacentes

XXVI. “Pleno Emprego” Como Objetivo 

  1. É definível?
  2. É atingível?
  3. É incondicionalmente desejável?

XXVII. “A Abordagem Nacional de Renda”

  1. A renda nacional é determinada?
  2. Seus perigos para a política

XXVIII. As Políticas Keynesianas

  1. Os déficits curam o desemprego?
  2. O dinheiro barato cura o desemprego?
  3. Corrida com a Impressora Pública

XXIX. Recapitulando

Uma Nota Sobre Livros

Apêndice A – as Profecias de 1919

Apêndice B

Apêndice C

Apêndice D

Taxas de juros e ciclos econômicos

 

 

7 COMENTÁRIOS